Aurelia aurita: características, habitat, ciclo de vida

A medusa-da-lua é uma medusa pertencente à classe scyphozoa. Devido às suas características, é o modelo exemplar dessa classe. Foi descrita por Carlos Linnaeus em 1758 e é uma das espécies mais abundantes de água-viva do planeta. Este animal também é conhecido como água-viva da lua ou água-viva de pires (por sua forma).

Embora existam muitos dados e informações sobre Aurelia aurita , ainda existem muitos aspectos que ainda precisam ser elucidados e descobertos. Todos os dias há mais estudos sobre ela e seus aspectos relevantes, como toxina e bioluminescência, entre outros.

Aurelia aurita: características, habitat, ciclo de vida 1

Espécimes de Aurelia aurita. Fonte: Nenhum autor legível por máquina é fornecido. Yosemite ~ commonswiki assumido (com base em reivindicações de direitos autorais). [CC BY-SA 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)]

Taxonomia

A classificação taxonômica de Aurelia aurita é a seguinte:

– domínio Eucarya.

– reino animal.

– Borda Cnidária.

– Classe de cifozoários.

– Ordem semaeostomeae.

– Família Ulmaceae.

– Gênero Aurelia.

– Espécie Aurelia aurita.

Caracteristicas

Aurelia aurita é um organismo composto por uma grande variedade de células, cada uma especializada em uma função específica. Portanto, é correto dizer que essa água-viva é um organismo multicelular.

Da mesma forma, durante o desenvolvimento embrionário, apenas duas camadas germinativas aparecem: endoderme e ectoderma, e é por isso que elas estão localizadas na diblástica. A importância dessas camadas reside no fato de que diferentes órgãos são diferenciados deles.

Da mesma forma, essa água-viva possui simetria radial, pois todos os seus órgãos e estruturas estão dispostos em torno de um eixo central.

O Aurelia aurita é um animal carnívoro heterotróficos. Isso se traduz no fato de que, ao não realizar o processo de fotossíntese, ele não é capaz de sintetizar seus próprios nutrientes, portanto deve se alimentar de outros seres vivos.

Como outros organismos da borda cnidária, Aurelia aurita é um animal bioluminescente, graças ao seu genoma que contém o gene que codifica a expressão da proteína verde fluorescente (GFP).

Esta água-viva contém um grande número de cnidócitos, especialmente em seus tentáculos. Nessas células, é sintetizada a toxina que essa água-viva usa para atacar suas presas e se defender contra possíveis predadores.

Morfologia

Aurelia aurita tem uma morfologia semelhante à de todas as águas-vivas que pertencem à classe dos cifozoários. São constituídos por uma sombrinha com formato característico de cogumelo, com superfície lisa. Também é translúcido, mas não transparente. Pode apresentar tons de azul.

Da mesma forma, em relação ao tamanho, também há variedade. Eles foram observados a partir de pequenos espécimes de cerca de 40 cm, para alguns cujas medidas excedem 2 metros.

Pólipo

É conhecido como cifistoma. É pequeno em tamanho. Pode ser encontrado sozinho, embora na maioria das vezes esteja formando colônias de até 600.000 indivíduos.

Eles são fixados ao substrato através de uma estrutura conhecida como discopedium. No centro do pólipo há uma abertura que tem uma forma quadrangular, a boca. Isso é cercado por vários tentáculos que participam da captura e imobilização de possíveis presas.

A boca se abre para uma cavidade conhecida como cavidade gastrovascular, onde é realizada a digestão dos alimentos.

Água-viva

É a fase predominante desta espécie. Tem a forma característica de cogumelo dos membros da classe dos cifozoários.

O tamanho é relativo, já que espécies com envergadura de até dois metros foram descritas.

A água-viva tem várias camadas. Do mais externo ao mais interno são os seguintes: epiderme, mesogléia e gastroderme.

Aurelia aurita: características, habitat, ciclo de vida 2

Aurelia aurita. Sendo translúcidas, suas estruturas internas podem ser visualizadas. Fonte: Alexander Vasenin [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

Na região do sublight está o guidão, que é curto. No final do cabo está uma abertura, a boca. Isso funciona como uma porta de entrada e saída do sistema digestivo do animal. A boca se abre para uma cavidade conhecida como cavidade gastrovascular ou estômago.

Ao redor da boca, existem quatro extensões grossas que são chamadas de braços orais. Muitas pessoas os confundem com tentáculos, mas não são. Estas são estruturas que ajudam o processo digestivo a introduzir presas na boca.

Os tentáculos desta água-viva são muito numerosos e muito finos. A umbrela é encontrada em toda a borda. São filamentosos e altamente picantes, pois possuem cnidócitos. Estas são células que sintetizam uma toxina que ajuda a paralisar possíveis presas.

Sistema nervoso

O sistema nervoso desta água-viva é bastante simples e simples. É constituído por um plexo nervoso que, por sua vez, é constituído por conexões neurais que transmitem impulsos nervosos.

Eles também têm estruturas conhecidas como roupas, localizadas na borda da umbrela. Nas roupas existem três tipos de receptores sensoriais:

– Ocelos: são fotorreceptores sensíveis aos estímulos luminosos.

– Estatocistos: receptores relacionados à manutenção do equilíbrio.

– quimiorreceptores: especializados em captura de substâncias, entre outras coisas.

Sistema reprodutivo

É rudimentar. Aurelia aurita é uma espécie dióica, ou seja, existem indivíduos do sexo masculino e feminino.

As gônadas estão localizadas na parede da cavidade gastrovascular. Eles têm uma forma de ferradura, são quatro e estão localizados ao redor do endoderme. As gônadas são evidentes graças ao translúcido da umbrela.

A cor das gônadas varia entre os sexos: os machos podem ser brancos ou amarelos, enquanto os das fêmeas podem adotar uma coloração rosa ou púrpura.

Aurelia aurita: características, habitat, ciclo de vida 3

Amostra de Aurelia aurita. As quatro gônadas em forma de ferradura são observadas. Fonte: © Hans Hillewaert

Imediatamente abaixo das gônadas está a chamada fossa subgenital.

Sistema digestivo

É composto da boca e da cavidade gastrovascular ou estômago. Do estômago, existem vários dutos que compõem toda uma rede de canais que fluem para um anel que percorre toda a borda da umbrela. Esses canais são de vários tipos: perradial, adradial e interradial.

Da mesma forma, extensões finas que são chamadas de filamentos gástricos são liberadas no estômago a partir da gastroderme.

No estômago, é onde o processo digestivo ocorre depois que a barragem é ingerida.

Habitat e distribuição

Aurelia aurita é um organismo amplamente distribuído em todo o planeta. Esta água-viva prefere ecossistemas marinhos costeiros, embora às vezes possa ser encontrada em alto mar.

É particularmente abundante em áreas próximas aos trópicos. Especialmente aparece naquelas cuja temperatura varia entre 9 ° e 19 ° C. No entanto, amostras também foram registradas em áreas com temperaturas tão altas quanto 30 ° C e tão baixas quanto 6 ° C.

Ciclo de vida

O ciclo de vida de Aurelia aurita é do tipo metagenético, pois envolve a alternância de gerações (pólipo e água-viva). Apresenta também fertilização interna.

Quando a ligação ao gameta ocorre, os ovos resultantes se alojam nas gônadas da fêmea e começam a se desenvolver. Quando a larva emerge, é liberada para o ambiente externo. As larvas, conhecidas como planânulas, localizam um local adequado para aderir e continuar seu desenvolvimento.

Ao se depositar no substrato, ele experimenta uma metamorfose e se transforma em um pólipo, chamado de cifistoma. O pólipo se desenvolve e amadurece e pode até se reproduzir assexuadamente através do processo de brotamento. Note-se que o pólipo Aurelia aurita pode viver por anos.

Aurelia aurita: características, habitat, ciclo de vida 4

Espécimes de Aurelia aurita. Fonte: MartinThoma [CC0]

Posteriormente, graças ao chamado hormônio da estrobilação, o pólipo começa a se fragmentar na extremidade apical, passando por um processo conhecido como estrobilação. Nesse processo, o pólipo origina diretamente a água-viva chamada éfira.

A epira é uma pequena água-viva que tem um total de oito extensões. Finalmente, o epil continua a se desenvolver, amadurecer e crescer para dar origem à água-viva adulta de Aurelia aurita.

Alimento

Aurelia aurita é um organismo carnívoro que se alimenta principalmente de zooplâncton. Além disso, também se alimenta de pequenos animais, como crustáceos, moluscos e peixes. Houve até casos de água-viva que se alimentam de outras águas-vivas da mesma espécie, mas de tamanho menor.

Os tentáculos desempenham um papel importante na captura e imobilização da presa, porque, graças aos cnidócitos, eles secretam sua toxina e a inoculam na presa. Posteriormente, a barragem é guiada para a boca da água-viva, de onde passa para o estômago. Lá é processado graças às enzimas digestivas que são secretadas nele.

Uma vez que os nutrientes são absorvidos, os resíduos são liberados pela boca. Especialistas determinaram que Aurelia aurita é capaz de assimilar carboidratos, proteínas e gorduras.

Referências

  1. Curtis, H., Barnes, S., Schneck, A. e Massarini, A. (2008). Biologia Editorial médico pan-americano. 7ª edição.
  2. Gold, D., Katsuki, T., Li, Y. e Yan, Xifeng. (2019). O genoma da água-viva Aurelia e a evolução da complexidade animal. 3v (1).
  3. Hickman, CP, Roberts, LS, Larson, A., Ober, WC e Garrison, C. (2001). Princípios integrados de zoologia (Vol. 15). McGraw-Hill
  4. Miyake, H., Terazaki, M. e Kakinua, Y. (2002). Nos pólipos da água-viva comum Aurelia aurita na Baía de Kagoshima. Jornal de oceanografia. 58 (3)
  5. Rodriguez, R (1999). Aurelia aurita. Michigan: Universidade de Michigan.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies