Batalha de Tarapacá: causas, desenvolvimento e consequências

A Batalha de Tarapacá foi um confronto ocorrido em 27 de novembro de 1879, durante a Guerra do Pacífico, entre as forças chilenas e bolivianas. As causas desse conflito remontam às disputas territoriais e econômicas entre Chile, Bolívia e Peru pela região do deserto de Atacama, rica em salitre, um importante produto utilizado na fabricação de fertilizantes e explosivos.

O desenvolvimento da batalha foi marcado pela superioridade tática e tecnológica do exército chileno, que conseguiu derrotar as forças adversárias de forma decisiva. A vitória chilena em Tarapacá foi um marco na Guerra do Pacífico, contribuindo para a expansão territorial do Chile e enfraquecendo significativamente as capacidades militares de Bolívia e Peru.

As consequências da Batalha de Tarapacá foram devastadoras para a Bolívia, que perdeu acesso ao mar e teve que ceder uma extensa área de território para o Chile. Além disso, o conflito deixou um profundo ressentimento e tensão entre os países envolvidos, marcando o início de um período de instabilidade política e social na região.

Impactos resultantes do conflito armado entre países asiáticos e ocidentais na região do Pacífico.

A Batalha de Tarapacá foi um dos confrontos mais importantes durante o conflito armado entre países asiáticos e ocidentais na região do Pacífico. As causas do conflito incluíam disputas territoriais, interesses econômicos e rivalidades políticas. O desenvolvimento da batalha foi marcado por intensos combates e estratégias militares complexas, resultando em muitas baixas de ambos os lados.

As consequências da Batalha de Tarapacá foram devastadoras para a região. A destruição de infraestruturas, a perda de vidas humanas e o impacto ambiental foram apenas alguns dos efeitos negativos do conflito. Além disso, a instabilidade política e social resultante da batalha causou tensões contínuas entre os países envolvidos.

É crucial que esforços diplomáticos sejam feitos para evitar futuros conflitos armados na região do Pacífico. A cooperação internacional e o diálogo são essenciais para promover a paz e a estabilidade na região. A Batalha de Tarapacá serve como um lembrete sombrio dos terríveis impactos do conflito armado e da necessidade de buscar soluções pacíficas para resolver disputas entre nações.

Por que há conflito entre Chile e Bolívia?

A Batalha de Tarapacá foi um dos eventos que intensificou o conflito entre Chile e Bolívia, que teve suas raízes principalmente na disputa pelo território do deserto de Atacama. A região era rica em recursos minerais, como o salitre, fundamental para a produção de fertilizantes e explosivos.

As tensões entre os dois países aumentaram quando o Chile ocupou Antofagasta em 1879, desencadeando a Guerra do Pacífico. Durante a Batalha de Tarapacá, em 27 de novembro de 1879, as forças chilenas derrotaram as tropas bolivianas, consolidando o controle chileno sobre a região.

As consequências da Batalha de Tarapacá foram significativas. O Chile anexou territórios bolivianos e peruanos, ampliando sua influência na região. A Bolívia, por sua vez, perdeu sua saída para o mar, o que gerou um sentimento de revanchismo e ressentimento que perdura até os dias atuais.

Em suma, a Batalha de Tarapacá foi um dos episódios que alimentaram o conflito entre Chile e Bolívia, marcado por disputas territoriais e interesses econômicos. A questão da saída para o mar para a Bolívia continua sendo uma questão sensível e um ponto de atrito entre os dois países.

Por que há conflito entre Chile e Argentina?

A Batalha de Tarapacá foi um dos eventos que contribuíram para o conflito entre Chile e Argentina. As causas desse conflito remontam a disputas territoriais ao longo da história, especialmente em relação à região da Patagônia. Ambos os países reivindicam a soberania sobre certas áreas, o que tem levado a confrontos armados e tensões diplomáticas.

A Batalha de Tarapacá, em 1879, foi um confronto militar que ocorreu durante a Guerra do Pacífico, entre Chile, Peru e Bolívia. Neste contexto, a Argentina apoiou o Peru e a Bolívia, o que gerou ainda mais hostilidades entre os países. O Chile saiu vitorioso da batalha, o que fortaleceu sua posição na região e aumentou as tensões com a Argentina.

As consequências desse conflito incluíram um aumento na rivalidade entre Chile e Argentina, com disputas territoriais se intensificando. Ambos os países buscavam expandir suas fronteiras e garantir o controle de recursos naturais, o que levou a confrontos adicionais ao longo dos anos.

Relacionado:  Escola dos Anais: Origem, Características e Metodologia

Em resumo, a Batalha de Tarapacá foi um dos eventos que contribuíram para o conflito entre Chile e Argentina, devido às disputas territoriais e interesses geopolíticos na região. Essa rivalidade persiste até os dias atuais, com ambas as nações buscando afirmar sua soberania sobre determinadas áreas.

Qual é o motivo do interesse da Bolívia em tomar posse de Antofagasta?

O interesse da Bolívia em tomar posse de Antofagasta durante a Batalha de Tarapacá está diretamente relacionado à sua necessidade de ter um acesso ao mar. A região de Antofagasta possuía um porto estratégico que permitiria à Bolívia expandir suas atividades comerciais e facilitar o transporte de seus produtos para outros países.

Além disso, Antofagasta era uma região rica em recursos naturais, como o salitre, que era de grande importância para a economia boliviana na época. Controlar essa região significaria ter controle sobre esses recursos e poder explorá-los em benefício próprio.

Assim, a disputa por Antofagasta durante a Batalha de Tarapacá foi motivada pela necessidade da Bolívia de ter um acesso ao mar para expandir suas atividades comerciais e explorar os recursos naturais da região, como o salitre, em benefício de sua economia.

Batalha de Tarapacá: causas, desenvolvimento e consequências

A batalha de Tarapacá foi um dos confrontos armados que ocorreram durante a Guerra do Pacífico que enfrentaram o Chile e a aliança entre Peru e Bolívia. A batalha ocorreu em 27 de novembro de 1879, na cidade de mesmo nome, hoje pertencente ao Chile.

O conflito entre os três países latino-americanos foi causado, principalmente, por disputas em vários territórios fronteiriços ricos em guano e salitre, recursos naturais muito valiosos na época. Um imposto estabelecido pela Bolívia sobre a empresa chilena que extraiu salitre em Antofagasta foi o gatilho da crise.

Batalha de Tarapacá: causas, desenvolvimento e consequências 1

Fonte: Aguirre Jaramillo, 1926 [Domínio público], indefinido

Enquanto isso, o Peru havia assinado um acordo defensivo com a Bolívia. Depois de tentar mediar sem sucesso, ele declarou guerra ao Chile em resposta ao tratado assinado. O Chile conseguiu derrotar seus inimigos na campanha de guerra naval.

Dominados os mares, eles atacaram por terra, marcando a conquista da região de Tarapacá como o primeiro objetivo, fundamental para continuar o avanço em direção a Lima. No entanto, a batalha de Tarapacá terminou com a derrota das tropas chilenas, embora isso não tenha mudado o resultado final da guerra.

Antecedentes

A Guerra do Pacífico, na qual a Batalha de Tarapacá está emoldurada, enfrentou o Chile e a aliança formada pelo Peru e pela Bolívia. Começou em 1879 e terminou com a vitória chilena em 1884.

Foi um conflito provocado, principalmente, pelo controle de territórios ricos em guano e salitre. Por isso, muitos autores chamam de “Guerra dos Salitros”.

As áreas mais afetadas pelo conflito foram o deserto de Atacama, as serras e vales peruanos e as águas do Oceano Pacífico.

Imposto sobre extração de salitre

As tensões entre o Chile e o Peru começaram com a independência de ambos os países. As fronteiras herdadas da era colonial não eram muito claras, além do interesse em áreas ricas em salitre.

Essa matéria-prima foi dada, principalmente, em Antofagasta, então pertencente à Bolívia. No entanto, a empresa responsável pela extração era chilena.

Em fevereiro de 1878, o governo boliviano estabeleceu um novo imposto sobre a empresa chilena Companhia de Salitres e Ferrocarril de Antofagasta (CSFA). Como essa taxa contradiz o tratado de limites que os dois países assinaram em 1874, os chilenos solicitaram submeter o assunto à arbitragem neutra, algo que a Bolívia rejeitou.

A reação chilena foi ameaçar deixar de respeitar o tratado de limites, ao qual os bolivianos responderam rescindindo a licença da empresa de extração de sal e confiscando seus bens.

Ataque chileno

Em 14 de fevereiro de 1879, o exército chileno ocupou Antofagasta, uma cidade com uma grande maioria da população chilena. Em alguns dias, ele avançou para o paralelo 23ºS.

Por outro lado, Peru e Bolívia assinaram secretamente um Tratado de aliança defensiva. Antes do ataque chileno, os peruanos enviaram um negociador a Santiago para tentar interromper a ofensiva, sem sucesso.

Em 1º de março, a Bolívia declarou estado de guerra. O Peru se recusou a permanecer neutro e o Chile declarou guerra aos dois países aliados em 5 de abril de 1879. No dia seguinte, o governo peruano declarou casus foederis, ou seja, a entrada em vigor da aliança secreta com a Bolívia.

Relacionado:  Nicolás Lindley López: biografia, governo e obras

Confronto naval

Chile e Peru começaram a se enfrentar nas águas do Pacífico. Ambos os países possuíam uma força naval muito poderosa, com grandes fragatas e navios de guerra.

A Marinha do Chile bloqueou Iquique, uma cidade rica em salitre. Seu objetivo era cortar rotas de suprimento para navios peruanos. Da mesma forma, o Chile conseguiu derrotar o Peru em outros confrontos marítimos, obtendo o controle de toda a costa. A partir daí, eles empreenderam a campanha por terra.

Depois de tomar o porto de Pisagua, os soldados chilenos avançaram pelo território então boliviano. Em 6 de novembro, ocorreu a batalha de Germania, com a vitória da cavalaria chilena sobre os aliados.

Batalha de Dolores

O exército chileno, sob o comando do coronel Sotomayor, continuou sua jornada para Tarapacá. Enquanto isso, as forças peruanas e bolivianas foram encontrá-lo.

Sotomayor alcançou os pampas de Dolores, ocupando a colina de São Francisco. Lá ocorreu uma nova batalha em 19 de novembro de 1879. O resultado favoreceu os chilenos, apesar de terem perdido mais de 60 homens no confronto.

Marcha para Tarapacá

Os soldados peruanos derrotados em Dolores se concentraram em Tarapacá, uma cidade dentro do deserto. Nele, eles se encontraram com a divisão comandada pelo coronel Ríos, que vinha de Iquique.

A intenção era recuperar a força e conseguir comida. Tarapacá tinha uma guarnição de 1.500 homens, que tiveram que se juntar aos 1000 recém-chegados.

Os chilenos decidiram atacar antes que seus inimigos se recuperassem. A estratégia era fazer isso aproveitando as colinas que cercavam a cidade e, assim, quebrar as defesas facilmente.

Causas

O imposto sobre a empresa chilena responsável pela obtenção do salitre e o tratado entre Peru e Bolívia foram as causas mais imediatas da guerra. No entanto, os historiadores apontam para os mais complexos.

Entre eles, há a imprecisão das fronteiras que surgiram após a independência. Da mesma forma, o Chile estava passando por um momento de estabilidade, enquanto os Aliados estavam passando por uma crise econômica e política.

Finalmente, desde sua criação como estados, o Chile e o Peru desenvolveram uma competição pela hegemonia na região.

Ocupação chilena de Antofagasta

A Bolívia cancelou o contrato do CSFA quando o Chile se recusou a aceitar o novo imposto sobre o salitre. Além disso, o governo de La Paz ordenou apreender os ativos da empresa e vendê-los para manter os lucros.

Isso causou a reação chilena. Em 14 de fevereiro de 1879, 200 soldados entraram em Antofagasta sem encontrar resistência. O avanço das tropas atingiu o paralelo 23º S, ocupando uma faixa que o Chile considerava sua.

Quando a Bolívia declarou guerra, os chilenos avançaram para o rio Loa, na fronteira sul com o Peru.

Pesquisa de compensação

As vitórias em Antofagasta e, mais tarde, na campanha marítima, fizeram o Chile decidir buscar objetivos mais ambiciosos. Assim, o governo decidiu não se contentar em garantir a soberania da faixa entre os paralelos 23 e 25 do Sul, mas em obter nova compensação territorial.

Dentro dessas compensações, o Chile foi estabelecido no departamento de Tarapacá. Para isso, foi necessário destruir as defesas localizadas, além de controlar o transporte marítimo para isolar o inimigo.

Desenvolvimento

A derrota em Dolores deixou o exército boliviano-peruano muito desmoralizado, além de perder grande parte da artilharia. Os sobreviventes foram a Tarapacá, para se encontrar com as tropas lideradas pelo general Juan Buendía.

Em Tarapacá, quase 4500 soldados da aliança estavam concentrados no final, já que a divisão Ríos também chegou de Iquique.

Início da Batalha de Tarapacá

Os chilenos chegaram à região com a intenção de dar um golpe quase definitivo na conquista da região. No entanto, os cálculos que fizeram sobre as forças aliadas em Tarapacá ficaram aquém, então eles pensaram que iriam enfrentar menos homens.

O plano que eles criaram foi amplamente baseado no elemento surpresa. Para que funcionasse, era necessário que as três divisões em que participaria deixassem suas bases em momentos diferentes para atingir sua meta ao mesmo tempo.

Relacionado:  Malabaristas: origem, como a vida foi ganha e tipos

O primeiro problema foi encontrado pela coluna de Santa Cruz. Uma névoa densa fez com que se perdessem, quebrando o cronograma que haviam estabelecido. Ao tentar acelerar, foram avistados pelos peruanos, perdendo o fator surpresa do ataque.

As autoridades peruanas reagiram imediatamente. Assim, eles ordenaram que seus homens subissem ao topo das colinas para que pudessem se defender melhor.

Ataque na divisão de Cáceres

A batalha começou por volta das 10:00 da manhã. Naquela época, o nevoeiro se dissipou e os peruanos subiram ao monte Visagra, isolando a divisão chilena de Santa Cruz dos outros dois.

Depois de meia hora, os peruanos, em número muito superior, terminaram com um terço da divisão chilena, também destruindo sua artilharia. As autoridades chilenas começaram a preparar o retiro.

Enquanto isso, outra das colunas chilenas, liderada por Ramírez, avançou ao longo do rio até alcançar uma pequena colina localizada na entrada de Tarapacá. As defesas da cidade receberam os soldados chilenos com sua artilharia.

Quando parecia que eles precisavam se aposentar, ele recebeu reforços dos granadeiros chilenos, forçando os peruanos a recuar.

A trégua na água

Após os primeiros confrontos, o cansaço afetou os dois lados. Sem negociar nada, uma trégua se seguiu enquanto cuidava dos feridos.

Os peruanos também precisavam se reorganizar, pois haviam perdido muitos oficiais e precisaram estabelecer uma nova escala de comando em poucas horas.

Felizmente para eles, os chilenos não sabiam como perceber o que estava acontecendo. Muitos pensaram que a batalha havia terminado e não tomaram medidas para organizar uma defesa ou qualquer estratégia de ataque.

Contra-ataque peruano e retirada do exército chileno

O erro do comando chileno fez com que suas tropas abandonassem todas as ordens, enquanto os peruanos planejavam um segundo ataque. Como os chilenos fizeram antes, eles dividiram seus soldados em três divisões e enviaram dois deles para atacar das alturas das colinas.

As tropas chilenas, apesar de sua inferioridade numérica, conseguiram resistir por uma hora. Finalmente, o general Luis Arteaga entendeu que a batalha estava perdida e deu uma ordem de retirada.

Consequências

As baixas no exército chileno somaram 516 mortos e 179 feridos, mais do que haviam sofrido nas batalhas anteriores. Por seu lado, os peruanos registraram 236 mortos e 261 feridos.

Continuação da guerra

A derrota na batalha não significou que os chilenos não conseguiram ocupar a região de Tarapacá. Além disso, os peruanos não conseguiram plantar muita resistência, pois deixaram imediatamente o local com destino a Arica, deixando as tropas chilenas livres.

No Peru, a notícia da conquista de Tarapacá desencadeou protestos da população. O presidente teve que renunciar e uma revolução subsequente levou Nicolás de Piérola ao poder.

Algo semelhante aconteceu na Bolívia. Lá, o coronel Camacho arrebatou a acusação do general Daza, embora mais tarde a cidade tenha escolhido o general Narciso Campero.

Tratados de paz

Depois de ocupar Tarapacá, o Chile também assumiu a área de Tacna e Arica. Depois disso, a Bolívia abandonou o conflito, deixando o Peru sozinho para tentar deter os chilenos.

Em janeiro de 1881, as tropas chilenas chegaram à capital peruana, Lima. A guerra ainda duraria mais dois anos, já que havia bolsões de guerrilheiros e montoneros peruanos lutando contra os invasores.

Finalmente, em 1883, os dois lados assinaram o Tratado de Ancon. O Peru cedeu o Departamento de Tarapacá e o Chile reteve temporariamente as províncias de Arica e Tacna. Este último foi devolvido ao Peru em 1929, enquanto Arica permaneceu no Chile.

Referências

  1. Célia, Maria. Batalha de Tarapacá. Obtido em laguia2000.com
  2. Icarito A campanha de Tarapacá (1879). Obtido de icarito.cl
  3. Do Peru. Batalha de Tarapacá. Obtido de deperu.com
  4. Farcau, Bruce W. A Guerra dos Dez Centavos: Chile, Peru e Bolívia na Guerra do Pacífico, 1879-1884. Recuperado de books.google.es
  5. Williamson, Mitch. A Batalha de Tarapacá, novembro de 1879. Obtida de andeantragedy.blogspot.com
  6. Revolvy Guerra do Pacífico. Obtido em revolvy.com
  7. Batelaan, Simone. A guerra do Pacífico: uma história sem fim? Obtido em cocha-banner.org

Deixe um comentário