Como foi a economia das taironas?

A economia dos Taironas foi caracterizada por ser auto-suficiente e operar independentemente do comércio. A localização geográfica dos Taironas nas montanhas lhes permitiu trabalhar a terra e obter produtos dela em diferentes pisos térmicos.

Os Taironas eram uma tribo pré-colombiana localizada nas montanhas a nordeste da Colômbia. Sua história remonta a mais de 2000 anos atrás e grande parte de seu território é hoje conhecida como Sierra Nevada de Santa Marta (Burgos, 2016).

Como foi a economia das taironas? 1

A localização geográfica das Taironas nas montanhas permitiu a realização de atividades agrícolas, principalmente a semeadura de milho. Estando localizados em diferentes níveis, da costa ao topo das montanhas, eles poderiam obter recursos do mar e das montanhas. Dessa maneira, alguns Taironas poderiam dedicar-se ao plantio e outros à pesca.

A economia dos Taironas alcançou altos níveis de desenvolvimento. Isso permitiu que eles evoluíssem como uma das civilizações pré-colombianas mais tecnificadas da América. Guiado por um modelo vertical de construção de assentamentos em diferentes alturas das montanhas, com estradas pavimentadas e pontes suspensas para se deslocar de um lugar para outro.

Os descendentes dos Taironas hoje são conhecidos como Wiwa, Arhuacos, Kankuamo e Kogui. Essas tribos ainda mantêm alguns vestígios do sistema econômico de seus ancestrais, embora extensas mudanças tenham sido introduzidas com a chegada dos espanhóis aos Estados Unidos no século quinze (Davis & Ferry, 2004).

Modelo econômico

O modelo econômico dos Taironas era vertical, seguindo os princípios das civilizações pré-incas ao sul da Cordilheira dos Andes.

Este modelo é caracterizado por ter uma população central localizada na parte mais alta das montanhas e vários assentamentos menores dispersos em diferentes áreas produtivas. Cada assentamento se especializou em uma área produtiva específica.

A elite de Tairona tinha o controle dos recursos. Nesse sentido, a elite administraria os recursos dispersos nas diferentes populações do entorno da cidade principal, principalmente nas áreas costeiras.

A administração dos diferentes recursos, resultante da especialização produtiva dos assentamentos, permitiu o desenvolvimento de uma estrutura sócio-política mais complexa, com a presença de um chefe supremo em cada comunidade.

No caso dos Taironas, existem dois cenários ou estágios possíveis de organização econômica que explicam como eles foram capazes de atingir um alto nível de especialização produtiva em áreas como agricultura, cerâmica e metalurgia (Dever, 2007).

Etapa 1: Economia em Ascensão

A especialização produtiva e o modelo econômico dos Taironas dependiam inicialmente de uma estrutura social de poder descentralizado.

Tarefas como plantio e colheita de culturas, cerâmica, metalurgia, tecelagem, entre outras, foram realizadas graças à presença de um sentimento coletivo nas comunidades. Essas comunidades eram geralmente constituídas por membros da mesma família e tinham uma estrutura de poder horizontal.

A orientação para um objetivo comum, permitiu o desenvolvimento de atividades produtivas e a semelhança e afinidade étnica nas necessidades, levou a uma distribuição do que foi produzido entre os membros da comunidade e os assentamentos vizinhos. Esse padrão de desenvolvimento econômico gradualmente levou ao crescimento de assentamentos e aldeias.

Cada vila foi responsável pela satisfação das necessidades dos membros de sua comunidade e comunidades vizinhas. Dessa maneira, cada aldeia se especializou na produção de bens específicos que posteriormente seriam trocados com membros de outras comunidades por meio de um modelo econômico alheio às estruturas hierárquicas (Langebaek, 2005).

Esse modelo de economia ascendente nasceu da economia doméstica, onde um administrador ou chefe não era necessário para fazer uma distribuição eficiente de recursos.

No entanto, esse modelo econômico, em que cada villa se especializava na produção de bens específicos, levaria à dependência entre as villas e à centralização do poder na cabeça de um administrador principal.

Etapa 2: Economia Decrescente

Uma vez criadas as relações de dependência entre as vilas, tornou-se essencial escolher líderes de cada aldeia responsáveis ​​pelo gerenciamento das relações comerciais.

Esses líderes se tornaram a elite que mais tarde evoluiria para centralizar o controle de recursos à frente de um chefe supremo. Nesse caso, a economia perderia seu tom ascendente e adotaria um modelo descendente.

O aparecimento de chefes supremos deveu-se em grande parte à desigualdade econômica entre diferentes tribos de Taironas. Dessa forma, cada chefe ficaria encarregado de dominar um território e ter controle sobre várias comunidades ao mesmo tempo, obtendo controle sobre um vasto setor da economia e dos recursos.

A lógica da economia descendente sugere que o chefe terá capacidade para administrar a produção das comunidades sob sua responsabilidade e beneficiar os membros da mesma com os produzidos.

A essência desse modelo levaria ao desenvolvimento de relações econômicas mais complexas, resultantes da interação entre poderes centralizados e a hierarquia das sociedades.

Atividades comerciais e subsistência

Com a chegada dos espanhóis, as comunidades de Taironas construíram terraços aráveis ​​e muros de pedras para proteger as plantações. Algumas dessas construções podem ser observadas hoje no território dos Koguis.

Para os Taironas, o cultivo de alimentos básicos como o milho foi fundamental para sua economia, no entanto, a dureza desses alimentos levou os Taironas a desenvolver técnicas de cozimento que permitiam amolecer, amassar e comer em um estado mais suave.

Com a passagem dos séculos e o surgimento de camponeses crioulos após a chegada dos espanhóis, foi introduzido o cultivo de alimentos como bananas, auyama e árvores frutíferas. Dessa forma, a economia de Tairona foi modificada e suas colheitas foram deslocadas para partes mais altas das montanhas (Quilter & Hoopes, 2003).

Objetos de uso diário

A cultura material dos Taironas era bastante simples, por esse motivo, objetos do cotidiano, como roupas, utensílios de cozinha, ânforas e recipientes e até redes, eram bastante simples e não eram de grande importância. Portanto, esses objetos não ocupavam um lugar representativo na economia de Tairona (Minahan, 2013).

Troca comercial

As relações de troca comercial existiram durante séculos nas tribos de Taironas. A troca de açúcar e tijolos primitivos com camponeses de outras terras e até camponeses crioulos após a chegada dos espanhóis, permitiu aos Taironas espalhar o uso de vários produtos especializados, como ferramentas de ferro, sais e alimentos secos ao sol.

Divisão do trabalho

Na economia de Tairona, homens e mulheres trabalhavam na terra, ajudando na construção e fabricação de roupas e utensílios.

No entanto, havia uma acentuada diferença de gênero, onde os homens eram os únicos que podiam se envolver em cerâmica, plantio de coca e manutenção de infra-estrutura, e as mulheres tinham que levar água, cozinhar e lavar a roupa. (Cidade, 2016)

Referências

  1. Burgos, AB (12 de maio de 2016). Colômbia, um país pequeno HISTÓRIA COLOSSAL . Obtido em The Taironas: colombiashistory.blogspot.com.co.
  2. City, TL (2016). A Cidade Perdida . Obtido do Povo Tayrona: laciudadperdida.com.
  3. Davis, W. & Ferry, S. (2004). National Geographic . Obtido de Guardiões do Mundo: ngm.nationalgeographic.com.
  4. Dever, A. (2007). A economia de Tairona. Em A. Dever, DESENVOLVIMENTO SOCIAL E ECONÔMICO DE UMA COMUNIDADE ESPECIALIZADA EM CHENGUE (pp. 16-18). Pittsburg: Universidade de Pittsburg.
  5. Langebaek, CH (2005). Antecedentes: A sequência arqueológica. Em CH Langebaek, A população pré-hispânica das baías de Santa Marta (p. 8). Pittsburg: Universidade de Pittsburg.
  6. Minahan, JB (2013). Arahuacos Em JB Minahan, Grupos Étnicos das Américas: Uma Enciclopédia: Uma Enciclopédia (pp. 36-38). Santa Bárbara: ABC-Clio.
  7. Quilter, J. & Hoopes, JW (2003). A economia política do ouro pré-colombiano: quatro exemplos do norte da América do Sul. Em ouro e poder na antiga Costa Rica, Panamá e Colômbia (pp. 259-262). Washington DC: Dumbarton Oaks.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies