Democracia semi-direta: conceito e características

Democracia semi-direta: conceito e características

A democracia semi- direta pode ser definida como um tipo de democracia na qual as pessoas têm a oportunidade de tomar mais decisões políticas que afetam suas vidas. Portanto, os habitantes dos países com essa forma de governo têm mais responsabilidade na tomada de decisões do Estado.

Normalmente nas democracias, representantes do povo são eleitos por voto a cada quatro anos e os políticos são responsáveis ​​por tomar decisões. Na democracia participativa, espera-se que o papel do povo seja mais do que o do voto e tenha um papel mais ativo.

A democracia implica que as pessoas estão no poder, então todas as democracias são participativas. No entanto, a democracia semi-direta tende a promover formas mais envolvidas de participação cidadã e maior representação política do que a democracia representativa tradicional.

A democracia semi-direta procura criar oportunidades para todos os membros da população fazerem contribuições significativas para a tomada de decisões e busca ampliar o leque de pessoas que têm acesso a essas oportunidades.

Esse sistema geralmente significa o direito de participação dos cidadãos em uma democracia. É uma obrigação dos cidadãos participar das decisões tomadas por seus representantes governamentais, uma vez que essas decisões afetam a vida de todos os cidadãos.

A democracia semi-direta constitui a crença teórica nas técnicas de participação que melhoram o envolvimento das pessoas na tomada de decisões.

Características da democracia semi-direta

Envolvimento político

Democracia semi-direta ou compartilha o significado de envolvimento político sem mediação com o termo democracia direta e, portanto, é neutralizada pela divisão do trabalho político nas democracias representativas.

Ênfase na participação

Diferentemente da democracia direta, a democracia semi-direta concentra-se mais nos processos de participação e no processo de deliberação, e não tanto nos resultados da votação.

Relacionado:  Responsabilidade social de instituições, organizações e empresas

Mecanismos de expressão na democracia semi-direta

1- Revogação do mandato ou remoção popular

É um procedimento no qual os eleitores podem remover um funcionário eleito de seu cargo por voto direto, antes do término do mandato.

A revogação do mandato, iniciada quando um número suficiente de eleitores assina uma petição, tem uma história que remonta à antiga democracia em Atenas e aparece nas constituições contemporâneas.

Como a maioria das inovações populistas, a prática de realizar referendos para os governantes é uma tentativa de minimizar a influência dos partidos políticos nos representantes.

O impeachment foi criado para garantir que um funcionário eleito atue com os interesses de seu círculo eleitoral em vez de com os interesses de seu partido político ou com a própria consciência.

O instrumento real de um referendo geralmente é uma carta de demissão assinada pelo representante eleito antes de assumir o cargo.

Durante seu mandato, a carta pode ser evocada por um quorum de constituintes se o desempenho do representante não atender às expectativas.

2- Plebiscito

O plebiscito é um tipo de votação ou de leis propostas. Algumas definições sugerem que é um tipo de votação que busca mudar a constituição ou o governo de um país. No entanto, outros podem defini-lo como o oposto.

Geralmente, a definição de que tipo de plebiscito será usado depende da história do país e de sua Constituição. Os plebiscitos podem produzir dois tipos de resultados:

– Obrigatório, significa que o governo deve fazer o que diz o resultado.

– Assessoria significa que o resultado da votação deve ajudar apenas o governo a tomar uma decisão final.

Muitos problemas políticos podem ser resolvidos perguntando às pessoas sobre sua opinião. Isso ocorre porque aqueles que apóiam um argumento devem ser forçados a aceitar a decisão do povo.

Relacionado:  As 5 Principais Funções do Provedor de Justiça

No entanto, o eleitorado pode não ter conhecimento político suficiente para entender realmente no que está votando.

Também se pensa que os eleitores podem ser facilmente persuadidos por seus sentimentos internos, em vez de se concentrarem no bem da nação em geral. Isso significa que eles votam egoisticamente.

3- Iniciativa popular

É um método no qual uma petição assinada por um número mínimo de eleitores registrados pode forçar uma votação pública. Eles geralmente são usados ​​para propor a sanção ou revogação de alguma lei.

A iniciativa pode assumir a forma de iniciativa direta ou indireta. Em uma iniciativa direta, uma medida é diretamente colocada em votação após ser submetida por uma petição.

Em uma iniciativa indireta, uma medida é primeiro remetida ao Legislativo e, em seguida, submetida a votação popular apenas se não for promulgada pelo Legislativo.

Você pode votar em um estatuto proposto, uma emenda constitucional, uma lei local ou simplesmente para obrigar o Executivo ou o Legislativo a considerar uma questão, trazendo-a para a agenda.

4- Referendo

É uma votação direta na qual todo o eleitorado é convidado a votar em uma proposta específica; isso pode resultar na adoção de uma nova lei.

Hoje, um referendo costuma ser chamado de plebiscito. Mas em muitos países os dois termos são usados ​​de maneira diferente, para se referir a votos que diferem em diferentes tipos de consequências legais.

Por exemplo, a Austrália define o referendo como um voto para alterar a Constituição e um referendo como um voto que não afeta a Constituição.

Em contrapartida, a Irlanda teve apenas um plebiscito, que foi o voto para adotar sua Constituição, e todos os outros votos foram convocados para referendos.

Relacionado:  Os 2 elementos do custo de produção mais importante

O termo referendo carrega uma variedade de significados diferentes. Um referendo pode ser obrigatório ou consultivo. Dependendo do país, nomes diferentes são usados ​​para esses dois tipos de referendos.

Os referendos podem ser classificados por quem os inicia: referendos obrigatórios, prescritos por lei; referendos voluntários, iniciados pelo Legislativo ou Governo; e referendos iniciados pelos cidadãos.

No mundo moderno, a maioria dos referendos precisa ser entendida no contexto de uma democracia representativa. Portanto, eles tendem a ser usados ​​seletivamente.

Por exemplo, eles podem cobrir problemas como mudanças nos sistemas de votação, quando funcionários eleitos não têm legitimidade ou inclinação para implementar essas mudanças.

Referências

  1. Referendo. Recuperado de wikipedia.org
  2. Iniciativa. Recuperado de wikipedia.org
  3. Democracia participativa (2012). Recuperado de participedia.net
  4. Lembre-se da eleição. Recuperado de wikipedia.org
  5. Democracia. Recuperado de wikipedia.org
  6. Lembre-se da eleição. Recuperado de britannica.com
  7. O que é democracia participativa? significa se envolver (2010). Recuperado de glasgowdailytimes.com
  8. Democracia participativa. Recuperado de wikipedia.org
  9. Democracia participativa. Recuperado de wikipedia.org
  10. O estado da teoria da democracia participativa (2010). Recuperado de tandfonline.com
  11. Plebiscito. Recuperado de wikipedia.org

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies