Coaching: características, tipos, benefícios

O treinamento é uma relação profissional contínua entre treinador e coachee que ajuda a alcançar resultados extraordinários na vida, profissão, negócios ou pessoas de negócios.O termo ônibus deriva do nome de uma carruagem do século XV usada na Hungria para viagens longas. Caracterizou-se por ser muito confortável para os viajantes.

Nesse mesmo século, o termo foi adaptado ao inglês como treinador e ao espanhol como carro. Na Inglaterra, além de usá-lo para nomear esse tipo de veículo, passou a ser aplicado para nomear o professor que, durante o período da viagem, realizava as tarefas com as crianças.

Coaching: características, tipos, benefícios 1

No século XIX, começou a ser usado nas universidades inglesas para se referir primeiro a professores acadêmicos e depois a esportes. Já no século XX, o termo começou a ser usado para certos programas educacionais, ou seja, desde 1980, quando passa a ser considerado uma profissão com treinamento e aplicações específicas.

Podemos considerar o coaching como um processo consultivo para ajudar uma pessoa ou grupo de pessoas nos processos de decisão e melhoria. Destina-se a alcançar o máximo de suas possibilidades em diferentes áreas da sua vida, como trabalho ou pessoal.

É um processo de treinamento que busca aprimorar as habilidades das pessoas em todos os níveis e capacitá-las em suas vidas. Facilita o aprendizado e promove mudanças cognitivas, emocionais e comportamentais que expandem a capacidade de ação com base no alcance dos objetivos propostos.

Recursos de treinamento

Através do processo de coaching, o cliente aprofunda seu conhecimento, aumenta seu desempenho e melhora sua qualidade de vida. ” Podemos ver como isso se relaciona especialmente à atividade esportiva, principalmente em sua faceta de busca constante por melhoria de desempenho e obtenção de conquistas significativas.

O setor esportivo também será utilizado em atividades comerciais e comerciais, claramente orientadas para esses fins.

A partir de sua definição, podemos nomear uma série de características que definem o processo e podem nos ajudar a entender melhor esse termo e os objetivos que ele busca:

É pessoal

É um processo centrado na pessoa e, portanto, é necessário fazer um diagnóstico e um plano de ação individualizado. Deve ser ajustado às necessidades e possibilidades de cada situação ou indivíduo.

Focado nos resultados

O coaching ajuda a se concentrar em objetivos e soluções, não em problemas. Olhe para o futuro e procure maneiras de avançar em vez de se concentrar nos inconvenientes que surgiram no passado.

Explícito

É essencial que a comunicação entre coach e coachee seja clara, concreta e explícita.

Implicação

Requer o envolvimento ativo e o envolvimento de todas as partes, mas sempre da vontade de alcançar a motivação para a mudança.

É mais do que um processo direcionado

Um aspecto fundamental é o vínculo de confiança e empatia gerado entre as partes que servirão de base ao longo do processo.

Relacionado:  Como aprender a aprender uma habilidade em 4 etapas

Confidencialidade

É importante garantir ao longo do processo e, especialmente, o que é discutido em cada uma das sessões.

Garantias

Há necessidade de garantias estáveis ​​(econômicas, pessoais, etc.) que permitam que o processo de coaching seja eficaz e independente de funcionalidade dentro de um determinado período de tempo.

Diferenças entre coaching e psicologia

Às vezes, o coaching é confundido com a psicologia, no entanto, são dois termos totalmente diferenciados, embora ambos possam ser usados ​​de maneira integrativa, adaptando-o às necessidades específicas de cada cliente.

Um primeiro aspecto diferenciador relevante e decisivo é que a psicologia é uma ciência. Por sua vez, o coaching é basicamente uma metodologia ou abordagem para o desenvolvimento pessoal em diferentes campos, baseada nos conhecimentos e estratégias desenvolvidos principalmente pelo campo da psicologia.

Embora o coaching use pensamentos, emoções, atitude e motivação em sua aplicação, assim como a Psicologia, em nenhum caso trata das possíveis patologias mentais que a pessoa pode sofrer.

A psicologia, por outro lado, dedica-se ao estudo, diagnóstico e tratamento dessas patologias, embora não o faça exclusivamente e haja diferentes campos de aplicação.

Por fim, podemos apontar outro aspecto que pode ajudar a esclarecer a diferença entre coaching e psicologia. O último objetivo é resolver problemas autolimitados, gerados pela norma geral no passado, enquanto o treinamento se concentra em conquistas positivas e em uma visão do futuro.

O processo de coaching

No processo de coaching, existem diferentes fases que, embora respondam de maneira genérica aos mesmos estágios, existem variações dependendo das escolas ou orientações. Também existem diferenças dependendo se o contexto é individual, de equipe ou organizacional.

Mas a ICF (International Coach Federation) indica uma série de diretrizes comuns. O processo começa com o estabelecimento do objetivo a ser alcançado e termina quando esse objetivo se materializa.

Uma série de fases é estabelecida levando em consideração que não é necessário seguir esta ordem em todos os casos:

Fase 1: Geração de Contexto

A fase inicial é considerada. Nele, o treinador explica em que consiste o processo e suas estruturas gerais, inclui uma parte do treinamento no processo e a metodologia utilizada.

Por outro lado, o coachee expõe seus objetivos e expectativas. O objetivo desta fase é criar um ambiente de confiança mútua. Esta primeira fase pode ser especificada em:

  • Touchdown
  • Criação de um relacionamento e primeiro acordo sobre os objetivos.

Fase 2: Observação e inquérito

Trata-se de obter informações sobre a situação atual do coachee para entendê-lo, detectar crenças, esclarecer os objetivos etc. É especificado em:

  • Avaliação da situação individual inicial.

Fase 3: Feedback

Por um lado, trata-se de resumir e entender a situação atual do coachee, contrastando-a com o que o treinador entendeu e, por outro lado, com esse retorno de informações, aumenta seu nível de consciência sobre sua situação, o que pode levá-lo a avaliar novas possibilidades . Esta fase é especificada em:

Relacionado:  Autodisciplina: 10 passos para desenvolvê-lo
  • Feedback com as informações obtidas.
  • Segundo acordo dos objetivos (um primeiro acordo já foi feito na primeira fase).

Fase 4: Planos de ação

Desenho, avaliação e implementação de diferentes alternativas para alcançar os objetivos estabelecidos. É especificado em:

  • Realize a própria intervenção.
  • Avaliação de processo No caso de a avaliação ser negativa, ela volta para as etapas anteriores para executar o processo novamente.

Fase 5: Feedback de acompanhamento

A avaliação é realizada sobre o que funcionou corretamente, sobre as possíveis melhorias ou modificações e o nível de satisfação geral com o processo. Existem também algumas bases ou diretrizes a serem implementadas no futuro.

  • É o fim formal do processo de Coaching.

Recursos do treinador

Além do conhecimento necessário nessa área e da metodologia a ser utilizada, é importante que a pessoa que irá desempenhar as funções do treinador pense e aja de maneira positiva.

Uma série de atitudes que contribuirão para a eficácia do processo também é levada em consideração:

  1. Personalidade equilibrada Implica qualidades como maturidade psicológica e emocional, bem como segurança pessoal e bom senso.
  2. Essa atitude nos permite entender as necessidades e particularidades de cada coachee. Refere-se à variedade de ferramentas que devem estar disponíveis para uso no processo e aos diferentes ângulos para perceber um problema e suas possíveis soluções.
  3. Necessário espalhar entusiasmo e motivação no coachee para promover processos de melhoria pessoal.
  4. Compreendeu tanto a disponibilidade de tempo e recursos quanto o respeito e o cumprimento dos compromissos assumidos
  5. Segurança pessoal e profissional. Você deve trabalhar com confiança e firmeza, agindo para diminuir a ocorrência de qualquer dano potencial.
  6. Atitude permissiva ou não-diretiva. Essa atitude é o que diferencia um processo de coaching de liderança. Permite delegar responsabilidade ao coachee para que ele seja quem toma as decisões e decide para onde ele quer ir.

Tipos de treinamento, dependendo do escopo

Existem várias áreas nas quais um processo de coaching pode ser aplicado e dependendo dos objetivos que você deseja alcançar. Abaixo listamos os contextos mais comuns:

Treinamento pessoal

É um processo de desenvolvimento pessoal e / ou profissional cujo principal objetivo é melhorar a qualidade de vida do coachee. Permite desenvolver o potencial das pessoas para alcançar objetivos coerentes e mudanças em profundidade.

Coaching de negócios

Ele se concentra em obter eficiência nos resultados e ao mesmo tempo motivar e alcançar a satisfação dos trabalhadores da empresa ou organização.

Coaching executivo

O coaching executivo se concentra na otimização do desempenho executivo em suas diferentes fases de liderança. É um processo enquadrado no local de trabalho, estruturado e com indicadores do ambiente de trabalho que combina as expectativas do executivo com as da empresa.

Benefícios do coaching

Numerosos estudos demonstram a eficácia e os benefícios do coaching em diferentes níveis.

Relacionado:  77 Imagens de Superação e Motivação

Um trabalho de pesquisa acadêmica realizado por Suzy Wales em 2010 explorou as experiências de um grupo de gerentes participando de um programa de treinamento.

Por um lado, a investigação conclui que o coaching aumenta substancialmente a eficácia dos vínculos entre desenvolvimento pessoal, desenvolvimento gerencial e a eficácia da organização na qual o processo é aplicado.

Por outro lado, fica claro que qualidades pessoais como autoconsciência e autoconfiança contribuem para a assertividade, a compreensão e o gerenciamento do estresse. Finalmente, conclui que uma boa comunicação é essencial durante todo o processo para que seja eficaz.

Outra pesquisa realizada em 2006 nos Estados Unidos em um centro educacional indica que o processo de treinamento pode ser um meio de aumentar o nível de educação, pois contribui para melhorar o desenvolvimento profissional e incentiva a transmissão de maior aprendizado pelo professor para o aluno

Por outro lado, Marshall J. Cook, professor e treinador da Universidade de Wisconsin, lista uma série de características especificadas nos seguintes benefícios do coaching:

  • Ajuda a desenvolver as habilidades dos funcionários: É importante entender que um sucesso gera outro e instila a autoconfiança que leva a altos níveis de motivação e desempenho em muitas tarefas.
  • Ajuda a diagnosticar problemas de desempenho: se a pessoa não executar com a máxima eficiência, é necessário encontrar o motivo para chegar à solução.
  • Ajuda a corrigir desempenho insatisfatório. Encontre alternativas e soluções.
  • Ajuda a diagnosticar um problema de comportamento.
  • Promove relações de trabalho produtivas
  • Concentre sua atenção em fornecer conselhos: O treinador pode e deve ser um guia para a pessoa através dos obstáculos que possam surgir.
  • Oferece oportunidades para aumentar a conscientização: Oferece oportunidades naturais para elogiar o bom trabalho e esforço.
  • Estimula comportamentos de autocoaching: Quando o aconselhamento é oferecido para enfrentar um desafio, a pessoa é ensinada a entender como lidar com problemas semelhantes no futuro.
  • Melhora o desempenho e a atitude: ao permitir que o coachee assuma a responsabilidade e tome a iniciativa em sua vida, seu trabalho, seus relacionamentos etc.

Bibliografia

  1. KILBURG, R. DIEDRICH, R. (2007) A sabedoria do coaching: artigos essenciais em consultoria em psicologia para um mundo de mudanças. Estados Unidos.
  2. COUTU, D. KAUFFMAN, C. (2009) O que os treinadores podem fazer por você? Harvard Business review.
  3. WALES, S. (2010) Por que treinar? Journal of Change Management.
  4. RODHES, C. BENEICKE, S. (2006) Coaching, mentoring e networking entre pares: desafios para a gestão do desenvolvimento profissional do professor nas escolas. Revista de Educação em Serviço
  5. CLUTTERBUCK, D. (2003) Criando um Clima de Coaching. Rede de Coaching e Mentoring.
  6. BRITNOR, A. (1999) Para Coach, para Mentor … para What? Rede de Coaching e Mentoring.
  7. BRITNOR, A. (1999) Coaching e Mentoring – Uma Estratégia para o Sucesso. Rede de Coaching e Mentoring.

Deixe um comentário