Corpos celestes: características e tipos

Os corpos celestes são objetos que fazem parte do universo além da atmosfera terrestre, como estrelas, planetas, asteroides, cometas e satélites. Eles possuem diversas características e tipos, que variam de acordo com sua composição, tamanho, órbita e origem. Estudar esses corpos celestes é fundamental para compreender a formação e evolução do universo, bem como para explorar novos horizontes na astronomia e na exploração espacial. Neste contexto, é importante conhecer as características e os tipos de corpos celestes para ampliar nosso conhecimento sobre o cosmos e desvendar seus mistérios.

Quais são as principais características dos corpos celestes que merecem destaque?

Os corpos celestes são objetos presentes no universo que possuem características únicas e fascinantes. Entre as principais características que merecem destaque, podemos citar o tamanho, a composição, a órbita e a luminosidade.

Um dos aspectos mais impressionantes dos corpos celestes é o seu tamanho. Alguns planetas, como Júpiter, são tão grandes que poderiam abrigar centenas de Terras em seu interior. Já as estrelas, como o Sol, são ainda maiores e possuem uma massa incomensurável.

A composição dos corpos celestes também é um ponto importante a ser destacado. Eles podem ser formados por diferentes elementos químicos, como hidrogênio, hélio, oxigênio e ferro. Essa diversidade de elementos contribui para a variedade de cores e texturas presentes no universo.

A órbita dos corpos celestes ao redor de outros corpos também é um fator relevante. Alguns planetas possuem órbitas elípticas, enquanto outros seguem uma trajetória mais circular. Essa movimentação dos corpos celestes no espaço é regida pelas leis da gravitação universal de Newton.

Por fim, a luminosidade dos corpos celestes é uma característica marcante. As estrelas emitem luz própria devido às reações nucleares que ocorrem em seu núcleo, enquanto os planetas refletem a luz do Sol. Essa luminosidade é responsável por iluminar o espaço e permitir a observação desses corpos a partir da Terra.

Conhecendo os planetas do nosso sistema solar: características e curiosidades de cada um.

Os planetas do nosso sistema solar são corpos celestes que orbitam em torno do Sol, cada um com características e curiosidades únicas. Vamos conhecer um pouco mais sobre cada um deles.

Mercúrio

Mercúrio é o planeta mais próximo do Sol e o menor do sistema solar. Ele não possui atmosfera e é conhecido por ter uma grande variação de temperatura, podendo chegar a 430 graus Celsius durante o dia e -180 graus Celsius à noite. Além disso, Mercúrio é o planeta mais rápido, completando uma órbita ao redor do Sol em apenas 88 dias.

Vênus

Vênus é conhecido como o “planeta irmão da Terra” por ser semelhante em tamanho e composição. No entanto, sua atmosfera é composta principalmente de dióxido de carbono, causando um efeito estufa extremo que mantém a temperatura na superfície em torno de 450 graus Celsius. Vênus também é o planeta mais brilhante no céu noturno, sendo visível a olho nu.

Terra

A Terra é o terceiro planeta a partir do Sol e o único conhecido por abrigar vida. Possui uma atmosfera composta por oxigênio, que é essencial para a existência de seres vivos. Além disso, a água cobre cerca de 70% da superfície terrestre, tornando-a única entre os planetas do sistema solar.

Marte

Marte é conhecido como o “planeta vermelho” devido à sua cor característica. É o quarto planeta a partir do Sol e possui características que sugerem a presença de água em seu passado. Marte também possui a maior montanha do sistema solar, o Monte Olimpo, e o maior desfiladeiro, o Vale Marineris.

Júpiter

Júpiter é o maior planeta do sistema solar e possui um sistema de anéis e mais de 79 luas conhecidas. Ele é composto principalmente por hidrogênio e hélio, o que o torna um planeta gasoso. Júpiter também abriga a Grande Mancha Vermelha, uma tempestade gigante que dura séculos.

Relacionado:  Betelgeuse: características, formação, estrutura e composição

Saturno

Saturno é conhecido por seus impressionantes anéis, compostos principalmente de gelo e poeira. É o segundo maior planeta do sistema solar e possui mais de 60 luas conhecidas. Saturno é menos denso que a água, o que significa que ele flutuaria em um oceano grande o suficiente para contê-lo.

Urano

Urano é um planeta gasoso conhecido por sua inclinação extrema, que o faz girar de lado em relação ao plano de sua órbita. Ele possui anéis e luas, sendo uma delas, Miranda, conhecida por suas falésias e altas montanhas. Urano é também um dos planetas mais frios do sistema solar.

Netuno

Netuno é o oitavo e último planeta do sistema solar. Ele é conhecido por sua cor azulada e pela presença de ventos extremamente rápidos, que podem chegar a mais de 2.000 km/h. Netuno possui anéis, luas e é conhecido por suas tempestades violentas, como a Grande Mancha Escura.

Conhecer os planetas do nosso sistema solar nos ajuda a compreender a diversidade e complexidade do universo em que vivemos. Cada um desses corpos celestes possui características únicas que nos fascinam e nos fazem refletir sobre nossa própria existência no cosmos.

Qual é o tipo de corpo celeste mais próximo do Sol?

O tipo de corpo celeste mais próximo do Sol é o planeta Mercúrio. Mercúrio é o menor planeta do nosso sistema solar e também o mais próximo do Sol. Ele orbita em torno do Sol a uma distância média de cerca de 58 milhões de quilômetros. Devido à sua proximidade com o Sol, Mercúrio tem uma temperatura de superfície extremamente alta, chegando a mais de 400°C durante o dia.

Além de Mercúrio, outros corpos celestes que fazem parte do nosso sistema solar incluem planetas, asteroides, cometas e satélites naturais. Cada um desses corpos celestes possui características únicas que os distinguem uns dos outros. Por exemplo, os asteroides são corpos rochosos que orbitam o Sol, enquanto os cometas são compostos principalmente de gelo, poeira e rochas e têm órbitas alongadas.

Juntos, esses corpos celestes formam o nosso sistema solar, um sistema fascinante que continua a surpreender e encantar os cientistas e amantes da astronomia em todo o mundo.

Principais características de uma estrela: o que define sua luminosidade e temperatura?

As estrelas são corpos celestes que possuem características únicas que as distinguem de outros corpos no universo. A luminosidade e a temperatura são duas das principais características que definem uma estrela e determinam seu brilho e cor.

A luminosidade de uma estrela está diretamente relacionada à sua temperatura e tamanho. Quanto maior e mais quente uma estrela for, mais brilhante ela será. A luminosidade de uma estrela é medida pela quantidade de energia que ela emite por segundo e é representada em termos de luminosidade solar, onde o Sol é adotado como unidade de medida.

A temperatura de uma estrela também é um fator crucial para determinar sua cor e brilho. Estrelas mais quentes tendem a ser mais azuladas, enquanto estrelas mais frias podem apresentar tonalidades avermelhadas. A temperatura de uma estrela é medida em graus Kelvin e está relacionada à quantidade de radiação que ela emite.

Portanto, a luminosidade e a temperatura são características essenciais para compreender e classificar as estrelas no universo. Através da análise desses dois fatores, os astrônomos podem determinar o tamanho, idade e evolução das estrelas, contribuindo para o avanço do conhecimento sobre o cosmos.

Corpos celestes: características e tipos

Corpos celestes: características e tipos

Os corpos celestes são aqueles objetos naturais pertencentes ao universo, têm tamanho mensurável e massa, portanto, são capazes de interagir gravitacionalmente. A designação de objetos astronômicos como corpos celestes deriva do fato de que eles podem ser vistos da Terra, ocupando diferentes posições no céu.

Relacionado:  Europa (satélite): características, composição, órbita, movimento

Alguns autores consideram que um corpo celeste é uma entidade ou corpo individual, diferente de um objeto astronômico. Outros até afirmam que os corpos celestes são apenas aqueles que pertencem ao sistema solar . Nesse caso, apenas uma estrela seria considerada um corpo celeste: o Sol , não as outras.

Nesse sentido, o belo aglomerado de Plêiades (as Sete Cabras ou as Sete Irmãs) não seria um corpo celeste, embora possamos vê-lo da Terra. Mas uma estrela individual no aglomerado seria um corpo celeste, a menos que nos limitemos ao sistema solar.

Ao longo deste artigo, consideraremos como corpos celestes aqueles que podem ser distinguidos a olho nu, com instrumentos ou detectados por seus efeitos em outros corpos conhecidos, que têm caráter individual e que também possuem as características descritas no início: ter massa e  tamanho mensurável. Com a massa vem a capacidade de interagir gravitacionalmente com outros corpos celestes.

Tipos de corpos celestes

Classificaremos os corpos celestes em dois grandes grupos: 

-Aqueles que emitem sua própria luz 

Aqueles que refletem a luz emitida por outras estrelas. 

No primeiro grupo, temos as estrelas, enquanto no segundo existe uma grande variedade de corpos que inclui: planetas, satélites naturais, planetas anões, asteróides, meteoroides, cometas e objetos transneptunianos.

Exceto para planetas, satélites e planetas anões, todos os outros objetos são classificados como corpos menores no sistema solar

Estrelas

São gigantescas bolas de gás, principalmente hidrogênio e hélio, os elementos mais leves que existem, dentro dos quais existe um reator nuclear que os transforma continuamente em elementos mais pesados.

Graças a essas reações, a estrela libera enormes quantidades de energia, na forma de luz e calor.

Durante a vida, as estrelas permanecem em equilíbrio graças à ação da força da gravidade que as comprime e à pressão dos gases constituintes, que tendem a expandi-las.

Existem todos os tipos de estrelas, de super gigantes a anões, além de cores, que são determinadas pela temperatura da atmosfera estelar. 

A vida das estrelas depende de sua massa inicial: estrelas menores, cuja massa é semelhante ou menor que a do nosso Sol, são estáveis ​​e têm vidas mais longas. Em contraste, estrelas muito massivas têm vida curta e frequentemente terminam em eventos catastróficos de supernovas.

Planetas

Planetas são corpos que não têm luz própria, pois não possuem um reator de fusão no centro. Eles orbitam em torno da estrela central, que no caso do sistema solar é o sol.

Os planetas do sistema solar se dividem em duas categorias: os planetas rochosos do tipo terrestre e os planetas gigantes , também chamados de planetas jovianos, já que Júpiter é o protótipo. Os primeiros são densos e pequenos, os segundos são leves e muito maiores em tamanho.

Por um longo tempo, os únicos planetas conhecidos foram os 8 que orbitam em torno do Sol, incluindo a Terra.

Mas em 1992 um planeta extra-solar foi detectado pela primeira vez e a cada ano que passa mais são descobertos. Quase todos são do tipo joviano, isto é, gigantes gasosos nos quais a vida como a conhecemos dificilmente é encontrada.

No entanto, são conhecidos planetas do tipo terrestre, com o planeta Kepler-438b, a 473 anos-luz de distância, o que mais se assemelha à Terra até hoje.

Satélites naturais

Quase todos os planetas do sistema solar possuem satélites naturais, corpos rochosos que orbitam ao redor do planeta, em vez de ao redor do Sol. Apenas Mercúrio e Vênus, mais próximos do Sol, não possuem satélites.

Relacionado:  Perseu (constelação): localização, mitologia e características

Planetas rochosos como Terra e Marte têm poucos satélites, mas planetas gigantes são numerados nas dezenas.

O maior de todos é Ganimedes, uma das quatro luas galileanas de Júpiter, nomeadas Galileu, a primeira a vê-las através de seu telescópio.

Planetas minúsculos

É uma categoria mais recente de corpos celestes, cujo membro mais conhecido é o antigo planeta Plutão.

Embora possuam quase todas as características dos planetas principais, considera-se que os planetas anões carecem de uma órbita “limpa”, isto é, exclusivamente dominada pela gravidade da estrela.

Até agora os planetas anões são, além de Plutão, Ceres, asteróide antigo, Eris, Makemake e Haumea. Destes, apenas Ceres está próximo da Terra, pois pertence ao cinturão de asteróides. O resto está além da órbita de Netuno , o planeta mais distante do Sol.

Asteroids

Um asteróide é um corpo rochoso no sistema solar, maior que um meteoróide, mas menor que um planeta. A maioria deles está localizada no cinturão de asteróides, a fronteira que separa os planetas terrestres dos planetas jovianos. 

O resto está espalhado pela órbita de Júpiter e, em menor grau, pelos outros planetas. A órbita de Netuno constitui os limites naturais.

São muito numerosos, até o momento são conhecidos cerca de 600.000, dos quais cerca de 10.000 têm órbitas próximas à da Terra.

Suas formas e tamanhos são diversos. Palas e Vesta são os maiores, com um diâmetro aproximado de 500 km. Portanto, eles raramente podem ser vistos a olho nu, a menos que passem perto da Terra.

Meteoroides

São corpos celestes rochosos, menores que asteróides, mas maiores que poeira cósmica. Eles atingem no máximo 50 m de diâmetro.

Isso inclui restos de asteróides e cometas fragmentados, detritos da formação do sistema solar ou rochas ejetadas de planetas devido a impactos colossais.

Quando se aproximam da Terra ou de qualquer outro planeta e entram na atmosfera, são chamados meteoros. O atrito com as moléculas atmosféricas as aquece e vaporiza, devido à alta velocidade com que entram. Os fragmentos que conseguem impactar a superfície são conhecidos como meteoritos.

Kites

São estrelas feitas de rocha, gelo, gás e poeira que orbitam em torno do Sol seguindo uma trajetória do tipo cônico, quase sempre elíptica de grande excentricidade, o que significa que elas se afastam consideravelmente do Sol.

Quando suas órbitas os aproximam do sol, o calor do sol e o vento solar dão origem aos cabelos e à cauda característicos, mas ao mesmo tempo fragmentam o cometa.

Muitos dos detritos que eles deixam para trás durante suas visitas permanecem na órbita da Terra. Isso cria muitos chuveiros de estrelas que aparecem periodicamente nos céus noturnos.

Objetos transneptunianos

Como o nome indica, eles são corpos celestes rochosos encontrados após a órbita de Netuno. 

Plutão e seu satélite Charon, os plutinos, os plutóides, que são planetas anões como Eris, Makemake e Haumea, também são objetos trans-netunianos.

Além disso, há Sedna, um dos objetos mais distantes do sistema solar conhecidos até agora, e os corpos que povoam o cinturão de Kuiper, a nuvem de Oort e o disco disperso.

Referências

  1. Díaz-Giménez, E. 2014. Notas básicas sobre astronomia, publicado pela Universidade de Córdoba, Argentina.
  2. Pasachoff, J. 2007.O Cosmos. Thomson Brooks-Cole.
  3. Powell, M. Os planetas do olho nu no céu noturno (e como identificá-los). Recuperado de: nakedeyeplanets.com
  4. Sementes, M. 2011.O Sistema Solar. Sétima edição. Aprendizado Cengage.
  5. Wikipedia. Objetos transneptunianos. Recuperado de: es.wikipedia.org.

Deixe um comentário