Captura de Atahualpa: antecedente, eventos, morte

A captura de Atahualpa foi um acontecimento crucial na conquista do Império Inca pelos espanhóis. O antecedente foi a chegada de Francisco Pizarro ao território inca, em 1532, em busca de riquezas e poder. Após uma série de eventos diplomáticos e conflitos armados, Pizarro conseguiu capturar o imperador inca Atahualpa em Cajamarca. A morte de Atahualpa, executado pelos espanhóis em 1533, marcou o fim da resistência inca e o início do domínio espanhol sobre o Peru. Esse episódio foi determinante na colonização e destruição do Império Inca.

Os detalhes da captura de Atahualpa: um momento decisivo na história do Império Inca.

A captura de Atahualpa foi um momento decisivo na história do Império Inca, marcando o início do fim do poder dos incas no Peru. Antes de sua captura, Atahualpa era o imperador inca, governando um vasto império que se estendia por grande parte da América do Sul. No entanto, sua captura pelas forças espanholas lideradas por Francisco Pizarro em 1532 mudou o curso da história.

Os eventos que levaram à captura de Atahualpa começaram quando Pizarro e seus homens chegaram ao Peru em busca de riquezas e poder. Eles inicialmente foram bem recebidos por Atahualpa, que os convidou para uma reunião em Cajamarca. No entanto, essa reunião acabou se transformando em uma emboscada, e Atahualpa foi capturado pelos espanhóis.

A morte de Atahualpa foi um golpe devastador para o Império Inca, que ficou sem um líder forte para resistir à invasão espanhola. Com a captura e execução de Atahualpa, Pizarro conseguiu consolidar o domínio espanhol sobre o Peru e iniciar a colonização da região.

Os detalhes do trágico fim de Atahualpa, o último imperador inca, revelados.

Atahualpa, o último imperador inca, foi capturado pelos conquistadores espanhóis liderados por Francisco Pizarro em 1532. O antecedente para a captura de Atahualpa foi a chegada dos espanhóis ao Império Inca e a busca por riquezas, principalmente ouro e prata.

Os eventos que levaram à captura de Atahualpa foram marcados pela traição e pela astúcia dos espanhóis. Pizarro convidou Atahualpa para uma reunião pacífica em Cajamarca, mas na verdade, era uma emboscada para capturá-lo. Durante a reunião, os espanhóis atacaram os incas desarmados e capturaram Atahualpa.

A morte de Atahualpa foi igualmente trágica. Mesmo depois de oferecer um grande resgate em ouro e prata para sua liberdade, os espanhóis não cumpriram sua promessa. Atahualpa foi condenado à morte e foi executado por garrote em 26 de julho de 1533.

Esses eventos marcaram o trágico fim do último imperador inca, cuja captura e morte simbolizaram a queda do Império Inca diante da conquista espanhola. A memória de Atahualpa vive até hoje como um símbolo da resistência inca contra a colonização europeia.

A execução de Atahualpa: um relato detalhado sobre o fim do imperador inca.

A captura de Atahualpa foi um dos eventos mais marcantes da conquista espanhola no Peru. Antes de sua execução, Atahualpa era o imperador inca, herdeiro de um vasto império que se estendia por toda a região dos Andes. No entanto, sua captura pelos espanhóis marcou o fim de sua liderança e a submissão do povo inca ao domínio europeu.

Os eventos que levaram à captura de Atahualpa começaram em 1532, quando o conquistador espanhol Francisco Pizarro chegou ao Peru em busca de riquezas e poder. Atahualpa, ciente da presença dos estrangeiros, decidiu encontrá-los em Cajamarca para negociar. No entanto, Pizarro tinha outros planos e armou uma emboscada para capturar o imperador inca.

No fatídico encontro em Cajamarca, Atahualpa foi capturado pelos espanhóis e feito prisioneiro. Ele foi mantido sob custódia, enquanto os espanhóis exigiam um resgate em ouro e prata para sua libertação. Apesar de Atahualpa ter cumprido com a exigência dos espanhóis, Pizarro decidiu executá-lo, temendo sua influência sobre o povo inca.

Assim, em 26 de julho de 1533, Atahualpa foi levado ao cadafalso e estrangulado. Sua morte marcou o fim da resistência inca contra os espanhóis e a submissão do império à coroa espanhola. A execução de Atahualpa foi um evento trágico que simbolizou a crueldade e a brutalidade da conquista espanhola na América.

O que levou ao fim da civilização inca: fatores que contribuíram para sua queda.

O que levou ao fim da civilização inca: fatores que contribuíram para sua queda. A civilização inca, com sua capital em Cuzco, no Peru, foi uma das mais poderosas e avançadas da América do Sul. No entanto, diversos fatores contribuíram para sua queda, sendo um dos principais a captura de Atahualpa pelos conquistadores espanhóis.

Relacionado:  Exército Trigarante: Histórico, Desenvolvimento

O antecedente para a captura de Atahualpa foi a chegada dos espanhóis ao território inca, liderados por Francisco Pizarro. Em 1532, durante um encontro entre Atahualpa e Pizarro em Cajamarca, os espanhóis aproveitaram a oportunidade para aprisionar o líder inca, desencadeando uma série de eventos que culminariam na queda da civilização inca.

Com a captura de Atahualpa, os espanhóis conseguiram enfraquecer significativamente o poder político e militar dos incas. Sem seu líder, o império inca entrou em um período de instabilidade e divisão, facilitando a ação dos conquistadores europeus. Além disso, a morte de Atahualpa em 1533, executado pelos espanhóis mesmo após o pagamento de um resgate em ouro e prata, representou um golpe devastador para os incas.

A perda de seu líder, combinada com a invasão espanhola e a disseminação de doenças trazidas pelos europeus, resultou no colapso do império inca e na subjugação de seu povo. A captura de Atahualpa não apenas marcou o início do fim dos incas, mas também simbolizou a destruição de uma das civilizações mais impressionantes da história.

Captura de Atahualpa: antecedente, eventos, morte

Captura de Atahualpa: antecedente, eventos, morte

A captura de Atahualpa ocorreu em 16 de novembro de 1532, quando os conquistadores espanhóis invadiram sua comitiva em Cajamarca. Depois de terminar a vida de um grande número de companheiros, o último soberano inca foi preso pelos homens liderados por Francisco Pizarro.

Pizarro havia chegado à costa peruana com a intenção de conquistar o grande império cheio de riquezas que ouvira anteriormente, o dos incas. Naquela época, além disso, o Tahuantinsuyo (outro nome pelo qual esse império era conhecido) foi enfraquecido após a guerra pelo poder que havia confrontado Atahualpa e seu irmão Huáscar.

Após trocarem algumas mensagens, Pizarro e Atahualpa concordaram em se encontrar na cidade de Cajamarca. Os espanhóis convenceram o Inca a ficar sem tropas e prepararam uma emboscada para capturá-lo. Já no local da reunião, um frade tentou convencer Atahualpa a se converter ao catolicismo. Sua recusa foi o sinal para o ataque começar.

Pizarro decidiu capturar Atahualpa vivo e o manteve prisioneiro por vários meses. Finalmente, ele foi julgado e condenado à morte por rebelião, heresia, traição e outras acusações. A execução ocorreu em julho de 1533.

fundo

Francisco Pizarro havia feito duas viagens anteriores à região do Peru com a intenção de conquistar e colonizar o território. Embora tenha encontrado inúmeras dificuldades, o conquistador conseguiu chegar a Tumbes, a primeira cidade importante do império inca que os espanhóis viam.

Após essa descoberta, Pizarro começou a preparar uma terceira expedição de conquista. Antes, ele foi à Espanha para negociar com a Coroa seus direitos sobre os possíveis territórios conquistados.

O acordo, chamado de Capitulação de Toledo, concedeu domínio de Pizarro sobre os territórios peruanos que conquistou, além de inúmeras recompensas econômicas.

A terceira viagem de Pizarro começou no início de 1531. A expedição consistia em dois navios e 180 homens, além de cavalos, escravos e alguns povos indígenas para traduções.

Uma vez em terra, os conquistadores chegaram a Tumbes, a cidade inca que impressionou Pizarro durante a segunda de suas viagens.

Guerra civil inca

Quando os espanhóis chegaram ao Peru, o Império Inca estava passando por um momento de fraqueza devido ao confronto armado entre Atahualpa e seu meio-irmão Huáscar. A vitória foi para o primeiro, que conseguiu acessar o trono.

Essa guerra civil começou em 1529, embora existam várias hipóteses sobre essa data. Só terminou semanas antes de Atahualpa ser capturado por Pizarro.

Contatos entre Pizarro e Atahualpa

Desde que Pizarro e seus homens desembarcaram em terras peruanas, ele e Atahualpa trocaram algumas mensagens. Os incas haviam enviado presentes para os espanhóis, incluindo alguns feitos com ouro. Isso aumentou a esperança de Pizarro de encontrar grandes riquezas.

Atahualpa e Pizarro concordaram em se encontrar em Cajamarca, onde o líder inca estava depois de derrotar Huáscar. Quando os espanhóis chegaram, a cidade estava deserta. Nos arredores, em Pultumarca, um exército inca composto por cerca de 30.000 guerreiros havia acampado.

O conquistador espanhol enviou Hernando de Soto a Pultumarca para convidar Atahualpa para encontrá-lo em Cajamarca. Ao verificar o tamanho do exército inca, Pizarro decidiu também enviar seu irmão, Hernando Pizarro, juntamente com vinte cavaleiros.

Pultumarca

Segundo as crônicas, Atahualpa recebeu Hernando de Soto com uma certa frieza. Embora as fontes sejam diferentes, a maioria afirma que ele tratou Hernando Pizarro melhor depois de conhecer seu relacionamento com o líder dos conquistadores.

A reunião terminou com a promessa de Atahualpa de encontrar Pizarro no dia seguinte. Os espanhóis o convenceram a não trazer soldados, mas apenas servos.

Desenvolvimento

No dia combinado, Atahualpa seguiu para Cajamarca com milhares de seus súditos, quase todos dançarinos, músicos ou carregadores. A marcha foi muito lenta, o que causou a raiva de Pizarro. O último havia organizado uma emboscada e não queria que o seu próprio lutasse à noite.

Emboscada

Os espanhóis haviam dividido seus homens para surpreender os incas. Os diferentes grupos organizados, cavaleiros e crianças, foram distribuídos estrategicamente por Cajamarca. Em uma torre, localizada na praça principal, Pizarro colocou dois pequenos canhões prontos para serem disparados quando o sinal foi dado.

Os incas entraram na praça em maio, quando já estava escurecendo. Na procissão de Atahualpa quase não havia homens armados, uma vez que a maior parte de seu exército permaneceu fora dos muros da cidade.

Frei Vicente de Valverde

Quando Atahualpa e sua comitiva chegaram ao centro da praça, ficaram surpresos que ninguém saiu para encontrá-los. Alguns de seus capitães alegaram que os espanhóis devem estar ocultos de medo.

Nesses momentos, três homens apareceram e se aproximaram de Atahualpa: frei Vicente de Valverde, intérprete indígena e soldado espanhol que entendia um pouco da língua inca.

O religioso, vestido com seu hábito, carregava uma cruz e um breviário. Quando alcançou o auge de Atahualpa, iniciou o chamado Requisito, pelo qual ordenou que Atahualpa se convertesse ao catolicismo e abandonasse sua religião pagã. Ele também exigiu que reconhecesse Carlos I da Espanha como seu rei.

As versões do que aconteceu depois desses pedidos diferem bastante. Segundo algumas fontes, Atahualpa pegou o breviário, mas não conseguiu abri-lo. Outros afirmam que o Inca retirou o braço de Frei Vicente com desdém. Outros cronistas apontam que Atahualpa disse: “Sei bem o que fizeram ao longo do caminho, como trataram meus chefes e tiraram as roupas dos bohíos”.

Finalmente, o Inca Garcilaso de la Vega aponta em suas crônicas que Atahualpa tentou discutir a religião dos conquistadores e de seu rei.

Ataque espanhol

O que aconteceu depois também foi relatado de maneira diferente, de acordo com fontes. Alguns afirmam que Atahualpa, depois de examinar o livro oferecido pelo frade, jogou-o no chão e se recusou a aceitar a conversão ao catolicismo e a soberania espanhola.

Pizarro então deu a ordem para atacar. Trompetes soaram e o artilheiro na torre disparou um dos falcões, uma pequena arma. O projétil atingiu a comitiva de Atahualpa, causando numerosas mortes e feridos.

Antes que os incas pudessem se recuperar, os cavaleiros espanhóis atacaram o clamor de Santiago, Santiago! O ataque também foi acompanhado por um esquadrão de povos indígenas que estavam lutando ao lado dos espanhóis.

Ao mesmo tempo, outro grupo de espanhóis começou a disparar seus mosquetes de longe. Os poucos incas armados com cassetetes que acompanhavam Atahualpa não tiveram tempo de reagir e o resto tentou fugir da cidade.

A captura

O principal ataque espanhol foi Atahualpa e seus comandantes. Pizarro, a cavalo, aproximou-se da posição do monarca inca, mas permaneceu firme.

Os espanhóis cortaram os braços dos assistentes que seguravam o lixo de Atahualpa, mas venceram e tentaram apoiar o líder. Somente quando vários deles morreram, o apoio capotou.

Atahualpa, apesar disso, permaneceu em seu beliche. Vários de seus homens foram colocados entre os atacantes e seu rei, para tentar defendê-lo. A luta desigual continuou até que um espanhol conseguiu capturar Atahualpa.

Vários soldados espanhóis cercaram Atahualpa e um deles levantou a espada para matá-lo. No entanto, Pizarro o deteve, pois sabia o valor de mantê-lo prisioneiro. No calor da batalha, o próprio Pizarro foi ferido tentando impedir o assassinato do rei inca.

Morte

A Batalha de Cajamarca terminou com a morte de 4.000 a 5.000 incas, enquanto outros 7.000 foram feridos. Os espanhóis, por sua vez, sofreram apenas uma vítima, uma escrava negra.

Relacionado:  Nova Espanha e relações com o mundo: antecedentes, rotas

Prisão

Atahualpa foi mantido em uma sala em Cajamarca, acompanhado por suas três esposas. Oficialmente, ele ainda podia dirigir assuntos do governo.

Por ordem de Pizarro, Atahualpa aprendeu espanhol, como escrever e ler. O objetivo era que o monarca inca pudesse informá-lo dos lugares onde havia ouro. Em uma das explorações organizadas pelos espanhóis, encontraram a fortaleza de Sacsayhuamán, onde alguns incas haviam resistido aos conquistadores. No entanto, eles foram derrotados em breve.

Por sua parte, Atahualpa tentou criar um certo vínculo com seus captores. Assim, ele ofereceu a Pizarro sua irmã favorita, Quispe Sisa, para se casar com ela. A conquistadora ordenou que ela fosse batizada com o nome de Inés Huaylas e tivesse dois filhos com ela.

Pizarro aliou-se à nobreza de Cuzco, que havia sido um forte defensor de Huáscar. Isso lhe permitiu concluir a conquista do Peru.

Depois de nomear um novo Inca para outro irmão de Atahualpa, Túpac Hualpa, o conquistador espanhol mudou-se para Cuzco, cidade que ele ocupou em novembro de 1533.

Oferta de libertação

Atahualpa ofereceu a Pizarro muitas riquezas em troca de sua libertação: encher a Sala de Resgate, a sala em que ele estava preso, com ouro e prata. Os espanhóis responderam afirmativamente e os incas levaram ouro por três meses a Cajamarca para salvar a vida de seu monarca.

A quantidade final coletada foi imensa: 84 toneladas de ouro e 164 de prata. No entanto, os planos de Pizarro não eram para libertar Atahualpa.

Julgamento

Apesar de seus sucessos militares, os espanhóis temiam um contra-ataque inca. Nesse contexto, um dos parceiros de Pizarro, Diego de Almagro, chegou a Cajamarca com 150 soldados. Depois de descobrir que não iria receber nenhum resgate, ele começou a pressionar Pizarro para eliminar Atahualpa e continuar a marcha para o sul, onde ele supôs que eles encontrariam novas riquezas.

Quase todos os capitães espanhóis concordaram com a posição de Almagro, mas dois deles, Hernando Pizarro e Hernando de Soto, defenderam a vida de Atahualpa. Ambos foram mandados embora por Francisco Pizarro para executar seus planos. Depois disso, um julgamento sumário contra o Inca começou.

O presidente do conselho de guerra era o próprio Pizarro. No total, o julgamento mal durou um dia: entre 25 de julho e a manhã do dia seguinte.

O resultado, como esperado, foi culpa de idolatria, regicídio, heresia, poligamia, incesto, traição e fratricida. A sentença era para morrer queimada na fogueira. Atahualpa pediu para ter uma reunião com Pizarro, mas Pizarro recusou.

Morte

Na mesma noite de 26 de julho, os soldados levaram Atahualpa ao local escolhido para sua execução: a Plaza de Cajamarca. Lá, ele foi amarrado a um tronco e os logs foram colocados a seus pés.

Quando um dos espanhóis se aproximou com um jogo de chá em chamas, Atahualpa percebeu que seria queimado. Essa punição, para os incas, era reservada aos ladrões e, além disso, a religião deles afirmava que o corpo tinha que ser embalsamado para alcançar o outro mundo, algo impossível se consumido pelo fogo.

Atahualpa conversou com Fray Vicente de Valverde, presente na execução. O frade ofereceu a ele uma alternativa: converter-se ao cristianismo e depois ser estrangulado. O Inca aceitou e foi batizado com o nome de Francisco. Mais tarde, ele foi executado por estrangulamento.

O corpo foi enterrado na manhã seguinte na igreja católica que os espanhóis haviam construído em Cajamarca. Alguns dias depois, seu corpo foi removido de seu túmulo e levado para o norte, possivelmente por alguns apoiadores incas de Atahualpa.

Referências

  1. Notimérico. Atahualpa, a morte do último imperador inca. Obtido de notimerica.com
  2. Vargas Sifuentes, José. Atahualpa, Pizarro e a Bíblia. Obtido em elperuano.pe
  3. História Hoje. Encontro em Cajamarca: Pizarro captura Atahualpa. Obtido em historiahoy.com.ar
  4. Minster, Christopher. A captura de Inca Atahualpa. Obtido em thoughtco.com
  5. Editores da History.com. Francisco Pizarro prende o imperador inca Atahualpa. Obtido em history.com
  6. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Atahuallpa. Obtido em britannica.com
  7. Central de História. Captura de um rei Inca: Francisco Pizarro. Da Narrativa da Conquista do Peru, por seu secretário, Francisco de Xeres, 1530-34. Recuperado de historycentral.com

Deixe um comentário