Geografia física: o que estuda e ciências auxiliares

A Geografia física é uma subdisciplina da Geografia que se dedica ao estudo das características naturais da Terra, como relevo, clima, vegetação, solos e recursos hídricos. Seu principal objetivo é compreender a dinâmica dos processos naturais que moldam a superfície terrestre e influenciam a vida dos seres vivos. Para isso, a Geografia física utiliza métodos e técnicas de diversas ciências auxiliares, como a Geologia, a Climatologia, a Ecologia, a Pedologia e a Hidrologia, a fim de analisar e interpretar os fenômenos naturais que ocorrem na superfície terrestre. Dessa forma, a Geografia física desempenha um papel fundamental na compreensão e no planejamento do uso sustentável dos recursos naturais e na mitigação dos impactos ambientais.

Estudo dos elementos naturais e processos físicos na geografia.

A Geografia física é uma área da ciência geográfica que se dedica ao estudo dos elementos naturais e processos físicos que ocorrem na superfície terrestre. Entre os principais elementos estudados estão o relevo, o clima, a hidrografia, a vegetação e o solo. Já os processos físicos incluem fenômenos como a erosão, a sedimentação, a formação de relevo e o ciclo da água.

Um dos principais objetivos da Geografia física é compreender a dinâmica dos elementos naturais e dos processos físicos que ocorrem na Terra, buscando explicar como esses elementos interagem entre si e como influenciam a paisagem. Para isso, utiliza-se de métodos e técnicas da Geografia, da Geologia, da Meteorologia, da Hidrologia e de outras ciências afins.

É importante ressaltar que a Geografia física não se limita apenas à descrição dos elementos naturais e dos processos físicos, mas também busca analisar as relações entre esses elementos e a sociedade humana. Dessa forma, contribui para o entendimento dos impactos das atividades humanas sobre o meio ambiente e para o planejamento de ações que visem a preservação e a sustentabilidade dos recursos naturais.

Em resumo, a Geografia física é uma disciplina fundamental para a compreensão da dinâmica da superfície terrestre, dos fenômenos naturais e das interações entre a natureza e a sociedade. Por meio do estudo dos elementos naturais e processos físicos, busca-se ampliar o conhecimento sobre o planeta em que vivemos e promover a conscientização sobre a importância da preservação do meio ambiente.

Principais disciplinas que complementam a Geografia no seu processo de estudo e compreensão.

A Geografia física é uma das principais vertentes da Geografia, que estuda os elementos naturais do planeta Terra, como relevo, clima, vegetação, hidrografia, entre outros. Para um estudo mais aprofundado e uma compreensão mais ampla dessa disciplina, é importante considerar algumas ciências auxiliares que complementam o seu processo de estudo.

Uma das disciplinas que se relacionam diretamente com a Geografia física é a Geologia. A Geologia estuda a estrutura, composição e dinâmica da Terra, fornecendo informações essenciais para a compreensão do relevo e da formação de paisagens. Além disso, a Meteorologia também desempenha um papel fundamental, ao estudar os fenômenos atmosféricos e o clima, auxiliando na análise dos elementos climáticos que influenciam as paisagens geográficas.

Outra disciplina importante é a Biologia, que estuda os seres vivos e sua relação com o meio ambiente. A interação entre a vegetação, a fauna e o meio físico é fundamental para a compreensão da dinâmica das paisagens naturais. Além disso, a Oceanografia contribui para o estudo dos oceanos e mares, que desempenham um papel crucial na regulação do clima e na formação de ecossistemas marinhos.

Relacionado:  Petrologia: o que estuda, ramos e importância

Portanto, para uma compreensão mais abrangente da Geografia física, é essencial considerar a interdisciplinaridade com outras áreas do conhecimento, como Geologia, Meteorologia, Biologia e Oceanografia. Essas disciplinas complementam o estudo da Geografia física, fornecendo uma visão mais ampla e integrada dos processos naturais que moldam o nosso planeta.

Qual a finalidade da geografia física como disciplina de estudo?

A geografia física é uma disciplina que se dedica ao estudo das características naturais da Terra, como o relevo, o clima, a vegetação, os rios, entre outros elementos. Seu principal objetivo é compreender a interação entre esses elementos e como eles influenciam a distribuição dos seres vivos no planeta.

A geografia física também busca analisar os processos naturais que moldam a superfície terrestre, como a erosão, a sedimentação, a tectônica de placas, entre outros. Dessa forma, ela contribui para a compreensão dos fenômenos naturais e a prevenção de desastres naturais, como deslizamentos de terra, enchentes e terremotos.

Além disso, a geografia física auxilia em diversas áreas do conhecimento, como na agricultura, no planejamento urbano, na gestão ambiental e na preservação da biodiversidade. Com o conhecimento adquirido através dessa disciplina, é possível tomar decisões mais conscientes e sustentáveis em relação ao uso dos recursos naturais e ao desenvolvimento das sociedades.

Em resumo, a geografia física é essencial para compreendermos melhor o planeta em que vivemos e para buscarmos soluções para os desafios ambientais que enfrentamos atualmente. É uma disciplina que nos permite conhecer e preservar a nossa casa comum, a Terra.

Conheça as diferentes áreas de estudo da geografia física em detalhes.

A geografia física é uma disciplina que estuda o relacionamento entre o homem e o meio ambiente, analisando as características físicas da Terra. Ela se divide em diversas áreas de estudo, que se complementam para fornecer uma visão abrangente do planeta. Vamos conhecer algumas delas em detalhes.

Geomorfologia:

A geomorfologia é a área da geografia física que estuda as formas da superfície terrestre, como montanhas, planícies, vales, entre outros. Ela analisa os processos que moldam o relevo, como a erosão, o intemperismo e a tectônica de placas. É uma das principais áreas de estudo da geografia física, pois ajuda a compreender a dinâmica do relevo e sua influência sobre o ambiente e as atividades humanas.

Climatologia:

A climatologia é o ramo da geografia física que estuda o clima, ou seja, as condições atmosféricas de uma determinada região ao longo do tempo. Ela analisa fatores como temperatura, umidade, pressão atmosférica, ventos e precipitação. O clima é um dos principais elementos do ambiente natural e exerce grande influência sobre a vegetação, a hidrografia e as atividades humanas.

Hidrografia:

A hidrografia é a área da geografia física que estuda as águas da Terra, como rios, lagos, oceanos e aquíferos. Ela analisa a distribuição, o volume, o movimento e a qualidade da água, além dos processos que a influenciam, como a evaporação, a precipitação e a infiltração. A hidrografia é fundamental para a compreensão dos recursos hídricos e para a gestão sustentável dos mesmos.

Relacionado:  Geologia da Venezuela: períodos, formações, características

Pedologia:

A pedologia é o ramo da geografia física que estuda o solo, sua formação, composição e classificação. Ela analisa os processos de intemperismo, erosão e sedimentação que atuam sobre o solo, influenciando sua fertilidade e capacidade de suporte para as atividades agrícolas e urbanas. A pedologia é essencial para o planejamento do uso da terra e para a conservação dos recursos naturais.

Estas são apenas algumas das áreas de estudo da geografia física, que se interligam e se complementam para proporcionar uma visão integrada do ambiente natural. É importante ressaltar que a geografia física conta com diversas ciências auxiliares, como a geologia, a meteorologia, a ecologia e a oceanografia, que contribuem para a compreensão dos processos que ocorrem na Terra. Por meio do estudo dessas disciplinas, é possível obter um conhecimento mais amplo e profundo sobre o nosso planeta e sua dinâmica.

Geografia física: o que estuda e ciências auxiliares

A geografia física é a ciência que estuda a Terra ‘s superfície, os elementos e fenômenos naturais que ocorrem.Está diretamente ligado às ciências auxiliares que se conectam e favorecem a compreensão dos elementos que influenciam o desenvolvimento da vida planetária.

As ciências auxiliares incluem oceanografia, geomorfologia, climatologia, hidrografia e beogeografia.

Geografia física: o que estuda e ciências auxiliares 1

Que estuda?

A geografia física estuda o espaço geográfico natural composto de solo, relevo, água, clima e vegetação.

Determinar possíveis usos da superfície da Terra, priorizar prioridades de distribuição espacial, destacar seu potencial, apontar possíveis limitações e estimar o impacto no meio ambiente.

Esta ciência também estuda fatores que modelam o espaço e sua influência na distribuição de diferentes formas de vida no planeta. Inclui fenômenos físicos que ocorrem sem a intervenção do homem.

Ciências auxiliares

A geografia física favorece o planejamento territorial de um país através das contribuições das ciências auxiliares. A convergência de conhecimentos de cada disciplina gera benefícios em diferentes ordens:

  • Alerta sobre a prevenção de riscos naturais.
  • Ajuda a minimizar o impacto negativo da intervenção humana (poluição).
  • Facilita o desenvolvimento da infraestrutura (portos, aeroportos).
  • Traçar rotas de transporte marítimo e terrestre.
  • Indica áreas com maior potencial para assentamentos humanos e industriais.
  • Contribui para a construção de barragens que geram eletricidade.
  • Produção agrícola e pecuária.
  • Estudos oceanográficos destacam espaços aquáticos onde plataformas de petróleo podem ser localizadas para extração de petróleo, o que gera benefícios econômicos para o país.
  • As previsões climáticas determinam os tempos para a execução de atividades pecuárias e agrícolas.

A geografia física está relacionada a outras ciências devido à natureza do trabalho que corresponde a cada uma. Destaques:

Oceanografia

Seus estudos visam a análise de processos físicos, químicos, biológicos e geológicos presentes em mares e oceanos.

Basicamente, é classificado em quatro áreas:

-Física : inclui os processos físicos que ocorrem no mar, como correntes, ondas, marés, transmissão e absorção de energia calórica, luminosa e acústica.

Relacionado:  Subsistemas terrestres: o que são e características

– Química : refere-se ao estudo da composição química do mar, ao desenvolvimento da vida marinha e à existência de substâncias orgânicas e inorgânicas poluentes produzidas pela atividade humana e que causam efeitos negativos na cadeia alimentar marinha.

-Biológico : também chamado biologia marinha, ocupa sua pesquisa sobre organismos marinhos e sua relação com o meio ambiente. Faça contribuições significativas para a conservação e proteção de espécies ameaçadas.

-Geológico : avalia as transformações que ocorrem nos oceanos e a conformação das costas. Basicamente, é dedicado ao estudo de rochas, minerais e processos geológicos do mar.

Geomorfologia

Estude as formas da superfície do globo terrestre. Avalia as alterações do relevo e seu ciclo geográfico, ou seja, a origem e as transformações causadas pela influência de fatores erosivos como temperatura, vento e água.

Existem dois ramos:

-Geomorfologia de processos: analisa e descreve as mudanças que se originam no presente por causa de impactos endógenos como movimento da terra e exógenos como erosão.

Geomorfologia histórica: analisa a idade cronológica dos estratos formados desde a era quaternária até o presente.

Climatologia

Como ciência que estuda o clima, contribui para o desenvolvimento econômico e social de uma região, pois prevê condições atmosféricas de longo prazo para atividades relacionadas à agricultura, pecuária, engenharia e arquitetura.

Informe-se sobre o estado da atmosfera e quaisquer variações que ocorram, levando em consideração parâmetros como temperatura, vento, umidade e precipitação. Considere três dimensões:

-Analítica: estabelece valores estatísticos dos elementos atmosféricos e a probabilidade de ocorrência de fenômenos.

-Dinâmica: avalia as mudanças nas manifestações da atmosfera.

– Sinóptico: analisa a configuração dos elementos atmosféricos de acordo com o espaço e o tempo de ocorrência.

Hidrografia

Estude as águas da terra, suas propriedades físicas e químicas. Contribuir para sistemas de irrigação, controle de enchentes, conservação da vida aquática e redução de poluentes.

Dependendo das atividades realizadas, três áreas são distinguidas:

-Fluvial : concentra-se em rios e córregos.

-Laboratório : especificamente relacionado a lagos e seus elementos.

-Marítima : trata do estudo dos mares e suas relações.

Os componentes dessas águas, sua localização e ecossistema estão sujeitos à hidrografia. Eles oferecem informações de interesse para a elaboração de cartas e planos náuticos sobre profundidades, localização de canais, correntes marítimas e possíveis perigos de navegação.

Biogeografia

Analisar a distribuição espacial dos seres vivos, a razão de sua presença em alguns espaços e a sua ausência em outros, identificando causas e mecanismos desse deslocamento.

Adquire uma dimensão histórica ao estudar a evolução da ordenação de territórios, espécies e habitats juntamente com a transformação de fatores ambientais como relevo, solo e clima.

Referências

  1. Clark, AN (1985). Longman Dicionário de Geografia: Humano e Físico. Londres: Longman Group Limited.
  2. Goudie, A. (1994). O dicionário enciclopédico de geografia física. Oxford: Blackwell.
  3. Maury, MF (2003). A Geografia Física do Mar e Sua Meteorologia. Nova York: Dover Publications, INC.
  4. Strahler, AN (1978). Geografia física moderna. Santa Bárbara: Wiley.
  5. Strahler, AN (2013). Teoria de Sistemas em Geografia Física. Geografia Física , 1-27.

Deixe um comentário