Dorothy Crowfoot Hodgkin: biografia, contribuições, agradecimentos

Dorothy Crowfoot Hodgkin (1910-1994) era um químico britânico, famoso por seus avanços na técnica da cristalografia de raios-X que lhe permitia decifrar a estrutura molecular de importantes substâncias orgânicas como penicilina, insulina e vitamina B 12.

Ela recebeu o Prêmio Nobel de Química de 1964 por essa contribuição à ciência, pois, a partir de suas descobertas em pesquisas em todo o mundo, elas foram capazes de aprender muito mais sobre o comportamento e a gama de funções das substâncias analisadas.

Dorothy Crowfoot Hodgkin: biografia, contribuições, agradecimentos 1

Dorothy Crowfoot Hodgkin. Fonte: britannica.com

Outras distinções que o cientista britânico alcançou foram a Medalha Lomonosov, concedida pela Academia Soviética de Ciências, a Medalha Copley, concedida pela Royal Society de Londres ou a Decoração Austríaca de Ciência e Arte.

Biografia

Primeiros anos

Dorothy Mary Crowfoot nasceu em 12 de maio de 1910 no Cairo, Egito, uma colônia atualmente pertencente ao Império Britânico. Seus pais eram John Winter Crowfoot e Grace M. Hood.

A futura cientista e suas três irmãs passaram grande parte de sua infância longe de seus pais, pois com o início da Primeira Guerra Mundial as meninas foram transferidas para a casa de seus avós na Inglaterra, enquanto seus pais permaneceram na África por razões de trabalho.

Na época do nascimento de Dorothy, seu pai trabalhava no Serviço Educacional Egípcio, de onde ele partiu para o Sudão para servir como Diretor Adjunto de Educação. De lá, o casal se mudou para Israel, onde ambos eram totalmente dedicados à arqueologia.

Primeiros contatos com a química

Aos dez anos, a menina já estava realizando experimentos em um laboratório improvisado no sótão dos avós, analisando cristais obtidos em suas visitas ocasionais às escavações de seus pais na África.

Durante a adolescência, ele adquiriu seu primeiro conhecimento sobre a técnica que a tornaria mundialmente famosa. Tudo graças à leitura do livro Sobre a natureza das coisas (1926) do Prêmio Nobel de Física de 1915 e pai da cristalografia, William Henry Bragg.

Educação

Entre 1921 e 1928, ele freqüentou a Sir John Leman High School, na cidade de Beccles, onde teve que solicitar uma permissão especial para assistir às aulas de química com os meninos.

Em 1928, ele começou a estudar Ciências Químicas na Universidade de Oxford, uma decisão atípica em um momento em que as mulheres costumavam escolher uma vida doméstica longe do mundo acadêmico.

Durante sua permanência neste espaço acadêmico, ele assistiu a uma palestra de John Bernal (1901-1971), reconhecido cristalógrafo da Universidade de Cambridge e ficou tão impressionado com sua técnica de cristalografia que decidiu basear sua tese de doutorado em seu estudo e aplicação.

Relacionado:  Mariano Latorre: biografia, estilo, obras

Cristalografia de raios X

Pesquisadores da época consideravam que a estrutura molecular das substâncias estava ligada às suas funções; por esse motivo, haviam avançado consideravelmente na construção de modelos para entender suas propriedades.

No entanto, Crowfoot considerou que, para encontrar novas estruturas e corrigir erros, era necessário ver a molécula. Para atingir esse objetivo, não havia melhor técnica que a cristalografia de raios-X.

Isso consistiu em projetar um feixe de raios-x através de uma substância em sua versão cristalizada, dispersando uma série de pontos luminosos que foram registrados em uma placa fotográfica.

Dorothy Crowfoot Hodgkin: biografia, contribuições, agradecimentos 2

Cristalografia de raios X. Fonte: Departamento de Cristalografia e Biologia Estrutural

Ao analisar o tamanho dos pontos luminosos, sua localização e separação um do outro, a posição tridimensional dos átomos pode ser deduzida com o uso de cálculos matemáticos.

Não foi um trabalho fácil, especialmente em um mundo sem computadores.

Primeiras investigações formais

Crowfoot passou dois anos no laboratório Bernal, localizado na Universidade de Cambridge, trabalhando em sua tese de doutorado na análise da estrutura de esteróis por cristalografia de raios-X.

Em 1934, ele retornou à Universidade de Oxford e começou a procurar financiamento para comprar um dispositivo de raio-x e continuar com essa técnica pela qual ele era tão apaixonado.

Estrutura da penicilina e vitamina B 12

Com o tempo, Crowfoot ganhou sua própria fama como um cristalógrafo de destaque ao descobrir a arquitetura de substâncias que nunca haviam sido esclarecidas antes. Em 1937, ele revelou a estrutura do colesterol e, em 1945, a da penicilina.

Os historiadores afirmam que, como a penicilina tinha uma estrutura muito complicada, o Crowfoot teve que usar os primeiros computadores gigantescos disponíveis na época para concluir sua investigação.

Conhecer a estrutura molecular permitiria sintetizar e aumentar a produção desse poderoso antibiótico que desde sua descoberta em 1928 por Alexander Fleming (1881-1955) havia salvado inúmeras vítimas de infecções.

Seu trabalho com penicilina gerou bons contatos com a indústria farmacêutica e acesso a cristais de vitamina B 12 , substância que contribui para a formação de glóbulos vermelhos no sangue e cuja molécula é quatro vezes maior que a da penicilina.

Após quase dez anos de intensa pesquisa, Crowfoot apresentou em 1956 o modelo molecular da vitamina B 12 .

Dorothy Crowfoot Hodgkin: biografia, contribuições, agradecimentos 3

Modelo molecular da penicilina
Fonte: Science Museum London / Biblioteca de Imagens da Science and Society
Via Wikimedia Commons

Estrutura de insulina

Em 1969, ele concluiu sua pesquisa mais complexa no desenvolvimento do modelo molecular da insulina, um desafio que levou mais de trinta anos para superar.

Relacionado:  Fernando Benítez: biografia, estilo, obras

Ele havia iniciado seus estudos sobre a substância em 1938, quando ela estava apenas começando a ser usada no tratamento da diabetes e sua estrutura ou todas as suas funções ainda não eram conhecidas.

Em um ponto de sua pesquisa, ele conseguiu obter uma primeira imagem molecular que lhe permitiu publicar seu primeiro artigo solo, no qual afirmou sua esperança de desvendar sua estrutura quase 50 vezes maior que a da penicilina.

Para conseguir isso, ela finalmente criou um departamento composto por programadores e matemáticos para trabalhar nos cálculos que finalmente a ajudaram a alcançar a estrutura ilusória da insulina.

Prêmio Nobel de Química

Em 1964, todo o seu esforço foi altamente reconhecido com o Prêmio Nobel de Química “por determinar as estruturas de importantes substâncias bioquímicas por meio de técnicas de raio-x”.

Crowfoot foi o primeiro britânico a ganhar o Prêmio Nobel e a terceira mulher na história a ganhar a seção de Química, somente após a polonesa Marie Curie (1867-1934) e sua filha, a francesa Irene Joliot-Curie (1897-1956 )

Trabalho acadêmico

Desde 1936, a Universidade de Oxford nomeou seu primeiro pesquisador e professor de química. Seu sucesso no campo da cristalografia de raios-X atraiu inúmeros estudantes ao seu laboratório. Dizem que ele até ensinou a futura primeira-ministra britânica, Margaret Thatcher.

Em 1946, ele participou ativamente das reuniões anteriores à fundação da União Internacional de Cristalografia e recebeu frequentemente em seu laboratório a visita de cientistas de várias partes do mundo, incluindo a antiga União Soviética e a China.

Em 1960, ela também trabalhou como professora de pesquisa na Royal Wolfson Society, em Oxford, onde se aposentou em 1970 para cuidar da reitoria da Universidade de Bristol.

Seu trabalho ao redor do mundo

Sua experiência fez dele uma pessoa muito requisitada por outros laboratórios e organizações internacionais que queriam conhecer seus conhecimentos em primeira voz.

Ele viajou dando palestras, relatando suas descobertas e até servindo como pacifista ao rejeitar abertamente a Guerra do Vietnã e fazer parte das Conferências Pungash sobre Ciência e Assuntos Mundiais, uma série de reuniões entre cientistas que rejeitaram a construção de armas de destruição em massa.

Prêmios e reconhecimentos

Além do Prêmio Nobel, Crowfoot ganhou outros prêmios ao longo de sua carreira. Aqui estão alguns deles:

– 1947. Membro da Royal Society of London.

– 1958. Membro honorário estrangeiro da Academia Americana de Artes e Ciências.

– 1966. Membro Honorário Nacional Iota Sigma Pi.

– 1970. Membro da Organização Europeia de Biologia Molecular.

– 1982. Medalha Lomonosov concedida pela Academia Soviética de Ciências.

Relacionado:  Esteban Echeverría: biografia, estilo, obras, frases

– 1982. O asteróide 5422 foi identificado com o nome Hodgkin em sua homenagem.

– 1983. Decoração austríaca para ciência e arte.

– 1987. Prêmio Lenin para a Paz.

– 2015. Prêmio Cita pela descoberta da estrutura da penicilina.

– 2016. Medalha Copley, concedida pela Royal Society de Londres.

– Ela também foi nomeada membro estrangeiro da Academia de Ciências da União Soviética.

– Foi comemorado em selos postais britânicos duas vezes.

– Uma bolsa de estudos concedida pela Royal Society de Londres foi nomeada em sua homenagem.

– Vários escritórios e edifícios localizados em espaços governamentais e universitários recebem o nome dele.

– Em 2012, durante o Jubileu de diamante da rainha Elizabeth II, Crowfoot foi nomeado entre as pessoas cujas ações tiveram um impacto significativo no período do monarca

– A Universidade de Oxford realiza anualmente o Festival Internacional da Mulher, com uma conferência dos principais cientistas que, em cada edição, analisam aspectos relacionados à pesquisa da Crowfoot.

Vida pessoal

Em 1934, com apenas 24 anos, Crowfoot começou a sofrer inflamações dolorosas nas mãos e foi diagnosticado com artrite reumatóide. Essa doença degenerativa que eventualmente a levou a usar uma cadeira de rodas, não a desviou de seus projetos científicos e demonstrou seu temperamento e perseverança diante das adversidades.

Apesar de sua doença e da absorção de seu trabalho, a cientista abriu espaço em sua vida para estabelecer uma família. Em 1937, casou-se com o historiador Thomas Hodgkin, com quem teve três filhos: Luke, Elizabeth e Toby.

Anos depois de seu casamento, ele começou a assinar suas publicações com o nome Dorothy Crowfoot Hodgkin.

Morte

A organização do Prêmio Nobel descreveu Crowfoot como uma mulher com grande intuição, imaginação e perseverança, características que certamente a acompanharam ao longo de sua vida e que a ajudaram a alcançar todos os seus objetivos científicos.

Ele morreu de um derrame em 29 de julho de 1994 em Shiptons-on-Stour, Reino Unido, após uma vida dedicada à ciência e à descoberta de estruturas que interromperam a progressão de doenças e prolongaram a vida média do ser humano em Século XX

Referências

  1. A Organização do Prêmio Nobel. (1964) Dorothy Crowfoot. Retirado de nobelprize.org
  2. Ferry de Georgina. (2019). Dorothy Dodgkin Retirado de britannica.com
  3. Instituto de História da Ciência (2019). Dorothy Crowfoot Hodgkin. Retirado de sciencehistory.org
  4. Super computador de San Diego. (2019). Dorothy Crowfoot Hodgkin, OM. Fundador da cristalografia de proteínas. Retirado de sdsc.edu
  5. União Internacional de Cristalografia. (2019). Dorothy Crowfoot Hodgkin. Retirado de iucr.org

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies