Egberto: biografia do caráter histórico e da história nos vikings

“Egberto: biografia do caráter histórico e da história nos vikings” é um livro que explora a vida e as façanhas de Egberto, um personagem histórico que desempenhou um papel crucial na história dos vikings. Através de uma cuidadosa pesquisa e análise, o autor apresenta uma visão detalhada da vida de Egberto, seus feitos e sua influência na sociedade viking. Este livro oferece uma fascinante perspectiva sobre a cultura, a política e a guerra durante a era viking, ao mesmo tempo em que lança luz sobre a importância de figuras individuais na moldagem da história.

Qual foi a importância de Egberto na história?

Egberto foi uma figura de extrema importância na história dos vikings. Ele era conhecido por sua liderança forte e habilidade estratégica, o que o tornou um dos mais respeitados líderes vikings de sua época. Sua biografia é repleta de conquistas e feitos que marcaram sua presença na história.

Nascido em uma família nobre, Egberto desde cedo demonstrou talento para a guerra e para a diplomacia. Ele rapidamente ascendeu na hierarquia viking e logo se tornou um dos principais comandantes de seu povo. Sua coragem e determinação o levaram a liderar várias expedições vikings que resultaram em grandes conquistas territoriais.

Um dos momentos mais marcantes da história de Egberto foi a Batalha de Lindisfarne, onde ele liderou um ataque que chocou toda a Europa. Sua estratégia brilhante e sua capacidade de liderança foram fundamentais para a vitória dos vikings nesse confronto. Esse evento marcou o início de uma era de expansão viking que mudaria para sempre o curso da história.

Além de suas habilidades militares, Egberto também era conhecido por sua habilidade política. Ele era um líder carismático e persuasivo, capaz de unir diferentes clãs vikings em torno de um objetivo comum. Sua capacidade de negociação e sua visão estratégica foram fundamentais para a consolidação do poder viking em toda a região.

Em resumo, Egberto foi um personagem histórico de extrema importância na história dos vikings. Sua liderança, coragem e habilidades estratégicas foram fundamentais para o sucesso dos vikings em suas conquistas territoriais. Sua biografia é um testemunho de sua influência duradoura na história da civilização viking.

Qual monarca venceu os invasores Vikings e defendeu seu reino com bravura e estratégia?

Egberto foi o monarca que venceu os invasores Vikings e defendeu seu reino com bravura e estratégia. Ele foi um dos reis mais importantes da Inglaterra no início do século IX, sendo conhecido por sua habilidade militar e visão estratégica.

Nascido em 771, Egberto ascendeu ao trono de Wessex em 802. Ele enfrentou várias invasões dos Vikings durante seu reinado, mas conseguiu derrotá-los em batalhas decisivas, como a Batalha de Ellandun em 825.

Com um exército bem treinado e uma estratégia bem elaborada, Egberto conseguiu manter os Vikings à distância e proteger seu reino. Sua determinação e coragem inspiraram seus súditos a resistirem aos invasores.

Após sua morte em 839, Egberto foi lembrado como um dos maiores reis da história da Inglaterra, que defendeu seu povo com bravura e inteligência diante das ameaças dos Vikings.

Qual doença afflictava o rei Alfredo?

O rei Alfredo sofria de uma doença crônica conhecida como colite ulcerosa, que causava inflamação no intestino grosso e sintomas como dor abdominal, diarreia e perda de peso. Apesar de enfrentar essa condição debilitante, ele conseguiu liderar seu povo com coragem e determinação durante os ataques dos vikings.

Egberto, por outro lado, foi um importante líder no período anterior às invasões vikings. Ele unificou os reinos anglo-saxões e fortaleceu o poder central, preparando o caminho para a resistência contra os invasores nórdicos. Sua visão estratégica e habilidade política foram fundamentais para a sobrevivência do povo anglo-saxão em meio às ameaças externas.

O desfecho da vida de Ecbert, o rei, revela um destino inesperado e trágico.

A vida de Ecbert, o rei, foi marcada por sua ambição e inteligência política. Ele foi um dos personagens mais intrigantes na série Vikings, com sua astúcia e determinação em alcançar seus objetivos. No entanto, seu desfecho revelou um destino inesperado e trágico.

Ecbert, interpretado pelo talentoso ator Linus Roache, era conhecido por sua habilidade em manipular as situações a seu favor. Ele era um estrategista brilhante e um líder carismático, que conseguia conquistar a lealdade de seus seguidores. Sua ambição o levou a buscar o poder e a expandir seu reino, enfrentando inúmeras adversidades no caminho.

Relacionado:  Saturnino Cedillo: biografia, influência e poder

No entanto, o destino de Ecbert tomou um rumo inesperado quando ele foi traído por aqueles em quem confiava. Sua jornada chegou a um fim trágico, quando ele teve que enfrentar as consequências de suas ações. Sua morte foi um golpe duro para aqueles que o admiravam e um lembrete de que nem sempre o poder e a inteligência são suficientes para garantir a sobrevivência em um mundo tão cruel como o dos Vikings.

A história de Ecbert é um exemplo de como o destino pode ser imprevisível e cruel, mesmo para aqueles que parecem estar no controle de suas vidas. Sua vida e morte são um lembrete de que, no mundo dos Vikings, a traição e a violência estão sempre presentes, mesmo entre aqueles que parecem ser os mais poderosos e astutos.

Egberto: biografia do caráter histórico e da história nos vikings

Egberto (771-839) ou Ecgberht foi um rei Wessex entre 802 e 839 que veio de uma linhagem real. Ele foi exilado em uma ação planejada por Beorhtric e Offa de Mercia por reivindicar o poder, embora tenha retornado em 802. Seu exílio foi passado no Império Frankish, na corte de Carlos Magno, onde ele deveria ter 13 anos antes de ser coroado rei. de Wessex. Nesse período, ele pôde conhecer quem eram os francos rei de 768, Carlos Magno.

O exílio de Egberto foi causado por constantes tensões entre Wessex e Mércia, numa época em que Beorhtric se casou com a filha de Offa de Mércia. O sindicato conseguiu unir duas dinastias que sempre estiveram em conflito, eram rivais fervorosos e isso levou Egberto a ser exilado, pois ele não tinha outra opção de ver suas pretensões ao trono perdido.

Egberto: biografia do caráter histórico e da história nos vikings 1

Egberto Fonte: http://home.comcast.net/~rich4839/p141.htm [CC BY 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/3.0)]

Descendente de Ine de Wessex, Egberto em 815 invadiu e arrasou Cornwalles, atualmente um condado no sudoeste da Inglaterra. Lá ele conquistou os galeses que habitavam esta península.

Biografia do histórico Egberto

Tire o poder da Mércia

A história reconhece o rei Egbert como a pessoa capaz de levar o reino de Wessex à cabeça da heptarquia anglo-saxônica, um nome anteriormente dado ao conjunto de reinos do centro, sul e leste da ilha da Grã-Bretanha, com os quais Ele conquistou de Mércia o poder que possuía entre os sete reinos anglo-saxões da época.

Embora dados precisos dos primeiros anos de seu reinado sejam desconhecidos, aprendeu-se que ele mantinha o reino com total independência dos poderosos mércios, o reino vizinho. Em 825, na batalha de Ellandum, ele conseguiu derrotar Beornwulf of Mercia e, assim, conseguiu assumir o controle que Mercia exercia anteriormente sobre todo o sudeste da Inglaterra.

Ele conseguiu governar Mércia derrotando diretamente Wiglaf em 829. A derrota não durou muito, pois Wiglaf recuperou o trono apenas um ano depois. No entanto, ele manteve o controle de territórios como Sussex, Surrey e Kent, que mais tarde entregaram seu filho para governá-los.

Família

Existem várias versões da ascendência de Egberto. Há uma versão antiga da Crônica Anglo-Saxônica que fala sobre seu filho Ethelwulfo. Outra versão está incluída no Dictionary of National Biography, onde Edwards afirma que era de origem Kentiana e que ele queria maior legitimidade atribuindo-o a uma origem do saxão ocidental.

Uma crônica do século XV diz que sua esposa se chamava Redburga, que era parente de Carlos Magno (talvez ela fosse cunhada ou irmã do rei franco). Dizem também que ele tinha uma meia-irmã, Alburga, que mais tarde foi reconhecida como santa. O rei teve dois filhos e uma filha com Redburga, o primogênito foi Ethelwulfo de Wessex.

O reinado

Foi em 802, quando Offa de Mércia morreu, que Egberto alcançou o trono de Wessex, graças ao apoio do papado e também de Carlos Magno. O Hwicce, o dia de sua coroação, o atacou; Estes faziam parte de um reino independente, mas isso estava na Mércia. Mais tarde, os Hwicce foram derrotados e dados precisos do reinado nos anos subsequentes são desconhecidos.

No ano 815, a Crônica Anglo-Saxônica, uma das fontes mais confiáveis, garantiu que Egberto devastou grande parte do território britânico, incluindo Dumonnia, que segundo o autor era East Wales. Dez anos depois, em 825, o Chronicle garantiu que Egberto estava acampando naquele território.

Relacionado:  Ernst Ruska: biografia, contribuições e agradecimentos

Fim do domínio da Mércia

A batalha de Ellendum marca um ponto importante na história porque o domínio de Mércia no sul da Inglaterra termina, e foi em 825 quando Egberto conseguiu derrotar Beornwulf of Mercia.

A Crônica Anglo-Saxônica conta que Egberto enviou Æthelwulf, seu filho, um bispo e uma grande tropa para Kent. Então o filho de Egberto levou o rei de Kent ao norte do Tamisa e a grande maioria dos homens em Kent, Essex, Surrey e Sussex se rendeu a Æthelwulf.

Egberto expulsou o rei Sigeredo de Essex em 829, embora a data possa não ser exata; é intuição porque, segundo vários historiadores, foi naquele ano em que Egberto fez campanha contra os mércios.

East Anglia

O agressor na batalha de Ellendum poderia ter sido Beornwulf, porque o território do sul estava ameaçado e as conexões entre Wessex e Kenty eram uma ameaça possível para usurpar a hegemonia desses territórios por Mércia.

As conseqüências foram que os Anglo Orientais precisavam pedir proteção a Egberto. Em 826, Beornwulf invadiu East Anglia, mas ele foi morto e seu sucessor, Ludeca de Mercia, invadiu novamente um ano depois.

Derrota de Wiglaf, rei da Mércia

Ao invadir Mércia, em 829, expulsou o então rei Wiglaf, após o que assumiu o controle da casa da moeda de Londres e conseguiu emitir moedas como rei. Mais tarde, eles o chamaram de Bretwalda , “Grande Governante”, em um fragmento da Crônica Anglo-Saxônica. E em 829 os habitantes de Dore se renderam a ele. Antes, porém, Egberto havia entrado na Nortúmbria e a demitido.

Um dos destaques de sua influência nas terras galesas foi em 830, quando ele liderou uma operação que se mostrou bastante bem-sucedida; o que Egberto pretendia era estender a influência de Wessex sobre o país de Gales, que anteriormente estivera na órbita mércia.

O rei cai

É a partir de 830 que Egberto começa a perder influência e isso mostra, em particular, quando Wiglaf retorna ao poder. Em Estanglia, por exemplo, após o desastre de Egberto, o rei Æthelstan começou a cunhar moedas.

O fato de o Império Wessex ter tido tanto sucesso graças a Egberto, mas depois ter perdido tanto poder, deveu-se provavelmente ao apoio dos carolíngios. Eles haviam apoiado o rei Eardwulfo quando ele queria recuperar a Nortúmbria em 808 e acredita-se que eles também apoiaram Egberto em 802.

Suporte carolíngio

O apoio carolíngio serviu como apoio militar a Egberto; embora se saiba que as redes comerciais sofreram grande deterioração nos anos 820. Também é mencionado que Luis, o Pio, que apoiou Egberto, em 830 sofreu uma rebelião que desencadeou uma variedade de conflitos internos.

Os vitórias militares de Egberto, sem dúvida, marcaram a história política da Inglaterra. Foi o fim da independência de Kent e Sussex. Embora o vice-rei fosse Æthelwulf, ele tinha sua própria casa e sempre acompanhava Egberto em todos os lugares. Em 836, os dinamarqueses derrotaram Egberto, embora dois anos depois ele os derrotou e os galeses na batalha de Hingston Down.

Morte

O rei Egberto morreu em 839 deixando um testamento no qual, de acordo com seu neto, Alfredo, o Grande, deixava a terra apenas para os homens de sua família, impedindo que a propriedade não pudesse ser distribuída através de uniões conjugais.

Aparentemente, ele ganhou o apoio da igreja porque seu trono deixou grande riqueza. Dizia-se também que ele havia feito algo que ninguém havia conseguido fazer e que seu filho, sucessor da coroa, acedeu ao trono de maneira calma, porque a família real estava sempre sempre em várias disputas de poder.

É notório que Æthelwulf já havia adquirido uma grande experiência na administração do reino de Kent por um tempo, então, quando aconteceu com seu pai em Wessex, as coisas ficaram muito mais fáceis.

O rei Egberto foi enterrado em Winchester, onde seu filho, assim como seu neto Alfredo, o Grande, e o bisneto Eduardo, o Velho, também foram enterrados.

Egberto na série Vikings

O rei Egberto, na série Vikings, é mostrado como um homem mundano e ambicioso, treinado na corte do imperador Carlos Magno. Egberto é de mente aberta, com grande força e determinação em usar suas qualidades em momentos decisivos. Ele desenvolve um grande respeito por seu amigo e aliado Ragnar Lodbrok.

Relacionado:  Enrique the Navigator: biografia, rotas, descobertas

Personalidade

O rei Egberto usa uma máscara de bondade e compreensão para esconder seu rosto menos confiável, o de um ser ambicioso, inescrupuloso e egoísta. O rei não está preocupado com ninguém, ele está disposto a sacrificar seu próprio filho para conseguir o que quer.

Lathgertha é a primeira a descobrir seu ser egoísta depois de viver com ele por algum tempo. O rei Aelle o confronta porque conhece seu desejo de acessar o trono de Mércia e por seu relacionamento com Judith. Kwenthrith não sabe como Egberto pode dormir à noite com tanto mal nas costas e decide matá-lo, mas suas tentativas são em vão.

Bom negócio para Athelstan

Egberto é bastante gentil com Athelstan, tanto que ele o salva, lhe dá confiança e um lugar no tribunal. O rei e Ragnar pedem que ele fique em Wessex.

Egberto acredita que Athelstan é um santo e diz que a perda de sua primeira esposa deixou danos irreparáveis, o que é em grande parte o homem atual devido a essas feridas do passado.

2ª Temporada

Tendo salvado o monge Athelstan de sua crucificação, o rei Egbert o considera um espírito relacionado. Ele o designa para guardar seus tesouros das antigas relíquias e documentos romanos, e então o monge revelará algumas estratégias de batalha lidas nesses pergaminhos.

Egberto usará todo o conhecimento militar de César para sua incursão em Wessex com as forças de Ragnar, Lathgertha e o rei Horik. Aliado ao rei Aelle, Egberto lança suas tropas em combate contra cavalaria e infantaria. O outro lado é derrotado e Aelle mostra grande admiração pelas táticas de Egberto.

Liberação do rolo

Mais tarde, eles discutem o quão útil pode ser ter Rollo preso. Egberto negocia com Ragnar sua libertação em troca de 5.000 acres de terra fértil, além de ouro e prata. Da mesma forma, o rei poderá recrutar uma grande tropa Viking para recuperar o reino de Mércia para a princesa Kwenthrith.

3ª Temporada

Egberto se reúne com os vikings para elaborar os termos de um acordo. Ele explica que eles devem lutar para retornar Kwenthrith ao trono da Mércia. Athesltan e Lathgertha ficam para trabalhar nas terras de Egberto, enquanto Ragnar e os outros saem para lutar por Mércia.

Athelstan começou a se interessar por Judith, e Egberto espera que esse novo relacionamento o faça ficar em Wessex. Por sua parte, o rei divide uma cama com Lathgertha e lhe dá presentes. Ele tenta convencê-la a ficar, mas ela diz que ele não pode, pois ele sabe que a única preocupação do rei é ele mesmo.

4ª Temporada

Egberto envia seu filho para proteger Kwenthrith de uma rebelião. No entanto, ela percebe que o rei só quer o reino de Mércia para ele, então ele tenta matar um de seus homens, embora ele acabe morrendo.

Quando o rei descobre que Ragnar é capturado, ele volta ao seu castelo e fica com raiva de seu filho. Então eles começam uma conversa na cela e Ragnar exige que ele o mate. Vemos como eles se respeitam e a admiração que sentem um pelo outro.

Estratégia

O rei percebe que Ragnar pede que ele o mate como estratégia, porque ele quer que seu filho o vingue. Ragnar promete que seus filhos não vão atacar Wessex, então Egberto aceita e perdoa Ivar.

Depois que o rei Aelle mata Ragnar, Egberto fica arrasado e pede desesperadamente ao filho que destrua o exército pagão. Ele também tem um plano: coroar Aethelwulf como rei da Mércia e Wessex.

Ele fica na cidade com Edmund e faz um acordo com Björn. A intenção é impedir que os vikings tenham tempo para evacuar toda a sua família. Edmund é morto por Hvitserk e deixa a terra para os filhos de Ragnar. Mais tarde, Egberto comete suicídio em seu banheiro.

Referências

  1. Burton, E. (1909). Egbert Na Enciclopédia Católica. Nova York: Robert Appleton Company. Recuperado de newadvent.org
  2. Eledelis (2015). Personagens da série Viking (V): Rei Egbert de Wessex, Ethelwulfo de Wessex e Jarl Borg. Recuperado de thevalkyriesvigil.com
  3. FANDOM (sf). Egberto Recuperado de vikings.fandom.com
  4. Os editores da Encyclopaedia Britannica (sf). Egbert Rei de Wessex recuperado de britannica.com
  5. Wikipedia (2019). Ecgberht, rei de Wessex. Recuperado de en.wikipedia.org

Deixe um comentário