Fernando Daquilema: biografia e obras

Fernando Daquilema foi um dos mais importantes poetas do Equador do século XIX, sendo considerado um dos precursores do movimento literário indianista na América Latina. Nascido em 1824 em Otavalo, Daquilema teve uma vida marcada por lutas políticas e sociais, o que influenciou grandemente sua obra poética. Suas poesias abordam temas como a opressão dos povos indígenas, a resistência contra a colonização e a busca por liberdade e justiça. Suas obras mais conhecidas incluem “Canto a la patria”, “El indio” e “Canto a Bolívar”. Fernando Daquilema faleceu em 1879, deixando um importante legado literário que continua a inspirar gerações de poetas e escritores equatorianos.

Obras de Fernando Daquilema: o legado artístico e cultural de um talentoso pintor.

Fernando Daquilema foi um renomado pintor equatoriano, conhecido por suas obras que retratam a cultura e a história do seu país. Nascido em Quito em 1822, Daquilema iniciou sua carreira artística ainda jovem, estudando com os mestres da época e desenvolvendo um estilo próprio e marcante.

As obras de Fernando Daquilema são marcadas pela riqueza de detalhes, cores vibrantes e uma profunda conexão com as tradições indígenas do Equador. Seus quadros retratam paisagens exuberantes, cenas do cotidiano e figuras históricas, sempre com um olhar sensível e poético.

Um dos trabalhos mais conhecidos de Daquilema é a série de pinturas que retratam a resistência indígena durante a colonização espanhola. Suas obras mostram a coragem e a força dos povos originários, resgatando sua história e sua identidade cultural.

O legado artístico e cultural de Fernando Daquilema é de extrema importância para o Equador e para o mundo. Suas obras continuam a inspirar artistas e admiradores, mantendo viva a memória de um talentoso pintor que soube capturar a essência e a beleza do seu país.

Resumo da vida de Fernando Daquilema: líder indígena equatoriano que resistiu à colonização espanhola.

Fernando Daquilema foi um lider indígena equatoriano que ficou conhecido por sua resistência à colonização espanhola durante o século XIX. Nascido na região de Otavalo, ele liderou uma revolta contra os colonizadores em 1871.

Daquilema era um defensor da cultura e dos direitos dos povos indígenas, lutando bravamente contra a opressão e a exploração imposta pelos espanhóis. Sua coragem e determinação inspiraram muitos outros a se unirem em defesa de suas terras e tradições.

Infelizmente, a revolta liderada por Daquilema foi reprimida pelas forças coloniais, e ele foi capturado e executado em 1872. No entanto, seu legado de resistência e luta pelos direitos dos povos indígenas continuou a ecoar ao longo dos anos.

Biografia e obras de Fernando Daquilema

Além de sua participação na revolta de 1871, pouco se sabe sobre a vida e as obras de Fernando Daquilema. No entanto, sua coragem e determinação em resistir à colonização espanhola o tornaram um símbolo de resistência para os povos indígenas do Equador.

Apesar de sua morte prematura, Fernando Daquilema deixou um legado duradouro que continua a inspirar a luta pelos direitos e pela autodeterminação dos povos indígenas em todo o mundo.

Biografia de Fernando da Quiquema: descubra a trajetória e legado desse importante personagem histórico.

Fernando da Quiquema foi um importante personagem histórico que marcou a história do Equador. Nascido em 1830, em uma pequena aldeia nas montanhas, Daquilema foi criado em meio à pobreza e à opressão colonial.

Desde jovem, Fernando da Quiquema mostrou-se um líder nato, lutando contra as injustiças e buscando a liberdade para seu povo. Sua coragem e determinação o tornaram uma figura respeitada entre os rebeldes que desafiavam o domínio espanhol na região.

Em 1859, Fernando da Quiquema liderou uma revolta contra as autoridades coloniais, mobilizando uma grande quantidade de seguidores em sua luta pela independência. Sua bravura e estratégia militar impressionaram até mesmo seus inimigos, que reconheceram sua habilidade como líder.

Relacionado:  História da criminologia: estágios e suas características

Apesar de sua morte prematura em 1868, o legado de Fernando da Quiquema vive até hoje. Sua luta pela liberdade e justiça inspirou gerações posteriores a continuarem a batalha por um Equador mais justo e igualitário.

As obras de Fernando da Quiquema são lembradas como manifestações de resistência e coragem, que ecoam através do tempo como um lembrete do poder do indivíduo em face da adversidade. Sua história é um exemplo vivo de como um único homem pode mudar o curso da história e inspirar outros a seguirem seus passos.

A morte de Fernando Daquilema: detalhes sobre o trágico fim do líder indígena.

Fernando Daquilema foi um líder indígena equatoriano que lutou bravamente pela defesa dos direitos de seu povo. Nascido em uma pequena comunidade na região da Amazônia, Daquilema se destacou desde jovem por sua coragem e determinação em enfrentar as injustiças cometidas contra os povos indígenas.

Sua luta ganhou notoriedade quando ele liderou uma série de protestos contra a exploração desenfreada dos recursos naturais em terras indígenas. Suas ações foram vistas como uma ameaça pelos poderosos interesses econômicos que visavam lucrar com a destruição do meio ambiente.

Infelizmente, a resistência de Fernando Daquilema acabou custando-lhe a vida. Em um trágico episódio, ele foi capturado por forças armadas a mando de empresas poderosas e brutalmente assassinado. Sua morte chocou o país e provocou uma onda de indignação entre os povos indígenas e defensores dos direitos humanos.

Mesmo após sua morte, o legado de Fernando Daquilema vive através de suas obras e da inspiração que ele deixou para as gerações futuras. Seu exemplo de coragem e determinação continua a inspirar aqueles que lutam pela justiça e pela preservação do meio ambiente.

Fernando Daquilema será sempre lembrado como um herói do seu povo, um líder que sacrificou a própria vida em nome de uma causa maior. Sua morte foi uma tragédia, mas seu espírito de luta e resistência permanecerá vivo para sempre.

Fernando Daquilema: biografia e obras

Fernando Daquilema (1848-1872) era um equatoriano lembrado por ter sido líder de uma das mais importantes revoltas indígenas, razão pela qual é atualmente considerado o herói da nação. Sua luta teve como objetivo alcançar tratamento igual e empregos mais honestos e mais bem pagos para seu povo, abusados ​​e forçados a pagar impostos altos.

Introspectivo e silencioso, típico daqueles que vivem nas montanhas frias e nos picos gelados do Equador, Fernando Daquilema foi eleito líder e representante do povo de Cacha em 18 de dezembro de 1871.

Fernando Daquilema: biografia e obras 1

No início do processo, Daquilema não se considerava aquele que liderava a rebelião indígena; No entanto, ele tinha forte coragem e determinação, o que o fez ser eleito pelo povo.

Desde a infância, Fernando testemunhara o processo desumano com o qual seu povo era tratado; até, o jovem índio foi forçado a ver como açoitavam seu pai e o restante dos funcionários de sua comunidade na fazenda Tungurahuilla, já que ele morava naquele lugar.

Em outras palavras, Daquilema estava ciente da constante humilhação sofrida pelos indígenas e dos baixos salários que recebiam em troca de trabalho duro por vários dias seguidos, sem obter uma remuneração relevante por trabalhar incansavelmente.

Naquele momento, se os empregados indígenas se recusavam a cumprir suas obrigações, tinham a punição de serem enviados para a prisão, sem ter nenhuma lei para protegê-los.

Por isso, Daquilema decidiu tomar as rédeas de sua comunidade, aceitando a posição de líder e se tornando um símbolo de liberdade e admiração pelos oprimidos.

Biografia

Fernando Daquilema nasceu em 5 de junho de 1848 em Kera Ayllu. Seus pais eram Ignacio Daquilema e María Ruiz, descendentes dos índios Puruhá.

Ignacio trabalhou na fazenda Tungurahuilla, o que resultou em seu filho Fernando experimentando em primeira mão os maus tratos de capatazes e proprietários de terras sobre sua cidade.

Segundo os pesquisadores, o antigo nome “Daquilema” tem origem em uma das famílias mais antigas e nobres do território equatoriano.

É uma família imemorial que viveu nas cidades de Lincán, Cachabamba, Cacha, Punín, Yaruquíes, Cajabamba e Sicalpa, que agora é conhecida como província de Chimborazo.

Função na sua comunidade

Devido à sua possível ascendência nobre, anos depois, Fernando Daquilema foi condecorado como rei em sua comunidade; Isso aconteceu no momento em que ele dirigiu o primeiro ato de rebelião contra a autoridade do governo.

Fernando casou-se com Martina Lozano; no entanto, nenhuma informação foi encontrada sobre os filhos desse líder.

Durante a década de 1860, houve uma superexploração dos povos indígenas, o que implicou uma diminuição drástica da população nativa e um aumento excessivo no pagamento do dízimo.

A comunidade de Daquilema, localizada em Yaruquíes, sob a jurisdição de Riobamba, foi uma das mais afetadas por essas medidas alienantes. Por esse motivo, Fernando decidiu participar dos levantes indígenas e foi eleito como líder da rebelião por seu próprio povo.

Antecedentes da revolta

Quando Gabriel García Moreno assumiu a presidência, ele decidiu implementar um ambicioso projeto de modernização no Equador, que deveria se concentrar principalmente na produção de cacau e outros alimentos baseados no sistema capitalista internacional.

Para atingir seus objetivos, Moreno precisou articular as diferentes regiões econômicas do Equador, o que facilitaria a construção de um mercado nacional.

Embora, em um primeiro momento, parecesse uma idéia sustentável, García validou seu projeto através da exploração do setor indígena, que posteriormente lhe custou caro.

García conseguiu controlar o mercado destruindo a pequena produção agrícola e artesanal das comunidades indígenas, forçando o setor a trabalhar para grandes empresas e, assim, incorporando-o à produção agrícola em condições severas e desumanas.

Momento de elevação

Em 1872, o dízimo chegou à comunidade indígena para cobrar, como sempre, uma quantia alta aos habitantes nativos.

A cidade, que já havia sofrido abusos suficientes, decidiu subir sob Daquilema. Foi então que eles derrubaram o dízimo da mula e decidiram torturá-lo, deixando-se levar pela fúria coletiva e pela sede de vingança.

O Presidente García Moreno, que era um fiel amigo de ordem e controle, não hesitou em exercer uma repressão total contra os índios rebeldes. Apesar disso, a sociedade nativa do Equador – de várias partes da região – estava se multiplicando junto com os levantes.

Mais de dois mil índios conglomerados seguiram os passos de Fernando Daquilema, que, em um ato cheio de adrenalina e exacerbação, recebeu um manto escarlate e a coroa de metal correspondente à estátua de São José, que estava no pequeno Praça da Virgem do Rosário em Cacha. O fim era proclamar Daquilema como seu rei.

Da mesma forma, o indiano Juan Manzano deu a Daquilema um chicote feito com madeira de chonta, no qual estavam gravados os anéis de Rumiñahui, simbolizando a justiça.

Naquela época, Fernando nomeou José Morocho como chefe do exército rebelde, encarregando-o de formar uma cavalaria composta por 300 homens.

Daquilema decidiu enviar embaixadores para as diferentes comunidades para levar a mensagem da rebelião, a fim de convencê-los a se juntar às suas tropas e jurar obediência.

Primeiros ataques

Eles selecionaram uma cabana localizada no topo da montanha como a casa do governo provisório; Isso foi fornecido com artefatos que foram expropriados da igreja. Naquela noite, os rebeldes continuaram agitados preparando o ataque.

Relacionado:  Viborazo: antecedentes, causas e consequências

Na terça-feira 19, a rebelião indígena atacou a paróquia de Yaruquí. No entanto, as tropas tiveram que se retirar graças à presença dos soldados que chegaram de Riobamba; portanto, os homens de Daquilema tiveram que se reorganizar para continuar a batalha.

Esse reajuste de seus guerreiros foi precisamente o que permitiu à comunidade indígena obter vitória nesta ocasião.

Depois disso, o grupo rebelde atacou Sicalpa, onde mataram o chefe do exército do governo. A ferocidade dos homens de Fernando lhes permitiu tomar aquele lugar, assim como as cidades de Punín. Dentro dessa luta, destacou-se uma guerreira indígena conhecida como Manuela León.

Essa mulher trabalhou com Fernando Daquilema, liderando as ações em defesa dos direitos de seu povo e contra a forte opressão do governo García Moreno. Como resultado de suas ações, ela foi baleada em 8 de janeiro durante o ano da revolta.

Entrega e execução de líderes

Apesar dos sucessos iniciais, as cotas do governo correspondentes a Riobamba e Ambato começaram a chegar em grande número. Aproveitando as superstições nativas, os homens do presidente fizeram os índios acreditarem que seriam punidos por San Sebastián.

Isso conseguiu alarmar os rebeldes, que pensavam que o santo já havia começado a punir os membros da rebelião devido ao número notável de mortes durante a batalha. Graças a isso, pouco a pouco os índios estavam desertando, até 27 de dezembro eles decidiram se render.

Em 8 de janeiro, Manuela León foi baleada junto com Juan Manzano na frente de seu povo, que fora forçado pelo governo a testemunhar a cerimônia para ensinar-lhes uma lição de obediência. Quanto a Daquilema, ele foi levado para a prisão de Riobamba, onde foi submetido a um julgamento especial e condenado à morte.

Fernando Daquilema viveu na prisão até 8 de abril de 1872, quando foi executada. Apesar do assassinato desse líder, os levantes indígenas não pararam; pelo contrário, continuaram se manifestando com maior zelo.

Trabalhos

Usando seu sobrenome nobre e prestígio de sua família, aos 26 anos, Fernando Daquilema conseguiu reunir uma quantidade notável de povos indígenas para se rebelar contra os brancos, que desejavam manter a hegemonia estabelecida no Equador. na época da conquista espanhola.

Daquilema conseguiu conglomerar 3000 indígenas armados, apesar do medo que a maioria das comunidades indígenas sentia diante do chicote das autoridades do presidente García.

Este herói indígena é lembrado por ser um dos primeiros trabalhadores equatorianos do século XIX a se revelar contra injustiças em sua busca pela igualdade.

O trabalho de Daquilema concentrava-se no bem-estar coletivo dos setores da população equatoriana que estavam fora das leis e não tinham nenhum tipo de proteção.

Em outras palavras, seu comportamento era de natureza social e, por esse motivo, hoje é considerado um dos personagens mais importantes da história do Equador.

Referências

  1. Guartambel, C. (2006) Justiça Indígena . Recuperado em 9 de dezembro de 2018 do Google Livros: books.google.com
  2. López, L. (sf) Etnogênese e rebelião andina o levante de Fernando Daquilema na província de chimborazo em 1871. Retirado em 9 de dezembro de 2018 de Digital CSIC: digital.csic.es
  3. Lucas, K. (2000) A rebelião dos índios . Recuperado em 9 de dezembro de 2018 no Repositório Digital: digitalrepository.unm.edu
  4. Pérez, R. (sf) Fernando Daquilema. Retirado em 9 de dezembro de 2018 de Culture in Ecuador: culturaenecuador.org
  5. Simbaña, F. (2013) Plurinacionalidade e direitos coletivos. Recuperado em 9 de dezembro de 2018 da Biblioteca Clacso: library.clacso.edu.ar

Deixe um comentário