Desenvolvimento embrionário em espermatófitos: características

O desenvolvimento embrionário em espermatófitos, grupo que engloba as plantas com sementes, apresenta características distintas e essenciais para a reprodução dessas espécies. Durante o processo de desenvolvimento embrionário, ocorrem diversas etapas que garantem a formação adequada do embrião e sua proteção até que a planta esteja pronta para germinar. Neste contexto, a fecundação, a formação do zigoto e a diferenciação dos tecidos são alguns dos eventos fundamentais que ocorrem ao longo desse processo. Ademais, a presença de estruturas como endosperma e tegumento também são características marcantes do desenvolvimento embrionário em espermatófitos. Este complexo e fascinante processo garante a perpetuação das espécies vegetais e a diversidade do reino vegetal.

Características essenciais das gimnospermas: conheça as principais características desse grupo de plantas.

As gimnospermas são plantas vasculares que se reproduzem através de sementes nuas, ou seja, sem a proteção de um fruto. Essas plantas são caracterizadas por apresentarem sementes expostas em estruturas chamadas de cones. Entre as principais características das gimnospermas, destacam-se:

  • Presença de sementes nuas: as sementes das gimnospermas não estão envolvidas por um fruto, como nas angiospermas.
  • Presença de cones: as estruturas reprodutivas das gimnospermas são os cones, onde estão localizadas as sementes.
  • Folhas em forma de agulha: muitas gimnospermas apresentam folhas em forma de agulha, adaptadas para reduzir a perda de água.
  • Reprodução por meio de polinização: as gimnospermas se reproduzem através de polinização, onde o pólen é transportado até o óvulo para a fecundação.
  • Presença de traqueídes: as gimnospermas possuem células condutoras de seiva chamadas traqueídes, que ajudam no transporte de água e nutrientes.

Essas características conferem às gimnospermas uma adaptação única ao ambiente terrestre, permitindo que essas plantas se desenvolvam em uma variedade de habitats ao redor do mundo.

Desenvolvimento embrionário em espermatófitos: características

Os espermatófitos, grupo que engloba as gimnospermas e as angiospermas, apresentam um desenvolvimento embrionário característico. Durante a fecundação, o gameta masculino se funde com o gameta feminino para formar o zigoto, que se desenvolve em um embrião. Esse embrião é protegido por tecidos nutritivos que o auxiliam no seu desenvolvimento.

Relacionado:  Plantas Florestais: 5 Tipos e Características

Em gimnospermas, o embrião se desenvolve dentro da semente, que é protegida pelo cone. Esse processo de desenvolvimento embrionário garante a sobrevivência da planta, proporcionando as condições necessárias para que ela se estabeleça e se reproduza com sucesso.

Em resumo, as gimnospermas apresentam características únicas que as distinguem de outros grupos de plantas, sendo essenciais para sua sobrevivência e reprodução no ambiente terrestre.

A singularidade das plantas: quais características as tornam únicas no reino vegetal?

O desenvolvimento embrionário em espermatófitos é um processo fascinante que revela algumas das características singulares das plantas no reino vegetal. Essas características únicas são essenciais para a sobrevivência e reprodução das plantas, garantindo sua diversidade e adaptabilidade.

Uma das principais características que tornam as plantas únicas é o seu ciclo de vida alternante, com alternância de gerações entre a fase gametofítica e esporofítica. Nesse ciclo, o embrião se desenvolve a partir de um zigoto formado pela união de gametas masculinos e femininos, gerando uma nova planta com características genéticas únicas.

Além disso, as plantas possuem estruturas reprodutivas especializadas, como flores e sementes, que desempenham um papel fundamental no desenvolvimento embrionário. As sementes protegem e nutrem o embrião em desenvolvimento, garantindo sua viabilidade e dispersão.

Outra característica marcante das plantas é a presença de tecidos meristemáticos, responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento contínuo ao longo da vida da planta. Esses tecidos permitem a regeneração de órgãos e a adaptação a diferentes condições ambientais.

Em resumo, o desenvolvimento embrionário em espermatófitos revela as características singulares das plantas no reino vegetal, destacando sua capacidade de reprodução, adaptação e crescimento contínuo. Essas características são essenciais para a sobrevivência e diversidade das plantas no nosso planeta.

Desenvolvimento embrionário em espermatófitos: características

O desenvolvimento embrionário dos espermatófitas é realizado após a formação do zigoto, após o processo de fertilização destas plantas vasculares.

Espermatófitos são plantas que produzem sementes e se reproduzem por esporos; existe a origem de sua denominação.

Desenvolvimento embrionário em espermatófitos: características 1

Os esporos são células haplóides; isto é, eles contêm apenas metade do total de cromossomos da espécie.

Essas células sexuais se originam através de divisões celulares dentro do esporângio, o que resulta na produção de gametófitos.

Por sua vez, a união de dois gametófitos forma o zigoto com carga cromossômica completa que, posteriormente, se torna o embrião da nova planta.

Existem dois tipos de plantas espermatófitas: gimnospermas e angiospermas. Dependendo do tipo de planta, o desenvolvimento embrionário é diferente.

Desenvolvimento embrionário em espermatófitos de gimnospermas

Gimnospermas não têm flores. Consequentemente, as sementes são visíveis do lado de fora, pois não são fechadas por frutas.

Desenvolvimento embrionário em espermatófitos: características 2

Uma vez que o grão de pólen é introduzido no sistema reprodutor feminino, ele desenvolve um tubo de pólen para facilitar o acesso ao gametófito feminino e dar origem à fertilização.

A fertilização ocorre quando o grão de pólen (gametófito masculino) libera os espermatozóides que fertilizam a ovocélula, localizada no núcleo do óvulo (gametófito feminino).

Então, o zigoto é formado pela união dos dois gametófitos, durante a fase de desenvolvimento chamada esporófito.

Posteriormente, a mitose ocorre; isto é, a divisão eqüitativa do material hereditário (DNA), para dar origem ao embrião.

O gametófito feminino cobre o embrião e se torna parte do material nutricional que compõe a semente madura.

Em seguida, é formado o tegumento, que é um tecido vegetal que protege a semente. O tegumento limita o embrião e o material nutricional durante os estágios iniciais do desenvolvimento.

Quando o órgão feminino se abre, sementes maduras são liberadas para o meio ambiente. O vento dispersa as sementes e, se caírem em solo fértil e com condições climáticas adequadas, germinam, causando novas gimnospermas.

Relacionado:  Streptococcus pyogenes: características, morfologia, patogênese

Desenvolvimento embrionário em espermatófitos de angiospermas

São plantas espermatofíticas com flores. Ao contrário das gimnospermas, as sementes de angiospermas não são visíveis do lado de fora, pois estão localizadas dentro de uma fruta.

Desenvolvimento embrionário em espermatófitos: características 3

A presença de flores modifica significativamente o processo reprodutivo. O ginecium, que é a parte feminina da planta, é constituído pelos pistilos, compostos de carpelos.

Os carpelos, por sua vez, são formados pelo ovário, estilo e estigma das flores.

O pólen é transferido para o estigma da flor, graças à ação de diferentes meios de transporte: vento, água e até a transferência de pólen através de insetos.

O pólen é depositado na superfície do estigma das flores e germina, dividindo-se em dois gametas masculinos.

Ambos os gametas viajam através do tubo de pólen que cresce ao longo do estigma, até fertilizarem o óvulo reprodutivo dentro do ovário.

O ovo fertilizado passa por uma série de divisões mitóticas para formar o embrião, que é completamente coberto pela semente.

Posteriormente, o ovário aumenta e amadurece, dando origem ao fruto, que contém as sementes no interior.

Essa característica torna o embrião protegido da desidratação e de possíveis danos mecânicos durante seu desenvolvimento, uma vez que a nucela original do óvulo (camada que cobre o saco embrionário) fornece todos os recursos nutricionais para o desenvolvimento embrionário.

Referências

  1. Bareja, B. (2012). O que são plantas de semente, angiospermas e gimnospermas. Recuperado de: cropreview.com/seed-plants.html
  2. Espermatófitos (2014). Revista de Ciência e Desenvolvimento. Cidade do México, México. Recuperado de: cyd.conacyt.gob.mx
  3. González, C. (2016). Espermatófitos Laboratório de Botânica do Colégio Nacional de Buenos Aires. Buenos Aires, Argentina. Recuperado de: botanica.cnba.uba.ar
  4. Plantas de sementes vasculares (espermatófitos): as angiospermas. Faculdade Comunitária de El Paso. Texas, EUA Recuperado de: epcc.edu
  5. Wikipedia, A Enciclopédia Livre (2017). Angiospermas Recuperado de: en.wikipedia.org
  6. Wikipedia, A Enciclopédia Livre (2017). Espermatophyta Recuperado de: en.wikipedia.org

Deixe um comentário