Celenterados: características, habitat, reprodução

Os celenterados são um grupo de animais marinhos pertencentes ao filo Cnidaria, que inclui organismos como as medusas, águas-vivas, corais e anêmonas-do-mar. Possuem características únicas, como a presença de células urticantes chamadas cnidócitos, que são utilizadas para capturar presas e se defender de predadores. Habitam principalmente ambientes marinhos, podendo ser encontrados em recifes de coral, águas costeiras e oceânicas. Quanto à reprodução, os celenterados podem se reproduzir de forma assexuada, por brotamento ou fragmentação, ou de forma sexuada, com a liberação de gametas que se encontram na água para formar novos organismos. Esses animais desempenham um papel fundamental nos ecossistemas marinhos e são de grande importância para a biodiversidade dos oceanos.

Onde os celenterados vivem e se desenvolvem em seus habitats naturais marinhos?

Os celenterados são animais marinhos pertencentes ao filo Cnidaria, que inclui organismos como águas-vivas, corais e anêmonas-do-mar. Esses animais podem ser encontrados em diversos habitats marinhos, desde águas rasas até as profundezas do oceano. Eles são comuns em recifes de corais, costões rochosos e até mesmo em águas abertas.

Os celenterados possuem características únicas que os tornam adaptados a viver em ambientes aquáticos. Eles possuem células especializadas chamadas cnidócitos, que são responsáveis por injetar toxinas em suas presas. Além disso, eles também possuem tentáculos que são utilizados para capturar alimentos e se defender de predadores.

A reprodução dos celenterados pode ocorrer de forma assexuada, através de brotamento ou fragmentação, ou de forma sexuada, através da liberação de gametas na água. Após a fecundação, ocorre o desenvolvimento de larvas que se fixam em substratos adequados para se transformarem em indivíduos adultos.

Em resumo, os celenterados vivem e se desenvolvem em ambientes marinhos, em habitats diversificados que vão desde recifes de corais até águas abertas. Eles possuem características únicas que os tornam adaptados a esse tipo de ambiente, como os cnidócitos e os tentáculos, e se reproduzem de forma assexuada ou sexuada, contribuindo para a diversidade desses animais no oceano.

Reprodução dos celenterados: entenda como ocorre o processo de reprodução desses organismos marinhos.

Os celenterados, também conhecidos como cnidários, são organismos marinhos que possuem características únicas e interessantes. Eles são encontrados em diversos habitats aquáticos, desde os mares até os oceanos, e são conhecidos por sua capacidade de se reproduzir de diferentes formas.

Existem duas principais formas de reprodução nos celenterados: reprodução assexuada e reprodução sexuada. Na reprodução assexuada, ocorre a formação de novos indivíduos a partir de um único organismo, sem a necessidade de gametas. Já na reprodução sexuada, gametas masculinos e femininos se unem para formar um novo organismo.

Na reprodução assexuada, os celenterados podem se reproduzir por brotamento ou por fragmentação. No brotamento, um novo organismo se desenvolve a partir de uma parte do organismo original. Já na fragmentação, o organismo se divide em partes menores, que se desenvolvem individualmente em novos indivíduos.

Na reprodução sexuada, os celenterados produzem gametas masculinos e femininos que se fundem para formar um zigoto. Esse zigoto se desenvolve em um novo organismo, que se desenvolverá e se tornará um novo indivíduo da espécie.

É importante ressaltar que a reprodução dos celenterados pode variar de acordo com a espécie e as condições ambientais. Alguns celenterados podem se reproduzir apenas de forma assexuada, enquanto outros podem se reproduzir de forma sexuada ou alternar entre os dois tipos de reprodução.

Em resumo, a reprodução dos celenterados é um processo fascinante e essencial para a perpetuação da espécie. Com sua capacidade de se reproduzirem de diferentes formas, esses organismos marinhos conseguem garantir a continuidade de sua linhagem e a diversidade dos ecossistemas aquáticos.

Onde vivem os cnidários?

Os cnidários são animais aquáticos que podem ser encontrados em diversos ambientes marinhos ao redor do mundo. Eles habitam principalmente águas salgadas, como oceanos, mares e recifes de coral. Alguns cnidários também podem ser encontrados em águas salobras, como estuários e lagunas.

Os cnidários são conhecidos por suas características únicas, como a presença de células urticantes chamadas cnidócitos, que utilizam para capturar presas e se defender de predadores. Além disso, eles possuem um corpo em forma de saco com uma abertura central, conhecida como boca, e tentáculos ao redor dela.

Relacionado:  Pinus oocarpa: características, habitat, usos e cultivo

Quanto à reprodução, os cnidários podem se reproduzir de forma sexuada ou assexuada, dependendo da espécie. Na reprodução sexuada, os cnidários liberam gametas na água, onde ocorre a fecundação. Já na reprodução assexuada, eles podem se reproduzir por brotamento ou divisão celular.

Em resumo, os cnidários são animais marinhos que habitam principalmente águas salgadas, como oceanos, mares e recifes de coral. Eles possuem características únicas, como os cnidócitos, e podem se reproduzir de forma sexuada ou assexuada, dependendo da espécie.

Reprodução dos cnidários: entenda o processo de reprodução destes animais marinhos.

Os celenterados, também conhecidos como cnidários, são animais marinhos pertencentes ao filo Cnidaria. Este grupo inclui animais como águas-vivas, anêmonas e corais. Os celenterados possuem características únicas, como a presença de células urticantes chamadas cnidócitos, que são utilizadas para capturar presas e se defender de predadores.

Quanto ao habitat, os celenterados são encontrados principalmente em ambientes aquáticos, tanto em águas salgadas quanto em águas doces. Eles podem viver em diferentes profundidades, desde águas rasas até o fundo do oceano.

A reprodução dos cnidários pode ocorrer de duas formas: assexuada e sexuada. Na reprodução assexuada, ocorre a formação de novos indivíduos a partir de fragmentação ou brotamento. Já na reprodução sexuada, há a formação de gametas que se unem para gerar novos organismos.

No processo de reprodução sexuada, os cnidários podem apresentar diferentes estratégias, como a liberação de gametas na água para a fecundação externa ou a formação de larvas que se desenvolvem até se tornarem indivíduos adultos. Esses animais podem apresentar ciclos de vida complexos, com fases de pólipos e medusas, dependendo da espécie.

Em resumo, os celenterados são animais fascinantes que possuem características únicas e estratégias de reprodução variadas. Seu papel nos ecossistemas marinhos é fundamental, contribuindo para a biodiversidade e o equilíbrio dos ambientes aquáticos.

Celenterados: características, habitat, reprodução

Os celenterados (Coelenterata), também conhecidos como celentéreos ou pólipos, agrupam uma série de animais invertebrados aquáticos, principalmente marinhos. Dependendo do sistema de classificação, eles são considerados uma aresta ou um super-arquivo.

Entre os celenterados estão corais, hidras, águas-vivas, anêmonas, penas do mar e algumas espécies endoparasitas. Alguns vivem em água doce, como é o caso do Clorohidra , mas são mais comuns em ambientes marinhos.

Celenterados: características, habitat, reprodução 1

Água-viva da lua. (Aurelia aurita). Autor: Alasdair flickr.com/photos/csakkarin/

Uma das características mais proeminentes desse grupo é a presença de células pungentes (nematoblastos), utilizadas na defesa e captura de suas presas.No caso de Ctenophora, não existem células picadas, mas células que secretam substâncias pegajosas para aderir e prender presas (coloblasto).

Grupos que têm nematoblastos podem causar irritação severa na pele dos banhistas nas áreas costeiras. Em alguns casos, como a “fragata portuguesa” ( Physalia physalis ), a toxina pode causar a morte.

Em geral, os celenterados fazem parte dos ecossistemas marinhos. Particularmente as formações de corais têm uma grande importância ecológica, pois contêm uma alta diversidade de espécies. Além disso, eles formam barreiras muito eficazes que protegem as praias e manguezais das ondas.

Caracteristicas

Morfologia geral

Eles são organismos multicelulares. Sua estrutura básica é como a de um saco. Eles têm uma abertura (boca) que dá acesso a uma única cavidade interna (cavidade gastrovascular ou colenterón). Essa cavidade é conectada ao exterior através de uma abertura ou boca. Essa abertura é chamada de estomódio e serve como boca e ânus.

Ao redor da boca, eles apresentam uma série de 4 a 8 tentáculos que servem para prender e direcionar a comida. Estes são ocos e abertos dentro da cavidade gastrovascular.

Os celenterados são organismos diploblásticos (a parede do corpo é formada por duas camadas de células separadas umas das outras pelo tecido conjuntivo). O ectoderma ou ectoderme é a camada externa e o endoderme ou endoderme é a camada interna. Entre eles existe uma camada não celular, a mesogléia.

Relacionado:  Árvore filogenética: tipos e suas características, exemplos

O sistema muscular não é formado por células musculares verdadeiras, mas por células epiteliais especializadas.

Nematoblastos

Os celenterados têm células especializadas chamadas nematoblastos ou cnidoblastos na superfície do corpo. Essas células têm uma cápsula chamada nematócito.

Dentro do nematocisto, há um filamento em espiral e um líquido muito picante. O líquido é uma toxina chamada hipnotoxina ou actinocongestina.

Ao lado da abertura ou opérculo do nematoblast, há um tipo de coluna excitável chamada cnidocil.

Quando algo toca o cnidocil, o mecanismo é ativado e o filamento é disparado rapidamente, cavando a pele da presa ou agressor. Dessa maneira, inocula a toxina que paralisa a presa ou afasta o agressor.

Perigo para os banhistas

Alguns desses organismos, especialmente as formas de água-viva, podem causar sérios danos aos banhistas nas áreas costeiras. Seus nematoblastos causam queimaduras graves na pele. Por esse motivo, eles são chamados de “água ruim”.

A chamada “fragata portuguesa” ( Physalia physalis ) carece de água-viva, mas elas são confusas. Esta espécie produz um veneno que produz danos neurotóxicos nos seres humanos, causando uma dor muito intensa que pode levar à morte.

Espécies parasitárias

Ovos da espécie Polypodium hydriforme parasita em peixes de água doce da família Acipenseridae. O esturjão pertence a esta família de peixes, cujos ovos constituem caviar.

Classificação

O termo Coelenterata ou celentéreos é controverso. Em um sentido amplo, compreende mais de 10.000 espécies.

Em termos clássicos, os celenterados incluem cnidários, ctenóforos e placozoas. No entanto, algumas evidências moleculares indicam que este seria um grupo parafilético, uma vez que exclui animais de simetria bilateral.

Por outro lado, alguns pesquisadores forneceram evidências que mostram o Coelenterata como um grupo monofilético (todos os seus elementos derivam de um único ancestral).

De acordo com essas diferentes visões, o grupo de celenterados pode ser tratado como um superfile ou uma borda.

Superfile Coelenterata

Coelenterata seria um superfilo que inclui o filo Cnidaria, Ctenophora e Placozoa.

Cnidaria incluem anêmonas, penas do mar, corais ou pólipos em colônias, águas-vivas e parasitas de ovos de peixes (mixozoários). Eles são caracterizados por apresentar cnidocils.

Os Ctenophora têm uma estrutura chamada ctenóforo. Os ctenóforos estão localizados nos tentáculos e transportam células especializadas chamadas coloblastos. Essas células secretam uma substância pegajosa que retém a presa quando entra em contato com o tentáculo.

Os Placozoa são organismos de estrutura extremamente simples, quase reduzidos a uma colônia de células formando uma folha plana.

Phylum Coelenterata

Em outras classificações, apenas grupos dentro dos cnidários são considerados censurados. Estes compõem a borda Coelenterata que geralmente é subdividida em quatro classes: Anthozoa, Hydrozoa, Schyphozoa e Myxozoa.

Anthozoa : somente a forma do pólipo é apresentada. Neste grupo estão corais, anêmonas e penas do mar.

Hidrozoários : nesse grupo, eles geralmente alternam as formas pólipo e água-viva. Eles formam colônias polimórficas, onde os indivíduos são modificados para desempenhar diferentes funções. A forma de água-viva, quando presente, é pequena em tamanho.

Neste grupo está a “fragata portuguesa”, onde um dos indivíduos assume a função de uma bexiga cheia de gás para flutuação (pneumóforo).

Schifhozoa : é formado pela água-viva clássica. Eles são caracterizados por apresentar uma fase muito pequena do pólipo.

Mixozoários : são organismos endoparasitários (penetram nos tecidos do hospedeiro) de peixes e anelídeos.

Habitat

São encontrados em ecossistemas aquáticos, principalmente marinhos em áreas tropicais, embora alguns habitem água doce. Eles têm formas bentônicas, isto é, habitam o fundo do mar, como anêmonas e corais. E formas planctônicas, aquelas que flutuam livremente na coluna d’água, como é o caso de formas semelhantes a águas-vivas.

Existem pelágicos (eles vivem no mar, na plataforma continental), como certas águas-vivas, e há demensais (eles vivem nas águas costeiras), como corais e anêmonas.

Reprodução

Eles têm alternância de gerações. Eles têm uma fase de reprodução sexual e assexuada.

Assexual

A reprodução assexuada é iniciada. Solavancos se formam na parede externa. Então a diferenciação celular ocorre formando uma boca cercada por tentáculos. Finalmente, a gema se destaca e continua seu crescimento para formar um indivíduo adulto.

Relacionado:  21 animais que respiram pela traquéia

Sexual

Para a reprodução sexual, eles produzem esperma e óvulos. Órgãos transitórios (glândulas) que atuam como testículos e ovários, respectivamente, são formados na superfície externa. Nos dois casos, trata-se de inchaços dentro dos quais os gametas são formados.

Dentro do testículo, as células intersticiais do ectoderma são transformadas em espermatozóides. O esperma sai, quebrando o muro.

No ovário, uma célula intersticial ectodérmica se desenvolve de forma amebóide. Ele incorpora o restante das células presentes e forma o óvulo.

Os espermatozóides nadam para alcançar o ovário, penetram e fertilizam o óvulo. O ovo é então gerado, que se desenvolve em um embrião dentro de um cisto. O cisto é destacado e após um período de incubação dá origem a um novo indivíduo.

Em alguns casos, eles formam uma larva plana e ciliada que possui simetria bilateral (larva de planula). Esta larva nada até o fundo, onde é fixa e forma pólipos. Este pólipo, por sua vez, se reproduz assexuadamente, dando origem a águas-vivas que realizam a reprodução sexual.

Formas adultas

Pólipos

Os pólipos são colunares e assentados sobre uma base, podendo parecer solitários (hidra, anêmonas ou actínias) ou formar colônias (corais e penas do mar).

Os pólipos têm exoesqueleto e endosqueleto de carbonato de cálcio. A mesogléia ou camada intermediária do corpo é condensada em uma estrutura mais rígida e semelhante a couro.

Água-viva

A água-viva é cupuliforme, com formas de disco ou bulbosas. Nestas, a mesogléia é distendida por uma geléia com 99% de água.

Em algumas espécies, eles alternam a forma de pólipo com a forma de água-viva. Em outros, apenas pólipos são formados.

Colônias: recifes de coral

Os pólipos organizados na colônia são chamados zooóides individualmente. A colônia é formada pela estreita relação anatômica entre um zooide e outro.

Em alguns casos, todos os zooides são iguais e têm a mesma função, como no caso de coral vermelho ou branco. Em outros casos, os zooóides são diferentes e cumprem várias funções, como ocorre nos hidrozoários.

Quando há polimorfismo colonial, existem vários tipos de zoóides: nutrição, criadores e defensores. Existem até zooides flutuantes ou pneumatophore no grupo dos sifonóforos.

As colônias crescem e se expandem, exigindo condições ambientais específicas para seu desenvolvimento. Entre estes, temos uma temperatura da água não inferior a 20 ° C, alta radiação solar, águas não turvas, sem agitação excessiva.

Dependendo da distribuição dos fatores ambientais, vários tipos de formações são gerados. Temos recifes costeiros, atóis ou ilhas de coral e recifes de coral (por exemplo, a grande barreira australiana).

Alimento

Eles são principalmente carnívoros. Alimentam-se de pequenos animais aquáticos, como crustáceos, minhocas, plâncton e detritos orgânicos que são arrastados pelas correntes e capturados graças aos tentáculos.

Captura de alimentos

Eles têm um sistema nervoso sensibilizado por produtos químicos orgânicos simples que se espalham no ambiente aquático. Isso lhes permite mover presas para a boca e engolir a comida.

Algumas espécies, como vespas do mar ( Chironex fleckeri ), detectam e se movem em direção à barragem.

Digestão

Uma vez que o alimento é ingerido, ele entra na cavidade gastrovascular e é digerido lá. Os resíduos são expelidos pela mesma cavidade em que entraram.

A digestão é extracelular e intracelular. A decomposição extracelular dos alimentos ocorre no colenteron, e as partículas dos alimentos são distribuídas através do colenteron para o corpo, onde são submetidas à digestão intracelular.

Referências

  1. Chen C. (1995). Relações sistemáticas nos anthozoários (Cnidaria: anthozoa) usando a extremidade 5 ‘do rDNA 28S. Filogenética Molecular e Evolução, 4 (2): 175–183.
  2. Fautin DG e RN Marshal. (1991). Cnidaria: Anthozoa. Em: Harrison FW e JA Westfall (Eds) Anatomia Microscópica de Invertebrados, vol.2, Placozoa, Porifera, Cnidaria e Ctenophora, pp. 267-358. Nova York: Wiley – Liss.
  3. Mão C. (1959). Sobre a Origem e Filogenia dos Celenterados. Zoologia sistemática, 8 (4): 191-201.
  4. Quaglia A. (1981). O sistema muscular dos celenterados, Italian Journal of Zoology, 48 (1): 51-56.
  5. Shostak, S. (2005). Cnidaria (Celenterados). Enciclopédia de Ciências da Vida. doi: 10.1038 / npg.els.0004117.

Deixe um comentário