Conquista da Guatemala: história e consequências

A conquista da Guatemala ocorreu entre 1525 e 1530, após um período sangrento de batalhas e confrontos entre os conquistadores espanhóis e os povos nativos. Esse processo histórico fez parte do período de conquista e colonização espanhola do continente americano.

A descoberta e conquista espanhola da Guatemala é atribuída ao capitão Pedro de Alvarado. Sua expedição foi autorizada pelo conquistador do México Hernán Cortés e chegou ao território guatemalteco no início de 1524. No entanto, outras expedições realizadas alguns anos antes já haviam explorado as costas desses territórios.

Conquista da Guatemala: história e consequências 1

A maioria dos povos conquistados pertencia à civilização maia que se estabeleceu nas terras altas e baixas da Mesoamérica . Os territórios descobertos e conquistados compreendem vários reinos mesoamericanos. O povo maia foi considerado pelos conquistadores como “infiel”.

Por esse motivo, por mais de 150 anos, ele foi submetido pelos conquistadores a tentar convertê-lo ao catolicismo, sem conhecer as realizações dessa civilização que estava quase extinta. Depois de travar batalhas sangrentas entre 1525 e 1530, os nativos dos povos mesoamericanos finalmente tiveram que se render ao exército espanhol.

Táticas de guerra e tecnologia espanhola foram impostas, os nativos foram subjugados e seus territórios conquistados. A Cidade da Guatemala foi a terceira mais importante da América na Colônia, depois do México e Lima. Seus territórios formaram a Capitania Geral da Guatemala, dependente do vice – reinado da Nova Espanha .

Descoberta da Guatemala

O primeiro contato entre os povos maias e os exploradores europeus ocorreu no início do século XVI. Aconteceu na Península de Yucatán em 1511, durante o naufrágio de um navio espanhol navegando do Panamá para Santo Domingo.

Isto foi seguido por outras expedições marítimas entre 1517 e 1519, que tocaram as costas da Península de Yucatán em pontos diferentes, mas não entraram no território maia.

Após a queda de Tenochtitlán, o conquistador do México Hernán Cortés e os outros conquistadores foram informados sobre a existência de territórios localizados no sul do México muito populosos e ricos em ouro.

Esses reinos foram estabelecidos em toda a Península de Yucatán e nas terras altas da Sierra Madre, entre os territórios de Chiapas, Guatemala, El Salvador e as planícies localizadas ao sul da costa do Pacífico. O território guatemalteco era habitado por vários grupos indígenas.

Cortés decidiu então enviar seu capitão Pedro de Alvarado e Contreras com uma expedição composta por 300 homens. A maioria das tropas expedicionárias era formada por indígenas Tlaxcaltecas, aos quais foi prometida liberdade e outros benefícios.

Os nativos não se surpreenderam com os conquistadores espanhóis, pois já haviam recebido notícias da expedição.

O povo Quiché era um dos mais poderosos e tentara unificar os outros povos em torno de sua cultura através do uso da força, para que os índios enfrentassem os conquistadores espanhóis divididos entre eles. Essa foi uma das razões de sua submissão.

Fases da conquista

Primeira fase

Segundo o próprio Cortés, o exército partiu em 6 de dezembro de 1523. No início de fevereiro de 1524, o primeiro confronto entre espanhóis e quichés ocorreu em Zapotitlán, capital de Xuchiltepec.

O exército espanhol conseguiu derrotar os índios depois de uma sangrenta batalha na qual os índios ofereceram feroz resistência. Depois de vencer a batalha travada nas margens do rio Tilapa, os espanhóis encabeçaram as terras altas da Guatemala.

O conquistador Pedro de Alvarado e suas tropas chegaram à cidade de Xelajú, que mais tarde foi restabelecida e chamada Quetzaltenango. Durante a travessia, encontraram resistência dos nativos comandados pelo príncipe Azumanché. Este era um parente do guerreiro chefe e quiche Tecún Umán, que enfrentou o exército espanhol na Guatemala.

Os espanhóis derrotaram os nativos na batalha que foi travada nas imediações do rio Olintepeque, onde Azumanché perdeu a vida. Após a luta, os espanhóis descansaram em Xelajú para preparar o próximo passo da expedição.

Nesta fase, duas batalhas importantes foram travadas, entre outros combates sangrentos: A Batalha do Pinhal e a Batalha das Planícies de Urbina.

Submissão indígena

Os quichés que resistiram aos espanhóis renderam-se após as duas batalhas. No entanto, seus chefes criaram um plano para assassinar o conquistador e suas tropas, então os convidaram para passar a noite em Gumarcaaj. Pedro de Alvarado descobriu a trama e ordenou a queima dos chefes de Quiche.

À medida que a expedição progredia, eles encontraram resistência entre as tribos nativas que se recusaram a se submeter. Às tropas de Alvarado foram acrescentados os cakchiqueles, aos quais o conquistador solicitou apoio, porque os caqchiqueles eram inimigos dos quichés.

Com mais dois mil soldados adicionados ao seu exército, Pedro de Alvarado continuou a conquistar territórios. Assim, culminou nesta primeira fase da conquista da Guatemala.

Segunda fase

Em 11 de abril de 1524, depois de enviar os quichés e conquistar seus territórios, Alvarado marchou em direção a Iximché, capital dos Cakchiqueles. Enquanto estava lá, ele tomou providências e planejou a segunda fase da conquista da Guatemala.

Cinco dias depois de ficarem em Iximché, as tropas espanholas seguiram a rota ao sul do lago Atitlan para atacar a tribo Tzutujiles. Eles queriam vingar o assassinato de dois emissários Cakchiqueles que foram enviados para convencê-los a se render.

Durante o confronto, os nativos foram derrotados e subjugados, então a expedição continuou avançando para conquistar os Pipiles. Em seguida, o ataque ocorreu em Cuscatlán (atual território salvadorenho).

Em julho de 1524, Pedro de Alvarado retornou a Iximché para fundar a Vila de Santiago da Guatemala. O nome da Guatemala era o mesmo que este território dos Cakchiqueles, que em Nahuatl significa “lugar de muitas árvores”.

Devido à rebelião indígena que ocorreu mais tarde, em 22 de novembro de 1527, a capital recém-fundada mudou-se para Ciudad Vieja, um local perto de Antigua Guatemala.

Terceira fase (resistência indígena)

Logo após a fundação da Guatemala, a aliança entre espanhóis e Cakchiqueles foi quebrada. Os nativos reagiram aos maus-tratos que estavam recebendo dos conquistadores espanhóis e se rebelaram.

A rebelião dos Cakchiqueles estava prestes a ter sucesso e derrotar os espanhóis. Os Cakchiqueles possuíam um exército bem organizado do ponto de vista militar. Considera-se que essa foi uma das etapas mais importantes e difíceis da conquista da Guatemala pelos espanhóis.

No entanto, finalmente, após um período de cinco anos de batalhas e feroz resistência, o povo Cakchiquel também foi submetido a armas.

Já rendidos, seus guerreiros e chefes foram feitos prisioneiros. Até seu rei Belejep-Qat foi humilhado em frente à cidade e passou o resto de seus dias lavando ouro nos rios.

Com a esmagadora população de Cakchiquel, essa cultura foi subjugada e dizimada, pondo fim ao poder dos Cakchiqueles. Dessa maneira, a conquista da Guatemala foi consumida.

Novas expedições e revoltas

Nos anos seguintes, continuaram a surgir revoltas indígenas, mas todas foram fortemente reprimidas pelo poder espanhol. A arte da guerra e as armas espanholas ofereciam uma vantagem aos conquistadores.

Em 1543, a cidade de Cobán foi fundada e seis anos depois ocorreram as primeiras reduções das tribos Chuj e Kanjobal.

Em 1555, os indígenas maias das terras baixas assassinaram o frade dominicano espanhol Domingo de Vico, e em 1560 houve uma redução de Topiltepeque e do povo Chol em Lacandón.

No ano de 1619, foram realizadas novas expedições missionárias à selva de Petén. Em 1684, ocorreu a redução dos povos indígenas de San Mateo Ixtatán e Santa Eulalia.

Dois anos depois, Melchor Rodríguez Mazariegos empreendeu uma expedição contra os Lacandons de Huehuetenango. Em 1595, outras expedições também partiram para conquistar este território.

Entre 1695 e 1697, os franciscanos tentaram converter o Itza à religião católica, mas foram rejeitados e tiveram que fugir. No entanto, em 13 de fevereiro de 1597, após dois anos de resistência obstinada dos nativos, os nativos que habitavam o território de Petén se renderam aos espanhóis.

Morte do conquistador

Tendo conquistado a Guatemala, Pedro de Alvarado retornou ao México para apoiar a luta espanhola contra os rebeldes indígenas.

Durante uma jornada em que ele e suas tropas estavam subindo uma colina, ele foi atingido por um de seus companheiros que viajava na sua frente. O cavaleiro rolou e caiu sobre ele junto com seu cavalo. Após vários dias de agonia, Alvarado morreu em Guadalajara em 4 de julho de 1541.

Consequências

– Uma das conseqüências negativas mais importantes da conquista da Guatemala foi o declínio da população maia, não apenas durante as sangrentas batalhas que ocorreram e sua subsequente submissão e escravização, mas também por causa das doenças.

– Os espanhóis trouxeram consigo novas doenças às quais os nativos não resistiram, como varíola, sarampo e gripe. Outras doenças como tifo e febre amarela também apareceram nesse período e se tornaram epidemias, dizimando as populações indígenas.

– A rica civilização e cultura maia foi diminuída e truncada durante o longo período da conquista, que se estendeu até o final do século XVII. As cidades monumentais construídas por séculos foram abandonadas por seus habitantes, que fugiram dos espanhóis.

– Após a conquista do território guatemalteco, durante a Colônia – que durou quase 300 anos – foi criada a Capitania Geral da Guatemala. Seu território e jurisdição se estenderam da região de Soconusco, em Chiapas, até a fronteira com o Panamá.

– A conquista da Guatemala significou para a Espanha um novo e rico despojo de guerra, à medida que expandia sua influência e poder no Novo Mundo.

– As terras que pertenciam aos nativos foram tiradas deles, muitos deles tiveram que fugir e se refugiar na selva e nas montanhas. Outros foram submetidos e escravizados em obras degradantes.

Personagens em destaque

Pedro de Alvarado e Contreras

Conquista da Guatemala: história e consequências 2

Seu nascimento foi em Badajoz, na região da Extremadura, Espanha, em 1485; Sua morte foi em Guadalajara (Nova Espanha) em 4 de julho de 1541.

Este conquistador e avançado fez parte da conquista de Cuba, bem como da exploração do Golfo do México e das costas de Yucatán lideradas por Juan de Grijalva.

Ele teve uma participação relevante na conquista do Império Asteca. Por esse motivo, o conquistador Hernán Cortés confiou-lhe a empresa de exploração e conquista da Guatemala. Ele é considerado o conquistador da maior parte do território da América Central (Guatemala, Honduras e El Salvador).

Os membros das tribos indígenas se referiam a ele como Tonatiuh, que em Nahuatl significa “o sol”, devido à sua aparência física: ele era de pele loura e aparência imponente.

Hernán Cortés (1485-1547)

Hernán Cortés de Monroy e Pizarro Altamirano foi o conquistador do México entre 1504 e 1547, quando morreu na Espanha. Ele possuía o título de marquês do vale de Oaxaca e Hidalgo.

A conquista da Guatemala e da América Central se deve em grande parte a ele, pois foi ele quem autorizou a expedição de seu capitão Pedro de Alvarado.

Cortes enfrentou o governador de Cuba e lutou contra ele quando ele tentou prendê-lo. Sua rebelião perante a coroa espanhola impediu que suas vitórias e conquistas do México fossem reconhecidas.

Ele só obteve o título de marquês do rei Carlos I da Espanha, mas não o de vice-rei. Em seu lugar, foi nomeado o nobre Antonio de Mendoza e Pacheco.

Tecún Umán

Ele era um chefe e guerreiro de Quichén, que se acredita ter nascido em 1499. Tecún Umán é considerado um herói nacional indígena da Guatemala por se opor bravamente à resistência ao exército conquistador espanhol. Ele morreu em batalha em Quetzaltenango em 20 de fevereiro de 1524.

Belejep-Qat e Cahi-Imox

Eles foram os últimos reis cakchiqueles. Ao saber que os quichés haviam sido derrotados pelos espanhóis, eles se juntaram às tropas de Pedro de Alvarado.

Eles pediram ao conquistador espanhol que os ajudasse a combater seus inimigos, os Tzutujiles. Algum tempo depois, eles enfrentaram os espanhóis e foram igualmente subjugados por eles.

Referências

  1. História da conquista da Guatemala. Recuperado em 10 de maio de 2018 de deguate.com
  2. O processo de conquista. Consultado em uc.cl
  3. Fases de conquista da Guatemala. Consultado de mindmeister.com
  4. A conquista. Consultado a partir angelfire.com
  5. Descoberta e conquista da Guatemala. Consultado em preceden.com
  6. Pedro de Alvarado. Consultado em es.wikipedia.org

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies