Batalha de Arica: causas, desenvolvimento, heróis e consequências

A batalha de Arica foi um confronto bélico na Guerra do Pacífico, um conflito armado que colocou o Chile contra a coalizão formada pelo Peru e pela Bolívia. Também conhecida como assalto e captura do nariz de Arica, essa batalha ocorreu em 7 de junho de 1880 e foi a mais importante da Campanha de Tacna e Arica.

A guerra entre Chile e Peru-Bolívia começou em 1879. O evento que explodiu o conflito foi a disputa por terras ricas em salitre e o imposto que a Bolívia tentou impor à empresa chilena responsável por explorá-los.

Batalha de Arica: causas, desenvolvimento, heróis e consequências 1

A batalha de Arica. por Juan Lepiani [Domínio público], via Wikimedia Commons

O Chile iniciou hostilidades invadindo Antofagasta, o que foi respondido pelos bolivianos. O Peru, que havia assinado um acordo secreto de defesa mútua com a Bolívia, entrou na guerra para cumprir o tratado.

Depois de algumas semanas de campanha marítima em que o Chile derrotou seus inimigos, a campanha terrestre começou. Os chilenos, mesmo com alguma derrota importante como a batalha de Tarapacá, fizeram um rápido avanço. Arica, devido à sua posição estratégica, tornou-se um dos seus objetivos para superar o conflito.

Antecedentes

Também chamada Guerra dos Salitros, a Guerra do Pacífico confrontou o Chile contra a aliança formada pelo Peru e pela Bolívia. O conflito começou em 1879 e terminou em 1883 com a vitória chilena.

Os historiadores apontam que houve tensões históricas entre esses países desde o tempo do domínio espanhol devido à imprecisão das fronteiras coloniais. No entanto, o motivo que levou ao confronto armado foi a disputa pela exploração de terras ricas em salitre, em Antofagasta.

Embora esse território pertencesse à Bolívia, nos acordos anteriores era uma empresa chilena responsável por explorá-los. Em 1878, a Bolívia estabeleceu um imposto sobre essa empresa, que causou a reação do governo chileno, que pediu para submeter o assunto a uma arbitragem imparcial.

Os bolivianos não aceitaram essa proposta e passaram a apreender os bens da empresa chilena. No dia em que o embargo deveria ser realizado, o exército chileno invadiu Antofagasta, avançando posteriormente para o paralelo 23,

O Peru, cumprindo um acordo secreto assinado com a Bolívia, mobilizou suas tropas, embora também tenha enviado um negociador a Santiago para tentar impedir o conflito. Antes do fracasso disso, a guerra era inevitável.

Campanha marítima

Uma vez formalmente declarada a guerra, a primeira etapa ocorreu no mar. A chamada Campanha do Pacífico enfrentou apenas chilenos e peruanos, já que a Bolívia não tinha seu próprio exército.

O Chile pretendia controlar os portos de seus rivais, impedindo-os de mover suas tropas e receber armas. Por cerca de seis meses, os dois países entraram em conflito no Pacífico, até 8 de outubro de 1879, o Chile capturou o último carro blindado peruano. Depois disso, os chilenos puderam começar sua campanha por terra.

Campanha de Tarapacá

Depois de alcançar o domínio marítimo, o Chile estabeleceu o objetivo de conquistar a região de Tarapacá, essencial para avançar mais tarde em direção a Lima.

Apesar da resistência dos peruanos e bolivianos, que derrotaram seus inimigos na batalha de Tarapacá, o Chile assumiu o controle da área. Os peruanos rapidamente deixaram a área, indo para Arica.

Campanha Tacna e Arica

Após a batalha de Dolores, o governo chileno considerou desembarcar suas tropas nas imediações de Lima, reduzindo assim o conflito. No entanto, a facção que preferia uma invasão mais completa foi imposta, o que, de acordo com seus apoiadores, garantiria uma paz mais duradoura.

Portanto, eles finalmente aprovaram o início de Tacna e Arica, a saída natural da Bolívia para o mar. Em 26 de fevereiro de 1880, o desembarque de 11.000 soldados chilenos perto de Tacna. Além disso, o Chile enviou outra expedição militar a Mollendo, para destruir o porto da cidade.

Relacionado:  Cromañón Man: Características, Vida e Alimentação

Em 22 de março, ocorreu a batalha de Los Angeles, na qual o exército chileno derrotou os peruanos. Estrategicamente, isso significou o corte das comunicações entre Tacna e Arequipa, isolando a região que eles queriam conquistar.

Em 26 de maio, os chilenos tomaram Tacna depois de derrotar as tropas aliadas. O caminho para Arica estava assim claro.

Causas

Como observado acima, o motivo da guerra foi o controle da zona rica em sal de Antofagasta. A alegação boliviana de impor um imposto à empresa chilena que operava os depósitos violava, segundo o Chile, o tratado de fronteira de 1874 assinado pelos dois países.

Situação estratégica de Arica

Uma vez alcançado o controle marítimo e depois de conquistar Tarapacá, o Chile começou a invadir a região de Tacna e Arica. Esta segunda cidade estava em uma localização estratégica para continuar mais tarde para Lima.

O porto de Arica também era perfeito para o suprimento de tropas chilenas e ficava perto do território do Chile e dos depósitos de salitre.

Proteja a linha de suprimentos

Os chilenos, que já haviam conquistado Tacna e Tarapacá, precisavam de um porto seguro para receber material e comida de guerra. O mais apropriado foi o de Arica, pois permitiu garantir a linha de suprimentos para a campanha de Lima e, ao mesmo tempo, serviu para fortalecer sua presença naquela parte do Peru.

História (desenvolvimento da batalha)

O Exército do Sul estava em Arica, mas em abril partiu para Tacna quando soube dos planos chilenos de conquistar aquela cidade. À frente da guarnição reduzida de Arica Camilo Carrillo permaneceu, mas uma doença causou sua substituição por Francisco Bolognesi.

Segundo alguns especialistas, Bolognesi achou que receberia reforços de Arequipa. No entanto, os chefes militares daquela cidade mais tarde garantiram que haviam dado ordens para deixar Arica e seguir para o norte. Essa suposta ordem nunca chegou ao seu destino e Arica se viu sem o apoio de seu exército.

Os chilenos tinham 4.000 soldados, apoiados por quatro navios capazes de bombardear a cidade. Por sua parte, os peruanos tinham apenas 2100 homens e a tripulação do carro blindado Manco Capac.

Movimentos preliminares

No final de maio, os chilenos partiram para Arica. Ali, Bolognesi mandou colocar minas nos arredores.

Um conflito entre uma patrulha chilena e atiradores peruanos concluiu com a captura do engenheiro peruano Teodoro Elmore, responsável pela colocação das minas defensivas. Aparentemente, isso forneceu informações aos chilenos sobre a localização das armadilhas.

Em 2 de junho, os chilenos receberam reforços ferroviários. Isso lhes permitiu ocupar Chacalluta e o vale de Azapa. Dois dias depois, as tropas chilenas prepararam a artilharia, especialmente nas colinas a leste de Morro de Arica.

Conversas

Em 5 de junho, o Chile tentou convencer os defensores peruanos a se render. O chileno Juan José de la Cruz e Bolognesi mantiveram um diálogo que se iniciou na história do Peru:

– Exceto: Senhor, o general em chefe do exército chileno, ansioso para evitar um derramamento de sangue inútil, depois de derrotar a maior parte do exército aliado em Tacna, envia-me para pedir a rendição desta praça, cujos recursos em homens, comida e munição que conhecemos.

-Bolognesi: Tenho deveres sagrados a cumprir e os cumprirei até que eu queime o último cartucho.

-Exceto: Então minha missão está cumprida.

Após essa conversa, os chilenos começaram a atirar nas defesas peruanas. O ataque durou duas horas, sem obter resultados significativos.

Bombardeio na cidade

O exército chileno bombardeou a cidade novamente em 6 de junho, auxiliado desta vez pelo Esquadrão Nacional. À tarde, eles liberaram o engenheiro Elmore para que ele pudesse fazer uma nova oferta de rendição a Bolognesi. O chefe peruano não concordou e Elmore voltou com a resposta ao campo chileno.

Relacionado:  Tratado de Tordesilhas: causas, conteúdo e consequências

Ataque Morro

O ataque final ocorreu na madrugada de 7 de junho de 1880. Às 5:30 da manhã, as tropas chilenas atacaram a forte Cidadela de Arica. Os soldados atacaram seu objetivo de três direções diferentes, conseguindo conquistá-lo em pouco tempo. O mesmo aconteceu com o forte do leste.

Os soldados peruanos sobreviventes se juntaram à guarnição de Morro de Arica. Segundo especialistas, naquele momento aconteceu algo que mudou os planos elaborados pelos chilenos para conquistar a área. Alguém gritou “Al morro, meninos!”, E os chilenos deixaram de lado as instruções que tinham e se lançaram no ataque.

Os soldados chilenos conseguiram chegar ao Morro de Arica e levantar a bandeira. Diante disso, o capitão do navio peruano Manco Cápac afundou seu navio para que não caísse nas mãos do inimigo.

A maioria dos oficiais de defesa morreu durante a luta, incluindo Bolognesi e Ugarte. Segundo a lenda, o coronel Bolognesi preferia se jogar no mar para que os chilenos não o pegassem.

Com essa vitória, o Chile assumiu a cidade. Os tratados de 1883 e 1929 legalizaram essa situação.

Execução de prisioneiros

A desordem causada após a captura do Morro levou os soldados chilenos a cometer muitos excessos. Assim, prisioneiros peruanos foram baleados nos portões do hospital de campanha. Isso só pôde ser interrompido quando oficiais chilenos chegaram à cidade e conseguiram ordenar.

Heróis do Peru

Apesar da derrota, o Peru celebra o aniversário da batalha todos os anos. Muitos dos mortos são considerados heróis no país por sua bravura.

Francisco Bolognesi

Francisco Bolognesi nasceu em Lima em 1816. Juntou-se ao exército em 1853, ascendendo até estar no comando de um regimento de cavalaria.

Por muitos anos, sua carreira esteve ligada à do marechal Ramón Castilla, presidente do Peru em várias ocasiões. Foi esse presidente quem nomeou o comissário geral militar do exército, primeiro, e o líder do governo, depois.

Bolognesi, então coronel, viajou para a Europa em 1860 e em 1864 para comprar armas. Isso seria usado seis anos depois, durante a luta em Callao entre o Peru e a equipe espanhola do Pacífico. Pouco depois, ele foi para a aposentadoria.

No entanto, os militares solicitaram retornar ao serviço ativo quando a guerra eclodiu com o Chile. Ele foi enviado para o sul, sob o comando da Terceira Divisão. Ele participou das batalhas de São Francisco e Tarapacá.

Ele teve que lidar com a defesa de Arica, com menos força do que os atacantes chilenos. Apesar das propostas de rendição, ele permaneceu firme e tentou defender a cidade, morrendo durante a luta.

Coronel Alfonso Ugarte

Alfonso Ugarte y Vernal veio ao mundo em Iquique em 13 de julho de 1847. Embora estivesse envolvido nos negócios, quando a Guerra do Pacífico começou, ele decidiu organizar seu próprio batalhão para combater os chilenos. Assim, ele recrutou trabalhadores e artesãos de sua cidade para formar uma coluna de 426 soldados e 36 oficiais.

Durante a batalha de Arica, Ugarte ficou encarregado da defesa do Morro. Ao ver a batalha perdida, ele preferiu se jogar do alto, carregando a bandeira peruana, para não cair nas mãos do Chile.

Alfredo Maldonado Arias

Contou, então, com apenas 15 anos quando se desenvolveu a batalha entre o exército chileno e o peruano.

Maldonado havia se alistado como voluntário no início da guerra. Em Arica, fazia parte da guarnição da forte Cidadela. Quando era inevitável que sua posição fosse tomada, o jovem explodiu o Santa Barbara, morrendo na explosão ao lado dos chilenos ao seu redor.

Juan Guillermo Moore

Nascido em Lima em 1836, Moore foi o capitão da fragata Independence durante a Campanha Marítima da Guerra do Pacífico. Ao perseguir um navio chileno durante a batalha de Iquique, seu navio encalhou quando atingiu uma rocha subaquática, afundando em seguida. Depois disso, ele e sua equipe foram designados para Arica.

Relacionado:  Como foi a educação olmeca?

Segundo os biógrafos, Moore não se recuperou da perda de seu navio e parecia procurar a morte em combate. Ele foi um dos militares que apoiou Bolognesi na decisão de não desistir e cuidou da defesa do Morro.

Consequências

A batalha de Arica representou entre 700 e 900 peruanos mortos e cerca de 474 chilenos. Depois de vencer a vitória, o Chile anexou Arica. Os tratados de 1883 e 1929 confirmaram essa situação, passando definitivamente o território para as mãos chilenas.

Após o sino de Tacna e Arica, os exércitos do Peru e da Bolívia praticamente desapareceram. Isso significava que o Peru deveria formar um novo para continuar a luta. A Bolívia, por outro lado, abandonou o conflito, embora continuasse apoiando seus aliados com armas e dinheiro.

O Chile iniciou a chamada Campanha Lima, que culminou na conquista da capital peruana sete meses depois, embora a guerra ainda tenha durado alguns anos.

Expedição Lynch

As autoridades chilenas pensaram que a vitória em Tacna e Arica marcaria o fim da guerra. O governo chileno acreditava que seus rivais teriam que aceitar a perda de Tarapacá e Antofagasta ou, no mínimo, esperavam que a Bolívia deixasse sua aliança com o Peru.

No entanto, no Chile, houve um setor que optou por ocupar Lima como a única maneira de alcançar uma paz duradoura.

Os partidários da guerra que terminavam na época planejaram convencer os peruanos de que a resistência era inútil. Isso foi para enviar uma expedição ao norte do Peru e demonstrar ao exército peruano que não poderia impedir mais progressos.

Em 4 de setembro, sob o comando do capitão Patricio Lynch, 2.200 soldados chilenos partiram para o norte do Peru. Seu objetivo era impor cotas de guerra às cidades daquela área, bem como aos proprietários de terras.

O governo do Peru declarou que quem pagasse a Lynch seria julgado por traição. Os proprietários de terras do norte tiveram que enfrentar a destruição de suas propriedades pelos chilenos ou serem traidores declarados e também perderam suas propriedades.

Conferência de paz de Arica

A primeira conferência de paz que tentou encerrar o conflito foi realizada em um navio americano ancorado na frente de Arica. Foi em 22 de outubro de 1880 e os três países em conflito participaram sob a mediação dos Estados Unidos.

O Chile, com óbvia vantagem na guerra, exigiu permanecer nas províncias de Antofagasta e Tarapacá. Além disso, ele solicitou uma compensação econômica de 20 milhões de pesos de ouro, a desmilitarização de Arica e o retorno do Rímac e as propriedades ligadas aos cidadãos chilenos.

O Peru e a Bolívia rejeitaram qualquer tipo de transferência territorial, então as negociações falharam muito em breve. Depois disso, e após um debate nacional, o governo chileno decidiu continuar a guerra e ocupar Lima.

Mais três anos de guerra

A Campanha de Lima durou sete meses, terminando com a captura da capital pelo exército chileno. Apesar disso, a guerra ainda durou até 1883, terminando com a vitória do Chile.

Referências

  1. Mundo antigo Batalha de Arica Obtido em mundoantiguo.net
  2. Icarito Como foi a captura do Morro de Arica? Obtido de icarito.cl
  3. Serperuano Batalha de Arica Obtido em serperuano.com
  4. Alchetron Batalha de Arica Obtido em alchetron.com
  5. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Guerra do Pacífico. Obtido em britannica.com
  6. Wikivisualmente. Campanha Tacna e Arica. Obtido em wikivisually.com
  7. A Biografia Biografia de Francisco Bolognesi (1816-1880). Obtido em thebiography.us

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies