Em que século começou a vida independente do México?

A vida independente do México começou no século XIX , especificamente desde 28 de setembro de 1821, quando foi criada uma Junta Provisória do Governo com o objetivo de organizar o processo de independência e governo do país da América Central.

Por 300 anos, o Império Espanhol dominou grande parte do mundo colonizando cada vez mais territórios. Os Estados Unidos, do México à Patagônia, prestaram homenagem à metrópole, fornecendo recursos naturais sem qualquer compensação.

Em que século começou a vida independente do México? 1

No entanto, a invasão peninsular pelas tropas francesas sob Napoleão Bonaparte comprometeu a estabilidade da monarquia espanhola.

Era o momento apropriado para as tentativas fracassadas de revolta das colônias americanas tomarem um segundo fôlego, e foi assim que se declararam independentes uma após a outra, com maior ou menor sucesso, iniciando subsequentemente uma guerra para consolidar o novo status de um país livre.

Em algumas colônias não houve ruptura total com a coroa. Em vez disso, foi feita uma declaração de ignorância do novo regime francês, e os direitos do rei Fernando VII foram preservados, a fim de obter maior apoio e menos rejeição pela igreja.

Em que século começou a vida independente do México? 2

Logo depois, os espanhóis conseguem expulsar os invasores e é aí que as colônias defendem não voltar à subjugação, mas começar uma vida como países livres e independentes.

O império espanhol tenta retomar seus territórios e inicia as batalhas da guerra pela independência, que perdeu quase inteiramente, permanecendo apenas na posse das Filipinas, Cuba e Porto Rico, que negociariam ou perderiam mais tarde.

Antecedentes da vida independente do México: o vice-reinado

Começa em 1535, sob o mandato de Antonio de Mendoza, primeiro vice-rei. Sob o nome de Nova Espanha, 62 vice-reis se seguiram desde o seu estabelecimento até 1810. Era caracterizado por um sistema social baseado em castas.

Relacionado:  Homo ergaster: características, comida, crânio

Os vassalos do rei eram os espanhóis e gozavam de mais privilégios que os crioulos (nascidos nas novas terras) e os nativos. O comércio entre províncias só foi permitido no final do século XVIII.

Gritos de dor

Depois de várias tentativas fracassadas de tomar o poder, em 16 de setembro de 1810, o padre Miguel Hidalgo grita sua insurreição na igreja de Dolores.

O movimento foi inspirado pelo desconforto causado pelo papel de fundo desempenhado pela sociedade do novo mundo. A insurreição armada alcançou várias vitórias contra os espanhóis, mas aos poucos recuaram para o Pacífico e o sul, sofrendo derrotas sucessivas.

Heróis nacionais como Hidalgo e Morelos foram presos e executados. A rebelião foi extinta, reduzida à guerra de guerrilha.

Posteriormente, em 1820, o Império Espanhol restabeleceu a constituição e os decretos de Cádiz, que, devido à sua excessiva burocracia, complicação de procedimentos e alto poder à coroa, foram rejeitados pelo vice-reinado da Nova Espanha.

É então em 1821 que o general do exército mexicano Agustín de Iturbide, que alcançou importantes vitórias pela causa realista, decide concordar com os rebeldes e se juntar ao movimento de independência.

O general Iturbide entra na capital e é nomeado presidente e forma um governo que não seguiu fielmente as diretrizes daqueles que morreram na luta pela liberdade.

Iturbide proclamou seu pacto com Iguala, formando o chamado exército trigarante. Através deste pacto, pretendia-se unir as forças que, por um lado, representavam os insurgentes da independência, por outro, os monarquistas que queriam um México governado sob a coroa da Espanha, mas não sob o atual regime do governo espanhol.

Outro de seus desejos era respeitar os bens e a autoridade da Igreja Católica, a liberdade e a igualdade para todos os cidadãos, a abolição da escravidão, recompensar os membros do exército e proclamar um regime constitucional.

Relacionado:  Carlota de México: biografia

O exército trigarante, nomeado por garantir a religião católica (cor da bandeira branca), a independência da Espanha (cor verde) e a união dos partidos em guerra (cor vermelha), foi composto pelos rebeldes e pelas tropas realistas por Comando Iturbide.

Independência de México

Em que século começou a vida independente do México? 3

Iturbide espalhou seu plano através da nova nação, alcançando a adesão de monarquistas e insurgentes. Por outro lado, ele lutou contra os monarquistas que se recusavam a aceitar o plano de independência.

O vice-rei Apodaca foi demitido e substituído por outro ilegítimo, uma vez que não foi nomeado pela Espanha.

Os tribunais espanhóis enviaram um último representante, Juan O’Donojú, que se encontrou com Iturbide, e ele mostrou que eles tinham apenas um décimo de suas tropas e que era inútil resistir.

Foi assim que, em 24 de agosto de 1821, são assinados os tratados de Córdoba, onde o Império Mexicano é reconhecido como independente da Espanha. A coroa ignorou esse tratado. No entanto, em 27 de setembro de 1821 o exército trigarante entra na capital vitoriosamente.

Império Mexicano

Apenas seis meses duraram o império mexicano sob Iturbide. A crise econômica produzida por anos de lutas e o crescimento de grupos republicanos foram fatores determinantes na derrota de Iturbide nas mãos de Antonio López Santa Ana e Vicente Guerrero, proclamadores do Plano Casamata.

Após a destruição do império, as províncias unidas da América Central se separaram do México. Iturbide foi exilado e condenado à morte se ele retornasse ao México. Isso aconteceria em 1824.

Texas e a invasão dos EUA

Em que século começou a vida independente do México? 4

Da esquerda para a direita: Antonio López de Santa Anna, Stephen Austin, Samuel Houston, nomes próprios para Texas Independence

Santa Ana foi presidente do México em onze ocasiões, cinco pelo lado liberal e seis pelo conservador. Ele repeliu as tentativas de reconquista da Espanha, até reconhecer a independência do México após a morte de Fernando VII em 1833.

Relacionado:  Máscara de Tutancâmon: história e características

O novo estado convocou várias assembléias constituintes que elaboraram a forma do novo governo. O poder foi debatido entre centralistas e federalistas, o primeiro a apoiar um poder central de controle e o último que optou pela autonomia regional.

A imposição do centralismo levou o estado do Texas, colonizado por escravos, a declarar sua independência do México, apoiado pelos Estados Unidos.

A guerra contra os EUA está desastrosamente perdida em 1836, ano em que a Espanha reconhece a independência do México.

O estado mexicano está em ruínas, seus habitantes estão desarticulados e em todos os lugares há guerras ou grupos separatistas que querem o controle da nação.

Com o tratado de Guadalupe Hidalgo, o México põe fim à guerra com os EUA, dando quase metade do seu território aos americanos.

Referências

  1. Constituição e decretos. Recuperado de: unav.es.
  2. Guerra da Independência do México. Recuperado de: donquijote.org.
  3. Harvey, R. (2000) Librators: Luta pela Independência da América Latina, 1810-1830. Londres, John Murray.
  4. Independência mexicana Recuperado de: tamu.edu.
  5. Ontiveros, G. (2005). História do comércio do México com os Estados Unidos durante os primeiros 25 anos de vida independente, 1821-1846, uma interpretação. Málaga, Universidade de Málaga.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies