Camilo Torres Tenorio: biografia, obra literária, frases

Camilo Torres Tenorio: biografia, obra literária, frases

Camilo Torres Tenorio (1766-1816) era um intelectual, político e advogado nascido no Reino de Nova Granada em 1766. Conhecida como a Palavra da Revolução por sua poderosa prosa, Torres se tornou um dos líderes do movimento que lutava. pela primeira independência de Nova Granada, atualmente Colômbia.

Depois de se tornar um dos advogados de maior prestígio da época, Torres Tenório se envolveu na luta pela liberdade em seu país após a tradução do francês por Antonio Nariño dos Direitos do Homem e do Cidadão.

Em 1809, Torres Tenório escreveu uma carta ao Conselho Central espanhol, reclamando do baixo número de assentos concedidos aos territórios coloniais americanos. Estes, que haviam sido leais ao rei espanhol após a invasão napoleônica, foram deixados de lado nesses órgãos de governo.

A escrita é conhecida como Memorial da Queixa e é considerada um dos marcos no caminho para a independência.

Uma vez conseguido, Torres ocupou a presidência das Províncias Unidas de Nova Granada em várias ocasiões, até ser forçado a fugir após o contra-ataque espanhol. Torres foi capturado e fuzilado em 1816.

Biografia

Camilo Torres Tenorio nasceu em Popayán, no Reino de Nova Granada, em 22 de novembro de 1776. Seu pai, Jerónimo de Torres, era um comerciante e proprietário de terras espanhol que possuía grandes extensões de terra na costa do Pacífico e na própria Popayán .

A mãe de Torres Tenorio era Maria Teresa Tenorio, natural de Popayán. O casamento, além de Camilo, teve outros oito filhos.

Estudos

O jovem Torres Tenório entrou no Royal Seminary College de São Francisco de Asís, um prestigiado centro educacional localizado em sua cidade natal. Entre os assuntos que ele estudou foram latim, grego, matemática, teologia, retórica e filosofia. Portanto, ele recebeu o tipo de treinamento típico das classes ricas de sua cidade.

Depois de terminar esta etapa, Torres Tenório continuou seus estudos no Colégio Menor de Nossa Senhora del Carmen, em Santa Fe de Bogotá. Neste centro, ele se formou como Bacharel em Filosofia. Mais tarde, estudou Direito Canônico, desta vez no Colégio Prefeito de Nossa Senhora do Rosário, atualmente na Universidade do Rosário.

Torres obteve seu diploma de advogado da Corte Real aos 28 anos. Além disso, ele também se tornou advogado dos Royal Councils.

Com o tempo, Torres Tenório ganhou fama como um dos advogados mais eminentes de seu tempo. A corte espanhola lhe concedeu o poder de litigar em todas as audiências que existiam na América. Humboldt pensava nele como “um colosso de inteligência”.

Encontro de bom gosto

Torres Tenório começou por essa época a participar do chamado Encontro de Bom Gosto. Foram reuniões organizadas por Manuela Sanz de Santamaría, nas quais os presentes discutiram literatura e ciência.

Alguns dos que desempenhariam um papel importante no processo que levou à primeira independência participaram desse encontro, como Custodio García Rovira, Francisco Antonio Ulloa ou Manuel Rodríguez Torices. Todos eles estudaram nos centros mais importantes da capital: o Colégio Maior do Rosário ou em San Bartolomé.

Relacionado:  Carmen Romano: biografia e contribuições como primeira-dama

Casamento

Foi precisamente em uma das reuniões organizadas na casa do Manual Santamaría que Torres conheceu sua futura esposa: María Francisca Prieto, prima da anfitriã.

O casamento foi celebrado em Bogotá em 1802, e os noivos desfrutaram a lua de mel em Fusagasugá. Torres e sua esposa, que se estabeleceram na capital, tiveram seis filhos.

A revolução da independência

A primeira incursão conhecida de Torres Tenorio na vida política do Novo Reino de Granada ocorreu após a tradução de Antonio Nariño para o espanhol dos Direitos do Homem e do Cidadão em 1793. Começou a influência das idéias da Revolução Francesa. criar turbulência entre os intelectuais.

No ano seguinte à tradução da língua nariño, Torres esteve envolvido no chamado motim dos pasquines. Ao amanhecer, as muralhas da cidade pareciam cobertas por lençóis manuscritos com protestos contra o governo espanhol.

A iniciativa, a primeira que ocorreu em Nova Granada depois da de Comuneros, foi desenvolvida pelos alunos de Rosario.

A reação das autoridades espanholas foi reprimir os intelectuais. A reunião O sublime Arcano da Filantropia foi encerrado, alguns novos granadenses foram presos ou enviados para o exílio e foi aberto um processo contra vários estudantes do Colégio Prefeito de Nuestra Señora del Rosario.

Camilo Torres, enquanto isso, sofreu a busca de sua biblioteca, onde foram encontrados muitos livros em francês. As autoridades requisitaram as cópias para disponibilizá-las à Inquisição e verificar sua periculosidade.

Eu trabalho como advogado

Após sua experiência com as autoridades, o desempenho de Torres Tenorio com seus amigos envolvidos no motim dos Pasquines foi bastante contraditório.

Por um lado, ele defendeu Francisco Antonio Zea no julgamento que ocorreu contra ele. Apesar de sua brilhante intervenção, seu réu foi condenado ao exílio em Cádiz. No entanto, ele não queria defender Nariño, apesar da amizade que os unia.

Em 1795, Torres atuou como advogado de defesa dos irmãos Hurtado, Nicolás e Juan José, ambos acusados ​​de sedição. Dois anos depois, ele fez o mesmo com o padre Eloy de Valenzuela, então pároco de Girón e que foi julgado por proferir um sermão considerado revolucionário pelas autoridades coloniais.

Além desses trabalhos, Torres desenvolveu uma importante atividade jurídica que lhe proporcionou uma renda considerável.

A voz da revolução

A invasão da Espanha pelas tropas francesas de Napoleão e a subsequente substituição do rei espanhol por José Bonaparte causaram uma grande comoção nos territórios coloniais. As notícias chegaram a Nova Granada em meados de janeiro de 1809 e Camilo Torres foi um dos que manifestaram sua oposição à nova situação na metrópole.

Nesse mesmo ano, Torres Tenório escreveu o Memorial de Queixas , embora seu nome real fosse Representação do ilustre conselho de Santafé no Supremo Conselho Central da Espanha . Era uma carta endereçada ao Conselho Central Supremo da Espanha. Era um tipo de governo criado pelos espanhóis que estavam lutando contra a invasão francesa em nome do rei Fernando VII.

Em sua carta, que nunca chegou ao seu destino, Torres criticou o governo espanhol e a discriminação sofrida pelos crioulos na América Latina.

Relacionado:  Baldomero Lillo: biografia, estilo, obras, frases

Embora a carta apoiasse a coroa espanhola contra os franceses, também se queixava da falta de representantes dos territórios coloniais nos diferentes conselhos governamentais formados na península.

O Memorial de Torts não era um manifesto de independência, mas indicou que os nascidos na América deveriam ser os mesmos da península espanhola em todos os aspectos. No entanto, ele teve um papel na criação de uma identidade comunitária em Nova Granada.

Encargos políticos

Esse período ficou conhecido como Patria Boba e Torres Tenorio se tornou um dos líderes do lado federalista. Seu objetivo era fazer das Províncias Unidas uma federação. Os centralistas estavam posicionados contra essa idéia, liderada por Antonio Nariño.

Entre 1812 e 1814, durante a primeira independência, Camilo Torre ocupou o cargo de presidente do Congresso e o de chefe do executivo nacional. Foi nomeado pelo Congresso federalista, no contexto de uma guerra civil entre os centralistas e os federalistas, sem esquecer as incursões dos espanhóis.

A guerra civil logo se espalhou por todo o território e terminou com uma vitória para os centralistas. Em novembro de 1814, após a derrota das tropas de Nariño, os federalistas contra-atacaram com a ajuda de Simón Bolívar e capturaram o presidente Manuel de Bernardo em dezembro do mesmo ano.

Presidente das Províncias Unidas de Nova Granada

Camilo Torres foi eleito Presidente das Províncias Unidas de Nova Granada em 15 de novembro de 1815. Seu mandato durou até 12 de março do ano seguinte. A derrota na batalha de El Socorro obrigou-o a deixar o cargo, ocupado pelo ditador José Fernández Madrid.

Execução

Enquanto esta guerra civil estava ocorrendo, os espanhóis não desistiram de recuperar o controle do território. Na frente das tropas monarquistas estava o general Pablo Morillo.

Antes do avanço de Morillo, Torres decidiu em 1816 fugir para evitar uma possível retaliação. Juntamente com sua família, ele se mudou para El Espinal, hoje o departamento de Tolima. Lá, sua esposa e filhos ficaram, enquanto ele continuava em seu caminho até chegar a Popayán, acompanhado por seu irmão e sua secretária.

Os soldados de Morillo capturaram a família de Camilo Torres pela primeira vez. Todas as suas propriedades foram confiscadas e elas foram transferidas para o Santafé.

Torres, enquanto isso, havia deixado Popayán e tentava chegar ao porto de Buenaventura. Nessa jornada, em julho de 1816, ele foi capturado pelos homens de Morillo. O político foi transferido para o Santafé e foi baleado na toca em 5 de outubro do mesmo ano.

O plano de Morillo de aterrorizar a população também foi aplicado ao corpo de Torres: ele foi desmembrado pelas extremidades e cada um foi exposto publicamente nas quatro entradas da cidade. O espanhol colocou a cabeça desfigurada na praça principal, pregada a uma lança.

Destino da família Torres

A família de Torres Tenório perdeu todos os seus bens após a execução do político. Segundo as crônicas, sua viúva teve que desistir de um dedal de ouro que ela possuía. Assim, tendo uma vida confortável, a família se viu na mais profunda pobreza e teve que recorrer à caridade para sobreviver.

Relacionado:  Juan Manuel de Rosas: biografia, primeiro governo e segundo

Sua situação não mudou até alguns anos depois. Bolívar, que demonstrou grande respeito por Torres, veio em auxílio da família para melhorar sua economia.

Obra literaria

Camilo Torres Tenorio alcançou grande reconhecimento graças à sua facilidade de expressão. Seu oratório e seus escritos o levaram a receber o apelido de A Palavra da Revolução.

A maioria dos trabalhos escritos de Torres eram artigos de jornal. Além deles, seu Memorial de Torts se destacava de maneira notável , uma crítica muito severa ao governo espanhol e às leis que discriminavam os crioulos de Nova Granada.

Memorial da Queixa

A representação do ilustre conselho de Santafé no Conselho Central Supremo da Espanha , mais conhecido como Memorial de Torts , foi um documento escrito por Camilo Torres em novembro de 1809. Quando ele o escreveu, o autor estava trabalhando como consultor do Cabildo de Santafé.

No contexto da época, com a Espanha invadida pela França, seu rei substituído por José Bonaparte e com os primeiros movimentos de independência da América, Torres decidiu enviar uma carta ao órgão criado na Espanha para se opor aos franceses.

Nesta carta, Camilo Torres reclamou da baixa presença de representantes dos territórios americanos no Conselho Supremo de Sevilha.

Além disso, Torres também listou as queixas dos crioulos contra as autoridades coloniais do vice-reinado. Como crioulo, Torres conhecia bem as leis que impediam os membros desse grupo de acessar cargos importantes na administração.

Torres afirmou na carta que deveria haver direitos iguais entre os nascidos nas colônias e os peninsulares espanhóis.

Este Memorial de Queixas não chegou ao seu destinatário final. A redação foi publicada somente após a execução de seu autor, embora fosse conhecida por boa parte do povo neo-granada. Assim, tornou-se referência de reclamações e demandas na Espanha.

Frases

– Não quero nada e não aspiro e viverei satisfeito com um pão e um livro.

– Mais justo, mais eqüitativo, o Conselho Central Supremo chamou as Américas e conheceu esta verdade: que entre iguais, o tom de superioridade e domínio só pode servir para irritar os espíritos, desagradá-los e induzir uma separação fatal.

– Razão e costumes estão em um povo livre que cadeias e masmorras estão em um povo escravo.

– Se o governo da Inglaterra tivesse dado esse importante passo, talvez a separação de suas colônias não chorasse hoje.

– O céu proíbe que outros princípios e outras idéias menos liberais não produzam os efeitos desastrosos da separação eterna!

Referências

  1. Ruiza, M., Fernández, T. e Tamaro, E. Biografia de Camilo Torres Tenorio. Obtido de biografiasyvidas.com
  2. Academia Real de História. Camilo Torres Tenorio. Obtido em dbe.rah.es
  3. Banco da República. Camilo Torres. Obtido em encyclopedia.banrepcultural.org
  4. Revolvy. Camilo Torres Tenorio. Obtido em revolvy.com
  5. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Vice-reinado de Nova Granada. Obtido em britannica.com
  6. EcuRed. Camilo Torres Tenorio. Obtido de ecured.cu

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies