Distorções cognitivas nos relacionamentos

As distorções cognitivas nos relacionamentos são padrões de pensamento distorcidos que podem afetar a forma como percebemos e interpretamos as interações com os outros. Essas distorções podem levar a mal-entendidos, conflitos e dificuldades de comunicação nos relacionamentos. Identificar e entender essas distorções é fundamental para promover relacionamentos saudáveis e construtivos. Neste contexto, é importante trabalhar a autoconsciência e a capacidade de questionar e desafiar nossos pensamentos distorcidos para melhorar a qualidade dos nossos relacionamentos interpessoais.

Quais são os exemplos de distorções cognitivas mais comuns?

As distorções cognitivas são padrões de pensamento distorcidos que afetam a forma como interpretamos a realidade ao nosso redor. Quando se trata de relacionamentos, essas distorções podem ter um impacto significativo na forma como nos comunicamos e interagimos com os outros. Alguns exemplos de distorções cognitivas mais comuns incluem:

  • Leitura da mente: presumir que sabemos o que o outro está pensando ou sentindo, sem evidências concretas para apoiar essa conclusão.
  • Filtragem mental: focar apenas nos aspectos negativos de uma situação ou pessoa, ignorando os aspectos positivos.
  • Catastrofização: exagerar a gravidade de uma situação, antecipando o pior cenário possível.
  • Personalização: atribuir a si mesmo a culpa por eventos externos ou assumir que os outros estão agindo de determinada maneira por causa de algo que fizemos.
  • Polarização: ver as situações em preto e branco, sem considerar nuances ou possibilidades intermediárias.

Essas distorções cognitivas podem levar a mal-entendidos, conflitos e dificuldades de comunicação nos relacionamentos. É importante estar ciente delas e tentar identificá-las para evitar que influenciem negativamente nossas interações com os outros.

O que significa relação cognitiva?

Para entender o que significa relação cognitiva, é importante primeiro compreender o termo cognição, que se refere ao processo mental de percepção, memória, raciocínio e julgamento. Uma relação cognitiva, portanto, envolve a forma como pensamos, interpretamos e processamos informações em nossos relacionamentos.

Nos relacionamentos, as distorções cognitivas podem ocorrer quando interpretamos erroneamente as ações, palavras ou intenções do outro. Essas distorções podem levar a mal-entendidos, conflitos e ressentimentos. Por exemplo, a distorção cognitiva conhecida como “leitura da mente” ocorre quando assumimos que sabemos o que a outra pessoa está pensando ou sentindo, sem ter evidências concretas para isso.

Outro exemplo de distorção cognitiva comum nos relacionamentos é a generalização excessiva, onde tiramos conclusões amplas com base em um único incidente. Isso pode levar a preconceitos e estereótipos prejudiciais. A terapia cognitiva pode ajudar a identificar e corrigir essas distorções, promovendo uma comunicação mais clara e saudável entre as partes envolvidas.

Identificando sinais de distorção cognitiva no pensamento e comportamento diário.

Nos relacionamentos, é comum encontrarmos distorções cognitivas que podem afetar a forma como percebemos e nos relacionamos com os outros. Essas distorções são padrões de pensamento enviesados que distorcem a realidade e podem levar a mal-entendidos e conflitos.

Relacionado:  5 etapas pelas quais os casais passam no final

Um dos sinais mais comuns de distorção cognitiva nos relacionamentos é a generalização. Quando generalizamos, tendemos a tirar conclusões amplas com base em uma única situação. Por exemplo, se um amigo cancela um encontro uma vez, podemos concluir que ele não se importa conosco, ignorando outras possíveis razões para o cancelamento.

Outro exemplo de distorção cognitiva é o pensamento polarizado, no qual enxergamos as pessoas como “tudo ou nada”, sem considerar as nuances e complexidades das relações humanas. Isso pode levar a julgamentos precipitados e a dificuldades de comunicação.

A leitura da mente é outra distorção comum nos relacionamentos, onde assumimos que sabemos o que o outro está pensando ou sentindo, sem realmente perguntar ou confirmar. Isso pode levar a interpretações equivocadas e a sentimentos de ressentimento e frustração.

Para lidar com essas distorções cognitivas nos relacionamentos, é importante praticar a comunicação assertiva e estar aberto ao diálogo e à empatia. Questionar nossos pensamentos automáticos e buscar diferentes perspectivas pode nos ajudar a evitar mal-entendidos e fortalecer nossos laços com os outros.

Ao reconhecer e identificar os sinais de distorção cognitiva no pensamento e comportamento diário, podemos cultivar relacionamentos mais saudáveis e significativos, baseados na compreensão mútua e na aceitação das diferenças.

A concepção do amor na terapia cognitivo-comportamental: uma abordagem prática e eficaz.

A terapia cognitivo-comportamental (TCC) tem se mostrado uma abordagem eficaz para lidar com distorções cognitivas nos relacionamentos, incluindo a concepção do amor. Segundo essa abordagem, as crenças e pensamentos de um indivíduo influenciam diretamente suas emoções e comportamentos em relação ao parceiro.

Um dos principais pontos da TCC é identificar e corrigir distorções cognitivas que podem levar a interpretações distorcidas sobre o amor e o relacionamento. Por exemplo, o pensamento de que “se meu parceiro realmente me amasse, ele faria tudo o que eu quero” pode levar a expectativas irrealistas e conflitos desnecessários.

A TCC trabalha para ajudar o paciente a reconhecer essas distorções cognitivas e substituí-las por pensamentos mais realistas e saudáveis. Isso pode envolver questionar as crenças negativas sobre si mesmo e o parceiro, avaliar a evidência para essas crenças e desenvolver uma visão mais equilibrada do relacionamento.

Além disso, a TCC foca em mudanças comportamentais concretas que possam melhorar a qualidade do relacionamento, como a comunicação eficaz, o estabelecimento de limites saudáveis e a resolução de conflitos de forma construtiva.

Ao trabalhar para modificar esses padrões de pensamento e comportamento, a TCC oferece uma abordagem prática e eficaz para promover relacionamentos saudáveis e satisfatórios.

Distorções cognitivas nos relacionamentos

Distorções cognitivas nos relacionamentos 1

Quando começamos um relacionamento amoroso, medos e dúvidas geralmente surgem. Muitas vezes, viemos de relacionamentos passados ​​que nos deixaram um pouco emocionados. Talvez eles tenham nos enganado, ou simplesmente paramos de amar a outra pessoa e o relacionamento chegou ao fim.

Tudo isso é comum e não deve se preocupar muito. Mas o que acontece quando temos um parceiro e estamos constantemente perturbados, a ponto de nossa percepção das coisas ser alterada? Por que isso acontece? Neste artigo, falaremos sobre distorções cognitivas nos relacionamentos .

Distorções cognitivas de Beck

Aaron Beck foi um pesquisador que enfatizou bastante a maneira como pensamos e processamos as informações , especialmente a depressão. Ele nos falou sobre distorções cognitivas, isto é, preconceitos sistemáticos no processamento de informações após eventos de perda ou privação. Assim, esses eventos são valorizados de maneira excessiva como algo global, frequente e irreversível.

Distorções cognitivas produzem distúrbios emocionais e, portanto, Beck lhes deu um papel fundamental na origem e manutenção da depressão. Além disso, ele defendeu a ideia de que o processamento da informação é guiado por esquemas cognitivos. Esses esquemas orientam a percepção, codificação, armazenamento e recuperação de informações, ou seja, atuam como filtros cognitivos.

Distorções cognitivas aparecem em muitas outras condições clínicas, como transtornos de ansiedade, outros transtornos de humor e transtornos de personalidade. No entanto, eles também aparecem – e com muita frequência – na população não clínica (sem distúrbios diagnosticáveis), como veremos abaixo.

  • Você pode estar interessado: ” Esquemas cognitivos: como é organizado o nosso pensamento? “

Distorções cognitivas nos relacionamentos

Quando começamos um relacionamento ou já o temos há algum tempo, podem aparecer distorções cognitivas. Isso altera a maneira como temos que viver o relacionamento , para nos relacionarmos com a outra pessoa e pode acabar prejudicando o relacionamento.

Assim, distorções cognitivas nos relacionamentos geralmente são inconscientes e não sabemos que elas estão guiando nossa interpretação das coisas. Eles nos afetam da maneira como nos vemos como parte do casal e prejudicam nossa auto-estima e nosso autoconceito .

Distorções cognitivas contêm informações erradas, e devemos ter cuidado com elas. A herança cultural e a educação têm um peso importante em sua gênese nos relacionamentos amorosos, uma vez que esses dois elementos orientaram amplamente nossa percepção da vida.

Algumas das distorções cognitivas mais comuns em relações são as seguintes.

“Sem você não sou nada”

Consiste em pensar que, se o casal nos deixar, afundaremos , porque é uma parte essencial da nossa vida. Esse é um pensamento categórico e determinístico, que nos leva a viver o relacionamento com ansiedade e com um tremendo medo de perder o casal.

Relacionado:  Como as pessoas mais inteligentes gerenciam relacionamentos amorosos?

De acordo com a terminologia de Beck, é uma ampliação e consiste em avaliar uma situação aumentando sua magnitude ou significância.

É um pensamento que aumenta a dependência do casal e é totalmente falso. Se antes de conhecermos essa pessoa poderíamos viver perfeitamente e ser felizes, por que agora é diferente?

  • Você pode estar interessado: ” Dependência emocional: dependência patológica do seu parceiro “

“Meu parceiro deve fazer tudo por mim”

Acreditar que a outra pessoa é um ser mágico que veio para nos salvar de alguma coisa , ou para remediar nossas neuros, é um pensamento absurdo e muito comum. Tê-lo aumenta a frustração e nos torna exigentes e dependentes da pessoa que amamos.

O casal não precisa ser um servo ou servo para nós. Um relacionamento saudável é um relacionamento equilibrado, em que ambas as partes contribuem. O outro nem sempre satisfaz nossos desejos, nem devemos esperar que seja assim.

Devemos ter cuidado com o “eu devo”, pois eles geralmente contêm necessidades não atendidas que tentamos cobrir como está.

“Se ele está com ciúmes, é porque ele me ama”

O ciúme é uma arma muito perigosa nos relacionamentos. Essa afirmação se baseia em uma distorção cognitiva que nos leva a viver o ciúme do outro como algo bom e lógico dentro do relacionamento, mesmo como algo necessário, como demonstração de amor.

Precisamente ciúme denota o contrário, isto é, inseguranças , medo de perder a outra pessoa e baixa auto-estima. Um relacionamento funcional sempre será baseado em confiança, respeito e liberdade.

É uma inferência arbitrária, isto é, chegar a uma conclusão sem evidências de apoio ou com evidências contrárias. Nesse caso, atribuímos ciúmes a algo bom, quando é precisamente o contrário.

Tratamento: técnicas de reestruturação cognitiva

A reestruturação cognitiva é uma forma de intervenção psicoterapêutica empregada por Aaron Beck , entre outros, que visa tornar funcionais as crenças disfuncionais e modificar distorções cognitivas. Algumas de suas técnicas são as seguintes.

  • Registro diário de pensamentos automáticos : permita que o paciente realize seus pensamentos disfuncionais. Utilizado nas primeiras sessões.
  • Técnica de três colunas: permite identificar distorções e modificar cognições.
  • Teste de realidade : experimentos para o paciente descrever e analisar a realidade de maneira mais adequada.
  • Retribuição: permite analisar as causas que foram capazes de contribuir para um evento específico para reduzir a culpa.

Referências bibliográficas:

  • Horse (2002). Manual para tratamento cognitivo-comportamental de distúrbios psicológicos. Vol. 1. Madrid. Século XXI.
  • Belloch, A.; Sandín, B. e Ramos, F. (2010). Manual de Psicopatologia. Volume II Madri: McGraw-Hill.

Deixe um comentário