Batalha do Monte das Cruzes: antecedentes, desenvolvimento

A Batalha de Monte de las Cruces ocorreu na colina que lhe dá o nome, localizada no município de Ocoyoacac, no México. Esta cidade está localizada perto da Toluca de Lerdo. A montanha em questão divide o vale do México.

O confronto militar teve como participantes as tropas insurgentes do Exército que lutavam pela independência do país e os soldados da Coroa Espanhola. À frente dos primeiros estavam Miguel Hidalgo e Ignacio Allende , enquanto os últimos eram comandados pelo coronel Torcuato Trujillo.

Batalha do Monte das Cruzes: antecedentes, desenvolvimento 1

Algo mais de um mês após o Grito de Dolores, que iniciou a Guerra da Independência, em 30 de outubro de 1810, os dois lados se encontraram no Monte das Cruzes. A batalha terminou com a vitória dos insurgentes, que causaram a fuga dos sobreviventes realistas.

Foi quando Hidalgo tomou uma das decisões mais estranhas da guerra. Tendo a possibilidade de tomar a Cidade do México, ele ordenou a retirada depois de tentar que o vice-rei espanhol renunciasse pacificamente à capital.

Antecedentes

Embora tenha ocorrido à distância, a invasão da Espanha por Napoleão Bonaparte fez com que a situação nas colônias na América mudasse em alguns anos. Em vários países da América Latina, começaram a surgir movimentos que buscavam a independência da metrópole.

No México, grande parte da população viu com medo a queda da coroa espanhola contra Napoleão. As idéias da Revolução Francesa não gostaram de muitos crioulos, nem, é claro, da Igreja Católica.

Os primeiros movimentos de independência pretendiam, de fato, que o país se dançasse com suas próprias instituições, mas ofereceu a coroa ao rei espanhol deposto, Fernando VII. Assim, em 1809, a conspiração de Valladolid explodiu e, no ano seguinte, a de Querétaro.

Este último foi liderado por Miguel Hidalgo, um padre que Ignacio Allende havia introduzido na conspiração. A violenta resposta das autoridades espanholas levou o movimento a abandonar seus propósitos iniciais. Em 16 de setembro, Hidalgo lança o chamado Grito de Dolores, iniciando a Guerra da Independência.

Em pouco tempo, Hidalgo reuniu cerca de 6000 homens. Com pouca resistência, ele conquistou vários locais, incluindo Celaya. Suas tropas estavam aumentando em número, graças aos voluntários.

Resposta em espanhol

Os insurgentes continuaram seu progresso sem muitos problemas. Em 24 de setembro, sob Allende, eles tomaram Salamanca. Esta foi a primeira cidade em que eles encontraram alguma resistência, mas ainda não haviam enfrentado um exército real.

Na própria Salamanca, Hidalgo foi nomeado Capitão Geral dos Exércitos da América, enquanto Allende proclamou o Tenente Geral. Naquela época, a tropa havia atingido cinquenta mil homens.

Foi quando os espanhóis começaram a reagir. Francisco Javier de Linaza, que havia perdoado os conspiradores de Valladolid, ficou aliviado.

Seu substituto teve experiência na guerra, tendo participado da batalha de Bailén, na Espanha. Foi Francisco Xavier Venegas, considerado muito rigoroso e rígido no comando.

Venegas imediatamente começou a organizar a resposta aos insurgentes. É bélico, ordenou ao prefeito de Puebla que acabasse com os tumultos.

Mas sua atuação não estava lá: o bispo de Michoacán, que já foi amigo de Hidalgo, excomungou os insurgentes através de um touro. Hidalgo, um padre, ignorou e continuou sua luta.

Granaditas Alhondiga

Os homens de Hidalgo e Aguirre seguiram em direção a Guanajuato. Era uma cidade que se destacava por ter uma população rica, tanto crioulos quanto espanhóis. Em princípio, eles não apoiavam muito a causa da independência.

O medo entre a população local cresceu à medida que os insurgentes se aproximavam. A decisão tomada por suas autoridades foi evacuar os cidadãos e refugiar-se na vizinha Alhóndiga de Granaditas. Esse pequeno núcleo consistia basicamente de um grande celeiro.

No início, Miguel Hidalgo tentou convencer as autoridades a se render. Os defensores tinham apenas cerca de 2500 homens, enquanto os insurgentes eram quase 5000. No entanto, o prefeito da cidade não concordou em se render.

O resultado do cerco foi um massacre. O celeiro em que os que fugiram de Guanajuato se esconderam era difícil de atacar.

Os homens de Hidalgo atearam fogo nas instalações, causando a morte de um grande número de pessoas. Este sangrento evento ocorreu em 28 de setembro de 1810.

Embora não fosse uma batalha em si, os cronistas afirmam que a ação expedita aumentou o medo do exército da independência.

Avanço dos insurgentes

Nesse mesmo dia, os insurgentes entraram em Guanajuato, agora sem defesa. A partir desse momento, o avanço se acelerou.

Sem ter que lutar, o exército mexicano tomou Valladolid em 17 de outubro. A partir daí, ele e Aguirre planejavam conquistar Toluca de Lerdo. O objetivo final era usar essa posição para atacar o objetivo final: Cidade do México.

Desenvolvimento

O local onde a batalha ocorreu foi o Monte das Cruzes. Isso divide o vale do México, sendo, portanto, uma área estratégica para continuar avançando em direção à capital.

O lado insurgente, comandado por Hidalgo e Aguirre, tinha cerca de 80.000 homens. Por sua parte, Torcuato Trujillo, comandando os monarquistas, tinha apenas 2.500 à sua disposição.

Movimento Trujillo

O objetivo de Trujillo era impedir que os insurgentes se aproximassem da Cidade do México. Para isso, partiu para Lerma e organizou uma defesa com trincheiras e trincheiras que impediriam seus inimigos.

Ele também ordenou a destruição da ponte do Atengo, com o mesmo objetivo. No entanto, naquela época eu não sabia que parte dos soldados da independência já o haviam atravessado.

Hidalgo, enquanto isso, continuou com seu progresso. Trujillo, antes disso, solicitou reforços e seguiu para o Monte das Cruzes.

O primeiro confronto entre os dois ocorreu perto de Lerma. Um destacamento rebelde, liderado por Allende, enfrentou os monarquistas. No final, eles tiveram que se aposentar, derrotados por seus adversários.

No Monte das Cruzes

A batalha começou na manhã de 30 de outubro de 1810. Os rebeldes enviaram uma coluna de homens para testar as defesas realistas. Eles conseguiram rejeitá-los, mantendo-se firmes em sua posição.

Venegas, vice-rei da época, tinha notícias do que estava acontecendo. Ele imediatamente enviou duas peças de artilharia para Trujillo, pensando que lhe daria superioridade militar para derrotar seus inimigos. Junto com as armas, alguns marinheiros, 50 cavaleiros e 330 mulatos muito bem armados também chegaram.

Os insurgentes, apesar dos reforços que haviam atingido seus adversários, se prepararam para a batalha. Eles dividiram suas forças, colocando Hidalgo e Allende no comando de cada um dos destacamentos.

O resultado

O confronto durou várias horas, com forte resistência dos monarquistas. O uso dos canhões pareceu, em um momento, equilibrar a batalha, apesar da superioridade nos homens dos rebeldes.

No entanto, eles conseguiram neutralizar uma das peças de artilharia e reforçaram o ataque. Naquela época, eles enviaram emissários para solicitar a rendição de Trujillo, sem obter uma resposta positiva.

Com mais força, um grupo de charros do exército insurgente conseguiu apreender o outro canhão, enfraquecendo bastante as defesas do vice – reinado . Agustín de Iturbide, futuro imperador do México, tentou recuperar a arma para os monarquistas, mas sem sucesso.

Logo depois, Trujillo ordenou a retirada. Perseguido pelos independentistas, ele conseguiu chegar a Cuajimalpa e depois a Santa Fe.

Consequências

Decisão de Hidalgo

Uma vez derrotados os monarquistas, parecia que o caminho para a Cidade do México estava completamente livre. Foi quando Hidalgo tomou uma decisão estranha, sem que os historiadores concordassem em encontrar uma causa que a justificasse.

Em 1º de novembro, o líder rebelde enviou negociadores para tentar convencer o vice-rei Venegas a entregar a cidade pacificamente. Ele não aceitou. Somente a intermediação do arcebispo da capital o impediu de atirar nos enviados por Hidalgo.

Foi quando, em vez de tentar conquistar a cidade pela força, Miguel Hidalgo ordenou que suas tropas deixassem a posição.

Batalha de Aculco

Os rebeldes foram então para a área de El Bajío, localizada ao norte do rio Lerma. Essa retirada deu tempo para os monarquistas reorganizarem suas forças, além de causar sérias disputas do lado insurgente.

Um exército espanhol, comandado por Félix María Calleja, estava perto da área para onde os rebeldes foram. Em 7 de novembro, as duas forças se encontraram e, pela primeira vez desde o início do conflito, os monarquistas conseguiram derrotar os partidários da independência na batalha de Aculco.

Alguns historiadores afirmam que essa derrota ocorreu, além do cansaço dos insurgentes, a desmoralização produzida depois de não tentar tomar a capital.

A principal consequência dessa batalha perdida foi a separação dos líderes da independência e a divisão de seu exército. Allende partiu para Guanajuato, enquanto Hidalgo seguiu em direção a Valladolid.

As diferenças eram tão graves que, um pouco mais tarde, Ignacio Allende até tentou envenenar o padre de Dolores.

Referências

  1. Arquivo Histórico México 2010. Batalha do Monte de las Cruces. Obtido do arquivo histórico2010.sedena.gob.mx
  2. História do México. Batalha do Monte das Cruzes. Obtido em independencedemexico.com.mx
  3. Historia.com 30 de outubro de 1810 A Batalha do Monte das Cruzes. Obtido de es.historia.com
  4. Kramer, Howard. Batalha do Monte das Cruzes. Obtido em thecompletepilgrim.com
  5. Anishinabe-History.Com. A Batalha do Monte das Cruzes, em 30 de outubro de 1810. Obtido em anishinabe-history.com
  6. Minster, Christopher. Independência Mexicana: Biografia de Ignacio Allende. Obtido em thoughtco.com
  7. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Miguel Hidalgo e Costilla. Obtido em britannica.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies