Confederação Peru-Boliviana: Causas e Consequências

A Confederação Peru-Boliviana foi estabelecida entre 1836 e 1839 como um estado confederado na América do Sul. Logo após a independência do Peru e da Bolívia do Império Espanhol, os governos de ambas as nações decidiram se integrar em um único estado.

Este breve ensaio de integração também era conhecido como Confederação Peruano-Boliviana. Seu território foi conformado pelo estado norueguês, sul-peruano e Bolívia, pois o território peruano havia sido dividido anteriormente em duas repúblicas ou estados.

Confederação Peru-Boliviana: Causas e Consequências 1

Mapa da Confederação Peru – Boliviana.

A Confederação foi oficialmente promulgada em 9 de maio de 1837 por representantes de cada região durante o Congresso de Tacna. A capital da Confederação foi estabelecida nesta cidade. Seu primeiro e único governante foi o marechal Andrés de San Cruz, então presidente da Bolívia e um dos heróis da independência.

Santa Cruz recebeu o título de suprema protetora, enquanto Luis José de Orbegoso foi nomeado presidente do Estado norueguês. A Confederação Peru-Boliviana se desintegrou após a Guerra da Confederação, que foi vencida pelo Exército Restaurador.

Este exército era formado por uma coalizão de forças chilenas, argentinas e peruanas. Outros fatores internos de poder também influenciaram sua desintegração. O ambicioso projeto de integração tentou retomar os laços comerciais e políticos dos territórios do sul do Peru com a Bolívia.

O objetivo era consolidar um estado mais poderoso que o Chile e o resto da América do Sul, com base na riqueza mineral que possuíam.

Antecedentes

Durante a Colônia, o atual território da Bolívia – que na época era conhecido como Alto Peru – fazia parte da Audiência Real de Charcas. Desde a sua criação, pertencia ao vice-reinado do Peru, mas em 1776 essa região foi separada administrativamente.

O público de Charcas tornou-se uma província do vice-reinado do Rio da Prata, que havia sido criado recentemente. No entanto, manteve seus vínculos tradicionais e históricos com Lima e não com a capital, Buenos Aires. Privaram nele razões geográficas, sociais e culturais.

No entanto, depois que a independência foi declarada, a República da Bolívia foi fundada em 1826 (em homenagem ao Libertador Simón Bolívar). O território boliviano foi separado da área de Cuzco-Arequipa, bem como de seus portos naturais de Ilo e Arica.

A Bolívia ficou com apenas o território costeiro mais ao sul, atravessado pelo deserto de Atacama. Estes eram territórios inóspitos e despovoados que dificultavam o comércio para a Bolívia.

Início do projeto de integração Peru-Bolívia

Como os outros territórios localizados mais ao sul, Arica pertencia ao departamento de Tarapacá e sua capital era a cidade de Iquiques. Historicamente, o porto de Arica era usado para transportar remessas de mercúrio do Alto Peru (minas bolivianas) por via marítima.

A união do Peru e da Bolívia foi amplamente apoiada pelos governantes e pela classe política de ambas as nações, mas o Libertador Simón Bolívar e o Marechal Antonio José de Sucre tinham outros planos para esses territórios.

Eles trabalharam em um projeto muito mais ambicioso: pan-americanismo; isto é, a integração das cinco nações recém-libertadas.

De tal maneira que foi criada a República da Bolívia, cujo primeiro presidente foi precisamente Bolívar. No entanto, logo Bolívar deixou a presidência e Sucre estava no comando. Instabilidade política e conspirações na Colômbia obrigaram-no a retornar a Bogotá.

Instabilidade política na república nascente

A independência do Peru em 1924 e o território boliviano em 1825 não trouxe paz, mas discórdia. O conflito entre as diferentes facções que reivindicam poder aumentou o clima de turbulência interna. O marechal Sucre como presidente não pôde organizar o estado da recém-criada república da Bolívia, devido à crescente pressão política.

Em 1828, após uma revolta armada ocorrida em Chuquisaca, o exército peruano invadiu a Bolívia sob o comando do general Agustín Gamarra.

Ele chegou a La Paz em 28 de maio de 1828 com ordens para expulsar o exército colombiano, bem como promover uma nova Constituição para unificar as duas repúblicas.

O cerco do exército peruano forçou Sucre a renunciar em setembro daquele ano e deixar o país. Em 1829, o marechal Andrés de Santa Cruz foi nomeado presidente, cargo que ocupou pelos próximos dez anos.

Guerra Grancolombo-Peruana

Antes das notícias da invasão de Gamarra à Bolívia, Bolívar declarou guerra ao Peru. O Libertador enviou tropas da Colômbia em 3 de junho de 1828 para combater o exército peruano. A guerra grancolombo-peruana durou até 1829.

As relações entre Peru e Gran Colômbia tornaram-se conflitantes nos primeiros anos de independência.

Isso ocorreu por várias razões: primeiro, pela derrubada do presidente José de la Mar no Peru, que foi instalado pelo Libertador antes de seu retorno à Colômbia; e depois, pela intervenção do exército peruano na Bolívia, ao qual foi acrescentada a reivindicação do Peru sobre Quito no Equador e outras áreas.

Conflitos internos no Peru

Em 1833, com a formação do novo Congresso Peruano e o culminar do governo de Agustín Gamarra, um período de anarquia foi gerado no Peru.

Após a Guerra Civil em 1835, o Congresso reconheceu Luis José Obregoso como presidente do Peru. No entanto, o marechal Gamarra não o reconheceu, mas suas tentativas de tomar o poder foram infrutíferas.

Em 1835, Orbegoso teve que enfrentar uma rebelião liderada pelo general Felipe Salaverry que encerrou seu governo no mesmo ano.

Salaverry proclamou-se presidente da República do Peru, mas Orbegoso – que continuou sendo apoiado por Santa Cruz, presidente da Bolívia – solicitou sua ajuda e enviou tropas para invadir o Peru.

Os líderes políticos concordaram em formar esta confederação para consolidar um estado mais forte perante o Chile e o resto da América do Sul. O problema surgiu entre eles ao decidir quem seria o homem chamado para liderar a nascente confederação.

O próprio Gamarra concordou com a união peruano-boliviana, mas não sob uma estrutura de governo confederado. Em vez disso, ele propôs que a Bolívia fizesse parte da República do Peru.

Causas

– Agustín Gamarra, presidente do Peru, e Andrés de Santa Cruz, presidente da Bolívia, consideraram que a separação dos territórios havia sido um grande erro. Portanto, eles criaram um plano para criar uma federação ou confederação para corrigi-lo.

– O projeto político de criação da Confederação Peru-Boliviana também procurou fortalecer o novo estado contra o Chile.

– O porto de Arica, que era o principal porto colonial da região de Charcas, ficava sob jurisdição do Peru na nova divisão político-territorial, porque o território de Arica não fazia parte do público de Charcas, mas pertencia ao Vice-reinado do Peru.

– Geograficamente, a Bolívia e o Peru eram dois países fronteiriços que se complementavam entre o lago Titicaca e o rio Madre de Dios, onde ambos os estados exerciam soberania.

– No nível econômico, tanto o Peru quanto a Bolívia eram economias complementares ligadas por rotas marítimas para seu comércio e indústria. A atividade de mineração de ambas as nações gerou uma alta troca comercial.

– Ambos os países tinham uma história comum. Nos seus territórios, as civilizações incas e tiahuanaco se estabeleceram. Na época do vice-reinado de Lima, esse território incluía o público de Charcas, hoje Bolívia.

– Peru e Bolívia foram lançados em conjunto na mesma Guerra da Independência por Simón Bolívar e Marechal Antonio José de Sucre.

– Antropologicamente, o povo aimara da Bolívia e os quíchuas do Peru são considerados irmãos. Ou seja, eles tinham um passado comum como povo e uma afinidade ideológica, étnica e cultural.

Consequências

– A Confederação Peru-Boliviana gerou uma forte rivalidade comercial entre Peru e Chile. Na época, o Chile gozava de uma posição de primazia comercial no continente.

– Durante o governo da Confederação, foram geradas fortes tensões entre ele e os governos do Chile, Argentina e parte da classe política e militar do Peru. O resultado foi a guerra contra a Confederação Peruano-Boliviana.

– As tensões estavam aumentando por vários motivos. O Chile estava exigindo o reembolso do empréstimo feito ao Peru durante a Guerra da Independência. Além disso, houve um incômodo nos chilenos para o financiamento do marechal Santa Cruz à expedição de Ramón Freire Serrano para derrubar o governo do presidente José Joaquín Prieto.

– A Confederação Peru-Boliviana foi dissolvida após a derrota sofrida por seus exércitos na batalha de Yungay em 20 de janeiro de 1839 pelas mãos do Exército Restaurador Unido, composto por tropas chilenas, argentinas e peruanas leais ao marechal Agustín Gamarra. Desde então, o Peru e a Bolívia se distanciaram definitivamente.

– As duas nações iniciaram o processo de delimitação de suas respectivas fronteiras até o início da República de Guano (Era de Guano) e a subsequente aproximação com o Chile. Décadas depois, em 1873, os dois países assinaram o Tratado de Aliança Defensiva Peruano-Boliviana com o objetivo de proteger seus interesses comerciais mútuos.

– A Confederação Peru-Boliviana entrou em colapso devido a inúmeras causas externas e internas. O exército desses países não pôde contra a coalizão chileno-peruana-argentina, superior em número e poder militar. Por outro lado, a Grã-Bretanha – que era aliada de Santa Cruz e suas idéias de livre troca – permaneceu distante do conflito.

– A Confederação gerou profundo ressentimento no sul da Bolívia e no norte do Peru. A magnificência de Lima, outrora a cidade sede do vice-reinado, foi reduzida à capital de uma das três regiões da Confederação. Enquanto estava no sul, Cuzco e Arequipa lutavam para ser a capital da região sul-peruana.

– Tacna foi escolhida como a capital da Confederação, apesar de ter uma população menor e menos prestígio do que os outros três territórios que faziam parte dela.

Personagens em destaque

Andrés de Santa Cruz

Confederação Peru-Boliviana: Causas e Consequências 2

Militar e político (1792–1865) nascido em La Paz, Bolívia, que ocupou a presidência do governo do Peru em 1827.

Então, entre 1829 e 1839, ele foi presidente da Bolívia e entre 1836 e 1839 serviu como protetor da Confederação Peru-Boliviana. Santa Cruz foi promovida ao posto de Grande Marechal de Zepita pelo governo peruano.

Luis José de Orbegoso

Confederação Peru-Boliviana: Causas e Consequências 3

Militar e político peruano (1795-1847) de origem aristocrática. Ele lutou na Guerra da Independência. Foi presidente provisório do Peru entre 1833 e 1836.

Ele apoiou a invasão da Bolívia por Andrés de Santa Cruz – que causou a guerra entre o Peru e a Gran Colômbia -, bem como a criação da Confederação Peru-Boliviana. Ele ocupou a presidência do Estado norueguês durante a Confederação entre 1837 e 1838.

Agustín Gamarra Messía

Confederação Peru-Boliviana: Causas e Consequências 4

Político e militar peruano (1785 – 1841), que foi duas vezes presidente do Peru (1829 a 1833 e 1839 a 1841). Ele não conseguiu terminar seu último período porque morreu na batalha de Ingavi, na Bolívia. Ele lutou por muitos anos para conseguir a anexação da Bolívia ao Peru.

Felipe Santiago Salaverry

Confederação Peru-Boliviana: Causas e Consequências 5

Militar e político peruano (1806-1836), que foi presidente do Peru de fevereiro de 1835 a fevereiro de 1836. Ele era o presidente mais jovem dessa nação e também o mais jovem que morreu. Ele se rebelou contra o presidente Luis José de Orbegoso e o derrubou.

Foi uma das fortalezas militares contra a invasão peruana da Bolívia. Salaverry foi capturado e executado pelas tropas do marechal boliviano Andrés de Santa Cruz.

Antonio José de Sucre

Confederação Peru-Boliviana: Causas e Consequências 6

Político e militar venezuelano (1795-1830) e herói da independência da Venezuela, Colômbia, Peru e Bolívia. Sucre foi exaltado com o título de Grande Marechal de Ayacucho por seu heroísmo.

Antonio José de Sucre também foi diplomata, estadista e um dos heróis mais reconhecidos da luta emancipatória da América. Foi presidente da Bolívia e governador do Peru, além de general-chefe do Exército Libertador da Grande Colômbia e comandante do Exército do Sul.

Simon Bolivar

Confederação Peru-Boliviana: Causas e Consequências 7

Simón Bolívar (1783-1830) foi libertador da Venezuela, Colômbia, Peru, Bolívia e Panamá. Nasceu em Caracas (Capitania Geral da Venezuela). Ele fundou a Gran Colombia e a República da Bolívia, é um dos heróis mais notáveis ​​da emancipação americana.

Referências

  1. Confederação Peru-Boliviana. Recuperado em 11 de maio de 2018b de historiacultural.com
  2. A guerra contra a Confederação Peru-Boliviana (1837-1839). Consultado de memoriachilena.cl
  3. Por que a Confederação Peruano-Boliviana falhou? Consultado em diariocorreo.pe
  4. A guerra contra a Confederação Peru – Bolívia (1836-1839). Consultado de icarito.cl
  5. A guerra chilena contra a Confederação Peru-Boliviana (PDF). Recuperado de repository.uchile.cl
  6. Confederação Peru-Boliviana. Consultado em es.wikipedia.org

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies