Francisco Ayala: biografia, estilo, frases e obras

Francisco Ayala García-Duarte (1906-2009) foi um escritor espanhol, que também atuou como narrador e ensaísta. Além disso, destacou-se como tradutor. Por outro lado, grande parte da obra literária do autor foi desenvolvida no exílio como resultado da Guerra Civil Espanhola , em 1936.

O trabalho de Ayala foi dividido antes e depois da Guerra Civil. Caracterizou-se por escrever, no início, de maneira tradicional, dentro do caráter intelectual forjado pelo escritor José Ortega y Gasset, e depois sua obra se tornou vanguarda.

Francisco Ayala: biografia, estilo, frases e obras 1

Francisco Ayala Fonte: Ayalaymavm.jpg: Juanagarciacontrerasderivative trabalho: Rondador [CC0], via Wikimedia Commons

Algumas das obras mais relevantes de Francisco Ayala foram a Tragicomédia de um homem sem espírito e Hunter ao amanhecer. A inteligência, uma linguagem culta e bem desenvolvida, bem como seu excelente uso e gerenciamento da metáfora como recurso literário, faziam parte de seu estilo.

Biografia

Nascimento e família

Francisco nasceu em Granada, em 16 de março de 1906, sob uma família culta. Seus pais eram o advogado Francisco Ayala Arroyo e Luz García-Duarte González. Além disso, ele era neto do renomado médico Eduardo García Duarte, que atuou como reitor da Universidade de Granada.

Formação acadêmica Ayala

Os anos de educação de Francisco Ayala foram gastos em sua terra natal, Granada. Depois de se formar no colegial, ele foi morar em Madri. Aos dezesseis anos, começou a estudar direito, filosofia e letras na Universidade Central de Madri.

Durante esse período, no início dos anos 20, ele começou a interagir com os grupos intelectuais da época e com a literatura de vanguarda. Entre 1925 e 1926, ele publicou Tragicomedy de um homem sem espírito e História de um amanhecer; Ele se formou na universidade em 1929.

Fique em Berlim

Quando se formou na universidade, Ayala fez algumas colaborações para a mídia impressa, como La Gaceta Literaria e Revista de Occidente. No início de 1930, ele foi para Berlim, tendo ganho uma bolsa para continuar seus estudos.

Francisco Ayala: biografia, estilo, frases e obras 2

The Literary Gazette, revista onde Ayala colaborou. Fonte: Veja a página do autor [Domínio público], via Wikimedia Commons

A estadia na cidade alemã o conectou com uma parte desconhecida da Europa. O escritor se aproveitou de ter testemunhado o nascimento dos nazistas para enviar escritos para a revista Political. Um ano depois, ele retornou à Espanha, obteve um doutorado em direito e trabalhou como professor.

Período da Guerra Civil

Nos anos anteriores à Guerra Civil Espanhola, Francisco Ayala era advogado das Cortes. Logo quando o concurso começou, ele estava na América do Sul dando palestras e conferências. No entanto, apesar da crise, ele retornou ao seu país e se juntou ao lado republicano.

Relacionado:  O que é literatura hipertextual?

Entre 1936 e 1939, ele trabalhou no Ministério do Estado e também como diplomata da Espanha em Praga. Durante esse período, seu pai foi morto pelo grupo rebelde, depois de ser preso e levado para a prisão em Burgos, onde ele trabalhava.

O exílio de Ayala

Ayala foi para Buenos Aires depois que a guerra terminou em 1939, com sua esposa Carolyn Richmond e sua filha Nina. Na capital da Argentina, o escritor recomeçou sua vida literária e também trabalhou para mídias como o jornal La Nación e a revista Sur.

Houve dez anos em que o espanhol morou em Buenos Aires, exceto em 1945 que ele se estabeleceu no Rio de Janeiro, Brasil. Em 1950, ele foi para Porto Rico, um país onde lecionou sociologia na universidade principal, assumiu o departamento editorial e fundou a revista La Torre.

Entre os Estados Unidos e Espanha

Francisco Ayala foi de Porto Rico para os Estados Unidos e lá viveu os últimos vinte anos de seu exílio. Ele ensinou literatura espanhola em universidades como Nova York, Chicago, Rutgers e Princeton. Em 1960, ele teve a oportunidade de retornar ao seu país pela primeira vez.

Desde o primeiro retorno à Espanha, Ayala visitou seu país todo verão, uma propriedade foi comprada. Pouco a pouco, retomou os contatos literários e estabeleceu novos relacionamentos. Em 1976, ele decidiu voltar definitivamente e residiu em Madri.

Últimos anos e morte

Sediada em Madri, Ayala começou a dar palestras e conferências, além de colaborar em vários jornais e revistas. Quando tinha setenta e sete anos, foi eleito membro da Real Academia Espanhola, em 1988, recebeu o Prêmio Nacional de Letras em Espanhol.

Com idade avançada, mas com uma extraordinária lucidez, ele escreveu em 1988, The Garden of Malice, e desde 1982 começou a escrever memórias Memórias e esquecimentos. Francisco Ayala morreu de causas naturais em Madri, em 3 de novembro de 2009, aos cento e três anos.

Estilo

O estilo literário de Francisco Ayala foi caracterizado pelo uso de uma linguagem culta e sóbria. Seus primeiros trabalhos, desenvolvidos antes da Guerra Civil, eram tradicionais e depois entraram no movimento de vanguarda, com grande eloquência e expressividade, e amplo uso de metáforas.

Francisco Ayala: biografia, estilo, frases e obras 3

Universidade de Porto Rico, onde Ayala atuou como professor. Fonte: Angelgb81 [CC BY 3.0], via Wikimedia Commons

No estágio pós-guerra, seus escritos eram orientados para as preocupações que ele tinha sobre a sociedade e os problemas que a afligiam. Manter a mesma capacidade expressiva e linguagem cuidadosa, mas geralmente usando um tom irônico e satírico.

Relacionado:  2000 palavras com Bra, Bre, Bri, Bro e Bru

Frases

– “Dou ao país um valor acidental: não é essência, mas circunstância.”

– “A incompetência é tanto mais prejudicial quanto maior o poder do incompetente.”

– “A pátria do escritor é a sua língua”.

– “Sempre se escreve sua própria vida, só que, com modéstia, ele a escreve em hieroglífica; e melhor se ele fizesse isso em pedras funerárias, lapidário, procurando a beleza gritante do epitáfio – encerre a vida em uma bala ou em um epigrama ”.

– “De repente, descobrimos que é verdade que o mundo é apenas um. Globalização, simplesmente uma palavrinha, mas isso acabou sendo verdade. O mundo é apenas um.

– “A vida é uma invenção, e literatura, memória aperfeiçoada”.

– “A liberdade não é uma fruta ao alcance de todas as mãos.”

– “O verdadeiro exercício intelectual não é seguir a moda, mas enfrentar as dificuldades do próprio tempo.”

– “Os comportamentos humanos ligados à condição natural são, no final, imutáveis”.

– “A literatura é essencial. Tudo o que não é literatura não existe. Porque onde está a realidade?

Trabalhos

Narrativa

– Tragicomédia de um homem sem espírito (1925).

– História de um amanhecer (1926).

– O boxeador e um anjo (1929).

– Hunter de madrugada (1930).

– Os enfeitiçados (1944).

– Os usurpadores (1949).

– A cabeça do cordeiro (1949).

– História dos macacos (1955).

– mortes de cães (1958).

– O fundo do copo (1962).

– O ás de varinhas (1963).

– Minhas melhores páginas (1965).

– O arrebatamento (1965).

– Stories (1966).

– Trabalhos narrativos completos. Triunfo glorioso do príncipe Arjuna (1969).

– Você chorou no Generalife.

– O jardim das delícias (1971).

– Os enfeitiçados e outros contos (1972).

– De triunfos e penalidades (1982).

– Memórias e esquecimento I (1982).

– Memórias e esquecimento II (1983).

– O jardim da malícia (1988).

– Memórias e esquecimento (1988).

– Histórias de Granada (1990).

– O retorno (1992).

– Dos meus passos na terra (1996).

– Doces lembranças (1998).

– Um cavalheiro de Granada e outras histórias (1999).

– Contos imaginários (1999).

Artigos de imprensa

– O mundo e eu (1985).

– Francisco Ayala em La Nación de Buenos Aires (2012).

Ensaio

– Inquérito sobre cinema (1929).

– Direito social na Constituição da República Espanhola (1932).

– O pensamento vivo de Saavedra Fajardo (1941).

– O problema do liberalismo (1941).

– História da liberdade (1943).

Os políticos (1944).

– Histriônica e representação (1944).

– Uma dupla experiência política: Espanha e Itália (1944).

Relacionado:  Américo Castro: biografia, contribuições e obras

– Ensaio sobre liberdade (1945).

Jovellanos (1945).

– Ensaio sobre catolicismo, liberalismo e socialismo. Edição e estudo preliminar de Juan Donoso Cortés (1949).

– A invenção de Dom Quixote (1950).

– Tratado de sociologia (1947).

– Ensaios de sociologia política (1951).

– Introdução às ciências sociais (1952).

– Direitos do indivíduo para uma sociedade de massa (1953).

– Breve teoria da tradução (1956).

– O escritor na sociedade de massa (1956).

– A atual crise da educação (1958).

– Integração social na América (1958).

– Tecnologia e liberdade (1959).

– Experiência e invenção (1960).

– Razão do mundo (1962).

– Deste mundo e do outro (1963).

– Realidade e devaneio (1963).

– A evasão de intelectuais (1963).

– Problemas de tradução (1965).

– Espanha até hoje (1965).

– O curioso impertinente (1967).

– cinema, arte e espetáculo (1969).

– Reflexões sobre a estrutura narrativa (1970).

– El Lazarillo: reexaminado, novo exame de alguns aspectos (1971).

– Os ensaios. Teoria e crítica literária (1972).

– Confrontos (1972).

– Hoje é ontem (1972).

– A leitura do casticismo. Prefácio (1973).

– Cervantes e Quevedo (1974).

– O romance: Galdós e Unamuno (1974).

– O escritor e sua imagem (1975).

– O escritor e o cinema (1975).

– Galdós em seu tempo (1978).

– Time e eu. O Jardim das Delícias Terrenas (1978).

– Palavras e letras (1983).

– A estrutura narrativa e outras experiências literárias (1984).

– A retórica do jornalismo e outra retórica (1985).

– A imagem da Espanha (1986).

– Meu quarto atrás (1988).

– penas de fênix. Estudos de literatura espanhola (1989).

– O escritor em seu século (1990).

– Contra o poder e outros julgamentos (1992).

– Time e eu ou O mundo por trás (1992).

– Em que mundo vivemos (1996).

– Olha o presente: ensaios e sociologia, 1940-1990 (2006).

Algumas traduções

– Lorenzo e Ana, de Arnold Zweig (1930).

– Teoria da constituição, por Carl Schmitt (1934).

– Qual é o terceiro estado?, De Emmanuel Joseph Sièyes (1942).

– Memórias de um sargento de milícia, de Manuel Antônio de Almeida (1946).

– La romana, de Alberto Moravia (1950).

– As cabeças cortadas, de Thomas Mann (1970).

Referências

  1. Francisco Ayala (2019). Espanha: Wikipedia. Recuperado de: es.wikipedia.org.
  2. Tamaro, E. (2004-2019). Francisco Ayala (N / a): Biografias e Vidas. Recuperado de: biografiasyvidas.com.
  3. Francisco Ayala (S. f.). Espanha: Fundação Francisco Ayala. Recuperado de: ffayala.es.
  4. Ramírez, M., Moreno, V., De la Oliva, C. e Moreno, E. (2018). Francisco Ayala (N / a): pesquise biografias. Recuperado de: buscabiografias.com.
  5. Senabre, R. (2006). Francisco Ayala, literatura como missão. Espanha: o cultural. Recuperado de: elcultural.com.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies