Emilio Prados: biografia, estilo e obras

Emilio Prados foi um importante poeta e editor espanhol nascido em 1899 e falecido em 1962. Ele foi uma figura central no movimento literário conhecido como a Geração de 27, que reuniu alguns dos maiores escritores e intelectuais da época. Prados era conhecido por seu estilo poético marcado pela sensibilidade e pela introspecção, explorando temas como amor, morte, solidão e a passagem do tempo.

Entre suas obras mais conhecidas estão “El Desterrado”, “Tiempo partido” e “El paso del estrecho”. Além de sua produção literária, Prados também foi um importante editor, tendo fundado a revista literária “Litoral” em colaboração com outros escritores da Geração de 27. Sua contribuição para a literatura espanhola foi significativa, deixando um legado de poesia profunda e reflexiva que ainda é apreciado por muitos leitores e críticos.

Poesias de Emilio Prados: Versos que encantam e emocionam com delicadeza e profundidade.

Emilio Prados foi um poeta espanhol nascido em 1899 e falecido em 1962, conhecido por sua poesia delicada e profunda. Ele foi um dos membros mais jovens da Geração de 27, um grupo de poetas espanhóis que revolucionou a poesia espanhola no século XX. Prados foi influenciado por poetas como Juan Ramón Jiménez e Federico García Lorca, e sua poesia reflete uma sensibilidade única e uma busca constante pela beleza e pelo transcendental.

O estilo de Emilio Prados é marcado por uma linguagem poética rica em imagens e metáforas, que convidam o leitor a mergulhar em um universo de emoções e sentimentos. Suas poesias são caracterizadas pela musicalidade e pela harmonia, que criam um ritmo envolvente e cativante. Prados tinha o dom de transmitir suas emoções mais íntimas através de suas palavras, tocando o coração de quem o lê.

Entre suas obras mais conhecidas estão “Tiempo partido” e “El místico”. Nestes poemas, Prados explora temas como o tempo, a memória, o amor e a espiritualidade, sempre com uma profundidade e uma delicadeza que encantam e emocionam. Seus versos são como pequenas pérolas poéticas, que brilham com uma luz própria e tocam a alma do leitor.

Emilio Prados é um dos grandes poetas da literatura espanhola do século XX, cuja poesia continua a encantar e emocionar leitores de todas as idades. Sua sensibilidade e sua capacidade de expressar as emoções humanas com tanta delicadeza e profundidade fazem dele um mestre da palavra, um poeta que deixa uma marca indelével na história da poesia.

Principais obras de Emilio Prados: uma seleção das mais importantes do renomado autor.

Emilio Prados foi um escritor, poeta e editor espanhol, nascido em 1899 e falecido em 1962. Ele é conhecido por ser um dos membros da chamada “Geração de 27”, grupo de escritores que revolucionou a literatura espanhola no século XX. Sua obra é marcada por um estilo lírico e uma profunda reflexão sobre a existência humana.

Entre as principais obras de Emilio Prados, destacam-se El pájaro (1928), Tiempo (1935) e El fondo del aire es rojo (1941). Em El pájaro, Prados aborda temas como a liberdade e a busca pela identidade, enquanto em Tiempo ele reflete sobre o tempo e a passagem da vida. Já em El fondo del aire es rojo, o autor mergulha na complexidade da condição humana e da história.

O estilo de Emilio Prados é marcado pela delicadeza da linguagem, pela musicalidade dos versos e pela profundidade das reflexões. Sua poesia é um convite à contemplação e à introspecção, levando o leitor a questionar a própria existência e o sentido da vida.

Emilio Prados deixou um legado importante na literatura espanhola, sendo reconhecido como um dos grandes poetas do século XX. Sua obra continua a inspirar leitores e escritores até os dias atuais, pela sua sensibilidade e pela sua capacidade de expressar as mais profundas emoções humanas.

Biografia resumida de Emilio Prados: poeta espanhol, editor e figura importante na literatura moderna.

Emilio Prados foi um renomado poeta espanhol, editor e figura importante na literatura moderna. Nascido em Málaga em 1899, Prados se tornou uma das vozes mais proeminentes da geração de 27, um grupo de poetas e escritores que revolucionaram a literatura espanhola no início do século XX.

Prados foi co-fundador da revista Litoral, que se tornou um importante veículo para a divulgação de novas tendências literárias. Como editor, ele foi fundamental na promoção de jovens talentos e na disseminação de ideias inovadoras no campo da poesia.

O estilo de Prados era marcado por uma linguagem poética simbólica e introspectiva, que explorava temas como o amor, a solidão e a passagem do tempo. Suas obras refletiam uma profunda sensibilidade e uma busca constante pela beleza e verdade na poesia.

Algumas das obras mais conhecidas de Emilio Prados incluem “El Paso de la Noche” e “Tentativas sobre Poesia”. Seu legado na literatura espanhola continua a ser celebrado até os dias de hoje, sendo reconhecido como um dos grandes poetas do século XX.

Relacionado:  4 flores começando com B

A obra mais importante de Emilio Prados: “Perseguir o sol nas sombras da noite”.

Emilio Prados, poeta e editor espanhol nascido em Málaga em 1899, foi uma figura importante na literatura do século XX. Conhecido por sua poesia modernista e surrealista, Prados foi um dos fundadores da revista “Litoral” e teve uma influência significativa no movimento literário de sua época.

Entre suas obras mais famosas, destaca-se “Perseguir o sol nas sombras da noite”, considerada por muitos como sua obra-prima. Neste livro, Prados explora temas como a passagem do tempo, a busca pela verdade e a dualidade entre luz e escuridão. Através de uma linguagem poética e imagética, o autor convida o leitor a refletir sobre a condição humana e o mistério da existência.

O estilo de Emilio Prados é marcado por uma combinação de lirismo e surrealismo, criando um universo poético único e envolvente. Sua escrita é caracterizada por metáforas ousadas, imagens vívidas e uma profunda sensibilidade para com as emoções humanas.

Além de sua produção poética, Prados também se destacou como editor, trabalhando com escritores renomados como Federico García Lorca e Rafael Alberti. Sua contribuição para a difusão da literatura espanhola foi fundamental para a consolidação de muitos autores do período.

Emilio Prados faleceu em 1962, deixando um legado duradouro na literatura espanhola. Sua obra continua a ser estudada e apreciada por leitores e críticos, que reconhecem sua importância no cenário cultural do século XX.

Emilio Prados: biografia, estilo e obras

Emilio Prados Such (1889-1962) foi um poeta de origem espanhola que fez parte da Geração de 27 . O trabalho deste escritor foi prolífico e evolutivo por natureza. Ele passou por várias etapas marcadas pela inspiração e pelas circunstâncias da época em que viveu.

Prados entrou em contato com literatura e poesia desde tenra idade, o que lhe permitiu conhecer personalidades importantes, pessoas que eventualmente o ajudaram a se orientar. Embora ele fosse um homem solitário, pouco a pouco ele passou a divulgar seu talento no campo das letras.

Emilio Prados: biografia, estilo e obras 1

Emilio Prados. Fonte: http://webs.demasiado.com/ltamargo/eprados.html [Domínio público], via Wikimedia Commons

A sensibilidade de Emilio Prados à poesia também ficou evidente na solidariedade e empatia que ele demonstrou aos mais necessitados. Ele participou ativamente dos eventos da Segunda República e não teve medo de mostrar sua posição esquerdista na política.

Biografia

Nascimento e família do poeta

Emilio nasceu em 4 de março de 1889 em Málaga, Andaluzia, onde viveu até os quinze anos de idade. Tendo vindo de uma família com uma boa posição econômica, permitiu-lhe uma educação de qualidade, ele também abriu o caminho para a poesia e a literatura.

Desde a infância e adolescência em sua terra natal, são as primeiras experiências com as artes. Dos longos momentos que passou nas reuniões dos cafés da cidade, a amizade nasceu com poetas e escritores como Manuel Altolaguirre, José María Hinojosa e José Moreno Villa.

Estudos em Madri

Emilio se mudou para Madri quando terminou o ensino médio para estudar na renomada Residência Estudantil. Durante esse período (1914), conheceu o escritor e poeta Juan Ramón Jiménez , peça fundamental e influente no desenvolvimento de sua vocação para a poesia.

Em 1918, o aluno se juntou ativamente à equipe universitária da Residência Estudantil, onde se baseou nas idéias inovadoras concebidas pelos intelectuais europeus. Naquela época, a Geração dos 27 estava surgindo e sua amizade nasceu com Federico García Lorca, Salvador Dalí e outros intelectuais de destaque.

Problemas de saúde

Emílio sofria de doença pulmonar quando criança, então teve que receber exames médicos contínuos. Em 1921, os sintomas reapareceram e ele teve que viajar para a Suíça para receber os cuidados relevantes dos especialistas.

A estadia de aproximadamente um ano no hospital o aproximou da literatura. Ele passou um tempo estudando e lendo os escritores mais importantes da Europa, e foi assim que começou a fortalecer muito mais seu incipiente trabalho como escritor.

Atividades de prados na literatura

Depois que o poeta se recuperou, ele passou dois anos fazendo alguns cursos de filosofia nas universidades alemãs. Ele também fez viagens a Paris para explorar museus, galerias e arte em si, e teve a oportunidade de conhecer o pintor Pablo Picasso.

Em 1924, Prados retornou à cidade onde nasceu, Málaga, com o objetivo determinado de realizar seu talento como escritor e poeta. Com seu amigo de infância, Altolaguirre, ele fundou e editou a revista Litoral , dedicada à poesia, pintura, música e arte em geral.

Emilio Prados: biografia, estilo e obras 2

Baía de Málaga, inspiração do poeta. Fonte: Chá e criptonita [CC BY-SA 3.0], do Wikimedia Commons

Emilio também serviu como um notável editor de estatura internacional, depois do trabalho que realizou na imprensa sul. Grande parte da poesia escrita pelos membros da Geração dos 27 foi cozida naquela fábrica. Naquela época, Emilio escreveu várias de suas obras poéticas.

Meadows, o homem solidário

A atividade de Prados não se limitou apenas à poesia e à publicação, ele também provou ser um homem simples diante das dificuldades do vizinho. A Guerra Civil arrebatou um de seus amigos e transformou Málaga em um campo de violência e destruição.

Os estragos do concurso em sua terra o levaram de volta a Madri. Lá ele era um colaborador ativo em toda a ajuda para os afetados pelo combate. Ele manifestou abertamente sua rejeição ao governo Franco ao ingressar na Aliança de Intelectuais Fascistas.

O poeta no exílio

Depois de publicar algumas de suas obras, editar vários livros e receber o Prêmio Nacional de Literatura em 1938 pela obra Destino fiel , ele decidiu deixar a Espanha. Em 1939, ele foi para Paris e, no mesmo ano, partiu para o México, onde viveu até o fim de seus dias.

O escritor Octavio Paz o recebeu por um tempo em sua casa. Logo ele começou a trabalhar na editora dirigida por seu compatriota José Bergamín, chamado Seneca. Pouco tempo depois, ele trabalhou em cadernos americanos. Um ano depois de chegar em solo asteca, ele publicou Memory of Oblivion.

Emilio Prados: biografia, estilo e obras 3

José Moreno Villa, amigo de Prados. Fonte: http://www.foroxerbar.com/viewtopic.php?t=11505 [Domínio público], via Wikimedia Commons

O palco do poeta fora de seu país foi o mais produtivo em termos de seus escritos. Foi uma época em que seu trabalho se tornou reflexivo e metafísico, e orientado para a busca pelo significado do ser. Já em 1941, ele havia escrito a Morte Mínima.

Prados colaborou na revista Litoral, junto com outros amigos e colegas como Manuel Altolaguirre e Francisco Giner de los Ríos. É importante notar que ele manteve comunicação com a filósofa María Zambrano , um aspecto que poderia ter mudado sua percepção da vida e das coisas.

Com o trabalho de Jardín, iniciado em 1944, Emilio consolidou seu trabalho como escritor. O mundo literário latino-americano e europeu não deixou passar despercebido e reconheceu a qualidade de seu trabalho. Alguns títulos tiveram que esperar para serem publicados devido às deficiências econômicas apresentadas pelos editores.

Morte do poeta

A vida do poeta no exílio não foi fácil, houve um tempo em que ele trabalhava intermitentemente. Sua economia e produção poética declinaram com o tempo. No entanto, a grandeza de seu coração permaneceu, a ponto de levá-lo a adotar. Emilio Prados morreu em 24 de abril de 1962.

Estilo

A poesia de Prados é uma linguagem simples e clara, mas com forte expressão e caráter existencialista. Seu trabalho tem estilos ou características diferentes de acordo com o tempo de criação; Em um princípio tradicional, depois realista e depois espiritual.

Os elementos que definiram o estilo poético de Emilio Prados estavam intimamente relacionados aos eventos e experiências de seu entorno. Seus primeiros trabalhos foram caracterizados pela presença de características tradicionais, em parte inspiradas em Málaga, e canções populares da época.

Posteriormente, a forma de poesia do autor tornou-se tons de realismo, com um verbo talvez mais grosseiro e experimental. Esta mudança foi devido à situação do país, eles eram tempos da Segunda República. Seu trabalho era então fiel e consistente com seu pensamento comunista e idéias revolucionárias.

Finalmente, o poeta deu uma reviravolta à sua criação e começou a imprimir um estilo mais profundo e orientado para a descoberta do ser. Foi durante o tempo do exílio, onde a solidão, a tristeza e a nostalgia foram intensas para o escritor.

Todos os seus sentimentos estavam refletidos em seus poemas, a intenção de refletir sobre a evolução do homem era clara e forte.

Trabalhos

A poesia de Prados entre 1925 e 1928 teve origem nos costumes andaluzes, com alguns elementos surrealistas. Ao mesmo tempo, você pode ver traços puristas, devido à influência que ele teve sobre Juan Ramón Jiménez.

Entre os manuscritos mais importantes estavam:

– Tempo (1925).

– Vinte poemas em verso (1922-1925).

– Seis fotos para um quebra-cabeça (1925).

– Canções do lagarto (1926).

– Retorno (1927).

– O mistério da água (1926-1927, publicado em 1954).

– Corpo perseguido (1927-1928).

Suas obras em um período de convulsão

Os seguintes trabalhos foram concebidos entre 1932 e 1938, correspondendo a um dos jornais políticos mais caóticos e convulsivos da Espanha. Os aspectos políticos e sociais estavam presentes. Entre os títulos mais importantes estão:

– A voz em cativeiro (1932-1935).

– Caminhando, caminhando pelo mundo (1931-1935).

– Calendário completo de pão e peixe (1933-1934).

Relacionado:  Comunicação oral: características, elementos, tipos, vantagens

– A terra que não incentiva, Seis permanece, Chorando no sangue (1933-1937).

– O choro subterrâneo (1936).

– Livro de canções menor para combatentes (1938).

– Destino fiel (1938).

Funciona sem data específica

Estes trabalhos a seguir não possuem uma data de criação precisa:

Três músicas.

– Homenagem ao poeta Federico García Lorca contra sua morte.

– romances.

– General Romancero da guerra da Espanha .

Trabalha durante o exílio

Finalmente, existem as obras que Prados escreveu durante seu exílio no México, entre 1939 e 1962:

– Memória do esquecimento (1940).

– Jardim fechado (1940-1946).

– Morte mínima (1944).

– Penumbras , adormecido na grama (1953).

– Rio natural (1957).

– Circuncisão do sonho (1957).

– A pedra escrita (1961).

– Sinais de ser (1962).

– Transparências (1962).

– Quando eles vão voltar? (1936-1939).

– Citação sem limites (publicado em 1965).

Breve descrição de seus trabalhos mais representativos

A poesia de Emilio Prados merece ser lida, uma explicação é apresentada e mostra alguns de seus versos mais sônicos:

Tempo (1925)

Este trabalho é da fase inicial do poeta, onde ele ainda era um aprendiz na Residência Estudantil. No entanto, podemos ver as características surreais e os versos escritos a partir da pureza da própria palavra, sem muitos ornamentos literários.

Fragmento de “Negação”

“O vampiro do sonho

Seu sangue sugou.

A palavra não soa

em nossa reunião,

e o ar está muito cinza …

Carnaval de Cinzas

Com máscara de arame.

Caçador de Sombras

E a tragédia de ninguém …

O idílio da cera

Já durou muito tempo …

Destino Fiel (1938)

Este extenso poema reúne os sentimentos contraditórios de Prados antes de uma Espanha mergulhada no caos como resultado da guerra. Foi um alívio para um espírito que parecia preso à miséria, barbárie e indolência. Com este trabalho, ele ganhou o Prêmio Nacional de Literatura.

Fragmento

“O que eu tenho isso no meio disso

fogueira

onde a morte ataca continuamente,

Dentro de suas chamas eu me dirijo

e neles, se eu queimar mais, muito mais vivo?

… Mas olhando para o chão, de pé

Sinto minha memória sangrar,

quanta guerra está tirando de mim

que um dia eu tenho medo de me ver sem sombra …

Oh, a guerra que queima as estradas

já desolação e medo ensina

alucinou o vôo que destrói,

também atacou com a minha colheita …

As casas destruídas, seus escombros

molhado de sangue fratricida,

Como terríveis flores de horror

nos ramos do ódio que eles ofereceram. ”

Memória do esquecimento (1940)

O conteúdo e os versos que compõem este trabalho de Prados são uma fuga para uma vida menos complicada, difícil e solitária. O poeta sente a necessidade de sair da realidade que o domina e começa a esquecer, mas as circunstâncias o obrigam a se retirar da paz que o esquecimento dá.

Fragmento

“Eu me perdi porque sinto

que não sou mais quando esqueço;

quando meu corpo voa e ondula

como uma lagoa

Nos meus braços

Eu sei que minha pele não é um rio

e que meu sangue rola serenamente;

mas tem uma criança que paira nos meus olhos

nivelando meu sonho como o mundo

Quando meu rosto suspira sob a noite;

quando os galhos ficam dormentes como bandeiras,

se uma pedra caísse nos meus olhos

Eu me levantaria da água sem pombos … ”

Jardim fechado (1940-1946)

O conteúdo deste livro é sugestivo, memorável. O autor desenvolve um caminho para os dias finais de todo ser humano, onde o corpo é o destinatário de toda emoção, sensação e pensamento, que às vezes quer ir em busca de mais do que está além de seu alcance.

Fragmento de “Órbita do meu sonho”

“Eu perguntei novamente

calmamente ao sol para minha alegria

e novamente escondeu

À noite, sua voz sem me responder.

Então eu me aproximei misterioso

à boca larga da sombra;

Eu perguntei sobre a minha morte

e molhei meus olhos com seu esquecimento …

Ninguém me respondeu.

Eu me virei para o mundo …

Agora eu rolo cativo

No rasgo de um sonho,

sempre exposto à zombaria dos homens

a plenitude da minha esperança “.

Referências

  1. Emilio Prados. (2019). Espanha: Wikipedia. Recuperado em: wikipedia.org.
  2. Plaza, A. (2014). Emilio Prados . (N / a): O Guia. Recuperado em: lengua.laguia2000.com.
  3. Tamaro, E. (2004-2019). Emilio Prados . (N / a): Biografias e Vidas. Recuperado de: biografiasyvidas.com.
  4. Ruiz, J. (2018). O poeta na história: a poética de Emilio Prados . (N / a): O outro olhar de Morfeu. Recuperado de: josemarcelopoeta.wordpress.com.
  5. Fernández, J. (1999-2018). Emilio Prados-Vida e trabalho . Espanha: Hispanoteca. Recuperado de: hispanoteca.eu.

Deixe um comentário