Crise do século XIV: causas, características, consequências

A crise do século XIV é o nome dado pelos historiadores ao conjunto de circunstâncias negativas que caracterizaram aquela época. Os efeitos dessa crise afetaram todas as áreas, da demográfica à econômica, marcando o início do fim da Idade Média.

As razões pelas quais a Europa sofreu com esta crise são múltiplas e inter-relacionadas. Para começar, muitos autores culpam a mudança no clima do continente pelas más colheitas, que causaram episódios de fome e rebelião dos camponeses, que tiveram que pagar altos tributos aos senhores feudais.

Crise do século XIV: causas, características, consequências 1

Batalha de Nájera – Fonte; Manuscrito das Crônicas de Jean Froissart, século XV, (Biblioteca Nacional da França) ou
http://www.english.upenn.edu/~jhsy/battle-najera.html

Outra causa da crise foi a epidemia de peste negra que atingiu grande parte do continente. Estima-se que cerca de um terço da população europeia tenha morrido com esta doença e outras epidemias.

Não foi até a segunda metade do século XV, quando a Europa começou a se recuperar. Até então, porém, a sociedade havia mudado. A burguesia começou a se tornar uma classe economicamente forte, a nobreza feudal perdeu parte de seu poder nas mãos dos monarcas e o sistema econômico estava mudando para o capitalismo.

Causas

Os séculos anteriores foram caracterizados pela melhoria da economia em toda a Europa. Isso causou um aumento significativo na população.

No entanto, o século XIV se desenvolveu de maneira completamente diferente. Para que isso acontecesse, não havia uma causa única, mas foi um conjunto de eventos que acabou causando uma crise devastadora.

Crise climática

Muitos historiadores apontam que no século XIV houve uma grande mudança no clima do continente.

Enquanto, nos séculos anteriores, a Europa vivia sob o chamado ideal medieval, o que permitia o crescimento considerável das culturas, no século XIV o continente começou a sofrer um clima com efeito oposto.

Essa mudança meteorológica empobreceu marcadamente a atividade agrícola e pecuária, os dois pilares da economia da época. Além disso, o mesmo crescimento populacional anterior agravou os problemas de menor produção de alimentos.

Peste

Desde a segunda metade do século XIV, a Europa foi devastada por uma epidemia de peste negra. A gravidade deste surto causou que cerca de um terço da população do continente morreu vítima da doença.

Além da perda de vidas humanas, a epidemia fez com que o número de trabalhadores diminuísse. Isso, por um lado, agravou o declínio da produção e, por outro, reduziu o consumo, prejudicando todas as atividades comerciais.

As guerras

Outra razão pela qual a crise eclodiu neste século foram as contínuas guerras que devastaram o continente. O mais importante foi a Guerra dos Cem Anos, que enfrentou a França e a Inglaterra e durou até o século XV.

Além disso, esse conflito foi acompanhado por numerosos confrontos em muitos países. Finalmente, os otomanos também apareceram na Europa, aumentando uma potência que seria confirmada em 1453, quando tomaram Constantinopla.

Desordem de mansões

Tudo isso resultou no sistema político e econômico que caracterizou a Idade Média começando a desmoronar. O feudalismo entrou em uma grande crise, com os senhores feudais perdendo rapidamente o poder em favor dos reis de cada Estado.

Os problemas econômicos sofridos por muitos senhores feudais fizeram com que os impostos aumentassem seus camponeses. Estes, em resposta, começaram a estrelar rebeliões violentas, diante das quais os nobres tinham que recorrer aos monarcas para poder sufocá-los, perdendo a independência política no processo.

Relacionado:  Xiuhtecuhtli: atributos, mitologia e cultos

Caracteristicas

Em geral, a crise do século XIV foi caracterizada pelo declínio demográfico, o declínio das culturas e as mudanças políticas e sociais.

Fortalecimento da monarquia

Desde o início do século XIV, a organização política européia começou a se transformar. O antigo sistema feudal, com nobres controlando as mansões, começou a ser substituído por outro sistema no qual o rei concentrava a maior parte do poder.

Conflitos sociais

Como observado acima, os camponeses sofreram mais com todos os eventos negativos que marcaram o século. Desde o menor rendimento das lavouras ao flagelo da peste, passando pelo aumento dos pagamentos exigidos pelos senhores feudais e pela Igreja, tudo causou um agravamento de sua qualidade de vida.

A fome e o aumento da pobreza fizeram com que os camponeses estrelassem várias violentas rebeliões em muitos países europeus.

Crise da Igreja Católica

A instituição mais poderosa durante a Idade Média, ainda mais que as diferentes monarquias, foi a Igreja Católica. No entanto, ele não pôde deixar de ser profundamente afetado pela crise que eclodiu naquele século.

Entre os eventos que causaram a perda de influência da Igreja está o confronto com a França, cujo monarca tentou assumir o controle da instituição.

O rei francês, Filipe IV, decidiu reduzir a renda que a Igreja recebia. O papa, de Roma, reagiu excomungando-o. A situação piorou a ponto de os franceses prenderem o Sumo Pontífice. Embora ele tenha conseguido sair da prisão, ele morreu pouco depois.

Antes do vácuo de poder criado pela morte do papa, Felipe IV nomeou um novo pontífice francês, Clemente V. Além disso, ele criou uma nova sede papal em Avignon.

Enquanto isso, a Igreja tentou manter sua sede tradicional em Roma. Isso acabou causando dois papas diferentes entre 1377 e 1417.

Já em 1418, através do Concílio de Constança, o cisma foi fechado com a eleição de um novo e único Papa.

Heresias

O cisma vivia no Ocidente, além das conseqüências das más colheitas e da epidemia de peste, fez com que os cristãos vivessem um período de grande pessimismo. A morte tornou-se uma obsessão real, com atitudes e crenças não muito diferentes daquelas que apareceram durante o milenarismo.

Isso foi acompanhado pelo aparecimento de inúmeras heresias, muitas delas voltadas para a Igreja Católica.

Economia

A economia durante o século XIV foi afetada por fatores externos, como o clima, e internos, como o colapso do sistema feudal.

Da mesma forma, o declínio da população causado pela epidemia teve efeitos negativos, embora, paradoxalmente, também pesasse o aumento demográfico dos séculos anteriores, o que fez com que os recursos se esgotassem rapidamente.

Muitos especialistas acreditam que a crise do século XIV, economicamente, acabou transformando o sistema de feudalismo em capitalismo.

Transformações econômicas

Como observado, a população européia aumentou consideravelmente durante os séculos XII e XIII. A certa altura, o crescimento populacional foi superior ao aumento da produção de alimentos causado pelo bom tempo e à melhoria das técnicas agrícolas, o que levou a desequilíbrios significativos.

A epidemia de peste e o consequente declínio da população não resolveram esses desequilíbrios. O efeito foi, de fato, o oposto. Por um lado, os trabalhadores começaram a faltar e, por outro, a demanda por todos os tipos de produtos diminuiu, afetando negativamente o comércio.

Relacionado:  Como a ditadura mexicana foi derrotada no início do século XX?

Falta de trabalhadores

A falta de trabalhadores foi notada tanto no campo quanto nas cidades. Nas áreas rurais, muitas terras dedicadas ao cultivo foram abandonadas. Além disso, como há menos demanda devido ao declínio da população, muitas culturas deixaram de ser lucrativas.

Por outro lado, na cidade, a indústria têxtil também sofria com a falta de trabalhadores. Isso fez com que os salários aumentassem, o que, por sua vez, levou alguns empresários a levar fábricas para as áreas rurais em busca de trabalhadores que concordassem em cobrar menos.

Dessa maneira, pela primeira vez, os sindicatos da cidade tiveram que competir com os empresários que haviam se mudado para o interior e que não pertenciam às organizações comerciais.

Aumento de impostos

Os problemas criados pela diminuição da produção e demanda afetaram a economia dos senhores feudais. A solução que eles tentaram estabelecer era aumentar os impostos sobre os camponeses, que normalmente não podiam lidar com esses pagamentos.

Por um lado, isso causou inúmeras rebeliões contra os nobres. Por outro lado, muitos agricultores optaram por fugir e se refugiar nas cidades, onde tentavam sobreviver o quanto podiam.

Mudança do sistema de renda feudal

Os senhores feudais não tinham escolha a não ser mudar o sistema de trabalho que existia até agora. Sua perda de influência, política e econômica, os enfraqueceu consideravelmente e eles tiveram que buscar novos rendimentos.

Entre os novos sistemas organizacionais que surgiram na época estão o aluguel da terra para os camponeses, em troca de uma quantia em dinheiro e parceria, em que o nobre colocava a terra e o trabalho camponês, dividindo os obtidos.

Política

Como aconteceu no restante das áreas, a crise do século 14 também afetou a política. O mais importante foi que a monarquia foi imposta aos nobres e à Igreja, monopolizando quase todo o poder.

Surgimento de vários estados europeus

Na maior parte da Europa, a monarquia tentou privar os senhores feudais do poder, centralizando territórios e autoridade na figura do rei.

Na Inglaterra, por exemplo, essa centralização já havia começado no século XIII, embora a nobreza tivesse força suficiente para forçar o monarca a assinar uma Magna Carta, em 1215. Da mesma forma, o rei teve que concordar com a criação do Parlamento. , onde estavam representados aristocratas e burgueses.

A França, por outro lado, também começou a se unir, embora não tenha sido até o início do século XIII quando os reis conseguiram ganhar poder contra a nobreza. Já no século XIV, Filipe IV estabeleceu uma espécie de conselho com a participação de nobres, eclesiásticos e burgueses.

Em geral, tudo isso levou o sistema feudal a começar a desmoronar. Embora a nobreza retivesse parte de sua influência, seu papel como senhores feudais desapareceu gradualmente.

Consequências

Tudo o que aconteceu no século XIV, apesar das consequências negativas que teve para a população, levou à chegada da Era Moderna.

Reativação do comércio

O comércio foi a atividade que impulsionou a melhoria econômica dos estados europeus. Tanto os portos italianos quanto as cidades e Flandres se tornaram os principais pontos de novas rotas comerciais.

A burguesia

Antes da crise, a economia européia estava concentrada no mundo rural. Tanto a agricultura quanto a propriedade da terra foram a base de toda atividade econômica.

Relacionado:  Quais foram as reformas rivadavianas?

No entanto, a crise do século 14 mudou toda essa situação. A partir desse momento, o campo deixa de ser o ponto central a ser substituído pelas cidades. Lá, uma nova classe social se posicionou como um novo poder econômico: a burguesia.

O impulso dessa burguesia não estava mais limitado aos campos anteriormente ocupados pelas guildas, mas também começava a controlar o comércio. Em pouco tempo, eles se tornaram uma potência econômica, a ponto de os reis precisarem recorrer a eles para obter empréstimos em muitas ocasiões.

Crise demográfica e movimentos migratórios

Outra das grandes conseqüências da crise do século 14 foi o aumento da importância das cidades em frente ao campo. Muitos agricultores, devido a questões tributárias ou falta de produtividade da terra, decidiram emigrar para as cidades. Muitas aldeias foram completamente abandonadas.

Consequências sociais

Cada setor da sociedade foi afetado pela crise deste século. A nobreza, por exemplo, foi possivelmente a classe que perdeu mais influência e poder. Da mesma forma, ele também sofreu considerável empobrecimento.

Diante disso, a burguesia se consolidou como a classe social emergente. Embora, como o resto da população, ele tenha sofrido os efeitos da praga, no final da crise, seu poder aumentou acentuadamente.

Novas idéias religiosas

Os historiadores apontam que a crise experimentada pela Igreja Católica teve um peso importante nas mudanças que ocorreram desde o século XV.

Assim, a velha ordem promovida pela Igreja foi transformada, surgindo novas idéias que se encaixavam melhor com a força que a burguesia havia adquirido.

Pouco a pouco, o velho teocentrismo desapareceu, até que, no século XV, uma nova filosofia baseada no humanismo foi imposta.

Recuperação

A Europa teve que esperar até o século XV para começar a se recuperar da crise. Além disso, foi muito transformado, tanto na esfera política quanto na social. Finalmente, isso significava que a antiga sociedade feudal evoluiu para um capitalista.

Fim das causas da crise

O novo século provocou o desaparecimento das causas que causaram a crise e, portanto, a recuperação de seus efeitos.

Assim, a demografia experimentou, novamente, um crescimento notável. O fim de muitos conflitos de guerra e o desaparecimento de epidemias permitiram à Europa recuperar parte da população perdida.

Esse aumento da população permitiu aumentar a demanda por produtos, assim como o número de trabalhadores disponíveis.

Avanços na economia

Junto com o exposto, o surgimento de novos avanços técnicos para trabalhar no campo causou o aumento da produção.

Da mesma forma, a manufatura e o comércio também cresceram durante o século XV, o que teve um efeito muito positivo na situação econômica da população.

Referências

  1. Machuca Carrasco, Juan Diego. A Crise Bajomedieval nos séculos XIV e XV (Demografia). Obtido de queaprendemoshoy.com
  2. Faculdade de Medicina Idade Média: crise do século XIV. Obtido em escuelapedia.com
  3. Vega Carrasco, Miguel. A crise do século XIV. Obtido em discoverlahistoria.es
  4. Rothbard, Murray N. A Grande Depressão do século XIV. Obtido em mises.org
  5. Slavin, Philip. A crise do século XIV reavaliada: entre ecologia e instituições – evidências da Inglaterra (1310-1350). Obtido em medievalists.net
  6. Tankard, Keith. Crises do século XIV: uma visão geral. Obtido em worldhistory.knowledge4africa.com
  7. Snell, Melissa. A Idade Média precoce, alta e tardia. Obtido em thoughtco.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies