Dualismo: origem, antropológica, metodológica e epistemológica

O dualismo é um conceito filosófico que remonta à antiguidade e que se mantém relevante até os dias atuais. Esta ideia parte da divisão de tudo o que existe em dois princípios opostos e complementares, como bem e mal, mente e corpo, espírito e matéria. O dualismo possui raízes tanto na antropologia, ao lidar com a natureza da humanidade, quanto na metodologia e epistemologia, ao abordar questões sobre como conhecemos e entendemos o mundo ao nosso redor. Neste contexto, o dualismo exerce uma influência significativa em diversas áreas do conhecimento, como a filosofia, a religião, a psicologia e até mesmo a ciência.

Significado do dualismo antropológico e sua importância na compreensão da natureza humana.

O dualismo antropológico é uma concepção que divide o ser humano em duas partes distintas: o corpo e a alma. Essa separação tem origem na filosofia grega antiga, especialmente em pensadores como Platão e Descartes, que acreditavam na existência de duas realidades diferentes e independentes.

Na perspectiva antropológica, o dualismo se refere à ideia de que o ser humano é composto por uma dimensão material (o corpo) e uma dimensão imaterial (a alma). Esse conceito influenciou diversas correntes filosóficas e religiosas ao longo da história, moldando nossa compreensão da natureza humana.

Do ponto de vista metodológico, o dualismo antropológico nos permite analisar o ser humano de forma mais abrangente, considerando não apenas seus aspectos físicos, mas também seus aspectos mentais e espirituais. Essa abordagem holística é essencial para uma compreensão mais profunda da complexidade humana.

Já do ponto de vista epistemológico, o dualismo antropológico nos desafia a questionar a natureza da realidade e a nossa própria existência. Ao refletirmos sobre a relação entre corpo e alma, somos levados a explorar questões existenciais e metafísicas que nos ajudam a compreender melhor quem somos e qual é o nosso propósito neste mundo.

Em suma, o dualismo antropológico é fundamental para a compreensão da natureza humana, pois nos permite enxergar o ser humano de forma mais completa e integrada, considerando tanto seus aspectos materiais quanto espirituais. Ao reconhecer a dualidade que existe em cada um de nós, somos capazes de nos conectar com nossa essência mais profunda e buscar um maior equilíbrio e harmonia em nossa vida.

Origem do dualismo: de onde surgiu essa ideia de dualidade na filosofia.

O dualismo é uma corrente filosófica que surgiu na antiguidade e que se baseia na ideia de que existem duas substâncias fundamentais e distintas no universo. Essa ideia de dualidade tem origem em diversas correntes de pensamento, mas podemos destacar sua origem na filosofia grega, especialmente com os pensamentos de Platão e Aristóteles.

Na antiguidade, Platão desenvolveu a teoria das ideias ou formas, onde ele argumentava que além do mundo sensível, há um mundo das ideias eternas e imutáveis. Essas ideias seriam a realidade verdadeira e perfeita, enquanto o mundo sensível seria apenas uma cópia imperfeita. Essa dualidade entre mundo das ideias e mundo sensível influenciou profundamente o pensamento filosófico ocidental.

Por outro lado, Aristóteles, discípulo de Platão, também contribuiu para o dualismo ao defender a existência de duas substâncias: a matéria e a forma. Para Aristóteles, a matéria seria a potencialidade de algo se tornar alguma coisa, enquanto a forma seria a atualização dessa potencialidade. Essa dualidade entre matéria e forma foi essencial para a compreensão da natureza e da realidade.

Além da origem na filosofia grega, o dualismo também pode ser encontrado em diversas tradições religiosas e culturais ao redor do mundo. Por exemplo, na tradição chinesa, o dualismo yin yang representa a interação de forças opostas e complementares. Já na tradição indiana, o dualismo é representado pela dualidade entre o eu (atman) e o universo (brahman).

Em resumo, a ideia de dualidade na filosofia tem origem em diversas correntes de pensamento, como na filosofia grega, nas tradições religiosas e culturais. Essa dualidade antropológica, metodológica e epistemológica é fundamental para a compreensão da complexidade do universo e da natureza humana.

Tipos de dualismo: dualismo ontológico e dualismo epistemológico.

O dualismo é uma corrente filosófica que defende a existência de duas realidades distintas e independentes. Existem diferentes tipos de dualismo, sendo os principais o dualismo ontológico e o dualismo epistemológico.

O dualismo ontológico é a concepção que sustenta a existência de duas substâncias fundamentais e distintas: o corpo material e a mente imaterial. Para os defensores desse dualismo, o corpo e a mente são entidades separadas e independentes, cada uma com suas próprias propriedades e naturezas. Essa visão dualista busca explicar a relação entre a matéria e a consciência, destacando a dualidade entre os aspectos físicos e mentais da existência.

Relacionado:  Solipsismo: história, características e representantes

Já o dualismo epistemológico se refere à distinção entre os diferentes modos de conhecimento. Nesse tipo de dualismo, acredita-se que existem duas formas de acesso ao conhecimento: a razão e a experiência. A razão seria responsável pela compreensão de verdades universais e abstratas, enquanto a experiência nos proporcionaria o conhecimento empírico e concreto. Essa dualidade epistemológica busca conciliar a importância da lógica e do raciocínio com a relevância da observação e da experiência sensorial.

Em resumo, o dualismo ontológico enfatiza a separação entre corpo e mente, enquanto o dualismo epistemológico destaca a complementaridade entre razão e experiência. Ambos os tipos de dualismo buscam explorar as diferentes dimensões da realidade e do conhecimento, oferecendo abordagens distintas para compreender a complexidade da existência humana.

Dualismo: compreendendo a ideia de dualidade e interdependência entre opostos na filosofia.

O dualismo é uma concepção filosófica que se baseia na ideia da existência de dois princípios opostos e complementares. Essa doutrina destaca a interdependência entre esses opostos, reconhecendo a necessidade de equilíbrio e harmonia entre eles. O dualismo pode ser entendido em diferentes aspectos: origem, antropológica, metodológica e epistemológica.

No aspecto da origem, o dualismo remonta às antigas filosofias orientais e ocidentais, que já exploravam a dualidade entre o bem e o mal, o claro e o escuro, o masculino e o feminino. Essa dualidade é vista como uma forma de compreender a complexidade do universo e as contradições presentes na natureza humana.

Na perspectiva antropológica, o dualismo se manifesta na dicotomia entre corpo e mente, matéria e espírito. Essa divisão busca explicar a relação entre o físico e o metafísico, entre o tangível e o intangível, mostrando como esses aspectos se complementam e influenciam a experiência humana.

No âmbito metodológico, o dualismo se reflete na busca pelo equilíbrio entre a razão e a emoção, a lógica e a intuição. Essa abordagem reconhece a importância de integrar diferentes formas de conhecimento para uma compreensão mais abrangente da realidade.

Já no campo epistemológico, o dualismo se relaciona com a distinção entre sujeito e objeto, observador e observado. Essa separação permite uma reflexão sobre o papel do conhecimento na construção da realidade e na interpretação dos fenômenos.

Em suma, o dualismo na filosofia representa a busca por uma visão mais ampla e integrada do mundo, reconhecendo a interdependência e complementaridade entre os opostos. Essa abordagem nos convida a refletir sobre as múltiplas facetas da existência e a encontrar um equilíbrio entre elas para uma compreensão mais profunda da vida.

Dualismo: origem, antropológica, metodológica e epistemológica

O dualismo é um conceito que implica que dois elementos estão unidos em uma coisa. Normalmente, os referidos elementos podem ser contrários ou complementares entre si para formar uma unidade. O dualismo na filosofia é a corrente oposta ao monismo. Os monistas tendem a se ater ao pensamento positivista.

No caso da religião, pode-se falar em bem ou mal, que são opostos, mas juntos eles criam uma realidade. No entanto, em outro sentido, podemos falar de complementos como a mente e o corpo, cuja união forma um indivíduo.

Dualismo: origem, antropológica, metodológica e epistemológica 1

[CC BY 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/4.0)]. via Wikimedia Commons

Nos últimos anos, o dualismo tem sido delineado na atualidade conhecida como realismo crítico , através da qual os fenômenos sociais são analisados ​​e interpretados levando em consideração a intervenção do indivíduo no evento estudado.

Para os dualistas, essa corrente é a única que contém as ferramentas necessárias para aproximar as realidades da sociedade em que as pessoas intervêm, uma vez que, integrando o elemento individual, a matéria não pode ser tratada de um ponto de vista que busca suprimir isso. subjetividade

No dualismo, geralmente, são feitas descrições de problemas específicos e não explicações exatas e universais.

Origem

Antecedentes

A idéia do dualismo está presente na filosofia há muito tempo. É visto, por exemplo, em Pitágoras , que propõe a oposição entre limite e ilimitado, ou entre números ímpares e pares.

O dualismo é uma idéia que se popularizou entre os gregos, como foi o caso de Aristóteles , que levantou a existência do bem e do mal , embora essas noções tenham sido trabalhadas em teorias semelhantes antes.

Outros que estavam interessados ​​em levantar propostas dualistas eram membros do grupo de filósofos conhecido como atomistas.

Mas o dualismo tomou forma através dos postulados de Platão, nos quais ele falou sobre o mundo dos sentidos e formas . O primeiro apresentava características negativas, enquanto o segundo tendia à perfeição.

Foram os neoplatonistas que se encarregaram de criar uma ponte entre os dois mundos que Platão propôs, alcançando-a através da doutrina da emanação .Essa teoria dos neoplatonistas é atribuída a Plotinus e Proclus, e foi afirmado que todas as coisas no mundo provêm de um fluxo da unidade primordial.

No entanto, naquela época a palavra “dualismo” não havia sido concebida, nem o conceito moderno dessa corrente filosófica .

Então o catolicismo, com São Tomás de Aquino , adotou essa teoria para apoiar o fato de que, no final dos tempos, as almas se juntariam ao corpo que lhes pertencia e poderiam participar do Juízo Final.

Dualismo

A base principal da teoria do dualismo hoje conhecida vem do que foi afirmado por René Descartes em sua obra Meditações Metafísicas .

Dualismo: origem, antropológica, metodológica e epistemológica 2

Por MotherForker [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]. via Wikimedia Commons.

Segundo Descartes, a mente é o pensamento ou res cogitans ; Ela é acompanhada pelo corpo, que é o que existe fisicamente e o que ela chamou de carne extensiva . Segundo sua abordagem, os animais não tinham alma, pois não pensavam. A partir daí, a famosa frase segue: “Eu penso, então eu existo”.

Mas não foi até 1700 quando o termo “dualismo” foi cunhado pela primeira vez no livro Historia Religionis Veterum Persarum , escrito por Thomas Hyde.

Os postulados de Descartes serviram de base para o que é conhecido como “dualismo cartesiano”, que é a base de todos os ramos do dualismo moderno. Isso é aplicado em diferentes ciências, especialmente nas ciências sociais.

As abordagens de Descartes foram adotadas por filósofos como Locke e Kant para reforçar suas próprias teorias. Este último, por exemplo, mostrou em suas proposições a diferença entre “razão pura” e “razão prática”.

Tipos de dualismo

Algumas das correntes nas quais o dualismo foi derramado de seus postulados originais são as seguintes:

-Interacionismo.

-Epiphenomenismo.

-Paralelismo.

Dualismo em Platão

Um dos primeiros pensadores a abordar a questão foi Platão em Atenas, durante o quinto século antes de nossa era.

O ateniense separou o universo em dois mundos: um imaterial conformado por conceitos idealizados, o mundo das Formas , e um das coisas reais, tangíveis e materiais, o mundo dos Sentidos .

No mundo das Formas apenas habitavam aquilo que era puro, ideal e imutável. Beleza, virtudes, formas geométricas e, em geral, conhecimento, eram elementos que pertenciam àquele mundo.

A alma, como receptáculo do conhecimento, e sendo imortal também faziam parte do mundo das Formas .

No mundo dos sentidos havia tudo o que era composto, real e mutável. O belo, o virtuoso, que são as representações tangíveis das formas e qualquer coisa que pudesse ser percebida pelos sentidos, pertenciam a esse mundo. O corpo humano, que nasceu, cresceu e morreu, fazia parte dele.

Segundo o filósofo, a alma era a única coisa que podia ir entre os dois mundos, porque pertencia ao campo das Formas e dava vida ao corpo no nascimento, tornando-se parte do mundo dos Sentidos .

Mas a alma deixou o corpo para trás no momento da morte, tornando-se uma essência pertencente, mais uma vez, ao mundo das Formas .

Além disso, em seu trabalho Fedón , Platão postulou que a existência de toda parte de seu oposto. O belo deve nascer do feio, o lento do jejum, o justo do injusto e o grande do pequeno. Eles eram opostos complementares.

Dualismo antropológico

O dualismo antropológico pode encontrar suas raízes no que foi afirmado por Descartes: os indivíduos têm uma mente e um corpo. Então, somente a união de ambos os aspectos pode moldar uma pessoa de maneira integral.

A teoria do dualismo cartesiano teve muitos outros filósofos em sua visão de mundo como seguidores, como foi o caso de Locke e Kant. No entanto, foi Tacott Parsons quem conseguiu dar-lhe uma forma que se adapta ao estudo das ciências sociais.

Relacionado:  28 Pensamentos de Simón Rodríguez Inspiradores

Dualismo: origem, antropológica, metodológica e epistemológica 3

Talcott Parsons. Por Max Smith [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]. via Wikimedia Commons.

O indivíduo está incluído em dois aspectos fundamentais principais para o seu desenvolvimento. Primeiro, está relacionado à carne extensiva, que tem uma ligação direta com a sociologia e o sistema tangível em que o indivíduo interage, que é o sistema social em que opera.

Mas também as pessoas, no nível básico ou individual, estão imersas nos res cogitans que são chamados de “substância mental” e que estão relacionados à cultura que a cerca, no que diz respeito à antropologia.

O dualismo cartesiano ainda exerce grande influência sobre a visão da antropologia moderna que tentou delimitar as diferenças entre o físico e o ideal, por exemplo, separando o rito da crença.

Dualismo epistemológico

No campo do conhecimento, há também um ramo epistemológico diretamente relacionado às abordagens da corrente do dualismo.

O dualismo epistemológico está normalmente ligado à pesquisa qualitativa, que o posiciona como uma alternativa ao monismo epistemológico, no qual se baseiam os fluxos quantitativos de pesquisa.

Atualmente, o dualismo epistemológico evoluiu para o que é conhecido como realismo crítico, separado do relacionado ao metafísico, embora permaneça sujeito a críticas quanto à veracidade do conhecimento que dele deriva.

A resposta aos comentários feitos pelos monistas sobre a acuidade epistemológica do dualismo foi respondida pelo filósofo Roy Wood Sellars, que afirmou em um texto que, para os realistas críticos, o objeto não é inferido, mas afirmado.

Sellars também esclareceu que, para os dualistas, o conhecimento de uma coisa não é a coisa; pelo contrário, ele explicou que o conhecimento leva elementos da natureza externa do objeto em uma interação com os dados oferecidos por ele, ou seja, uma realidade dialógica.

Para o dualismo epistemológico, conhecimento e conteúdo não são os mesmos, mas também não pretende criar uma relação causal fictícia nos fenômenos, mas conhecer os dados e sua relação com o objeto.

Dualismo metodológico

A metodologia é entendida como um dos aspectos abordados pela epistemologia. Ou seja, esse dualismo epistemológico corresponde à sua metodologia, que é qualitativa e igualmente dualista. No entanto, este último enfoca as linhas que servem como diretrizes na investigação.

Nas ciências sociais, existem disciplinas que conseguiram circunscrever sua metodologia à corrente monística, mas aqueles que optam pelo dualismo afirmam que os fenômenos sociais só podem ser abordados considerando o fator de contexto.

A modalidade de pesquisa que implementa a metodologia dualística se aplica aos fenômenos sociais. Isto irá elaborar uma aproximação a eles, através da descrição, que é influenciada pela interpretação e casuística particular.

Como o fator humano está envolvido como variável, não é possível abordar o fenômeno como uma situação objetiva, mas é influenciado pelas circunstâncias e pelo ambiente. Essa situação deixa a abordagem monística sem as ferramentas necessárias para explorar esse fenômeno.

Algumas das ferramentas usadas pelo dualismo metodológico são entrevistas, observação participante , grupos focais ou questionários.

No entanto, embora as condições sejam as mesmas, se duas pessoas trabalham em paralelo na investigação de um fenômeno social, seus resultados podem ser diferentes.

Referências

  1. Sellars, RW (1921) Dualismo Epistemológico vs. Dualismo metafísico . The Philosophical Review, 30, n. 5. pp. 482-93. doi: 10.2307 / 2179321.
  2. Salas, H. (2011).Pesquisa Quantitativa (Monismo Metodológico) e Pesquisa Qualitativa (Dualismo Metodológico): O status epistêmico dos resultados da pesquisa em disciplinas sociais . Moebio tape n.40, pp. 1-40.
  3. BALAŠ, N. (2015). SOBRE DUALISMO E MONISMO EM ANTROPOLOGIA: O CASO DE CLIFFORD GEERTZ. Departamento de Antropologia da Universidade de Durham. Anthro.ox.ac.uk [online] Disponível em: anthro.ox.ac.uk [Acessado em 21 de fevereiro de 2019].
  4. Enciclopédia Britânica. (2019).Dualismo filosofia . [online] Disponível em: britannica.com [acessado em 21 de fevereiro de 2019].
  5. Robinson, H. (2017).Dualismo (Enciclopédia Stanford de Filosofia). [online] Plato.stanford.edu. Disponível em: plato.stanford.edu [acessado em 21 de fevereiro de 2019].
  6. Iannone, A. (2013).Dicionário de filosofia mundial . Nova York: Routledge, p.162.
  7. In.wikipedia.org. (2019).Fédon . [online] Disponível em: en.wikipedia.org [acessado em 21 de fevereiro de 2019].

Deixe um comentário