Comunidade Climax: características, tipos, exemplos

Comunidade Climax: características, tipos, exemplos

Uma comunidade de clímax é aquela que faz parte de um ecossistema de clímax, por isso tem maior estabilidade. Os ecossistemas do clímax são aqueles que alcançam um equilíbrio para condições ambientais específicas, desenvolvendo a complexidade trófica máxima alcançável sob essas condições.

Por exemplo, em um clima com alta precipitação e temperaturas quentes como a tropical, a comunidade do clímax é a floresta tropical. Em condições de clima temperado com quatro estações definidas, as florestas de planifolia (angiospermas de folhas largas) se desenvolvem.

No entanto, além do clima geral como fator determinante, outros fatores entram em jogo, como o solo, que também influencia a vegetação estabelecida. Por exemplo, nas planícies do norte da América do Sul, as savanas são estabelecidas devido, entre outras coisas, a seus solos arenosos.

De qualquer forma, as comunidades clímax desenvolvem o maior número possível de cadeias alimentares, biodiversidade, biomassa e estabilidade, o que permite as condições ambientais da área.

O paradigma da comunidade madura ou do clímax é a floresta amazônica, com sua grande diversidade biológica concentrando uma enorme biomassa. Mas em condições opostas, com déficits hídricos e solos pobres, a comunidade madura alcançada é a do deserto.

Características da  comunidade do clímax

Estabilidade sustentável e fatores determinantes

A comunidade do clímax também é chamada de vegetação potencial e refere-se a uma comunidade de plantas, animais e outros organismos que é estável e sustentável. Isso ocorre porque faz um uso otimizado das condições climáticas e do solo de seu ambiente.

No processo de sucessão ecológica, a comunidade do clímax representa o último estágio em que são estabelecidas as inter-relações máximas possíveis entre seus membros. Esse ponto de equilíbrio é determinado por um ou mais fatores ou agentes que definem o limite extremo da sucessão.

Entre esses fatores está o macroclima ou o clima geral que corresponde à área geográfica. Da mesma forma, influenciam o microclima (clima de uma pequena área), o solo e até a ação humana.

Outros fatores, como turbulência da água, salinidade ou quantidade de oxigênio dissolvido, entram em cena nos ecossistemas aquáticos.

Comunidade madura

Existe uma tendência ecológica para as comunidades variarem, avançando em direção a uma maior maturidade em termos de complexidade ao estabelecer um maior número de relações tróficas. Em outras palavras, a biodiversidade aumenta, mais cadeias alimentares são criadas e o número de níveis tróficos aumenta (produtores, consumidores primários e secundários, etc.).

Aumento da produção primária e de biomassa

Em sucessão, a biomassa (células e tecidos vivos) aumenta progressivamente, o que implica um número maior de seres vivos e de maiores dimensões. Há também um aumento na produção primária (mais usinas ou outros produtores primários gerando energia).

Relacionado:  Os 6 principais tipos de erosão

Relação produção primária / biomassa total

Na comunidade madura ou no clímax, há uma diminuição na taxa de produção primária em relação à biomassa total. Isso significa que a biomassa se acumula e não interfere diretamente na produção primária.

Por exemplo, quando a sucessão ecológica se move das pastagens para as florestas, há uma grande quantidade de biomassa na forma de troncos de árvores que não fotossintetiza.

Armazenamento de nutrientes

Outra característica relevante de um clímax ou de uma comunidade madura é que diminui a reserva de nutrientes fora dos organismos. Por exemplo, no estágio de pastagem, a maior quantidade de nutrientes está no solo e uma parte menor nas gramíneas.

No entanto, quando a sucessão é transformada em comunidade florestal, a maior quantidade de nutrientes é acumulada na biomassa e uma menor proporção no solo.

Estabilidade

Comunidades maduras ou comunidades de clímax desenvolvem uma série de mecanismos próprios que lhes permitem manter um equilíbrio dinâmico estável.

Por exemplo, uma floresta tropical tem uma influência decisiva em seu clima interior e até nos arredores. Isso torna as comunidades maduras mais tolerantes às mudanças ambientais, desde que não sejam drásticas.

Tipos de  comunidade climática

Em termos descritivos, existem três tipos de comunidades de clímax, diferenciando o que é esperado em termos teóricos e o que realmente existe.

Comunidade ideal para o clímax

Esta é uma comunidade teórica, ou seja, a comunidade mais madura possível, dadas as condições climáticas. Isso se baseia no conhecimento disponível até agora da ecologia da comunidade.

Por exemplo, dado um clima tropical chuvoso, a comunidade mais madura que teoricamente deveria estar na área é a floresta tropical. Esta categoria também implica que nenhum distúrbio está agindo na área.

Comunidade potencial de clímax

Esse conceito refere-se à comunidade mais madura possível que deve ser estabelecida se algum distúrbio em uma determinada área desaparecer. Por exemplo, se uma colheita é estabelecida em uma área com clima tropical chuvoso, ao eliminá-la, a sucessão levaria ao aparecimento de uma floresta tropical

Comunidade do clímax real

Aqui está o clímax ou a comunidade madura que realmente existe em uma área, independentemente do que a teoria diz que deveria estar presente.

Modelo Monoclimax

O conceito de comunidade climática e ecossistema climático mudou ao longo do tempo. Inicialmente, considerou-se que, para uma determinada condição climática, havia apenas uma comunidade climática possível.

Isso é conhecido como modelo monoclima, ou seja, uma comunidade climática única para cada tipo de clima. Esse modelo tem a desvantagem de priorizar o clima como determinante do limite da possível comunidade biológica.

Relacionado:  Qual o impacto dos combustíveis? (alternativas possíveis)

Deste ponto de vista, quando a comunidade climática esperada não ocorre em uma área com um certo clima, supõe-se que haja um distúrbio. Portanto, foram propostos conceitos de tipos de comunidades não clímax conhecidas como proclimax.

As comunidades proclimax são definidas como aquelas que quase atingem o clímax, mas não correspondem exatamente à potencial comunidade clímax. Isso ocorre pela ação de algum distúrbio que modifica a sucessão e impede o alcance do clímax e são conhecidos quatro tipos:

Disclimax

É um tipo de comunidade diferente do que deveria, dependendo do macroclima da área, devido às alterações causadas pela ação humana ou animal doméstica. Por exemplo, o pasto mediterrâneo tem um equilíbrio associado à presença de porcos e gado.

Preclimax

Um tipo de comunidade correspondente a um clima mais seco ou mais frio do que a comunidade climática correspondente ao macroclima da área. Por exemplo, uma área em que chove o suficiente, mas um solo rochoso ou arenoso diminui a retenção de água.

Pós-clímax

Uma comunidade de clima mais úmido ou mais quente do que a região onde se desenvolve. Pode ser determinado pela presença de uma reserva de água subterrânea ou de um rio em uma zona seca.

Subclimax

São comunidades que precedem o clímax, parecem ser climáticas (comunidades de clímax), mas ainda não atingiram o potencial clímax. Isso ocorre devido a algum fator perturbador persistente, como incêndio, alagamento ou outro.

Modelo Polyclimax e Padrão Climax

Mais tarde, surgiram outras visões, onde se considera que em uma determinada região com um certo clima um mosaico de comunidades clímax realmente aparece. Eles respondem não apenas ao clima geral, mas a outros fatores ambientais, como variabilidade do solo e até microclimas.

Nesse sentido, entende-se que o tipo de comunidade de máxima complexidade biológica, ou seja, madura, não depende exclusivamente do clima. Assim, a comunidade do clímax responde a uma combinação de vários fatores, incluindo clima, microclima, solo e até ação humana.

Exemplos

A floresta amazônica

A floresta tropical é o ecossistema do clímax por excelência e seu melhor representante é a floresta amazônica. Portanto, as comunidades que se desenvolvem ali, especialmente a floresta não alagada, constituem a maior complexidade de interações alcançáveis.

A floresta amazônica como comunidade climática é o ponto extremo de um processo de sucessão de plantas, de acordo com o que indica sua história biogeográfica. Considera-se que, em primeiro lugar, foram estabelecidos pontos de pastagem e selva que mudaram para a atual floresta amazônica.

Clima

Por ser uma região localizada na zona equatorial, recebe alta precipitação e alta radiação solar distribuída uniformemente ao longo do ano. As temperaturas são em torno de 26 a 30 ºC, em média, e as chuvas excedem 3.000 mm por ano.

Relacionado:  Porcentagem de energia no México usada no carvão

Eu costumo

Originalmente, era um solo rico em minerais derivados da erosão da cordilheira dos Andes, que, juntamente com a umidade e a temperatura, permitiam a sucessão das plantas. No processo, os solos evoluíram para os atuais que são pobres em nutrientes.

Comunidade madura ou clímax

Diante dessas condições, a floresta amazônica alcançou a máxima eficiência possível no uso de recursos para a produção de biomassa. É uma comunidade com alta produtividade primária, mas com maior acúmulo de biomassa (principalmente massa vegetal).

Gera seu próprio clima interno e tem uma influência decisiva no clima global e também possui uma alta diversidade biológica, que atinge apenas mais de 40 mil em espécies vegetais. Por outro lado, existe uma cadeia alimentar complexa que envolve milhares de espécies de todos os grupos de seres vivos.

O deserto de Sonora

Ele está localizado entre os EUA e o México, às margens do Golfo da Califórnia, uma região temperada com clima extremo. Portanto, a comunidade potencial do clímax não pode ser florestada principalmente devido ao déficit hídrico que limita o desenvolvimento da vegetação.

Clima

É uma região quente e seca, com temperaturas acima de 38 ºC no verão e até 10 ºC no inverno. Enquanto a precipitação é inferior a 250 mm por ano.

Eu costumo

Os solos são do grupo de aridisóis, com alto teor de areia, altamente permeáveis ​​e pobres em nutrientes.

Comunidade madura ou clímax

Nessas condições, o mato disperso é a comunidade climática que pode ser alcançada em sucessão ecológica. Nele existem inúmeras espécies de plantas suculentas, como o cacto Saguaro ( Carnegiea gigantea ).

O deserto de Sonora tem pouca biomassa e diversidade em comparação com a floresta amazônica, mas esses são os níveis mais altos possíveis, dadas as condições climáticas e do solo.

Referências

  1. Calow, P. (Ed.) (1998). A enciclopédia de ecologia e gestão ambiental.
  2. Campbell, N. e Reece, J. (2009). Biologia. 8ª edição Pearson Benjamin / Cummings.
  3. Clements, FE (1936). Natureza e estrutura do clímax. O Jornal de Ecologia.
  4. Gibson, DJ (1996). Conceitos errados do livro: O conceito climático de sucessão. O professor de biologia americano.
  5. Margalef, R. (1974). Ecologia. Edições Omega.
  6. Odum, EP e Warrett, GW (2006). Fundamentos da ecologia. Quinta edição. Thomson.
  7. Purves, WK, Sadava, D., Orians, GH e Heller, HC (2001). Vida. A ciência da biologia.
  8. Whittaker, RH (1953). Uma consideração da teoria do clímax: o clímax como população e padrão. Monografias ecológicas.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies