Como era a Organização Social da Mesopotâmia?

A organização social da Mesopotâmia foi estabelecida por fileiras e hierarquias. Essas fileiras hierárquicas eram bastante marcadas: o rei tinha a posição mais alta, enquanto os mais baixos eram os escravos da época.

Por sua vez, entre os reis e escravos estavam as pessoas de classe média, entre os quais sacerdotes, camponeses e artesãos.

Como era a Organização Social da Mesopotâmia? 1

A base fundamental para o estabelecimento da organização social foi a família. Isso ocorre porque as classes eram completamente hereditárias.

O poder do rei só poderia ser alcançado se ele o herdasse. O mesmo aconteceu com as outras classes.Essa organização social variou ao longo de um período; Essa variação ocorreu principalmente entre as classes de maior poder e classificação.

Ocorreu especialmente entre homens livres, clero e nobreza; esses grupos assumiram cargos no governo.

As 4 principais classes sociais da Mesopotâmia

1- Reis, príncipes e suas famílias

Os reis eram aqueles que possuíam a mais alta posição hierárquica e autoridade na sociedade. Seu poder foi adquirido de maneira hereditária, também de natureza divina.

No entanto, os reis não eram considerados deuses da época, eram considerados intermediários entre deuses e seus crentes. Os reis foram aconselhados pelos padres, os últimos foram os mais confiáveis.

Entre suas funções, os reis tinham controle absoluto do poder legislativo, judicial e executivo.

O rei foi caracterizado como o juiz supremo e o primeiro comandante militar. Note-se que eles eram responsáveis ​​pelo controle das águas e culturas em todo o território.

2- Classe líder ou nobreza

Essa divisão era formada por padres, chefes militares, proprietários de grandes terras e comerciantes. Nesta classificação foi o estrato de classe alta.

Os padres trabalhavam na cidade como curandeiros e adivinhos. Os sacerdotes mais próximos do rei estavam encarregados de aconselhá-lo sobre decisões da maior importância.

Relacionado:  Código Napoleônico: antecedentes, características, objetivos

Os pertencentes ao grupo dominante ocupavam cargos administrativos abaixo do rei. É importante notar que os comerciantes tiveram um papel fundamental, pois obtiveram sua riqueza graças à troca.

3- Homens livres

Esta categoria foi formada por todos os agricultores, pecuaristas, agricultores e artesãos.

Estes três últimos trabalharam principalmente para o rei. Gradualmente, o rei autorizou artesãos, fazendeiros e agricultores a trabalhar em suas terras; Depois disso, surgiu a propriedade privada.

Da mesma forma, os agricultores formaram o maior grupo, já que a economia que predominava na Mesopotâmia era a agricultura. Essa classe social era a mais numerosa.

4- Os escravos

Essa última organização era composta por todos os presos e cidadãos de baixa renda que, para liquidar suas dívidas, precisavam vender a si mesmos e a suas famílias.

Escravos eram pessoas sem nenhum direito, pertencentes ao reino e pessoas da classe alta.

Os escravos realizavam as obras nas terras e as construções de monumentos. Essas pessoas eram basicamente pagas pelos proprietários apenas com alimentos, roupas e óleos.

Referências

  1. Joaquín Sanmartín, JM (1998). História antiga do Oriente Próximo: Mesopotâmia e Egito. Madri: edições AKAL.
  2. Macias, R. (2002). História da 1ª série. Cidade do México: Editorial Limusa.
  3. Mieroop, MV (1997). A antiga cidade da Mesopotâmia. Nova York: Clarendon Press.
  4. Potts, DT (1997). Civilização Mesopotâmica: Os Fundamentos Materiais. Londres: A&C Black.
  5. Reade, J. (1998). Mesopotâmia Madri: edições AKAL.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies