Culturas transitórias: características, tipos e manutenção

As culturas temporárias são aquelas que cobrem um ciclo vegetativo menores de 12 meses, em alguns casos chegando a apenas 3 a 6 meses. Eles também são chamados de culturas de ciclo curto ou culturas anuais e são o oposto de culturas perenes.

Alguns exemplos desse tipo de cultura são cereais (arroz, cevada, milho, trigo), oleaginosas (algodão, sementes de gergelim), tubérculos (batatas, batatas doces), legumes (brócolis, cebola, couve-flor, pimentão, tomate) e várias espécies florísticas e ornamentais.

Culturas transitórias: características, tipos e manutenção 1

Os vegetais são as principais culturas transitórias. Fonte: pixabay.com

A principal peculiaridade das culturas transitórias é que, após ser colhida, a planta culmina seu ciclo vegetativo. De fato, as plantas devem ser removidas do solo e, para alcançar outra colheita, um novo plantio deve ser iniciado.

Freqüentemente, a produção de culturas transitórias é destinada ao consumo humano diretamente ou como alimentos processados ​​perecíveis. Da mesma forma, são uma fonte de matéria-prima para a indústria agroalimentar e para consumo animal, diretamente ou na forma de alimentos concentrados.

Caracteristicas

Ciclo da colheita

Nas culturas transitórias, o ciclo da colheita abrange desde o momento do plantio, passando pela germinação, crescimento, floração e frutificação, até atingir a colheita. Quando a colheita termina, a planta morre, por isso é necessário iniciar o ciclo para obter uma nova produção.

Plantas tão diversas como acelga, abobrinha, cebola, alface, milho, pepino ou tomate culminam em seu ciclo de vida após serem colhidas. Por esse motivo, se uma nova produção é desejada, ela deve ser cultivada novamente.

Duração do ciclo da colheita

Com base no intervalo entre o início do plantio e a colheita, as colheitas transitórias duram doze meses ou menos; portanto, o nome “cultura transitória” é sinônimo de cultivo de ciclo curto ou cultivo anual.

Nas zonas temperadas, o ciclo de vida da maioria dos vegetais abrange desde o início da primavera até o meio do outono. Nos trópicos, a produção hortícola ocorre ao longo do ano, dependendo das condições ambientais e da disponibilidade de irrigação.

Atualmente, o uso de estufas permitiu a produção de culturas transitórias ao longo do ano com base na demanda agrícola. Dessa forma, culturas como alface ou espinafre realizam vários ciclos produtivos durante um ano.

Relacionado:  O que são espermatogônias e que tipos existem?

Exemplos

– Acelga (65 dias).

– Ervilha (entre 10 e 90 dias).

– Cebola (entre 120 e 150 dias).

– Alface (60 dias).

– Papa (entre 90 e 120 dias).

– Beterraba (75 dias).

– Páprica (entre 80 e 100 dias).

– Tomate (entre 80 e 90 dias).

– Couve-flor (entre 120 e 150 dias).

– Milho (entre 90 e 120 dias).

Trabalho de campo

As culturas de ciclo curto requerem alto investimento, capital humano e econômico. O controle efetivo de vários parâmetros agronômicos permite obter o rendimento máximo de cada colheita.

Tipos

A classificação freqüentemente usada para diferenciar culturas transitórias é baseada no tipo de produção. Eles estão agrupados em: vegetais, cereais, oleaginosas, raízes e tubérculos.

Legumes

Os vegetais constituem o grupo de plantas produzidas em pomares, canteiros ou estufas, consumidas diretamente ou como alimentos processados.

Sua produção requer um gerenciamento abrangente da cultura, que inclui irrigação, fertilização e controle de ervas daninhas, pragas e doenças.

Os legumes incluem legumes (feijão, ervilha, feijão) e legumes (rabanete, aipo, cebola, berinjela), excluindo cereais e frutas.

Culturas transitórias: características, tipos e manutenção 2

Ervilhas Fonte: pixabay.com

Essas plantas são cultivadas principalmente por seu alto nível nutricional, que inclui minerais, vitaminas, ácidos graxos, fibras e carboidratos, entre outros.

Cereais

Fundamentalmente, os cereais são uma fonte de energia obtida através de grãos ricos em amidos, lipídios, proteínas, celulose e fibras. Entre os cereais estão arroz, aveia, cevada, centeio, milho, milho, sorgo e trigo.

A maioria das culturas de cereais são produzidas mecanicamente. Vale ressaltar que a matéria-prima obtida destes deve ser processada para consumo humano ou animal.

Culturas transitórias: características, tipos e manutenção 3

Trigo Fonte: pixabay.com

Oleaginosas

As oleaginosas são plantas das quais o óleo é extraído de seus frutos ou sementes. Entre as oleaginosas mais comuns, destacam-se o girassol, o amendoim, o milho, a soja, o azeite, o dendê, a colza e a amêndoa ou açafrão.

O processo de extração de óleo pode ser feito de maneira artesanal, mas as maiores produções são realizadas industrialmente.

Relacionado:  Lactobacillus acidophilus: características, taxonomia, morfologia

Culturas transitórias: características, tipos e manutenção 4

Girassol Fonte: pixabay.com

Raízes e tubérculos

Raízes e tubérculos são plantas cujos produtos comestíveis contêm altos níveis de carboidratos, provitamina A, vitamina C e potássio. Entre os mais proeminentes podem ser mencionados o aipo, batata doce, batata, inhame, occumo, mandioca e cenoura.

É essencial incluir raízes e tubérculos na dieta diária, como alimentos frescos, cozidos ou preparados industrialmente.

Culturas transitórias: características, tipos e manutenção 5

Tubérculos (Solanum tuberosum) Fonte: pixabay.com

Trabalho cultural

O manejo agronômico ou cultural da colheita transitória está relacionado às atividades que são realizadas da semeadura à colheita. Seu objetivo é obter uma cultura saudável que alcance altos rendimentos.

A seguir, descreveremos as tarefas mais importantes que devem ser realizadas para obter uma colheita de alta qualidade:

Preparação do local

São trabalhos de campo que incluem o arado, o passe de dragagem, a subsolagem e o nivelamento da terra.

Essas atividades são realizadas para condicionar o solo a receber as sementes ou mudas durante o transplante.

Sementeira

O plantio consiste em colocar a semente no substrato ou no solo condicionado para o crescimento e desenvolvimento da planta.

Em culturas transitórias, a semeadura pode ser feita diretamente: por ponto, para vôlei ou jato de corrida. Há também a semeadura indireta, que é realizada por transplante de mudas.

Transplante

Transplante é a atividade de semear no campo as mudas obtidas a partir de sementes cultivadas em mudas.

A principal característica da muda a ser transplantada é a presença de 4 a 6 folhas verdadeiras.

Diluição

O desbaste é uma prática cultural que consiste em eliminar essas plantas fracas para oferecer melhores condições de desenvolvimento.

O desbaste é feito em semeaduras com jato de corrida, onde as plantas crescem muito próximas (nabo, beterraba ou cenoura).

Aporque

É um processo que consiste em reunir a terra ao redor do caule para fortalecer seu desenvolvimento e crescimento.

Peal

É uma técnica de produção que envolve a substituição de mudas que se deterioraram após o transplante. O objetivo é evitar espaços vazios na lavoura e manter a produtividade.

Relacionado:  Importância do fluxo de matéria e energia nos ecossistemas

Colheita

A colheita é feita arrancando o produto final de cada colheita, retirando diretamente da planta e contando com tesoura ou de forma mecanizada.

Após a colheita do produto final, ele deve ser convenientemente armazenado para distribuição direta ou transportado para o agronegócio.

Manutenção

Rega

É uma atividade fundamental para culturas transitórias, uma vez que o crescimento e desenvolvimento da cultura dependem da eficácia da irrigação.

A irrigação é baseada no tipo de cultura, nas condições do solo e na disponibilidade de água e mão-de-obra.

Recomenda-se regar em horas frescas pela manhã ou no final da tarde, espalhando a água diretamente para a lavoura sem molhar a folhagem.

Tutelado

Nas plantas rastejantes – como ervilhas, pepinos ou tomates – o guarda impede que os frutos sejam prejudicados durante a fase de produção. O objetivo é colocar estacas ou outros elementos que sustentem as culturas.

Capina

A remoção de ervas daninhas permite eliminar plantas indesejadas da colheita. As ervas daninhas competem por espaço, água, nutrientes e radiação solar; Além disso, eles atraem pragas e doenças.

Manejo abrangente de pragas e doenças

O manejo integral é uma estratégia que permite controlar não apenas pragas e doenças, mas também ervas daninhas ou ervas daninhas.

Essa atividade inclui práticas culturais, controle biológico e, se necessário, controle químico.

Referências

  1. Amigo Antonio (2018) Culturas de ciclo curto. Recuperado em: mundohuerto.com
  2. Cereais (2018) Wikipedia, A Enciclopédia Livre. Recuperado em: wikipedia.org
  3. Hortaliza (2018) Wikipedia, a enciclopédia livre. Recuperado em: wikipedia.org
  4. Planta oleaginosa (2018) Wikipedia, a enciclopédia livre. Recuperado em: wikipedia.org
  5. Raízes e tubérculos (2008) Centro de Recursos de Informação Agrícola de Porto Rico. Recuperado em: cridag.net
  6. Rodríguez R. Mariela (2015) Trabalho Cultural. Guia para manter um jardim orgânico e saudável. Fundação Alternativas. 15 p.
  7. Sifontes Jhosymar (2015) Estrutura Vertical de Culturas de Ciclo Curto. Recuperado em: sofoscorp.com
  8. Silva Veymar M. (2017) O cultivo de vegetais. Projeto Gestão Integral de Recursos Naturais nos Trópicos (VDCI – UNDOC). 28 p.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies