Falsa prosperidade: causas, características e consequências

A falsa prosperidade é um fenômeno que se caracteriza pelo aparente sucesso financeiro e material de uma pessoa ou de uma sociedade, mas que na realidade está baseado em práticas fraudulentas, desonestas ou insustentáveis. Este tipo de prosperidade ilusória pode ser causada por diversos fatores, como a busca desenfreada por status social, a falta de ética nos negócios e a manipulação de informações. As características da falsa prosperidade incluem o enriquecimento rápido e inexplicável, a ostentação excessiva e a falta de investimento em desenvolvimento sustentável. As consequências desse tipo de prosperidade podem ser desastrosas, levando a crises econômicas, sociais e ambientais. Neste contexto, é importante refletir sobre as verdadeiras bases da prosperidade e buscar um crescimento genuíno e duradouro.

Principais impactos da crise de 1929: desemprego em massa, falência de empresas e recessão econômica.

A chamada crise de 1929 teve impactos devastadores na economia mundial. A falsa prosperidade que antecedeu a quebra da Bolsa de Valores de Nova York resultou em uma série de consequências graves, entre elas o desemprego em massa, a falência de empresas e a recessão econômica.

Com a quebra da Bolsa de Valores, milhares de pessoas perderam seus empregos da noite para o dia. O desemprego em massa atingiu níveis alarmantes, levando muitas famílias à miséria e à fome. As empresas, por sua vez, não conseguiram mais se sustentar e muitas delas declararam falência, gerando um efeito dominó que afetou toda a economia.

A recessão econômica resultante da crise de 1929 teve um impacto duradouro e profundo. A produção industrial despencou, o comércio internacional foi afetado e os governos tiveram dificuldade para lidar com a situação. A recuperação econômica foi lenta e dolorosa, deixando marcas que perduraram por anos.

Em resumo, a falsa prosperidade que antecedeu a crise de 1929 teve consequências desastrosas, incluindo o desemprego em massa, a falência de empresas e a recessão econômica. A história serve como um lembrete dos perigos de uma economia baseada em especulação e excessos, e da importância de políticas econômicas sólidas e responsáveis.

Origens e motivos que levaram ao colapso econômico de 1929 nos Estados Unidos.

Em 1929, os Estados Unidos vivenciaram um dos momentos mais marcantes de sua história econômica: o colapso que ficou conhecido como a Grande Depressão. Esse evento foi resultado de uma série de fatores que culminaram em uma falsa prosperidade que não se sustentou a longo prazo.

Uma das principais origens desse colapso foi a especulação desenfreada no mercado de ações. Durante a década de 1920, muitos investidores buscavam enriquecer rapidamente comprando ações com a expectativa de vendê-las por um preço maior. Esse comportamento criou uma bolha especulativa que acabou estourando em outubro de 1929, levando ao crash da Bolsa de Valores de Nova York.

Além disso, a falta de regulamentação adequada no sistema financeiro permitiu que práticas arriscadas fossem adotadas sem restrições. Bancos e empresas de investimento alavancavam seus ativos de forma exagerada, o que tornava o sistema vulnerável a qualquer instabilidade. Quando a confiança dos investidores foi abalada, a economia entrou em colapso.

Outro motivo que contribuiu para a crise foi a superprodução em diversos setores da economia. Com a popularização do crédito fácil, muitos consumidores compraram além de suas capacidades, o que levou as empresas a produzirem mais do que o mercado era capaz de absorver. Isso resultou em estoques elevados e queda nos preços, levando ao fechamento de muitas fábricas e ao aumento do desemprego.

Em suma, a falsa prosperidade dos anos 20 nos Estados Unidos foi construída sobre bases frágeis e insustentáveis. A combinação de especulação desenfreada, falta de regulamentação e superprodução levou ao colapso econômico de 1929, que teve impactos devastadores não só nos EUA, mas em todo o mundo.

Principais causas e consequências da crise de 1929: impactos econômicos e sociais devastadores.

A crise de 1929 foi um dos eventos mais marcantes da história econômica mundial, com causas e consequências que impactaram profundamente a sociedade da época. Entre as principais causas da crise, destacam-se a superprodução industrial, a especulação desenfreada no mercado de ações e a falta de regulação adequada por parte do governo.

Relacionado:  Philip Crosby: Biografia e principais contribuições

A superprodução industrial levou ao acúmulo de estoques e à redução dos preços, o que afetou negativamente a lucratividade das empresas. Ao mesmo tempo, a especulação no mercado de ações criou uma bolha que acabou estourando, levando a uma queda brusca nos preços das ações.

As consequências da crise de 1929 foram devastadoras, com milhares de empresas falindo, milhões de pessoas perdendo seus empregos e uma queda acentuada na produção e no consumo. O desemprego em massa levou à pobreza e à miséria de muitas famílias, gerando um impacto social profundo.

Além disso, a crise de 1929 teve repercussões internacionais, contribuindo para a eclosão da Segunda Guerra Mundial. A instabilidade econômica e política resultante da crise abriu espaço para o surgimento de regimes autoritários e totalitários em diversos países.

Em resumo, a crise de 1929 foi um marco na história econômica mundial, com impactos duradouros na sociedade e na política. As lições aprendidas com essa crise influenciaram a forma como os governos lidam com a regulação econômica e financeira até os dias de hoje.

Impactos globais da crise econômica de 1929: desemprego em massa, falências e instabilidade política.

A crise econômica de 1929 teve impactos globais significativos, causando desemprego em massa, falências e instabilidade política ao redor do mundo. Muitos países foram afetados por essa recessão econômica que resultou em uma grande quantidade de trabalhadores perdendo seus empregos e empresas declarando falência.

A falsa prosperidade que antecedeu essa crise foi caracterizada por um crescimento econômico aparente, impulsionado por especulações no mercado de ações e um aumento desenfreado do crédito. No entanto, essa aparente prosperidade era frágil e insustentável, levando a uma queda brusca e devastadora quando a bolha especulativa finalmente estourou.

As consequências da crise de 1929 foram sentidas em todo o mundo, com muitos países enfrentando uma grande depressão econômica que durou anos. O desemprego em massa levou a uma grande instabilidade social e política, com protestos e revoltas se tornando comuns em várias regiões.

Em resumo, a falsa prosperidade que precedeu a crise econômica de 1929 resultou em impactos globais devastadores, incluindo desemprego em massa, falências e instabilidade política. Essa lição da história nos lembra da importância de uma economia sólida e sustentável, e dos perigos de confiar em ilusões de prosperidade que podem levar a consequências desastrosas.

Falsa prosperidade: causas, características e consequências

A prosperidade falaz foi um termo cunhado pelo historiador Jorge Basadre Grohmann Peru para citar a chamada guano era. Para o autor, os benefícios obtidos pelo Estado peruano com a venda desse produto resultaram em uma aparente e irreal prosperidade.

A frágil economia do Peru nas primeiras décadas do século XIX encontrou uma solução quando os países europeus e os Estados Unidos começaram a comprar o guano, um fertilizante potente. Este produto era muito abundante no país, especialmente em suas ilhas.

Falsa prosperidade: causas, características e consequências 1

Caricaturas sobre a crise fiscal peruana em 1872 – Fonte: revista «El Cascabel», Lima, Peru, 1872 [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]

A partir da década de 50 do século XIX, o Peru obteve grandes benefícios com a importação de guano. Sua exploração e comercialização estava nas mãos de empresas privadas, primeiro através do sistema de consignatários e depois com um contrato direto com empresas estrangeiras.

No entanto, e de lá vem o termo falacioso aplicado por Basadre, os benefícios não tiveram impacto em uma melhoria geral do Estado. Entre a corrupção, o investimento em áreas improdutivas e a falta de previsão para buscar uma alternativa econômica, o estágio da Prosperidade de Falla terminou em falência no país.

Causas

A luta pela independência e os confrontos entre os líderes fizeram com que a economia peruana entre 1821 e 1845 passasse por tempos muito ruins.

Além disso, a falta de estabilidade política e suas violações no pagamento da dívida fizeram com que os créditos externos parassem de chegar. Somente comerciantes estavam dispostos a fazer empréstimos, com quase condições de usura.

Relacionado:  O primeiro povo do Peru

Guano

Embora as propriedades do guano (esterco de aves marinhas, focas ou morcegos) sejam conhecidas no Peru desde os tempos pré-hispânicos, foi somente no século XIX que ele se tornou um produto importante nas exportações.

A Europa, após realizar análises científicas desse tipo de fertilizante, interessou-se por sua compra. O britânico Thomas Way, membro da Royal Agricultural Society of London, recomendou-o como fertilizante e calculou seu preço em 32 libras por tonelada

No país, houve grandes depósitos desse produto, principalmente nas ilhas do litoral. Interessado em tirar vantagem econômica, o Estado firmou parceria com empresas privadas, nacionais e estrangeiras.

Entrada de capital privado

O primeiro investimento privado na exploração de guano foi o do comerciante peruano Francisco Quirós. Isso, em 1841, obteve os direitos de exploração em troca de uma quantia bastante baixa: 10 mil pesos por ano, por 6 anos.

Logo, o processo inglês fez o Estado perceber que poderia obter muito mais. Assim, ele cancelou o contrato em 1842 e começou a negociar com empresários nacionais e estrangeiros. Nesse caso, a modalidade foi a venda direta.

Entre os beneficiários desses contratos nos próximos cinco anos estavam o próprio Quirós ou a empresa britânica Gibbs.

Industrialização européia e americana

As potências européias e os Estados Unidos entraram em um período de industrialização. Isso, embora a produção industrial tenha aumentado, também causou uma redução nas explorações agrícolas.

A população, que estava aumentando, emigrou massivamente do campo para a cidade, subtraindo o trabalho da agricultura e pecuária. Isso causou fome e levou os governos a procurar métodos para que as plantações produzissem mais.

Caracteristicas

Falla Prosperity, nome usado pelo historiador Basadre Grohmann para se referir à era do guano, foi caracterizado, segundo o autor, pelo irreal do suposto crescimento econômico gerado pela venda desse produto.

Certamente, o Estado inseriu grandes quantias em dinheiro, mas seu uso não serviu para melhorar a situação da maioria da população.

A maioria dos especialistas divide esse período em duas etapas. O primeiro, quando o guano foi explorado através de um sistema de consignatários (1840 – 1866) e, o segundo, quando o Contrato Dreyfus foi assinado.

Sistema de consignação

Essa modalidade de exploração do guano das ilhas foi feita mediante concessões a indivíduos para o comércio com o produto no exterior. Em troca, eles eram obrigados a pagar uma comissão.

Contrato Dreyfus

Foi um acordo comercial entre o Estado peruano e a empresa francesa Casa Dreyfus & Hnos, que prometeu comprar dois milhões de toneladas de guano e cobrir a dívida externa do país. Em troca, ele obteve a exclusividade de sua venda na maior parte do mundo.

Resíduos fiscais

O principal problema que surgiu durante a Prosperidade Falla foi o uso indevido dos rendimentos obtidos. Para começar, os historiadores apontam que 20% foram dedicados ao pagamento de dívidas, externas e internas. Este ponto inclui o pagamento da consolidação da dívida interna durante o governo de Echenique, que causou um grande escândalo.

Outros 54% foram gastos na expansão da administração, aumentando a burocracia civil e militar. Para isso, devemos acrescentar outros 20% dedicados à construção de ferrovias, muitas delas improdutivas.

Por fim, 7% destinavam-se a substituir a renda que, até sua revogação, provinha do tributo indígena. O Estado também teve que indenizar os proprietários dos escravos quando eles foram libertados.

Corrupção

Para muitos historiadores, a corrupção foi uma das principais características negativas desse período. Os consignatários, durante sua etapa, inflaram custos e subestimaram as vendas para aproveitar o Estado.

Depois, a Dreyfus House pagou subornos e extorsões para conseguir o contrato. Da mesma forma, ele também recorreu a esses métodos para construir as ferrovias, embora muito poucos relatassem benefícios para a sociedade.

Relacionado:  Governos Radicais: Antecedentes, Governos e Presidentes

Consequências

Como observado, o Peru obteve enormes receitas com a venda de guano. No entanto, esses benefícios não foram investidos adequadamente para impulsionar o desenvolvimento do país.

Econômico

O Peru passou por uma fase de aparente bonança devido à renda do guano. Precisamente, o termo Falso Prosperidade enfatiza que, na realidade, era apenas aparência e não uma melhoria real.

Até 1879, ano em que a guerra com o Chile começou, o Peru havia exportado entre 11 e 12 milhões de toneladas de guano. Os lucros obtidos são estimados em cerca de 750 milhões de pesos. O Estado manteve 60% desses lucros.

Em porcentagens, no biênio 1846-1847, o guano representava 5% da renda total do Estado. Para o período de 1869 a 1875, o percentual subiu para 80%.

Desigualdade social

Todas essas receitas não significaram nenhum benefício para as classes populares. Segundo alguns especialistas, isso significava apenas criar um país rico dentro de um país pobre.

Os que se beneficiaram foram os proprietários de terras, pois receberam fundos quando foi aplicada a Lei de Consolidação da dívida interna e a compensação pela libertação de escravos.

Em geral, a riqueza produzida pelos guano favoreceu o desenvolvimento de um estado centralista de Lima e crioulo, fortalecendo o aparato estatal.

Guerra com a Espanha

A antiga metrópole colonial, na Espanha, passava por uma grave crise econômica. Para tentar aliviá-lo, ele tentou conquistar os territórios peruanos ricos em guano.

Assim, uma expedição espanhola ocupou as Ilhas Chincha em 1864. Em nível nacional, isso causou um golpe contra o presidente Juan Antonio Pezet, além da declaração de guerra à Espanha.

O Peru, após o combate de Callao, conseguiu derrotar a expedição espanhola, que se retirou da costa peruana.

Infraestruturas

A construção da ferrovia foi o principal destino do dinheiro recebido pelo contrato Dreyfus . Dos 90 quilômetros de linha férrea que o país possuía, foi para uma rede dez vezes maior em apenas uma década.

No entanto, o custo das obras foi superior ao estimado. O governo viu como o dinheiro de Dreyfus não cobria todo o projeto, então ele solicitou dois créditos da mesma Casa Dreyfus. No total, havia cerca de 135 milhões de solas.

Apesar da construção dessa infraestrutura, o resultado foi desastroso para a economia nacional. A ferrovia não era tão lucrativa quanto as autoridades esperavam e, uma vez que entrou em operação, não cobriu as despesas.

No final, a dívida aumentou incontrolavelmente, a ponto de falir.

Falência

Tendo baseado a economia em um único produto, significa que quando, em 1870, as reservas de guano estavam quase acabando, o país inteiro entrou em colapso. Naquela época, possuía a maior dívida externa da América Latina no mercado de Londres.

Em 1872, Dreyfus começou a pagar menos ao Estado e, em 1875, abandonou completamente o negócio. O Peru ficou sem renda, aumentando sua crise dramaticamente.

Além disso, o pagamento dos empréstimos solicitados para a construção da ferrovia totalizava praticamente todos os pagamentos mensais que a Dreyfus pagava, por isso era impossível reduzir a dívida.

O governo peruano tentou, sem sucesso, encontrar outra empresa que substituísse a Casa Dreyfus. Dado isso, a única opção era declarar falência, algo que o Peru fez em 1876.

A grande crise afetou toda a população, já que o orçamento não era suficiente para pagar pelos serviços mínimos, incluindo serviços educacionais e de saúde.

Referências

  1. Pasta pedagógica. Prosperidade Fallaz. Obtido em folderpedagogica.com
  2. EducaRed. A prosperidade falaciosa. Obtido em educared.fundaciontelefonica.com.pe
  3. Tudo sobre a história do Peru. Falsa prosperidade e crise econômica. Obtido de todosobrelahistoriadelperu.blogspot.com
  4. Earle, Peter C. O Grande Crescimento do Guano – e Busto. Obtido em mises.org
  5. Biblioteca do Congresso dos EUA O guano era. Obtido em countrystudies.us
  6. Morando no Peru Uma história da indústria de guano peruana. Obtido em livinginperu.com
  7. Gootenberg, Paul. Ideias econômicas na “Prosperidade fictícia” do Peru de Guano, 1840-1880. Recuperado de publishing.cdlib.org

Deixe um comentário