Cultura Guangala: características, economia, arte, religião

A cultura Guangala foi uma civilização pré-colombiana que se desenvolveu na região da atual província de Manabí, no Equador, entre os séculos VII e IX. Caracterizada por sua organização social complexa, a cultura Guangala era composta por pequenos reinos e vilas agrícolas que se dedicavam principalmente ao cultivo de milho, feijão e algodão.

A economia da cultura Guangala era baseada na agricultura, com práticas avançadas de irrigação e manejo do solo. Além disso, os guangalas também se dedicavam à pesca e ao comércio, estabelecendo redes de intercâmbio com outras culturas da região.

Na arte, os guangalas se destacavam pela produção de cerâmica de alta qualidade, com formas e padrões elaborados que refletiam a rica iconografia religiosa e mitológica do povo. Suas peças eram usadas em rituais religiosos e funerários, evidenciando a importância da religião na vida cotidiana dos guangalas.

A religião da cultura Guangala era politeísta, com a adoração de divindades ligadas à natureza e aos elementos. Os guangalas realizavam cerimônias e rituais para garantir a fertilidade da terra e o bem-estar da comunidade, demonstrando uma profunda conexão espiritual com o mundo ao seu redor.

Cultura Guangala: um mergulho na história e tradições ancestrais em formato PDF.

A cultura Guangala é uma das mais antigas e ricas da região, com origens que remontam a milhares de anos atrás. Este povo, que habitou a região costeira do Equador, deixou um legado cultural que ainda hoje influencia a vida dos habitantes locais. Para quem deseja mergulhar na história e tradições ancestrais dos Guangalas, um excelente recurso é o formato PDF, que permite acessar informações detalhadas e imagens que nos transportam para essa época distante.

As características da cultura Guangala são marcadas por sua habilidade em trabalhar com cerâmica, produzindo peças de grande beleza e complexidade. Além disso, eram excelentes pescadores e agricultores, dominando técnicas avançadas para obter alimentos e recursos da natureza.

A economia dos Guangalas era baseada principalmente na agricultura, com destaque para o cultivo de milho, feijão e abóbora. Eles também praticavam o comércio com outros povos da região, trocando produtos e estabelecendo relações comerciais que enriqueceram sua cultura.

A arte dos Guangalas é outra característica marcante, com destaque para suas cerâmicas decoradas com motivos geométricos e figurativos. Suas peças eram utilizadas tanto para uso doméstico quanto em cerimônias religiosas, demonstrando a importância da arte em sua sociedade.

A religião dos Guangalas era politeísta, acreditando em vários deuses que controlavam os fenômenos da natureza e protegiam a comunidade. Eles realizavam rituais e cerimônias para homenagear esses deuses, buscando sua proteção e favor.

Para quem se interessa pela cultura Guangala, o formato PDF é uma excelente maneira de mergulhar nesse universo fascinante e descobrir mais sobre suas tradições e história. Baixe um arquivo em PDF sobre a cultura Guangala e embarque nessa jornada de conhecimento e descobertas.

Tradições da cultura Guangala: um mergulho na rica história e identidade cultural.

A cultura Guangala, localizada na região costeira do Equador, é conhecida por suas tradições ricas e diversificadas, que refletem a história e identidade do povo. Essas tradições são passadas de geração em geração, mantendo viva a herança cultural desse grupo étnico.

Uma das tradições mais marcantes da cultura Guangala é a sua arte, que se destaca por suas cores vibrantes e padrões intricados. Os artesãos locais produzem peças únicas, como cestos, tecidos e cerâmicas, que são valorizadas não apenas pela sua beleza, mas também pelo seu significado cultural.

A economia da cultura Guangala é baseada principalmente na agricultura e pesca, com práticas tradicionais que são passadas de geração em geração. Os agricultores cultivam uma variedade de produtos, como milho, feijão e frutas tropicais, enquanto os pescadores utilizam técnicas ancestrais para capturar peixes e frutos do mar.

A religião também desempenha um papel importante na cultura Guangala, com rituais e cerimônias que celebram a conexão do povo com a natureza e os ancestrais. Os guangalas acreditam em divindades que governam sobre os elementos da terra, água, ar e fogo, e buscam a sua proteção e orientação em suas vidas diárias.

Em suma, as tradições da cultura Guangala são uma parte essencial da identidade desse povo, que se orgulha de suas raízes e valores. Através da preservação dessas tradições, os guangalas garantem que a sua história e cultura sejam apreciadas e respeitadas por gerações futuras.

A relevância da cultura Guangala na preservação da identidade e tradições ancestrais.

A cultura Guangala é de extrema importância na preservação da identidade e tradições ancestrais do povo equatoriano. Com suas características únicas, economia baseada na agricultura, arte expressiva e religião marcante, os guangalas têm mantido viva sua herança cultural ao longo dos séculos.

As características da cultura Guangala incluem a língua quíchua, tradicionalmente falada pelo povo, bem como práticas e costumes ancestrais que são passados de geração em geração. A vestimenta colorida e os rituais festivos também fazem parte do cotidiano dos guangalas, contribuindo para a preservação de sua identidade.

A economia dos guangalas é baseada principalmente na agricultura, com destaque para o cultivo de milho, feijão e batata. Além disso, a pesca e a criação de gado também são atividades econômicas importantes para a comunidade. Essas práticas tradicionais não só garantem a subsistência do povo, mas também fortalecem seus laços com a terra e com suas tradições.

Relacionado:  Plano Casemate: Antecedentes, Objetivos, Consequências

A arte guangala é marcada por sua expressividade e simbolismo. As pinturas rupestres encontradas na região são um exemplo da rica tradição artística do povo, que se manifesta também em tecidos bordados, cerâmicas decoradas e objetos rituais. A arte guangala não só embeleza a vida cotidiana, mas também reforça a conexão do povo com suas raízes culturais.

A religião dos guangalas é baseada em crenças animistas e em rituais de adoração à natureza. Os guangalas reverenciam os elementos da natureza, como o sol, a lua e os rios, e acreditam na existência de espíritos protetores. Essas práticas religiosas são fundamentais para a identidade do povo guangala e para a preservação de suas tradições ancestrais.

Em suma, a cultura Guangala desempenha um papel essencial na preservação da identidade e tradições ancestrais do povo equatoriano. Suas características únicas, economia baseada na agricultura, arte expressiva e religião marcante são fundamentais para manter viva a rica herança cultural dos guangalas ao longo do tempo.

Origem da cultura Guangala: raízes e influências de uma civilização ancestral na América do Sul.

A cultura Guangala teve origem na região costeira do Equador, mais especificamente na província de Manabí. Esta civilização ancestral floresceu entre os séculos VI e XIV d.C., deixando um legado cultural rico e diversificado que ainda influencia a região até os dias atuais.

Os Guangalas eram um povo agrícola, cuja economia era baseada principalmente na produção de milho, feijão, abóbora e algodão. Eles também eram habilidosos pescadores e ceramistas, produzindo peças de cerâmica decoradas com motivos geométricos e figurativos.

A arte Guangala era marcada pela presença de cores vibrantes e formas estilizadas, refletindo a conexão do povo com a natureza e o mundo espiritual. Suas peças de cerâmica eram utilizadas em rituais religiosos, que desempenhavam um papel central na vida da comunidade.

A religião dos Guangalas era politeísta, com a crença em vários deuses associados aos elementos da natureza e aos ciclos agrícolas. Os sacerdotes desempenhavam um papel importante na comunidade, intermediando entre os humanos e os deuses através de rituais e oferendas.

Apesar de terem desaparecido como civilização, os Guangalas deixaram um legado cultural duradouro que ainda pode ser visto nas tradições e na arte da região de Manabí. Sua influência se estendeu para além das fronteiras do Equador, conectando-os com outras culturas pré-colombianas da América do Sul.

Cultura Guangala: características, economia, arte, religião

O c ultura Guangala desenvolvido em partes do território da actual Equador. Historicamente, foi enquadrado no período do chamado Desenvolvimento Regional, que ocorreu entre 300/200 aC e 700/800 dC Alguns autores apontam que eles receberam uma grande influência cultural da cultura Chorrera anterior .

Sua principal característica é a formação de uma série de grupos culturais socialmente organizados. Estes são chamados de mansões e acabaram desenvolvendo uma estrutura hierárquica. Embora não seja possível falar adequadamente de fronteiras, se houve diferenças entre os diferentes assentamentos.

Cultura Guangala: características, economia, arte, religião 1

Fonte: Walters Art Museum [Domínio público, CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0) GFDL indefinido (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) ], indefinido

Essa cultura se destacou, principalmente, por sua cerâmica. Os restos encontrados sugerem que eles possuíam grande domínio. Eles foram os primeiros na área a usar policromia e suas representações antropomórficas às vezes eram muito realistas. Eles também são considerados excelentes metalúrgicos.

Sua economia era baseada principalmente na agricultura, com a caça e a pesca como elementos secundários. Os Guangala, apesar de não praticarem comércio, trocavam mercadorias como parte de sua atividade econômica.

Caracteristicas

A cultura Guangala coletou muitas das características culturais da Chorrera. Seus assentamentos, pequenos no começo, estavam crescendo com o tempo graças ao aprimoramento das técnicas agrícolas.

Existem poucos dados sobre sua organização social original, embora se saiba que eles estavam desenvolvendo uma estrutura hierárquica. Dado seu sistema de crenças, é provável que o xamã fizesse parte da elite das mansões.

Manors

Com influências, como observado pela cultura Chorrera, o Guangala está enquadrado no período chamado Desenvolvimento Regional, com um namoro entre 500 aC e 500 dC

Naquela época, apareceu uma série de grupos culturais que, devido à forma como se organizam, receberam o nome de mansões. A teoria mais difundida é que em cada uma dessas mansões surgiu a figura de um líder (Senhor) que governava o assentamento, deixando o resto da população sob seu comando.

Embora existissem algumas dessas mansões, não há evidências de que elementos organizacionais e sentimentos de pertença comparáveis ​​a “nacionalidades” apareceram.

Por outro lado, as diferenças culturais que os achados arqueológicos mostram permitem afirmar que houve variações suficientes para falar em “limites culturais”.

Padrão de assento

Os assentamentos criados pela cultura Guangala aumentavam de tamanho ao longo do tempo. A chave para esse crescimento foi o desenvolvimento da agricultura, que forneceu mais alimentos para os habitantes.

Relacionado:  Quais foram os principais rios da Mesopotâmia?

Dessa forma, surgiram centros semi-urbanos de tamanho considerável para a época. Embora não haja muitos dados, acredita-se que as casas foram construídas com paredes de junco e barro, enquanto os telhados foram feitos de palha.

Alimento

Segundo especialistas, a comida dos habitantes desses assentamentos era essencialmente baseada na agricultura. O milho era o produto mais comum, acompanhado por outros vegetais, como abóbora ou abóbora.

Sabe-se também que eles começaram a praticar a pesca e a caça com sucesso. No primeiro caso, a dieta aproveitou as capturas de crustáceos e moluscos, principalmente. Quanto aos animais terrestres, as presas mais frequentes foram veados, tartarugas, alguns tipos de macacos e tatus.

Organização social

Não há referências sobre como a sociedade Guangala estava em suas origens. Não é possível saber com os dados atuais se foram igualitários ou se já surgiram diferenças sociais.

Por outro lado, se se sabe que com o crescimento dos núcleos urbanos apareceu uma elite governante e econômica que assumiu o comando. Eles estavam encarregados de dirigir a economia local e regular o sistema de troca com outros povos de materiais como metais ou algumas pedras exóticas.

Abaixo dessa elite havia artesãos e comerciantes. No próximo passo, a população geral apareceu. Finalmente, como uma classe baixa, foram os servos.

Traje

Como começaram a nomear várias técnicas têxteis, os membros dessa cultura usavam o algodão como elemento principal em suas roupas.

A princípio, as mulheres não cobriam as costas e usavam apenas um tipo de saia. Por sua parte, os homens usavam apenas uma espécie de tanga. Posteriormente, eles começaram a desenvolver outros tipos de roupas.

Quanto aos ornamentos, vários exemplos de seu uso foram encontrados. Os anéis de nariz eram particularmente frequentes, um anel circular que era colocado no nariz.

Tecnologia e utensílios

Os Guangalas passaram a dominar algumas técnicas avançadas para coletar água. Entre eles, a construção de albarradas ou barragens de terra com as quais coletaram as escassas chuvas sazonais. Foi um recurso para regar suas terras por mais tempo.

Os depósitos encontrados têm sido uma boa fonte de conhecimento sobre os utensílios que fabricaram. A maioria foi feita de pedra, como no caso de raspadores, machados, facas ou metates.

As conchas eram o elemento principal de muitos outros utensílios, como era o caso de ganchos, colheres, argolas nasais ou anéis e pingentes.

Deformação craniana

Essa cultura tinha uma tradição que tornava sua aparência física muito distinta. Assim, as cabeças encontradas mostram uma deformação craniana. Supõe-se que essa deformação tenha sido gerada pela aplicação de talas ou almofadas amarradas com cordas fortes durante os primeiros anos da infância.

Localização

A cultura Guangala vivia em terras do que hoje é o Equador. Mais especificamente, eles tiveram uma presença importante na península de Santa Elena, na atual cidade de La Libertad. Eles também se estabeleceram em outras áreas perto da foz dos rios e nas colinas de Chongón e Colonche,

Os Guangala se espalharam pelas praias e pelo interior do sul de Manabí. Além dos principais assentamentos, perto dos rios, havia também pequenas aldeias espalhadas pelas florestas secas.

Economia

Além de ser a principal fonte de alimentos, a agricultura era a base da economia de Guangala. Elementos complementares foram pesca e caça.

A organização do trabalho foi marcada por uma divisão marcante do trabalho, que por sua vez criou grupos sociais diferenciados. Assim, evidências da presença de grupos de pescadores, fazendeiros, caçadores, metalurgistas, tecelões etc. apareceram.

O principal produto com o qual eles fizeram trocas, o método mais semelhante ao comércio que existia na época, era o milho.

Os chefes locais foram os que controlaram essas trocas com cidades próximas. Além do cereal mencionado, os itens mais valiosos foram alimentos como peixe seco ou algumas criações artesanais.

Arte

A cultura Guangala se destacou muito por suas obras metalúrgicas e cerâmicas. No primeiro caso, destaca os objetos de ouro encontrados no Palmar, com acabamentos refinados e feitos com solda. Isso, além de outras descobertas, provam que eles foram pioneiros no domínio do metal.

No entanto, no campo que mais brilhou foi no campo da cerâmica. No livro “Antropologia pré-hispânica do Equador”, seu autor afirmou que “a civilização Guangala, do ponto de vista artístico, ocupa um lugar semelhante ao mais perfeito no Peru (Nazca, Tiahuanaco) por ser o único no Equador que tem cerâmica policromada ”

Cerâmica

Como mencionado, a cerâmica foi o principal protagonista da arte de Guangala. No elaborado para ser usado nas atividades diárias, quase não existem diferenças entre os diferentes assentamentos costeiros. Por outro lado, as esculturas mostram características próprias de acordo com o local onde foram feitas.

Essas esculturas podem ser, dependendo de sua origem, antropomórficas ou zoomórficas (forma animal). Entre os motivos habituais nas representações estavam as malformações físicas e as figuras que mostravam as atividades diárias dos habitantes da região.

Relacionado:  Manuel Candamo Iriarte: biografia e vida política

Se há um aspecto em que a cerâmica se destaca muito, foi em sua decoração policromada. Os restos encontrados mostram peças muito finas, com paredes de apenas dois milímetros de espessura.

As cores eram variadas e mostram grande domínio técnico. A leoa e o preto, por exemplo, precisavam saber como ajustar o oxigênio durante o cozimento. O vermelho, por outro lado, foi obtido por meio da técnica engobe.

Juntamente com esses tons, também era comum eles usarem branco, laranja e vermelho. Para completar a decoração, eles usavam técnicas como tinta negativa.

Os desenhos costumavam ser geométricos, com diferentes combinações de linhas retas. Às vezes desenhavam um pássaro, como os pelicanos.

Estatuetas

Os artesãos da cultura Guangala também demonstraram prontidão com suas pequenas figuras, possivelmente com significado religioso. Eles mostraram uma grande variedade de estilos, do realismo mais absoluto à estilização mais completa.

Alguns especialistas classificam essas estatuetas em duas categorias diferentes: A e B. Na primeira, as mulheres estão sentadas ou segurando uma criança nos braços.

O outro mostra homens, normalmente nus ou com tanga, e adornados com colares. Estes têm mãos, adornadas com tatuagens, colocadas na cintura.

Curiosamente, os dois tipos foram usados ​​como apito. Para fazer isso, os artesãos fizeram um par de orifícios na altura das omoplatas. O ar estava lá fora, emitindo um som musical graças a duas câmaras de ar inseridas no corpo das figuras.

Têxtil

Mais do que em roupas pessoais, onde a grande qualidade alcançada com os tecidos é observada nos trajes de algumas figuras de cerâmica. Os Guangalas conseguiram dominar várias técnicas, o que lhes permitiu fazer criações de grande beleza.

Os tecidos foram usados ​​para dar corpo às esculturas. Quando essas figuras foram cozidas, o pedaço de tecido que foi colocado no interior acabou queimando, mas foram recuperados pequenos pedaços que dão uma idéia do estilo.

Concha e pedra

O artesanato é nutrido por vários materiais coletados nas áreas próximas aos assentamentos. Entre os mais apreciados pelos especialistas estão os trabalhos em concha mãe pérola. Os brincos se destacam, feitos com diferentes formas e tamanhos.

Outro material utilizado foram os caracóis. Com os pequenos espécimes, eles fizeram tanques que costumavam armazenar cal. Os Guangala esculpiram esses pequenos pedaços formando desenhos geométricos.

A pedra também se tornou um recurso importante. Com a andesita eles fizeram machados e utensílios para moer. Com o mesmo material, eles criaram esferas, que foram usadas como munição ao caçar pequenos pássaros.

Metalurgia

A Cultura Guangala foi a primeira a começar a trabalhar metal. Eles começaram com cobre e, com o tempo, expandiram seus trabalhos usando ouro e platina.

Música

Infelizmente, não há referências sobre música nessa cultura. Nos depósitos foram encontrados alguns instrumentos musicais, a maioria deles de vento. No entanto, supõe-se que eles também usassem alguma percussão, com membranas.

Como na pequena estátua, esses instrumentos podem ter forma animal ou humana. No último caso, os antropomorfos, é comum as mulheres estarem mais representadas, algo que é claramente visto nas ocarinas.

Para explodir, isso tinha que ser feito através de um buraco na cabeça da figura. Dois outros pequenos orifícios, desta vez na parte de trás, permitiram que o ar escapasse. Pensa-se que esses instrumentos tenham desempenhado um papel importante em todos os tipos de rituais, sejam religiosos ou civis.

Religião

Os habitantes das mansões de Guangalas eram politeístas e animistas. Eles costumavam orar a espíritos animais, como a onça, a cobra ou a águia.

Além disso, havia uma crença muito forte no xamanismo. Essa religião é baseada na premissa de que o mundo que os humanos vêem é dominado por espíritos invisíveis, cujas ações afetam a vida dos seres humanos.

No xamanismo, diferentemente dos animistas, há uma figura central que “traduz” o mundo do espírito para os crentes. É provável, portanto, que o xamã tenha adquirido um status importante nos assentamentos.

Enterros

Foram encontradas evidências de enterros feitos dentro das casas. Ao lado dos corpos, eles costumavam colocar um enxoval funerário, com vasos de cerâmica, pesos líquidos, machados de pedra e brincos de concha. Da mesma forma, caixas de conchas também foram depositadas para armazenar cal e instrumentos musicais, entre outras coisas.

Também faltavam algumas figuras de cerâmica. Como observado acima, os especialistas acham que desempenharam papéis importantes nos rituais.

Referências

  1. Museu Chileno de Arte Pré-Colombiana. Guangala Obtido de precolombino.cl
  2. Enciclopédia do Equador. Cultura Guangala. Obtido em encyclopediadelecuador.com
  3. Povos nativos. Cultura Guangala. Obtido de pueblooriginarios.com
  4. Enciclopédia de História e Cultura da América Latina. Guangala Obtido em encyclopedia.com
  5. Drake, Angela. Culturas pré-incaicas ao longo da costa do Equador. Obtido em theculturetrip.com
  6. Elizabeth J. Reitz, Maria A. Masucci. Pescadores e agricultores de Guangala: um estudo de caso de uso de animais em El Azúcar. Recuperado de books.google.es
  7. Biz da História Mundial. Guangala, Guaya. Obtido em worldhistory.biz

Deixe um comentário