Comunicação não violenta: as 9 características que a definem

A comunicação não violenta é uma abordagem que busca estabelecer conexões empáticas e respeitosas entre as pessoas, promovendo a resolução de conflitos e a construção de relacionamentos saudáveis. Existem nove características que definem a comunicação não violenta e que são essenciais para a sua prática eficaz. Neste artigo, exploraremos essas características e como podem ser aplicadas no dia a dia para melhorar a qualidade das nossas interações interpessoais.

Os quatro componentes da Comunicação Não Violenta: entenda cada um deles.

A Comunicação Não Violenta (CNV) é uma abordagem de comunicação desenvolvida por Marshall Rosenberg, que visa promover a conexão e a empatia nas interações humanas. Existem quatro componentes principais que definem a CNV e que são essenciais para sua prática eficaz.

O primeiro componente da CNV é a observação. Isso significa descrever uma situação de forma objetiva, sem julgamentos ou avaliações. Em vez de dizer “Você sempre chega atrasado”, por exemplo, seria mais eficaz observar “Nas últimas três reuniões, você chegou 15 minutos depois do horário marcado”.

O segundo componente é a expressão de sentimentos. Aqui, é importante identificar e comunicar nossas emoções de forma clara e honesta. Em vez de culpar a outra pessoa, podemos dizer como nos sentimos em relação às ações dela. Por exemplo, “Quando você chega atrasado, me sinto frustrado e desvalorizado”.

O terceiro componente é a necessidade. Neste ponto, é crucial identificar quais necessidades estão por trás de nossos sentimentos. Ao expressar nossas necessidades de forma assertiva, podemos criar um espaço para que a outra pessoa entenda nossos motivos e encontre soluções em conjunto. Por exemplo, “Eu tenho a necessidade de pontualidade para que possamos aproveitar ao máximo o tempo juntos”.

O quarto e último componente é a pedido. Aqui, é importante fazer pedidos claros e específicos, sem exigências ou expectativas. Ao formular um pedido de forma positiva e construtiva, aumentamos as chances de sermos compreendidos e de obtermos uma resposta satisfatória. Por exemplo, “Você poderia se esforçar para chegar no horário combinado nas próximas reuniões?”

Ao praticar esses elementos, podemos melhorar nossos relacionamentos, resolver conflitos de forma pacífica e promover uma cultura de diálogo e compreensão mútua.

Aplicando a Comunicação Não-Violenta: Passo a passo para utilizar o CNV com sucesso.

A Comunicação Não-Violenta (CNV) é uma abordagem que busca promover a empatia, a compaixão e a resolução pacífica de conflitos. Para utilizar o CNV com sucesso, é importante seguir alguns passos simples que podem fazer toda a diferença nas nossas interações diárias.

O primeiro passo para aplicar a CNV é observar de forma objetiva e sem julgamentos a situação em questão. Em seguida, é importante identificar os sentimentos e necessidades envolvidos, tanto os nossos quanto os das outras pessoas.

Relacionado:  Como se comportar diante de pessoas tóxicas: 6 dicas

Uma vez que tenhamos identificado as emoções e necessidades presentes, o próximo passo é expressar de forma clara e honesta o que estamos sentindo, sem culpar ou criticar o outro. É essencial também escutar atentamente o que a outra pessoa tem a dizer, demonstrando empatia e compreensão.

Após a expressão de sentimentos e necessidades, é importante negociar soluções que levem em consideração as necessidades de todas as partes envolvidas. Por fim, é fundamental agir de acordo com o que foi acordado, buscando sempre a colaboração e o respeito mútuo.

Ao seguir esses passos, é possível utilizar o CNV de forma eficaz e construtiva, promovendo relações mais saudáveis e harmoniosas. A prática da Comunicação Não-Violenta nos ajuda a desenvolver a empatia, a compaixão e a empatia, tornando nossas interações mais autênticas e significativas.

Benefícios da Comunicação Não Violenta nas relações corporativas e cotidianas.

A Comunicação Não Violenta (CNV) é uma abordagem de comunicação que visa estabelecer conexões mais profundas e empáticas entre as pessoas, promovendo uma comunicação mais clara e respeitosa. Nas relações corporativas e cotidianas, a aplicação dos princípios da CNV pode trazer inúmeros benefícios para todos os envolvidos.

Uma das características principais da CNV é a empatia, que envolve a capacidade de compreender os sentimentos e necessidades do outro. Ao desenvolver a empatia, é possível criar um ambiente de confiança e colaboração, contribuindo para o estabelecimento de relações mais saudáveis no ambiente de trabalho e no convívio diário.

Outra característica importante da CNV é a autenticidade, que se refere à capacidade de expressar de forma honesta e respeitosa as próprias opiniões e sentimentos. Quando as pessoas se comunicam de maneira autêntica, evitando máscaras e falsas pretensões, a comunicação se torna mais transparente e eficaz.

A valorização das emoções é também um aspecto fundamental da CNV. Ao reconhecer e validar as emoções presentes em uma interação, as pessoas conseguem se conectar de forma mais genuína e construtiva, evitando conflitos e mal-entendidos.

Além disso, a CNV incentiva a comunicação clara e direta, evitando interpretações equivocadas e promovendo uma troca de informações mais eficaz. Quando as mensagens são transmitidas de forma objetiva e assertiva, as chances de desentendimentos diminuem significativamente.

A resolução de conflitos é outra área em que a CNV se destaca. Por meio de técnicas de comunicação não violenta, as pessoas aprendem a lidar com desentendimentos de forma construtiva, buscando soluções que atendam às necessidades de todas as partes envolvidas.

Ao aplicar os princípios da CNV, as pessoas podem desenvolver habilidades de comunicação que contribuem para um ambiente mais harmonioso e colaborativo.

Comunicação não violenta: as 9 características que a definem

Comunicação não violenta: as 9 características que a definem 1

A comunicação é um processo complexo; Mesmo para pessoas que falam o mesmo idioma, pode ser difícil entender um ao outro.

Relacionado:  50 perguntas divertidas para surpreender alguém

Isso ocorre porque quando expressamos nossas idéias, pensamentos ou emoções oralmente ou por escrito, estamos cientes do que queremos expressar, e não do que os outros possam entender.

Neste artigo, falaremos sobre comunicação não violenta , daremos algumas técnicas para melhorar nossa comunicação e ser mais assertivos quando expressamos nossos pensamentos.

Como é a comunicação não violenta?

A comunicação não violenta corresponde principalmente ao grau de empatia estabelecido entre as pessoas . Quanto maior o nível empático do sujeito, menor será a violência em seu estilo de comunicação.

O oposto ocorre quando se trata de assuntos antipáticos, que são incapazes de se colocar no lugar do outro e não percebem o desconforto que suas palavras podem causar em outras pessoas.

Abaixo, veremos algumas técnicas para promover o estilo de comunicação assertiva em nós mesmos e nos outros.

1. Reconhecer nossas emoções

Quanto mais conscientes de como nos sentimos em um determinado momento, mais capazes seremos para evitar a comunicação violenta .

Às vezes, quando estamos chateados, costumamos dizer coisas das quais mais tarde lamentamos. Então, se pudermos reconhecer nosso desconforto, também poderemos evitar emitir opiniões ou palavras violentas e com a capacidade de prejudicar outras pessoas.

O que é recomendado é ficar em silêncio e ir a um lugar onde possamos pensar com clareza e depois expressar nossas opiniões com calma e assertividade.

2. Colocar-nos no lugar dos outros

Quando estamos prontos para nos expressar, devemos sempre levar em consideração a situação específica em que outras pessoas se encontram em relação ao ponto de vista de alguém.

Em outras palavras, evitemos abordar questões delicadas de outras pessoas de maneira leve; deve-se lembrar que, para o outro, é uma questão delicada, que a mobiliza emocionalmente.

3. Pratique comunicação assertiva

Já mencionamos esse aspecto, agora vamos ver o que é. A comunicação assertiva consiste em expressar nossas idéias e emoções de maneira clara , para que o interlocutor não precise fazer muito esforço para entender o que estamos tentando dizer, porque nossas mensagens são claras.

Isso evita mal-entendidos devido a mal-entendidos da outra pessoa.

  • Você pode estar interessado: ” Assertividade: 5 hábitos básicos para melhorar a comunicação “

4. Implementar escuta ativa

No processo de comunicação, não é apenas importante se expressar , também é importante interpretar a mensagem que vem da outra pessoa.

No caso da comunicação verbal, devemos sempre ouvir atentamente o que nosso emissor nos diz. Ao fazer isso, poderemos entender melhor a mensagem que eles estão tentando nos dar, e a resposta que daremos será mais precisa em termos de assunto.

Relacionado:  Teoria da equidade: o que é e o que diz sobre relacionamentos

5. Saiba como reconsiderar nossas opiniões

Nada acontece para reconsiderar uma opinião que, em princípio, parecia apropriada e que, depois de ouvir o argumento da outra pessoa, percebemos que estávamos errados.

Aprender a dar a razão para os outros nos leva a uma melhor compreensão coletiva e nos torna pessoas mais empáticas .

Ninguém possui uma razão absoluta, é por isso que devemos ter cuidado para não cair no radicalismo, caso contrário, tornamo-nos propensos a ser pessoas violentas em todos os aspectos.

6. Seja informado

Esse ponto refere-se ao fato de que, quando não temos informações suficientes sobre nenhum assunto, podemos dar opiniões que não são razoáveis. É melhor garantir que conhecemos o assunto em profundidade antes de dar qualquer opinião delicada.

A desinformação apenas contribui para gerar rumores e matrizes de opinião equivocadas que podem causar muitos danos, individual e coletivamente.

7. O discurso deve ser consistente com as ações

Como vimos anteriormente, a comunicação é um processo complexo, que não é apenas verbal ou escrito. Uma parte importante da comunicação passa por nosso comportamento e nossa comunicação não verbal.

É importante garantir que nossas palavras sejam consistentes com o que fazemos . Não é saudável para nós expressar algumas idéias e, em seguida, fazer o oposto na prática, sem mencionar que isso pode gerar conflitos pessoais com outras pessoas.

8. Evite cair em provocações

Muitas vezes, pode acontecer que, embora pratiquemos comunicação assertiva e não violenta, surjam situações em que outras pessoas querem nos provocar, tentando perder o controle de nós mesmos e agir da mesma maneira que agem.

Quando isso acontece, é melhor evitar entrar em uma longa discussão com essas pessoas . É importante lembrar que não somos obrigados a sempre responder a todos; às vezes é melhor calar a boca sabendo que dessa maneira evitamos um grande conflito.

9. Nos cercamos de pessoas que praticam uma linguagem de paz

Do mesmo modo que cada um de nós influencia o coletivo, o coletivo também nos influencia . É por isso que é importante nos cercarmos de pessoas que estão em nossa mesma harmonia, evitar que pessoas conflitantes nos beneficie grandemente e em muitos aspectos.

Referências bibliográficas:

  • Martínez Jiménez, JA; Muñoz Marquina, F.; Sarrión Mora, M. Á. (2011). “Linguagem e Comunicação”. Língua e literatura espanhola (edição Akal). Madri: Akal.
  • Trenholm, Sarah; Jensen, Arthur (2013). Comunicação Interpessoal Sétima Edição. Nova York: Oxford University Press.

Deixe um comentário