Félix Calleja: biografia de um vice-rei da Nova Espanha

Félix María Calleja del Rey (1753-1828) foi um oficial militar espanhol e vice-rei da Nova Espanha, de 4 de março de 1813 a 20 de setembro de 1816, durante a Guerra da Independência do México. Por seu serviço na Nova Espanha, recebeu o título de conde de Calderón.

Em 1775, ele participou da expedição fracassada contra Argel e no cerco de Gibraltar em 1779. Em 1782, quando era tenente, interveio na reconquista do porto de Mahon. Mais tarde, em 1784, ele foi diretor de estudos no Colégio Militar do porto de Santa María, onde instruiu várias empresas de cadetes até 1788, onde o centro foi extinto.

Félix Calleja: biografia de um vice-rei da Nova Espanha 1

Felix Calleja. Por Giuseppe Perovani [Domínio público]

Calleja é famoso por ter terminado com as maiores insurreições de seu tempo, as de 1811 e 1813. Sob o comando do posto de San Luis Potosí, quando a revolução eclodiu sob Hidalgo e Costilla, ele liderou uma grande força no campo e derrotou Hidalgo em Aculco e a ponte de Calderón e sitiaram Morelos e Pavón em Cuautla em 1812.

Como vice-rei, Calleja continuou a reprimir a revolução e, quando deixou o México, a maioria dos insurgentes foi derrotada. Ao retornar à Espanha, o rei o nomeou conde de Calderón e concedeu-lhe a Grã-Cruz de Isabel la Católica e San Hermenegildo, além de permitir que ele fizesse parte do Conselho Consultivo Militar Ultramarino.

Em 6 de agosto de 1819, recebeu a nomeação de capitão geral da Andaluzia, governador de Cádiz. Com o retorno do absolutismo, ele ficou em Valência, onde foi condenado a um julgamento de purificação em 1825. Ele morreu nesta cidade em 24 de julho de 1828.

Biografia

Nascimento e infância

Félix María Calleja nasceu em 1 de novembro de 1753 em Medina del Campo, Valladolid. Em 1773, ele se alistou como cadete no Regimento de Infantaria de Savoy e alcançou o posto de capitão. Sua primeira ação de guerra foi a expedição fracassada contra Argel em 8 de julho de 1775.

Viajar para a Nova Espanha

Em 1789, Calleja acompanhou o conde de Revillagigedo à Nova Espanha, quando assumiu o cargo de vice-rei. Ele desembarcou em Veracruz para a cidade de Puebla. Lá, ele atuou como instrutor de cadetes, sargentos e oficiais.

Portanto, ele ganhou a confiança do vice-rei, que o encomendou para inspecionar e estudar a situação militar nos territórios de fronteira, o que lhe permitiu explorar diferentes regiões.

Relacionado:  Sandford Fleming: biografia e invenções

Em 1795, o novo vice-rei Marqués de Branciforte encomendou a inspeção dos territórios do novo Santander e do novo Reino de Leão. Para intensificar a ameaça de invasão de navios ingleses, o vice-rei ordenou planos para a defesa dos portos e costas do Golfo do México e os completou propondo o estabelecimento de patrulhas militares permanentes.

Comandante da Brigada

Mais tarde, com a reorganização militar realizada pelo vice-rei Miguel Azanza, Calleja tornou-se comandante de uma brigada de infantaria no distrito de San Luis Potosí.

Sob esse novo governo, Calleja lutou com rigor e crueldade para subjugar os índios da região. Ele também lutou contra os desobedientes anglo-americanos que estavam invadindo o território desabitado do Texas.

Em 26 de janeiro de 1807, Calleja casou-se com Maria Francisca de la Gándara, uma crioula que pertencia a uma das famílias mais poderosas de San Luis de Potosí. Ela era filha de Manuel Jerónimo de la Gándara, proprietário da propriedade Bledos.

Retirada de Hidalgo e insurgentes

No Monte das Cruzes, nos portões da Cidade do México, com o Grito de Dolores de Miguel Hidalgo, em 16 de setembro de 1810, apoiadores da independência surgiram em muitos lugares da Nova Espanha.

Em 30 de outubro de 1810, 80.000 insurgentes sob o comando de Hidalgo e Ignacio Allende derrotaram os monarquistas. No entanto, em um momento de aparente indecisão, o padre Hidalgo ordenou uma retirada para Valladolid.

Após a retirada dos insurgentes, o vice-rei Francisco Javier Venegas ordenou que Calleja, agora um brigadeiro encarregado de uma divisão de cavalaria, viesse de San Luis Potosí para defender a capital.

Conflitos diretos com insurgentes

Na marcha entre Querétaro e a Cidade do México, Calleja se encontrou com os insurgentes nas planícies de San Jerónimo Aculco, onde os derrotou em 7 de novembro de 1810.

Mais uma vez, na batalha da ponte de Calderón, em 17 de janeiro de 1811, Calleja derrotou os insurgentes. Ele então retomou Guanajuato em 25 de novembro e Guadalajara em 21 de janeiro de 1811.

Os insurgentes estavam prestes a vencer a batalha quando uma granada acionou um carro de munição em seu campo, o que gerou confusão. Os relalistas aproveitaram a oportunidade para derrotar definitivamente os insurgentes.

Alguns rebeldes, incluindo Hidalgo e outros líderes, estavam se retirando para os Estados Unidos, quando foram capturados e executados.

Relacionado:  Nicolás Oresme: biografia, contribuições

As 4.000 tropas de Calleja tornaram-se a base leal da Coroa e lutariam contra Hidalgo, Ignacio López Rayón e o padre José María Morelos.

Retirada para a Cidade do México

Calleja se retirou para a Cidade do México após um cerco infrutífero de 72 dias contra Morelos em Cuautla. Em sua residência na Cidade do México, ele recebeu realistas descontentes com a incapacidade do vice-rei Venegas de reprimir a insurreição.

Vice-rei da Nova Espanha

Calleja foi nomeado substituto de Venegas em 28 de janeiro de 1813, mas na realidade ele não assumiu o cargo até 4 de março. A princípio, a situação não era muito animadora. Os cofres do governo estavam vazios e havia uma grande dívida. As tropas careciam de uniformes e calçados adequados. Além disso, a condição do armamento era muito ruim e eram necessários mais cavalos.

Com a energia que o caracterizou, ele se entregou completamente para resolver a situação. Ele confiscou a propriedade da Inquisição, que havia sido abolida pela Constituição Espanhola de 1812. Ele solicitou um empréstimo de dois milhões de pesos ao setor comercial, além de hipotecar as alcabalas (imposto sobre vendas) para melhorar sua coleção.

Ele também reorganizou o tesouro público e exigiu uma contabilidade rigorosa das receitas e despesas do vice-reinado. Ele restaurou o comércio e o serviço postal, que haviam sido interrompidos pela guerra com os insurgentes. Com o dinheiro que levantou, ele formou um exército poderoso, bem equipado, pago, armado e disciplinado.

Fim do vice-reinado

No final de 1813, uma epidemia de febre matou dezenas de milhares de pessoas. Morelos capturou Acapulco em 20 de abril de 1813. Em 6 de novembro de 1813, o Congresso rebelde de Anahuac, reunido em Chilpancingo, proclamou a independência do México. Em 22 de outubro de 1814, o Congresso rebelde de Apatzingán promulgou uma constituição.

Enquanto isso, na Espanha, Fernando VII havia retornado ao trono. Ele revogou a Constituição espanhola em 14 de maio de 1814 e restabeleceu as instituições governamentais, como haviam feito em 1808.

Retorno da Inquisição

Por decreto de 21 de julho de 1814, ele restaurou a Inquisição. Em 19 de maio de 1816, ele autorizou os jesuítas a retornarem ao México, que havia sido expulso no final do século XVIII.

Calleja baniu muitos insurgentes para Cuba e começou a exilá-los para as Filipinas. Com a captura e subsequente execução de Morelos em 22 de dezembro de 1815, a insurreição parecia ter terminado mais uma vez. Mas logo eclodiu novamente com a revolta de Vicente Guerrero no sul. O governo de Calleja tornou-se mais ditatorial.

Relacionado:  Raúl Salinas Lozano: biografia

Calleja era um governante determinado, inescrupuloso e cruel que tolerava os numerosos abusos de seus comandantes. Alguns dos realistas mais liberais temiam isso.

Culparam ele e seus métodos brutais de provocar mais rebelião após a morte de Morelos. As queixas contra seus métodos ditatoriais foram apresentadas perante a corte espanhola e em 20 de setembro de 1816 ele foi dispensado de sua posição.

De volta a Espanha

Ao longo de sua vida, Calleja se destacou por seus métodos cruéis, mas também por suas habilidades para a organização. Nos anos da invasão francesa e também com a preocupação existente entre a sociedade crioula, Calleja conseguiu dominar a região com astúcia e promover a fidelidade ao rei. Ele mobilizou doações de apoio aos fundos de guerra contra os invasores franceses e criou corpos de soldados voluntários.

Calleja é considerado por alguns historiadores como um dos maiores comandantes militares que lutaram no México, devido a seus métodos astutos e às vezes bárbaros.

Conde de Calderón

Ao retornar à Espanha, recebeu o título de Conde de Calderón, grande cruz da Ordem de Isabel, a Católica, e grande cruz da Ordem de San Hermenegildo, por suas ações contra os insurgentes. Foi nomeado comandante militar na Andaluzia e governador de Cádiz.

A organização de um exército expedicionário foi confiada à América com a intenção de reconquistar territórios da Espanha. No entanto, ele foi capturado por Rafael Riego, cujo levante contra Fernando VII iniciou a Restauração Liberal de 1820.

Morte

Calleja foi preso em Maiorca até a restauração absolutista de 1823. Quando voltou, ele era comandante em Valência até sua morte em 1828.

Referências

  1. Benavides Martinez, J. (2019). Bastião realista. Félix Calleja e a Independência do México. Revista História e Vida, agosto de 2016. Extraído de academia.edu
  2. Espinosa Aguirre, J. (2019). O instante da política. Félix María Calleja e seu lado para antecipar abusos militares (1813). Retirado de academia.edu
  3. Félix Maria Calleja del Rey. (2019). Retirado de ibero.mienciclo.com
  4. Félix Maria Calleja del Rey | Academia Real de História. (2019). Retirado de dbe.rah.es
  5. Martínez, J. (2019). O germe de um exército: Félix Calleja e a criação da força potossina realista em 1810. Retirado de https://revistas.ucm.es

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies