Fobia social: sintomas, causas e tratamento

A fobia social, também conhecida como transtorno de ansiedade social, é uma condição caracterizada pelo medo intenso e persistente de situações sociais ou de desempenho. Indivíduos com fobia social tendem a evitar interações sociais ou a enfrentá-las com grande desconforto, devido ao medo de serem julgados, criticados ou humilhados.

Os sintomas da fobia social incluem ansiedade, tremores, sudorese, taquicardia, rubor facial, dificuldade de concentração e pensamentos negativos. As causas desse transtorno podem estar relacionadas a fatores genéticos, ambientais, traumáticos ou de personalidade.

O tratamento da fobia social geralmente envolve terapia cognitivo-comportamental, que ajuda o indivíduo a identificar e modificar padrões de pensamento negativos, além de técnicas de exposição gradual às situações temidas. Em alguns casos, o uso de medicamentos pode ser recomendado para controlar a ansiedade e os sintomas físicos associados à fobia social. É importante buscar ajuda profissional para o diagnóstico correto e o tratamento adequado dessa condição.

As causas que levam alguém a desenvolver fobia social: entenda os motivos por trás.

A fobia social é um transtorno de ansiedade que se caracteriza pelo medo intenso de situações sociais e de interação com outras pessoas. As causas que levam alguém a desenvolver fobia social são diversas e podem estar relacionadas a diferentes fatores.

Um dos principais motivos por trás da fobia social é a genética, ou seja, a predisposição hereditária a desenvolver transtornos de ansiedade. Além disso, experiências traumáticas na infância, como bullying ou rejeição social, podem contribuir para o desenvolvimento da fobia social.

Outro fator importante é o ambiente familiar e social em que a pessoa está inserida. Um ambiente superprotetor, com poucas oportunidades de interação social, pode dificultar o desenvolvimento de habilidades sociais e contribuir para o surgimento da fobia social.

Além disso, a baixa autoestima e a falta de confiança em si mesmo podem ser fatores que levam ao desenvolvimento da fobia social. A preocupação constante com a opinião dos outros e o medo de ser julgado ou rejeitado também podem contribuir para o agravamento do transtorno.

É importante buscar ajuda de um profissional de saúde mental para identificar as causas específicas do transtorno e iniciar o tratamento adequado.

Dicas infalíveis para superar de vez a fobia social e se sentir confiante.

Para muitas pessoas, a fobia social pode ser um obstáculo difícil de superar. Os sintomas, como ansiedade extrema, medo de ser julgado e dificuldade em interagir com os outros, podem ser esmagadores. No entanto, existem maneiras de superar essa fobia e se sentir mais confiante em situações sociais.

Uma das dicas infalíveis para superar a fobia social é praticar a exposição gradual. Isso significa enfrentar gradualmente as situações que causam ansiedade, começando com pequenos passos e aumentando progressivamente. Respirar fundo e se concentrar no presente também pode ajudar a acalmar a ansiedade e a mente agitada.

Outra dica importante é desafiar pensamentos negativos. Muitas vezes, a fobia social é alimentada por pensamentos distorcidos e irracionais. Questionar esses pensamentos e substituí-los por pensamentos mais positivos pode ajudar a mudar a maneira como você se sente em situações sociais.

Praticar habilidades sociais também é essencial para superar a fobia social. Isso inclui aprender a iniciar conversas, fazer contato visual e desenvolver empatia. Quanto mais você praticar essas habilidades, mais confiante se sentirá em situações sociais.

Por fim, buscar ajuda profissional pode ser fundamental para superar a fobia social. Um psicólogo ou terapeuta especializado pode ajudar a identificar as causas subjacentes da fobia e desenvolver estratégias eficazes para superá-la. Não tenha medo de pedir ajuda e buscar o suporte necessário para superar a fobia social.

Relacionado:  Fuga cerebral: sintomas, causas e tratamento associados

Com as dicas certas e o apoio adequado, é possível se sentir mais confiante e confortável em situações sociais. Não deixe que a fobia social limite sua vida – enfrente seus medos e descubra o poder de se sentir seguro e confiante em qualquer situação.

Quais são os primeiros sinais de desenvolvimento da fobia social?

Os primeiros sinais de desenvolvimento da fobia social podem passar despercebidos para muitas pessoas. Geralmente, a ansiedade social começa de forma sutil e vai se intensificando com o tempo. Alguns dos primeiros sintomas incluem nervosismo em situações sociais, medo de ser julgado pelos outros, preocupação excessiva com o que os outros pensam e evitação de interações sociais.

À medida que a fobia social se desenvolve, esses sintomas podem se agravar e causar impacto significativo na vida da pessoa. Ela pode começar a evitar situações sociais, como festas, reuniões de trabalho ou até mesmo sair de casa. Além disso, a pessoa pode apresentar sintomas físicos, como tremores, suor excessivo, taquicardia e até mesmo ataques de pânico em situações sociais.

É importante estar atento a esses sinais precoces e buscar ajuda profissional caso perceba que a ansiedade social está atrapalhando sua vida. O tratamento para a fobia social geralmente envolve terapia cognitivo-comportamental, medicação e técnicas de relaxamento. Com o apoio adequado, é possível superar a fobia social e levar uma vida mais plena e satisfatória.

Por que algumas pessoas desenvolvem fobias?

A fobia social é um transtorno de ansiedade caracterizado pelo medo intenso e persistente de situações sociais. Algumas pessoas desenvolvem fobias, como a fobia social, devido a uma combinação de fatores genéticos, biológicos, psicológicos e ambientais.

Um dos principais fatores que contribuem para o desenvolvimento da fobia social é a predisposição genética. Estudos mostram que pessoas com histórico familiar de transtornos de ansiedade têm maior probabilidade de desenvolver fobias sociais. Além disso, desequilíbrios químicos no cérebro, como baixos níveis de serotonina, podem desempenhar um papel na manifestação da fobia social.

Outro fator importante é a experiência de traumas ou eventos estressantes na infância ou na adolescência. Situações como bullying, rejeição social ou humilhação pública podem contribuir para o desenvolvimento da fobia social. Além disso, a falta de habilidades sociais e a baixa autoestima também podem ser fatores de risco.

O ambiente em que a pessoa cresce e se desenvolve também pode influenciar no surgimento da fobia social. Pais superprotetores, ambientes familiares disfuncionais ou exposição frequente a situações sociais negativas podem aumentar a vulnerabilidade da pessoa para desenvolver fobias sociais.

É importante buscar ajuda de um profissional de saúde mental para identificar as causas específicas da fobia social e iniciar um tratamento adequado. A terapia cognitivo-comportamental e a terapia de exposição são algumas das abordagens eficazes para o tratamento da fobia social.

Fobia social: sintomas, causas e tratamento

Fobia social: sintomas, causas e tratamento 1

Ficar nervoso em algumas situações sociais pode ser normal, pois às vezes é uma resposta natural quando se fala em público, tendo um encontro com alguém ou passando por situações semelhantes. No entanto, quando as interações cotidianas causam muita ansiedade, vergonha, insegurança e medo intenso pela opinião dos outros, a pessoa pode sofrer fobia social (transtorno de ansiedade social).

Neste artigo , veremos como reconhecer a fobia social e o que fazer.

Como detectar fobia social?

A fobia social nos afeta física e mentalmente, sendo o medo e a ansiedade incapacitante para a pessoa, uma vez que a afeta nas diferentes áreas de sua vida (trabalho, social, pessoal).

Fala-se de fobia quando a intensidade com que a pessoa experimenta medo é injustificada, excessiva e reduz a capacidade de agir causando o bloqueio emocional da pessoa.

Marta Garrido González, psicóloga especializada em psicólogos Málaga Psicoabreu, ressalta que as pessoas que sofrem de fobia social estão cientes de que seus sentimentos são irracionais, mas, apesar disso, fazem o possível para evitar enfrentar a situação temida como resultado da ansiedade antecipada. .

Assim, muito antes que a pessoa tenha que enfrentar a situação temida, ela começa a sofrer de ansiedade porque não consegue parar de pensar nela .

A antecipação pode fazer com que o sujeito aja de maneira inadequada, entrando em um círculo vicioso, pois causará maior medo em situações futuras. Esse medo precisa interferir notavelmente em sua vida para estabelecer esse diagnóstico.

Diferença entre fobia social e timidez

O transtorno de ansiedade social é diferente da timidez, pois as pessoas tímidas são capazes de participar de situações sociais (mesmo que tenham vergonha ou nervosismo), e as pessoas com fobia social são incapazes, atingindo na maioria das vezes Isole-se das pessoas ao seu redor.

Assim, as características da timidez são as seguintes:

  • Intensidade e duração são proporcionais ao estímulo que o causou.
  • A ansiedade desaparece gradualmente.
  • Aceitação e aprendizado.

A seguir, veremos um exemplo:

Uma aluna deve apresentar um trabalho que fez na frente de todos os colegas de classe. Essa situação cria estresse e nervosismo, já que ele tem medo de que isso dê errado, que ele esqueça o que teve que expor etc. É um medo racional e esperado, pois é uma situação que a pessoa não realiza normalmente e não tem prática (causa que gera mais nervosismo).

As características da fobia social, por outro lado, são as seguintes:

  • Preocupação em se tornar o centro das atenções .
  • Medo de comer e beber em público.
  • Medo de falar com o público, de falar com um amigo.
  • Medo de sofrer situações vergonhosas na frente de uma platéia.
  • Intensidade e duração ao longo do tempo.
  • Isso afeta as áreas da sua vida .

Um exemplo de fobia social pode ser o seguinte:

No caso anterior; Imagine que a pessoa mantenha seus pensamentos negativos por mais tempo, levando-a a perder a autoconfiança, a ter a sensação de fracasso e desconforto constante.

O medo é excessivo e irracional e a pessoa tende a evitar interações sociais (antecipação ansiosa infere sobre o funcionamento normal do indivíduo). A resposta de ansiedade da pessoa pode levar a uma crise de angústia, para que ela evite a situação temida ou até mesmo quebre (incapaz de desenvolver a exposição).

Sintomas

Pessoas com fobia social mostram extrema ansiedade em situações sociais. É um medo persistente e crônico que causa sintomas nos níveis físico, cognitivo e comportamental. Essa fobia pode aparecer devido a uma determinada situação ou pode surgir na interação com todas as pessoas que não conhecem .

Os sintomas físicos da ansiedade

Estas são uma característica comum em pessoas que sofrem de fobia social. Uma alta porcentagem de pacientes apresenta palpitações, tonturas, desmaios, ataques cardíacos, tremor nas mãos, pés ou voz , boca seca, gagueira, suor nas mãos e no corpo e rubor (angústia e vergonha). Ter níveis muito altos de ansiedade pode levar os pacientes a sofrer ataques de pânico.

Relacionado:  Depressão pós-adoção: o que é, sintomas e como lidar com isso

Os psicólogos da equipe de Psicoabreu afirmam que os sintomas físicos são o que leva as pessoas a irem às consultas em busca de terapia psicológica .

Sintomas cognitivos

São pensamentos recorrentes que não se pode falar de inferioridade, vergonha, desconcentração (esquecendo o que queríamos dizer). Antecipação (imaginando o que vai acontecer), pensamentos autocríticos (pareço bobo, estou me fazendo de bobo etc.).

Sintomas emocionais e comportamentais

Os mais notáveis ​​são a perda de autoconfiança , o isolamento social, a incapacidade de participar de situações sociais e evitar situações temidas.

Causas

Pessoas que sofrem de fobia social sentem um medo irracional em situações em que podem ser julgadas por outras pessoas , para evitá-las. Esse transtorno de ansiedade pode começar na adolescência e geralmente afeta homens e mulheres na mesma proporção.

Como em muitos transtornos mentais, a fobia social surge da interação de fatores biológicos e ambientais.

Herança

Os transtornos de ansiedade geralmente são hereditários, pelo menos em parte (comportamentos genéticos e comportamentos adquiridos)

Estrutura cerebral

O núcleo da amígdala pode influenciar a resposta ao medo . Assim, as pessoas que possuem esse núcleo hiperativo podem sofrer uma resposta ao medo exagerado (que causa maior ansiedade em situações sociais).

  • Você pode estar interessado: ” Amígdala cerebral: estrutura e funções “

Meio ambiente

A fobia social pode ser um comportamento adquirido . Pode haver uma relação de aprendizado de crianças que copiam episódios de ansiedade que os pais sofrem. Além disso, algumas pessoas têm ansiedade depois de passar por situações sociais desagradáveis ​​e desconfortáveis.

Fatores de risco

Vários fatores podem aumentar o risco de sofrer de transtorno de ansiedade social:

1. História familiar

Se seus pais ou irmãos biológicos têm transtorno de ansiedade social , é mais provável que você o tenha.

2. Experiências negativas

Crianças que sofrem de rejeição, ridículo ou humilhação podem ter maior probabilidade de desenvolver transtorno de ansiedade social.

3. Caráter

Pessoas tímidas e introvertidas quando enfrentam situações podem estar em maior risco.

4. Tenha uma aparência que atraia atenção

Por exemplo, a gagueira ou a desfiguração facial podem aumentar a timidez e causar transtorno de ansiedade social em algumas pessoas.

Tipos de fobia social

Existem dois tipos desse transtorno de ansiedade.

Fobia social generalizada

É sofrido por aqueles que experimentam altos níveis de ansiedade na grande maioria das situações sociais e na interação com as pessoas.

Fobia social específica

Ela se desenvolve quando as situações de ansiedade aparecem apenas em determinados momentos (medo de ser observado enquanto se come ou bebe, fala em público, escreve na frente de outras pessoas, …)

Tratamento psicológico

A equipe de psicólogos de gabinetes de psicologia Psicólogos Malaga PsicoAbreu é especializada no tratamento psicológico de transtornos de ansiedade e fobia social. A terapia psicológica visa ao paciente perder o medo de certas situações e recuperar sua vida social .

Com a terapia cognitivo-comportamental, ajuda a identificar, entender e mudar os pensamentos que causam a fobia. Em algumas situações, o tratamento farmacológico (ansiolíticos ou antidepressivos) é necessário para aliviar os sintomas de ansiedade juntamente com o tratamento psicológico.

Referências bibliográficas:

  • Chambless, DL; Fydrich, T.; Rodebaugh, TL (2008). “Fobia social generalizada e transtorno de personalidade esquivo: distinção significativa ou duplicação inútil?”. Depressão e Ansiedade. 25 (1): 8-19.

Deixe um comentário