Fernando VII da Espanha: Biografia

Fernando VII da Espanha foi um monarca que reinou em um dos períodos mais conturbados da história espanhola. Conhecido por sua personalidade volátil e autoritária, sua biografia está repleta de intrigas políticas, revoluções e tentativas de restauração do absolutismo. Este rei enfrentou diversos desafios durante seu reinado, incluindo a invasão francesa, a Guerra da Independência espanhola e as lutas internas pelo poder. Sua trajetória é marcada por momentos de grande instabilidade e instabilidade política, tornando-o uma figura controversa na história da Espanha.

Medidas absolutistas de Fernando VII: o autoritarismo do monarca na Espanha do século XIX.

O reinado de Fernando VII da Espanha foi marcado por medidas absolutistas que demonstravam o autoritarismo do monarca no século XIX. Fernando VII, conhecido por sua postura despótica, buscou concentrar todo o poder em suas mãos, ignorando as demandas do povo e reprimindo qualquer forma de oposição.

Entre as medidas mais controversas de Fernando VII, destacam-se a abolição da Constituição de 1812, que garantia direitos e liberdades aos cidadãos, e a restauração do Antigo Regime, com a volta do absolutismo monárquico. O monarca também reprimiu duramente qualquer movimento liberal ou separatista, utilizando a força militar para manter seu poder.

Apesar de sua postura autoritária, Fernando VII foi capaz de promover algumas reformas econômicas e administrativas que beneficiaram o país. No entanto, sua sede de poder e controle absoluto acabaram por gerar insatisfação e conflitos internos, levando a episódios de instabilidade política e social durante seu reinado.

Em resumo, as medidas absolutistas de Fernando VII refletem o autoritarismo do monarca na Espanha do século XIX, mostrando sua determinação em manter o controle sobre o país a qualquer custo, mesmo que isso significasse restringir as liberdades e direitos dos cidadãos.

Os acontecimentos na Espanha durante o ano de 1814: uma breve análise histórica.

O ano de 1814 foi marcado por importantes acontecimentos na Espanha, especialmente em relação ao retorno de Fernando VII ao trono. Após a derrota de Napoleão Bonaparte e a retirada das tropas francesas, Fernando VII foi restaurado como rei da Espanha, encerrando o período conhecido como domínio francês. No entanto, sua volta ao poder não foi pacífica.

Fernando VII buscou restaurar o absolutismo monárquico e reprimir qualquer tipo de movimento liberal que tivesse surgido durante seu período de exílio. Isso gerou descontentamento entre diversos setores da sociedade espanhola, que haviam experimentado um breve período de liberalização durante a ocupação francesa.

Além disso, a volta de Fernando VII ao poder também provocou tensões com as colônias americanas, que aproveitaram a fragilidade da coroa espanhola para iniciar movimentos de independência. A resistência às políticas absolutistas do rei levou a conflitos internos e à instabilidade política no país.

Relacionado:  Metalurgia Inca: Características, Materiais e Obras

Em meio a esse cenário conturbado, Fernando VII se viu obrigado a lidar com uma série de desafios políticos e sociais, que culminaram em episódios de violência e repressão. Sua atuação durante esse período foi marcada por contradições e dificuldades para manter a coesão interna do reino.

Apesar das controvérsias e dos conflitos que marcaram o seu reinado, Fernando VII é considerado uma figura importante na história da Espanha, sendo lembrado tanto por suas tentativas de restaurar o poder monárquico absoluto quanto pelos desafios que enfrentou ao longo de seu governo.

Qual era o monarca espanhol em 1807?

O monarca espanhol em 1807 era Fernando VII. Ele nasceu em 1784 e foi o sucessor de seu pai, Carlos IV, no trono espanhol. Fernando VII teve um reinado conturbado, marcado por guerras e instabilidade política.

Após a abdicação de seu pai em favor de Napoleão Bonaparte em 1808, Fernando VII foi aprisionado e posteriormente forçado a abdicar do trono. Ele passou grande parte de seu reinado exilado, lutando para recuperar o poder e restaurar a monarquia espanhola.

Em 1814, Fernando VII finalmente retornou ao trono e governou a Espanha até sua morte em 1833. Durante seu reinado, ele enfrentou várias revoltas e tentativas de golpe, mas conseguiu manter o controle do país.

Apesar de suas lutas políticas, Fernando VII é lembrado como um monarca que tentou modernizar a Espanha e promover reformas em diversas áreas. Sua morte em 1833 marcou o início de uma nova era na história espanhola, com a ascensão de sua filha, Isabel II, ao trono.

Fernando VII da Espanha: Biografia

Fernando VII da Espanha foi um dos reis mais influentes e controversos da história espanhola. Ele reinou durante o tempo das guerras napoleônicas , estabelecendo uma resistência espanhola contra a invasão francesa e também opondo-se a conflitos internos com grupos liberais que buscavam estabelecer uma monarquia constitucional.

Parte de seu reinado foi destronada pela ocupação de Napoleão Bonaparte, que causou fortes diferenças de poder entre liberais e conservadores. No entanto, durante a ocupação francesa, o povo espanhol foi abertamente contra Napoleão Bonaparte.

Fernando VII da Espanha: Biografia 1

Biografia

Começos

Fernando nasceu em 14 de outubro de 1784. Seu pai era Carlos IV, herdeiro do trono da Espanha; Sua mãe era Maria Luisa de Parma, que era realmente a voz no comando por trás das decisões de Carlos IV.

Quando Carlos IV herdou o trono, sua mãe ajudou um tenente do exército (por quem estava apaixonada) a subir ao poder. Este tenente era Manuel de Godoy que, com a ajuda da própria Maria Luisa, rapidamente subiu para posições de poder na Espanha. De fato, Godoy tornou-se praticamente o ditador dominante da Espanha.

Relacionado:  Adam Smith: Biografia, Teoria, Contribuições

Fernando VII da Espanha: Biografia 2

María Luisa de Parma, mãe de Fernando VII

O tutor de Fernando VII, Juan Escóiquiz, era um homem bastante ambicioso e instilou um profundo ódio contra Godoy desde a infância. Dizem que a educação de Fernando VII foi bastante pobre, mesmo entre as piores que um monarca espanhol recebeu na história. Ele não era um jovem estudioso, odiava conversar e tinha o prazer de realizar atos cruéis.

Em 1802, ele se casou com sua primeira esposa, sua prima Maria Antonieta de Nápoles. O casamento não teve muito sucesso, porque o próprio Fernando agiu como se não fossem casados ​​e tivesse pouco interesse pelos acontecimentos do lar. Por esse motivo, ele ganhou o ódio da mãe de Maria Antonieta.

Fim da ditadura de Godoy

Embora o casamento de Fernando com Maria Antonieta tenha sido improdutivo em relação ao relacionamento deles, a esposa entendeu perfeitamente com o tutor de Fernando.

A essa altura, a popularidade de Godoy estava no terreno graças à grande dívida que a Espanha tinha como resultado da guerra com o Reino Unido. Além disso, os poderes da Igreja haviam diminuído, o que causou grande ressentimento por parte da classe rica espanhola.

Fernando VII da Espanha: Biografia 3

Manuel de Godoy

María Antonieta e Escóiquiz formaram uma aliança política para derrubar Godoy. Isso causou o exílio do tutor; Além disso, Carlos IV prendeu o filho, pensando que isso fazia parte da trama. Depois de pedir misericórdia, ele foi libertado. No entanto, o plano de derrubar Godoy continuou.

Em 1808, Napoleão Bonaparte invadiu a Espanha para acabar com o governo dos reis Bourbon. Fernando VII viu isso como a oportunidade perfeita para prender o ditador Godoy, pensando que as tropas francesas o apoiariam.

Em 23 de março, ele derrubou o ditador e seu pai – um covarde por natureza – deixou o cargo de rei para deixá-lo para o filho.

Reinado francês

As forças de Bonaparte não haviam chegado à Espanha para apoiar Fernando VII, mas ele manteve a ilusão de que isso era verdade até que ele não teve escolha a não ser mudar de idéia.

Durante o período de ocupação francesa, os liberais redigiram a Constituição de 1812, que limitou grandemente os poderes do rei.

Após a prisão de Godoy, Napoleão o convidou para Bayonne para encontrá-lo. Seus conselheiros o avisaram que ele não deveria ir, mas ele decidiu fazê-lo de qualquer maneira. Lá, o imperador francês pediu que ele deixasse o trono. Quando Fernando recusou, Napoleão o ameaçou de morte.

Fernando VII, assustado, deixou o trono e foi para o exílio; José I (irmão de Napoleão) permaneceu como rei da Espanha. No entanto, a resistência espanhola à ocupação francesa foi tão forte que em 1814 Napoleão retirou suas tropas e permitiu que Fernando VII voltasse ao país.

Relacionado:  Terremoto de 85: História, Morto, Consequências

Lute com os liberais

Após seu retorno ao poder, Fernando VII marchou para Madri com o apoio do exército. Ele anulou a Constituição de 1812 e iniciou uma perseguição sistemática contra os liberais, que queriam limitar seus poderes com uma monarquia constitucional.

Enquanto se organizava para acabar com a resistência liberal, ele também preparou um exército para enviar ao Novo Mundo, onde a maioria das repúblicas emergentes havia se aproveitado da invasão francesa na Espanha para iniciar as guerras de independência.

No entanto, em 1820, um importante general do exército chamado Rafael Riego se proclamou a favor da Constituição. Isso causou pânico em Fernando VII, que concordou em aceitá-lo. O rei estava praticamente preso, com os liberais no comando do país.

O estágio liberal era tão ruim que, alguns anos após o estabelecimento da monarquia constitucional, os franceses intervieram para restaurar Fernando VII ao poder.

Retorno ao poder e últimos anos

Quando ele retomou o trono, Fernando VII prometera anistia para os liberais que se levantaram contra ele. Ele não cumpriu a promessa e logo após seu retorno a maioria dos liberais viveu no exílio ou foi encarcerada. No entanto, com o passar dos anos, ele os deixou retornar à Espanha.

Ele teve mais dois casamentos, que não tiveram filhos, até que ele se casou com sua quarta esposa. Com ela, ele tinha sua única herdeira, Isabel II.

A volta dos liberais incomodou os grupos conservadores que apoiavam Fernando VII, e eles começaram a apoiar seu irmão Carlos para assumir o trono da Espanha. Os liberais permaneceram do lado de Fernando VII e sua filha Isabel II, que herdaria o trono.

Fernando VII morreu em 29 de setembro de 1833, deixando sua filha como uma nova rainha e os liberais, a quem ele tanto perseguira, a cargo do governo da Espanha. As diferenças entre Carlos e Espanha causaram o início da primeira guerra carlista.

Referências

  1. Fernando VII – Rei da Espanha, Editores da Encyclopaedia Britannica, (sd). Retirado de Britannica.com
  2. Fernando VII, Enciclopédia da Biografia Mundial, 2004. Extraído de encyclopedia.com
  3. Fernando (Fernando) VII da Espanha, História geral, 2014. Extraído de general-history.com
  4. O Processo de Restauração do Absolutismo de Fernando VII, Ministério da Cultura e Educação da Espanha, (sd). Retirado de mcu.es
  5. Fernando VII da Espanha, Wikipedia, em inglês, 6 de abril de 2018. Extraído de wikipedia.org

Deixe um comentário