Estados Unidos da Colômbia: História, Organização, Presidentes

Os Estados Unidos da Colômbia foram um país sul-americano formado em 1863, após a dissolução da Confederação Granadina. Este novo estado foi composto por nove estados soberanos que mantinham uma união federal. A história dos Estados Unidos da Colômbia foi marcada por conflitos políticos e sociais, bem como por mudanças na organização do país. Ao longo de sua existência, diversos presidentes governaram o país, cada um deixando sua marca na história da nação. Neste contexto, é importante entender a história, a organização política e social, assim como os presidentes que lideraram os Estados Unidos da Colômbia para compreender a trajetória desse país.

Conheça a lista de presidentes que governaram a Colômbia ao longo da história.

Os Estados Unidos da Colômbia foi uma federação que existiu entre 1863 e 1886, após a dissolução da Confederação Granadina. Durante esse período, o país foi governado por diferentes presidentes, cada um deixando sua marca na história colombiana.

Alguns dos presidentes mais importantes que governaram os Estados Unidos da Colômbia incluem Tomás Cipriano de Mosquera, que foi presidente em várias ocasiões e desempenhou um papel fundamental na organização política do país. Outro presidente destacado foi Santander López, que promoveu reformas significativas durante o seu mandato.

Além disso, Manuel Murillo Toro foi outro presidente importante, que buscou fortalecer a economia colombiana e promover a educação no país. Rafael Núñez também foi um presidente influente, conhecido por sua liderança durante a Guerra dos Mil Dias.

Esses presidentes, e muitos outros que governaram os Estados Unidos da Colômbia, desempenharam um papel crucial na formação da história e da organização política do país. Suas ações e decisões moldaram o rumo da nação colombiana e deixaram um legado duradouro que ainda é sentido nos dias de hoje.

Motivos que levaram à separação do Panamá da Colômbia no decorrer da história.

Os Estados Unidos da Colômbia foram uma federação que existiu entre 1863 e 1886, composta pelos estados soberanos de Antioquia, Bolívar, Boyacá, Cauca, Cundinamarca, Magdalena, Panamá, Santander e Tolima. Durante esse período, o Panamá era considerado um departamento da Colômbia, porém, ao longo dos anos, surgiram diversos motivos que levaram à sua separação.

Um dos principais motivos foi a insatisfação da população panamenha com o governo central em Bogotá. A região do Panamá tinha interesses econômicos distintos, especialmente devido à construção do Canal do Panamá, que era de grande importância estratégica e econômica para os Estados Unidos. A população local sentia que suas necessidades e interesses não estavam sendo atendidos pela Colômbia.

Além disso, a falta de investimentos por parte do governo colombiano na infraestrutura e no desenvolvimento do Panamá contribuiu para o sentimento de negligência por parte dos panamenhos. A região também enfrentava problemas de instabilidade política e social, o que gerava um clima de insatisfação e instabilidade.

Diante desses fatores, em 1903, o Panamá declarou sua independência da Colômbia com o apoio dos Estados Unidos, que estavam interessados na construção do Canal do Panamá. A separação foi reconhecida pela comunidade internacional e o Panamá tornou-se uma nação independente, com sua própria constituição e governo.

Esses fatores culminaram na independência do Panamá em 1903, marcando o fim da era dos Estados Unidos da Colômbia.

Qual a finalidade do pacto entre Colômbia e Estados Unidos?

O pacto entre Colômbia e Estados Unidos teve como principal objetivo fortalecer a cooperação e as relações entre os dois países, principalmente no que diz respeito à segurança e ao combate ao tráfico de drogas. Assinado em 2009, o acordo permitiu a presença de tropas norte-americanas em território colombiano para auxiliar as forças locais no enfrentamento do narcotráfico e de grupos armados ilegais.

Além disso, o pacto também visava promover o intercâmbio de informações e tecnologias entre os dois países, contribuindo para o fortalecimento das instituições de segurança e defesa da Colômbia. A presença dos Estados Unidos na região também tinha como objetivo enviar um sinal de apoio e comprometimento com a estabilidade e segurança do país sul-americano.

Apesar de ter gerado controvérsias e críticas por parte de alguns setores da sociedade colombiana, o pacto foi visto como uma medida necessária para enfrentar os desafios relacionados ao tráfico de drogas e à violência armada que assolavam o país na época. A cooperação entre Colômbia e Estados Unidos, nesse sentido, demonstrou-se fundamental para o avanço das políticas de segurança e combate ao crime na região.

Relacionado:  Estilo francês: Antecedentes, Origem e História

Entenda a trajetória histórica da Colômbia através dos acontecimentos marcantes do país.

Estados Unidos da Colômbia: História, Organização, Presidentes

A história da Colômbia é marcada por diversos acontecimentos que moldaram o país ao longo dos séculos. Um desses momentos importantes foi a formação dos Estados Unidos da Colômbia, que ocorreu no século XIX.

Os Estados Unidos da Colômbia foram criados em 1863, após a dissolução da Confederação Granadina. Esta nova forma de organização política buscava descentralizar o poder e fortalecer as diferentes regiões do país.

A organização dos Estados Unidos da Colômbia era baseada em um sistema federal, no qual cada estado tinha autonomia para legislar sobre questões locais. No entanto, o presidente era eleito de forma centralizada, o que causou conflitos políticos ao longo dos anos.

Alguns dos presidentes que governaram os Estados Unidos da Colômbia foram Tomás Cipriano de Mosquera, Santander e Manuel Murillo Toro. Cada um deles deixou sua marca na história do país, enfrentando desafios políticos e econômicos durante seus mandatos.

Apesar das tentativas de fortalecer a unidade nacional, os Estados Unidos da Colômbia acabaram se fragmentando e dando origem aos estados independentes que conhecemos hoje. No entanto, a experiência dessa forma de organização política deixou um legado importante para a história da Colômbia.

A história desse período e a atuação dos presidentes que governaram o país nos Estados Unidos da Colômbia são essenciais para compreender a evolução política e social da Colômbia.

Estados Unidos da Colômbia: História, Organização, Presidentes

Os Estados Unidos da Colômbia eram um estado federal criado em 1863 por partidários liberais radicais. Teve como influência e base os modelos constitucionais europeus. Territorialmente, esta nação foi constituída pela atual República da Colômbia, Panamá e algumas partes do Brasil e Peru. Sua desintegração ocorreu em 1886.

A Colômbia – o estado soberano da América do Sul -, como a grande maioria das nações, passou por grandes mudanças que moldaram sua história nacional. No século 16, o território colombiano foi designado como vice-reinado de Nueva Granada, província do Império Espanhol.

Estados Unidos da Colômbia: História, Organização, Presidentes 1

Posteriormente, ele ganhou sua independência da Espanha em 20 de julho de 1810. Depois disso, eles iniciaram uma série de sindicatos, desuniões e conflitos territoriais que moldaram o novo Estado. As variações políticas e territoriais que a Colômbia sofreu durante suas primeiras décadas de independência foram diversas.

A Colômbia começou como Províncias Unidas, tornou-se a Confederação Grenadiana e depois fez parte de uma das maiores nações que existia na América do Sul: Gran Colombia. As guerras civis e os desejos de poder chegar em breve, atacando com violência contra os desejos de formar um país unificado, viável e estável.

As disputas fronteiriças estavam sempre na ordem do dia, assim como as diferenças políticas entre conservadores, liberais e liberais radicais. No entanto, durante esse período, a cultura colombiana cresceu e se diversificou, tornando-se parte da identidade de um povo.

História

Em 1862, o Estado colombiano já havia passado por várias transformações, algumas com muito mais sucesso que outras. Ele alcançou a independência da Espanha, teve reconhecimento como nação, tinha um governo definido e unificação territorial.

No entanto, sua união com Venezuela, Panamá e Equador não teve boa sorte; Tampouco foi o seu estágio como república centralista. As idéias do Iluminismo afetaram as jovens nações latino-americanas; A República da Colômbia não foi exceção.

Esses ideais proclamavam o homem como um ser livre e com direitos iguais, e promoviam não apenas as lutas pela independência, mas também numerosas guerras civis entre liberais e conservadores.

Nascimento dos Estados Unidos da Colômbia

Os Estados Unidos da Colômbia nasceram em 1863, com uma forma de governo federal, com uma tendência liberal amplamente liberal e radical. Ele era o herdeiro do Estado da Confederação Grenadiana e surgiu graças à guerra civil vencida pelos liberais.

Isso levou à redação da Constituição Ríonegro, promovida pelo general Tomás Cipriano de Mosquera. O liberalismo dessa nova Constituição foi um impacto e uma novidade para a sociedade da época.

Nesta Carta Magna, liberdade de expressão, liberdade de culto e mídia impressa eram proclamadas livres de censura, como ensinava. Até o direito de portar armas foi garantido, fato inspirado na Constituição dos Estados Unidos da América.

Relacionado:  Modo de produção asiático: características e estrutura

A nação era composta por nove estados. Na época do liberalismo mais radical, a Colômbia passou a ter 42 constituições diferentes.

Esse fato causou uma forte atmosfera de ingovernabilidade, já que cada estado realizou eleições e legislou por conta própria. Então, em 1876, uma reforma da Constituição foi realizada.

organização territorial

Os Estados Unidos da Colômbia foram divididos em nove entidades que possuíam um governo federal. Essas entidades eram estados soberanos e foram identificadas com os nomes de: Boyacá, Antioquia, Cauca, Bolívar, Cundinamarca, Panamá, Magdalena, Tolima e Santander.

Territorialmente, era um estado um pouco maior que a atual Colômbia. Ele ainda possuía o Panamá como parte do país, além de pequenas porções do Peru e do Brasil. Tinha acesso aos oceanos Pacífico e Atlântico.

Geograficamente, foi dividido pelas cadeias de montanhas Central, Ocidental e Oriental. Mais tarde, o estado soberano do Panamá se separou e formou sua própria nação independente.

Tinha fronteiras terrestres com os Estados Unidos da Venezuela, o Império do Brasil, a República do Equador e a República da Costa Rica. Durante esse período histórico, morar com seus vizinhos sul-americanos foi consideravelmente pacífico.

Presidentes e governo

O sistema governamental dos Estados Unidos da Colômbia era federalista, apoiado por uma política liberal. Sendo uma democracia, o presidente foi eleito por votação e governou por um período de dois anos.

Tinha um Senado e uma Câmara dos Deputados, e os poderes do Estado foram divididos em Legislativo, Judiciário e Executivo.

Os Estados Unidos da Colômbia tinham um total de 18 presidentes, a grande maioria dos quais eram liberais independentes ou liberais moderados, enquanto apenas um era de tendência nacionalista.

Primeiros presidentes

O primeiro a assumir o cargo de primeiro presidente foi Tomás Cipriano de Mosquera, militar e diplomata. Ele foi um reformador do país jovem.

Ele promoveu o comércio exterior, proclamou o uso do sistema métrico, iniciou a separação entre Estado e Igreja e ordenou o primeiro censo nacional da Colômbia.

Cipriano de Mosquera era conhecido por seus sentimentos contra a Igreja Católica, que era predominante e poderosa no território colombiano. Um dos principais objetivos de sua recém-república liberal era ser um estado secular; Esta foi a primeira vez no continente.

A grande maioria dos presidentes era militar por profissão, curtida em várias batalhas. Um dos poucos civis que assumiram o cargo foi Manuel Morillo Toro, escritor de profissão. Morillo Toro era um liberal radical, que se destacou mais por suas idéias do que como palestrante ou político.

Rafael Núñez, o último presidente

O último a ocupar a presidência do país foi Rafael Núñez, autor da letra do Hino Nacional da Colômbia.

Esse político e escritor nativo de Cartagena das Índias foi o precursor da Constituição de 1886. Com isso, o sistema federalista foi encerrado, que até então havia governado como uma forma de estado.

Todos os presidentes

Lista de presidentes nos Estados Unidos da Colômbia:

  • Tomás Cipriano de Mosquera (18 de julho de 1861 – 10 de fevereiro de 1863)
  • Froilán Largacha (10 de fevereiro a 14 de maio de 1863)
  • Tomás Cipriano de Mosquera (14 de maio de 1863 – 1 de abril de 1864)
  • Manuel Murillo Toro (1 de abril de 1864 – 1 de abril de 1866)
  • José María Rojas Garrido (1 de abril a 20 de maio de 1866)
  • Tomás Cipriano de Mosquera (20 de maio de 1866 – 23 de maio de 1867)
  • Santos Acosta (23 de maio de 1867 – 1 de abril de 1868)
  • Santos Gutiérrez Prieto (1 de abril de 1868 – 1 de abril de 1870)
  • Eustorgio Salgar (1 de abril de 1870 – 1 de abril de 1872)
  • Manuel Murillo Toro (1 de abril de 1872 – 1 de abril de 1874)
  • Santiago Pérez Manosalva (1 de abril de 1874 – 1 de abril de 1876)
  • Aquileo Parra (1 de abril de 1876 – 1 de abril de 1878)
  • Julián Trujillo Largacha (1 de abril de 1878 – 8 de abril de 1880)
  • Rafael Núñez (8 de abril de 1880 – 1 de abril de 1882)
  • Francisco Javier Zaldúa (1 de abril a 21 de dezembro de 1882)
  • Clímaco Calderón (21 a 22 de dezembro de 1882)
  • José Eusebio Otálora (22 de dezembro de 1882 – 1 de abril de 1884)
  • Ezequiel Hurtado (1 de abril a 10 de agosto de 1884)
  • Rafael Núñez (10 de agosto de 1884 – 1 de abril de 1886)
Relacionado:  Cultura Caral: Economia, Arquitetura e Características

Características políticas, sociais e econômicas

Políticas

Os Estados Unidos da Colômbia foram fundados sob os princípios da Revolução Francesa , acreditando que todos os cidadãos são iguais perante a lei.

Era um sistema liberal e federal, inspirado pelo funcionamento político e governamental dos Estados Unidos da América.

Econômico

A moeda oficial era o peso colombiano e tinha um sistema econômico pré-industrial; Isso dependia extensivamente da produção agrícola.

O livre mercado permitiu o comércio com diferentes países da Europa e América. Os principais produtos agrícolas foram cereais, cana de açúcar e tabaco.

O futuro desenvolvimento industrial da Colômbia começou nas cidades de Antioquia e Santander durante o período em que os Estados Unidos da Colômbia existiram.

Social

Nacionalmente, a população estava concentrada nos estados de Cundinamarca, Cauca, Santander e Boyacá. Em todo o território, foram contabilizados quase três milhões de pessoas que compartilhavam o gentilicio, de acordo com os resultados do censo de 1871.

A cultura floresceu quando novos centros de ensino superior foram abertos. A instituição universitária, que praticamente não possuía posição de destaque nas décadas anteriores, viveu uma idade de ouro.

A Igreja e o Estado começaram sua separação. Eles se tornaram entidades que, enquanto mantinham seu poder, o exercitavam separadamente, sem interferir no comportamento do outro. Nos Estados Unidos da Colômbia, a liberdade de culto foi legalizada.

Notícias

Os Estados Unidos da Colômbia desapareceram em 8 de agosto de 1886, como resultado do movimento político conhecido como Regeneração. Isso aconteceu durante a presidência de Rafael Núñez e foi o começo dos 44 anos de domínio conservador e profundamente católico que se seguiram.

O século XX começou na Colômbia com a guerra de mil dias e, posteriormente, com a guerra contra o Peru. Na segunda metade do século passado, o Estado neogranadino ficou tristemente famoso por sua intensa conexão com o narcotráfico e a violência brutal que ele traz.

Os vínculos com a droga colombiana chegaram a afetar todo o continente; Muitos dos outros países da América do Sul serviram de ponte para exportar substâncias ilícitas.

As FARC

Enquanto isso, outra guerra foi travada em uma frente diferente, desta vez com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, conhecidas como FARC. Esse conflito sangrou o país por mais de 30 anos.

Os problemas de fronteira com a vizinha Venezuela também estão na ordem do dia: das dificuldades em estabelecer a linha divisória entre os países ao contrabando de trilhas (travessias ilegais nas fronteiras terrestres).

Às vezes o problema é agravado devido às ideologias contrárias (socialismo e capitalismo) seguidas pelos governos de ambas as nações.

A corrupção, como um mal latino-americano, afeta a moderna República da Colômbia. Desde o final dos anos 90, foram feitas tentativas para levar a cabo processos de paz que se mostraram mal sucedidos, o que causou a falta de fé do colombiano médio em que uma mudança positiva nessa direção pode ocorrer.

Século XXI

O século 21 parece pintar melhor para a nação sul-americana. A violência típica que tornou famosa a Colômbia começou a diminuir e a economia atingiu um ponto de relativa estabilidade.

A violência da guerra entre o Estado e os grupos rebeldes – que deixou milhares de vítimas – foi reduzida principalmente pela tentativa de um processo de paz que o governo Juan Manuel Santos realizou com as FARC.

No entanto, outros grupos de paramilitares com fins lucrativos ainda estão presentes na vida de milhões de colombianos. Os líderes sociais são mortos por exigir direitos básicos, como saúde e educação.

Especialistas dizem que a construção da paz na Colômbia precisará de tempo, esforço, vontade dos atores envolvidos e garantia de uma série de fatores.

Referências

  1. Don Quijote (2018). Cultura da Colômbia Recuperado em: donquijote.org
  2. Roa, G. (2014). Os períodos da história. Recuperado em: es.slideshare.net
  3. Toda a Colômbia (2015). Distribuição de grupos indígenas na Colômbia. Recuperado em: todacolombia.com
  4. Romero Hernández D, (2017). Estados Unidos da Colômbia O desastre liberal? Revista Arte-Facto, Universidade Santo Tomás. Recuperado em: tecno.usta.edu.co
  5. Constituição Política dos Estados Unidos da Colômbia de 1863, (2015). Biblioteca Virtual Miguel de Cervantes Recuperado em: cervantesvirtual.com

Deixe um comentário