Farol de Alexandria: história e características

O Farol de Alexandria foi uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo e uma das construções mais impressionantes da antiguidade. Localizado na cidade de Alexandria, no Egito, o farol foi construído por volta de 280 a.C. pelo arquiteto grego Sostratus de Cnido. Com aproximadamente 130 metros de altura, o Farol de Alexandria servia como um guia para os navegantes que se aproximavam da cidade, sendo uma referência importante para a navegação no Mar Mediterrâneo. Além disso, o farol também abrigava uma grande estátua em homenagem ao deus do mar, Poseidon. Suas características arquitetônicas e sua importância histórica fazem do Farol de Alexandria uma das construções mais icônicas da antiguidade.

A história do lendário Farol de Alexandria revelada em detalhes impressionantes.

O Farol de Alexandria foi uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo, localizado na cidade de Alexandria, no Egito. Construído por volta do ano 280 a.C., esse farol tinha aproximadamente 140 metros de altura e era uma das estruturas mais altas da época.

Sua principal função era guiar os navios que navegavam pelo Mar Mediterrâneo, utilizando uma grande chama de fogo que queimava durante a noite. Além disso, o farol também servia como um símbolo de poder e grandiosidade da cidade de Alexandria.

A construção do Farol de Alexandria foi encomendada pelo rei Ptolomeu II, que queria homenagear a cidade fundada por Alexandre, o Grande. A obra foi realizada pelo arquiteto grego Sostratos de Cnido, que utilizou blocos de calcário para construir a estrutura.

O Farol de Alexandria foi danificado por terremotos ao longo dos séculos, e acabou sendo destruído completamente no século XIV. Atualmente, restam apenas algumas ruínas submersas no mar, que são visitadas por mergulhadores e arqueólogos em busca de vestígios do lendário farol.

Apesar de não existir mais, o Farol de Alexandria continua sendo lembrado como uma das maiores realizações da engenharia e da arquitetura da antiguidade. Sua história e suas características impressionantes são um testemunho do poder e da grandiosidade das civilizações que habitaram o Egito há milhares de anos.

A história por trás do farol: descubra a origem e curiosidades dessa construção icônica.

O Farol de Alexandria é uma das construções mais icônicas da antiguidade, situado na cidade de Alexandria, no Egito. Sua história remonta ao século III a.C., quando foi construído durante o reinado de Ptolomeu II. Com mais de 100 metros de altura, o farol foi uma maravilha da engenharia da época, sendo uma das sete maravilhas do mundo antigo.

O objetivo principal do Farol de Alexandria era guiar os navios que chegavam ao porto da cidade, utilizando um grande espelho que refletia a luz do sol durante o dia e uma chama acesa durante a noite. Além disso, a construção também servia como um marco de referência para os marinheiros, auxiliando na navegação pelas águas do Mar Mediterrâneo.

Apesar de sua importância histórica, o Farol de Alexandria foi destruído por uma série de terremotos ao longo dos séculos, até que finalmente desapareceu completamente. Atualmente, restam apenas vestígios da sua grandiosidade, mas a sua história continua a fascinar arqueólogos e historiadores de todo o mundo.

Relacionado:  Missão Geodésica Francesa: Antecedentes, Contribuições e Participantes

Uma curiosidade interessante sobre o Farol de Alexandria é que, de acordo com algumas lendas, a construção teria sido projetada pelo matemático e engenheiro grego Euclides. Outra curiosidade é que o farol de Alexandria foi a inspiração para muitos outros faróis ao redor do mundo, que também desempenham um papel crucial na segurança da navegação marítima.

Em resumo, o Farol de Alexandria é mais do que uma simples construção histórica: é um símbolo da engenharia e da inovação da antiguidade, cuja influência perdura até os dias atuais. Sua história fascinante e suas características únicas continuam a encantar e inspirar pessoas de todo o mundo.

A destruição do Farol de Alexandria: motivos e consequências da queda desse icônico monumento.

O Farol de Alexandria foi uma das maravilhas do mundo antigo, construído no século III a.C. com o objetivo de guiar os navegantes que se aproximavam do porto da cidade egípcia. Com seus mais de 100 metros de altura, era considerado uma das estruturas mais altas da época e um símbolo de grandiosidade e engenhosidade arquitetônica.

No entanto, a destruição do Farol de Alexandria ocorreu em 1323, devido a uma série de terremotos que atingiram a região. Esses desastres naturais causaram danos irreparáveis na estrutura do monumento, levando à sua queda e ao seu posterior abandono.

As consequências da queda do Farol de Alexandria foram significativas para a cidade e para o mundo antigo. Além de perder um dos seus principais pontos de referência, a cidade viu sua importância como centro comercial e cultural diminuir ao longo dos séculos. A destruição do farol também representou o fim de uma era de grande desenvolvimento arquitetônico e tecnológico na região.

Hoje, o Farol de Alexandria é lembrado como um dos maiores símbolos da antiguidade, sendo objeto de estudos e pesquisas arqueológicas que buscam entender melhor a sua construção e a sua importância para a história da humanidade.

Qual é a situação atual do Farol de Alexandria, um dos Sete Maravilhas do Mundo Antigo?

O Farol de Alexandria, uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo, era uma impressionante estrutura construída na cidade de Alexandria, no Egito, durante o reinado de Ptolomeu II, por volta do século III a.C. O farol foi projetado para guiar os navegantes que se aproximavam do porto da cidade, utilizando uma chama de fogo que era visível a quilômetros de distância.

Infelizmente, o Farol de Alexandria não existe mais em sua forma original. Ao longo dos séculos, a estrutura foi danificada por terremotos e guerras, até que finalmente desapareceu completamente. Atualmente, no local onde o farol se encontrava, existe uma pequena fortaleza chamada Qaitbay, construída no século XV com pedras retiradas das ruínas do farol.

Apesar de não ser possível visitar o Farol de Alexandria em sua forma original, a história e as características dessa impressionante construção continuam a fascinar estudiosos e curiosos ao redor do mundo. A importância do farol como um marco da engenharia antiga e como um símbolo da grandeza da cidade de Alexandria permanecem vivas na memória da humanidade.

Relacionado:  Plano Jalapa: antecedentes, motivos, desenvolvimento e protagonistas

Farol de Alexandria: história e características

O Farol de Alexandria era uma torre alta construída na ilha de Pharos, entre 280 e 247 aC (estimada), na cidade de Alexandria, hoje Egito, cuja função era guiar os navegadores do Mar Mediterrâneo para a salvo de e para os portos de Alexandria.

Segundo a história, foi o primeiro farol construído que tem um recorde e é considerado uma das sete maravilhas do mundo antigo .

Farol de Alexandria: história e características 1

Desenho do Farol de Alexandria pelo arqueólogo alemão Prof. H. Thiersch (1909).

Sua localização na ilha de Pharos e sua função como torre de guia e vigilância deram origem ao nome de farol para esse tipo de torre ao longo da história. Estima-se que o Farol de Alexandria medisse aproximadamente 140 metros de altura, o que o tornou por muitos séculos uma das estruturas mais altas do mundo.

Este farol icônico da cultura helênica permaneceu em pé por vários séculos, até que supostamente um terremoto o derrubou no século XIV.

Existem muitas representações e descrições da verdadeira imagem do farol; no entanto, a maioria de suas representações atuais foi feita a partir das investigações e vestígios encontrados no local.

História do Farol de Alexandria

Pode-se dizer que a história do Farol de Alexandria começa com a fundação da cidade de Alexandria em 332 aC, realizada pelo próprio Alexandre, o Grande . O farol conectado à ilha de Pharos por um cais de terra que ligava as duas terras, dividindo a baía no que seria o porto de Alexandria.

A morte de Alexandre, o Grande, e a ascensão ao poder de seu sucessor Ptolomeu, em 305 aC, iniciariam a concepção e construção do Farol de Alexandria, que levaria mais de uma década para ser concluído e que terminaria durante o reino do filho. de Ptolomeu, Segundo Ptolomeu.

O arquiteto encarregado de realizar uma tarefa tão vasta, segundo os historiadores e os restos encontrados, foi o grego Sóstrato de Cnido , que seguiu as indicações de Ptolomeu e até inscreveu seu próprio nome em uma das pedras calcárias usadas para construção de farol.

A luz do farol foi produzida por um forno colocado na ponta, e esse sistema serviu de protótipo para a construção de faróis, como são conhecidos hoje.

O Farol de Alexandria é considerado a única das sete maravilhas que serviu a um propósito funcional à sociedade antiga, ao contrário de outras que serviram apenas como homenagem e serviços religiosos e / ou funerários.

O Farol de Alexandria continuaria cumprindo sua função por muitos mais séculos, até que em 956, ocorreu o primeiro de três terremotos que causariam seu colapso e colapso, causando o primeiro dano; o segundo chegaria em 1303 e seria o mais prejudicial ao farol no nível da estrutura; O último terremoto, apenas 20 anos depois, em 1323, terminaria o colapso do farol, deixando-o em ruínas.

A partir do século XIII, os restos terrestres do farol, principalmente seus blocos de calcário, seriam usados ​​para a construção de um forte encomendado pela então Baía Qa’it do sultão do Egito. Esta fortificação ainda está de pé hoje, exatamente no mesmo ponto em que o Farol de Alexandria já esteve.

Relacionado:  Brasão de Sinaloa: História e Significado

Grande parte dos restos do farol de Alexandria acabou submersa no delta do Nilo e nas margens do mar Mediterrâneo. Ao longo dos anos, esses restos foram se recuperando pouco a pouco e nos permitiram ter uma idéia melhor de qual era sua maravilhosa estrutura e os materiais com os quais foi feita.

Desenho

Era uma estrutura de mais de 130 metros de altura; Alguns registros estimam que ultrapassou 140. Epifanes chegou a afirmar que tinha mais de 550 metros de altura, o que dá uma noção de como as percepções tendiam a ser infladas na época.

As múltiplas representações e ilustrações antigas do Farol de Alexandria são devidas ao número de navegadores árabes que chegaram aos portos e ficaram impressionadas com a imposição dessa estrutura.

Apesar das muitas descrições da época, dos viajantes que atracaram no porto de Alexandria, muitos concordam que o farol era composto de três partes principais.

Parte inferior

O fundo ou base tinha uma praça e bastante larga, que era acessada por uma rampa que supostamente chegava a quase 60 metros, até chegar a uma plataforma que dava entrada para a parte central do farol.

Segunda etapa

Este segundo estágio consistia em uma torre octogonal com escadas internas que permitiam subir mais 30 metros dentro do farol.

Fase final

Em seguida, seria encontrada a etapa final, que consistia em uma torre que acrescentava cerca de 20 metros a mais de altura até atingir o ponto mais alto.

Perto do final dessa etapa, havia o forno que iluminaria os navegadores e, segundo alguns registros, uma mesquita ou templo com um teto em forma de cúpula seria encontrado em todo o farol. Esta teoria é apoiada por representações pictóricas do farol que mostram a referida mesquita.

Dentro deste templo, na ponta, havia uma estátua de Zeus, estimada em até cinco metros de altura. Tudo isso acrescido dá ao Farol de Alexandria uma altura apenas comparável à Grande Pirâmide de Gizé , se se fala de maravilhas do mundo antigo.

Algumas representações antigas que serviram para ilustrar o farol, como mosaicos, ilustrações e até moedas cunhadas, adicionam mais ou menos detalhes ornamentais à estrutura principal, como maior presença de estátuas e esculturas ou uma estrutura diferente na ponta do farol.

No entanto, a concepção principal em três grandes níveis ou estágios de altura tem sido consistente na interpretação e percepção do que era o Farol de Alexandria.

Referências

  1. Behrens-Abouseif, D. (2006). A história islâmica do farol de Alexandria. Muqarnas , 1-14.
  2. Clayton, PA, & Price, MJ (2013). As sete maravilhas do mundo antigo. Nova York: Routledge.
  3. Jordan, P. (2014). Sete maravilhas do mundo antigo. Nova York: Routledge.
  4. Müller, A. (1966). As sete maravilhas do mundo: cinco mil anos de cultura e história no mundo antigo. McGraw-Hill
  5. Woods, M. & Woods, MB (2008). Sete maravilhas do mundo antigo. Livros do século XXI.

Deixe um comentário