Carmen de Burgos e Seguí: biografia, estilo, obras e frases

Carmen de Burgos e Seguí, mais conhecida pelo pseudônimo de Colombine, foi uma escritora, jornalista e feminista espanhola nascida em Almeria, em 1867. Foi uma das primeiras mulheres jornalistas da Espanha e uma das grandes defensoras dos direitos das mulheres e da igualdade de gênero.

Seu estilo de escrita era marcado pela clareza, objetividade e comprometimento social, abordando temas como a emancipação feminina, a educação, a política e a literatura. Entre suas obras mais conhecidas estão “La rampa”, “Peregrinaciones”, “El tesoro de la juventud” e “Los inadaptados”.

Carmen de Burgos também é lembrada por suas frases marcantes e inspiradoras, que refletem seu comprometimento com a causa feminista e sua luta pela igualdade. Uma de suas frases mais famosas é: “A verdadeira liberdade da mulher começa quando ela pode ganhar a vida por si mesma”. Sua contribuição para o movimento feminista e para a literatura espanhola foi de grande importância, e seu legado continua a inspirar gerações de mulheres em todo o mundo.

Principais obras de Carmen de Burgos: um legado literário de grande impacto.

Carmen de Burgos e Seguí, também conhecida como Colombine, foi uma escritora espanhola de grande importância no início do século XX. Nascida em Almería em 1867, ela foi uma pioneira no feminismo e no jornalismo, além de ter sido a primeira mulher a trabalhar como correspondente de guerra.

Seu estilo literário era marcado pela clareza e objetividade, abordando temas sociais e feministas com sensibilidade e profundidade. Suas obras refletiam suas convicções políticas e sua luta pelos direitos das mulheres, tornando-a uma figura inspiradora para muitas escritoras contemporâneas.

Algumas das principais obras de Carmen de Burgos incluem “La rampa”, “La mujer fantástica” e “Peregrinaciones”. Nestes livros, ela abordava questões como a emancipação feminina, a igualdade de gênero e a crítica social, sempre com uma perspectiva feminista e progressista.

Além de sua produção literária, Carmen de Burgos também deixou um legado de frases inspiradoras, como “A liberdade é a única riqueza que não se perde”. Suas palavras continuam a ressoar nos dias de hoje, lembrando-nos da importância da luta pelos direitos das mulheres e da igualdade de gênero.

Em resumo, Carmen de Burgos foi uma figura excepcional que deixou um legado literário de grande impacto, marcado por sua coragem, sua inteligência e sua dedicação à causa feminista. Suas obras continuam a ser lidas e estudadas até hoje, inspirando novas gerações de escritores e ativistas.

Biografia de Carmen de Burgos: Pioneira do feminismo espanhol e escritora de renome internacional.

Carmen de Burgos e Seguí, mais conhecida como Colombine, foi uma escritora, jornalista e ativista espanhola nascida em Almería em 1867. Ela é considerada uma das pioneiras do feminismo espanhol e uma das primeiras mulheres a se destacar no mundo literário e jornalístico do país.

Desde cedo, Carmen demonstrou sua paixão pela escrita e pela defesa dos direitos das mulheres. Ela foi uma das primeiras mulheres a frequentar a universidade em Espanha e se formou em Filosofia e Letras. Sua carreira como escritora começou cedo, colaborando com vários jornais e revistas da época.

Com um estilo literário único e inovador, Carmen de Burgos abordou temas como o direitos das mulheres, a igualdade de gênero e a liberdade individual. Suas obras foram aclamadas internacionalmente e traduzidas para vários idiomas.

Entre suas obras mais conhecidas estão “Peregrinaciones” e “La rampa”, onde aborda questões sociais e políticas da Espanha do século XIX. Carmen também foi uma defensora da educação e da liberdade de expressão, lutando contra a censura e a opressão do regime da época.

Além de sua produção literária, Carmen de Burgos também ficou conhecida por suas frases impactantes e inspiradoras, como: “A liberdade é o direito de ser livre, seja qual for o lugar onde se nasça”. Sua influência no feminismo espanhol e na literatura do país é inegável, sendo uma figura importante na história da Espanha e do movimento feminista.

Carmen de Burgos e Seguí: biografia, estilo, obras e frases

Carmen de Burgos e Seguí (1867-1932) foi escritora, jornalista, tradutora, defensora e ativista dos direitos da mulher. Ele fez parte da Geração de 98 e assinou alguns de seus escritos com os pseudônimos de Colômbia, Perico el Palotes, Marianela e Honorine.

O trabalho de Carmen foi focado no desenvolvimento do papel da mulher na sociedade, além de ser esposa, mãe e dona de casa. Sua missão era incluí-lo em ações culturais, acadêmicas e intelectuais, através da independência e liberdade.

Carmen de Burgos e Seguí: biografia, estilo, obras e frases 1

Carmen de Burgos. Fonte: Não declarado. Desconhecido [Domínio público], via Wikimedia Commons
Relacionado:  Fernando de Herrera: biografia, características e obras

Carmen de Burgos era uma escritora prolífica, ou seja, seus trabalhos eram muitos. Ensaios, romances, artigos de jornal e traduções compunham a variedade de seus escritos. A mulher fantástica e eu queremos viver minha vida foram alguns de seus títulos reconhecidos.

Biografia

Nascimento e família

Maria del Carmen Ramona Loreta nasceu em Almeria, em 10 de dezembro de 1867, no seio de uma família rica, proprietária de minas e terras. Seus pais eram José de Burgos e Cañizares e Nicasia Seguí e Nieto. Carmen de Burgos era a irmã mais velha dos dez filhos que seus pais tiveram.

A educação escolar de Carmen

Os pais de Carmen de Burgos preocupavam-se em dar aos filhos uma educação cuidadosa e de qualidade. Como não discriminavam o sexo, a futura escritora recebeu o mesmo ensinamento de seus irmãos do sexo masculino; daí vem, talvez, o interesse dela pela igualdade feminina.

Casamento precoce

Em 1883, quando Carmen tinha apenas dezesseis anos, casou-se com o jornalista e pintor Arturo Álvarez y Bustos, embora seu pai discordasse. O marido, que tinha 28 anos, era filho do governador de Almeria e também estava encarregado de Almería Bufa, uma revista da corte irônica.

Formação Acadêmica de Burgos

O fato de ter se casado prematuramente não impediu Carmen de Burgos de se formar profissionalmente. Em 1895, quando tinha 28 anos, se formou como professor no ensino fundamental e três anos depois no ensino superior na capital espanhola. Naquele ano, sua filha Maria nasceu.

Logo após se formar, em 1901, ele começou a praticar em Guadalajara. Enquanto isso, a vida de casada de Carmen não era sólida e começou a desmoronar. Seu marido não era o que ela acreditava, na época ela entendia a oposição de seu pai.

Fim do seu casamento

Carmen de Burgos passou por experiências desagradáveis ​​durante os anos em que se casou, o marido foi infiel em muitas ocasiões. A isso foi adicionada a morte de seus dois primeiros filhos em tenra idade. No entanto, em 1901, o escritor optou por sair de casa e começar de novo.

Carmen de Burgos, determinada, foi com sua filha Maria a Madri, levando consigo a dor de ter perdido seus dois filhos mais velhos. Seu início foi firme, no ano seguinte ele obteve uma coluna no jornal El Globo, chamado de notas femininas, e em 1903 o Diário Universal também abriu as portas e assinou seus artigos como colombiano.

Caminho para o sucesso e reconhecimento

A atividade jornalística de Carmen de Burgos levou-a a ser reconhecida como profissional na área, algo sem precedentes na Espanha de seu tempo. Além disso, seus escritos na imprensa começaram a gerar polêmica, porque ele abordou questões como o divórcio em uma sociedade ainda conservadora e tradicional; Isso, a longo prazo, custou-lhe censura pela ditadura de Franco.

Ao mesmo tempo, ele estava encarregado de espalhar idéias, pensamentos, estilos de vida e modas totalmente novos na Espanha, o que produziu que ele tinha aliados e detratores. Mais tarde, em 1905, ganhou uma bolsa de estudos para expandir o conhecimento no nível educacional e viajou pela França e Itália. Carmen tornou-se o modelo feminino.

Entre ativismo e amor

Em 1906, depois de retornar de sua viagem à Europa, ele escreveu no jornal Herald of Madrid uma série de artigos pelo direito das mulheres de votar. Ele também formou um grupo de reuniões sociais, de natureza modernista, onde importantes intelectuais da época coincidiam. Sua presença foi respeitada em cada espaço, precedida por seu verbo notável.

Carmen de Burgos e Seguí: biografia, estilo, obras e frases 2

Carmen de Burgos, foto de 1913. Fonte: [Domínio público] não aparece, via Wikimedia Commons

Foi precisamente nessas reuniões literárias que ele conheceu quem se tornaria seu novo amor, o jovem de dezenove e futuro escritor, Ramón Gómez de la Serna. Admiração, amizade e amor se reuniam todas as tardes na casa de Burgos; e em 1909, contra a aparência dos palestrantes, eles começaram o relacionamento.

Burgos em toda parte

Em 1907, Carmen de Burgos trabalhou como professora na população de Toledo, mas viajou regularmente para Madri. Então, em 1909, foi correspondente do jornal El Heraldo, sobre os acontecimentos de Barranco del Lobo, onde as tropas espanholas caíram diante dos soldados da região africana da Rif.

Em 1909, o pai de sua filha, Arturo Álvarez y Bustos, morreu. O que aconteceu significava que o relacionamento com Gómez de la Serna era mais bem visto pela sociedade conservadora. Embora De la Serna e Burgos não se casassem, o caso durou cerca de vinte anos.

Relacionado:  38 belos poemas de romantismo (de grandes autores)

Águas turvas

A filha de Carmen de Burgos, María, decidiu dedicar-se à atuação. Em 1917, casou-se com o ator Guillermo Mancha e eles foram morar na América. No entanto, treze anos depois o casamento chegou ao fim e ela voltou à Espanha.

Carmen tentou ajudá-la, mas sua filha não teve sucesso, ela também se tornou viciada em drogas. A maior surpresa foi a escritora quando descobriu que María e de la Serna tinham um caso. Embora o caso tenha durado pouco tempo, De Burgos terminou com seu parceiro permanentemente.

Boa colheita para Carmen

Em 1931, quando o governo da Segunda República começou, as campanhas e ações que Carmen de Burgos havia realizado valeram a pena. O divórcio, o voto feminino e o casamento civil foram aprovados. A partir dessa data, ele fazia parte do Partido Republicano Socialista Radical, ocupando um assento de importância.

O escritor também publicou naquele ano o romance Quero viver minha vida, e também fez parte do conselho da organização da Liga Internacional de Mulheres Ibéricas e Hispano-Americanas. Carmen de Burgos também se juntou à Maçonaria, algo estranho por parte desse grupo. A posição anti-eclesiástica do escritor sempre foi evidente.

Morte do escritor

A morte de Carmen de Burgos foi repentina; em 8 de outubro de 1932, ele se sentiu mal durante um evento. Ela foi levada para sua casa, onde foi rapidamente tratada por seu médico e amigo, Gregorio Marañón. No entanto, os esforços foram em vão, porque ele morreu no dia seguinte; Ele tinha sessenta e quatro anos.

Carmen de Burgos e Seguí: biografia, estilo, obras e frases 3

Túmulo de Carmen de Burgos e família, no cemitério civil de Madri. Fonte: Strakhov [CC BY-SA 3.0], via Wikimedia Commons

Sua partida emocionou intelectuais e políticos. O trabalho dele não era por menos, já era importante em todas as áreas e havia mudado profundamente na sociedade espanhola. Seus restos mortais descansam no cemitério civil de Madri. Durante o regime de Franco, seu trabalho foi banido devido ao seu conteúdo liberal.

Estilo

O estilo do trabalho de Carmen de Burgos y Seguí tinha uma linguagem clara, precisa e vigorosa para os temas que ela desenvolveu. Além disso, seus escritos foram caracterizados por serem realistas, inovadores e modernos; a liberdade e a independência de sua personalidade se refletiam em seus ensaios e artigos.

Seu trabalho era social e cultural. Através de sua caneta, ele conseguiu tornar as mulheres valorizadas na sociedade espanhola como um ser capaz de empreender e se desenvolver como os homens. Seus temas frequentes eram feminismo, votação feminina, divórcio e inclusão de mulheres.

Trabalhos

Novelas

– Alucinação (1905).

– Os desajustados (1909).

– A varanda (1909).

– A rampa (1917).

– Eles e eles ou eles e eles (1917).

– O último contrabandista (1918).

.O retorno. Romance espírita (1922).

– a hora do amor (1922).

– O mimado (1923).

Os espíritos (1923).

– A mulher fantástica (1924).

– Tio de todo mundo (1925).

– Os antiquários (data desconhecida).

Quero viver a minha vida (1931).

– Adaga de cravo (1931).

Ensaios e outros escritos

– ensaios literários (1900).

– Álbum artístico literário do século XX (1901).

– Notas da alma (1901).

– Tratado de trabalho moderno (1904).

– Divórcio na Espanha (1904).

– Mulheres na Espanha (1906).

– A arte de saber viver. Práticas sociais (1906).

– Viaje na Europa. Impressões (1906).

– Cartas sem destinatário (data desconhecida).

– A penteadeira prática (1910).

– A voz dos mortos (1911).

– Giacomo Lopardi. Sua vida e suas obras (1911).

– Missão social das mulheres (1911).

– Novos modelos de letras (1914).

– Impressões da Argentina (1914).

– Confidências de artistas (1916).

– Minhas viagens na Europa. Suíça, Dinamarca, Suécia e Noruega (1916).

– Minhas viagens na Europa, volume II. Alemanha, Inglaterra, Portugal e Madri (1916).

– Você quer conhecer os segredos da penteadeira? (1917).

Figaro (1919).

– Mulheres modernas e seus direitos (1920).

– Feminino Vademecum (1920).

– Imperatriz Eugenie (1920).

– A arte de ser mulher. Beleza e perfeição (1922).

– modelos de carta. Ele contém todas as regras relativas ao estilo epistolar (1924).

– Amadís (1924).

– As saladas (1924).

– Tio de todo mundo (1925).

Relacionado:  Rosario Castellanos: biografia, estilo, obras e frases

– A arte de ser mulher. Beleza e perfeição: estética e psicologia da moda. Os grandes professores O luxo e suas criações.

– Conversando com os descendentes (1929).

– Vida gloriosa e morte infeliz de D. Rafael del Riego. Um crime dos Bourbons (1931).

– você quer comer bem? Manual prático de culinária. Foi reeditado em 1931 e 1936.

A mulher em casa. Economia doméstica (data desconhecida).

– Saúde e beleza. Segredos de higiene e toucador (data desconhecida).

– Votação, escolas e escritórios das mulheres (data desconhecida).

– Arte de ser elegante (data desconhecida).

– Arte de saber viver (data desconhecida).

– tesouro de beleza. Arte de seduzir (data desconhecida).

– A arte de ser amado (data desconhecida).

– A cozinha moderna (data desconhecida).

Romances curtos

– O tesouro do castelo (1907).

– Caminhos da vida (1908).

– O veneno da arte (1910).

Carmen de Burgos e Seguí: biografia, estilo, obras e frases 4

Retrato de Carmen de Burgos, de Julio Romero de Torres. Fonte: Julio Romero de Torres [Domínio público], via Wikimedia Commons

– Os indecisos (1912).

– A justiça do mar (1912).

– Frasca, o tolo (1914).

– Maus amores (1914).

– Villa Maria (1916).

– Os usurários (1916).

O homem negro (1916).

– O inesperado (1916).

– O perseguidor (1917).

– Paixões (1917).

– O melhor filme (1918).

– Tudo menos isso (1918).

– Dois amores (1919).

– A flor da praia (1920).

– Os amores de Faustino (1920).

– Lua de mel (1921).

– A cidade encantada (1921).

– O intrometido (1921).

– Artigo 438 (1921).

– A princesa russa (1922).

– O suicídio assassinado (1922).

– A mulher fria (1922).

– O desejo (1923).

– O estrangeiro (1923).

– O cansaço do amor (1923).

– Aquele que se casou muito jovem (1923).

– A miniatura (1924).

– A juba da discórdia (1925).

– O nostálgico (1925).

– O missionário de Teotihuacán (1926).

– Misericórdia (1927).

– Ele estava sem ela (1929).

– Os demonizados de Jaca (1932).

Traduções

– A história da minha vida. Burro, surdo e cego de Helen Keller (1904).

– A inferioridade mental da esposa de Paul Julius Moebius (1904).

– Os Evagenlios e a segunda geração cristã de Ernesto Renan (1904).

– A Guerra Russo-Japonesa de Leon Tolstoi (1904).

– No mundo das mulheres, de Roberto Bracco (1906).

– Dezesseis anos na Sibéria de León Deutsch (1906).

– O rei sem coroa de Georges de Bouhelier (1908).

– A conquista de um império por Emilio Salgari (1911).

– Fisiologia do prazer de Pablo Mantegazza (1913).

– As manhãs em Florença, por John Ruskin (1913).

– Tales to Mimí, de Max Nordau (1914).

– A Bíblia de Amiens, de John Ruskin (1916).

Frases

– “Você tem que viver na paisagem interior de nossas almas.”

– “O verdadeiro progresso dos povos está na ética.”

– “Eu acho que o futuro nos pertence.”

– “Uma das coisas que de preferência deve atrair a atenção da sociedade, devido à sua grande importância e necessidade, é a cultura e a educação das mulheres, das quais dependem a civilização e o progresso dos povos. Cuidar da educação das mulheres é cuidar da regeneração e progresso da humanidade. ”

– “O mal social vem da ignorância e obscurantismo, a salvação está na educação e no trabalho …”.

– “Minhas aspirações são de que, nos fundamentos dessa sociedade devastada, a sociedade do futuro seja elevada.”

– “… O verdadeiro progresso dos povos está na ética, nada de atos ou convenções; leis humanas baseadas na mesma natureza, amor de irmãos por todos; que os direitos individuais terminam onde começa a dor dos outros ”.

– “Então fui para a cidade … e eu, que acreditava que toda a humanidade era boa, vi suas pequenas coisas, suas misérias … e senti a dor das tristezas dos outros, e chorei com os oprimidos e invejei os mundos onde os homens não vivem”.

Referências

  1. Carmen de Burgos. (2019). Espanha: Wikipedia. Recuperado de: es.wikipedia.org.
  2. Carmen de Burgos. Biografia (2019). Espanha: Instituto Cervantes. Recuperado de: cervantes.es.
  3. Cornejo, J. (2019). Carmen de Burgos, entre outras coisas, a primeira correspondente de guerra espanhola. Espanha: Rincon. Centro Virtual de Cervantes. Recuperado de: cvc.cervantes.es.
  4. Jiménez, M. (S. f.). Carmen de Burgos eu segui. Espanha: Dicionário Biográfico de Almeria. Recuperado de: dipalme.org.
  5. Carmen de Burgos
    colombiana: “o verdadeiro progresso dos povos está na ética”.
    (2013) .Espanha: Flores do Deserto. Recuperado de: floresdeldesierto.es.

Deixe um comentário