Golpe de Estado no Chile: antecedentes, causas, consequências

O Golpe de Estado no Chile, ocorrido em 11 de setembro de 1973, foi um evento marcante na história do país e teve profundas consequências para a sociedade chilena. Este golpe, que resultou na derrubada do presidente democraticamente eleito Salvador Allende, foi liderado pelo general Augusto Pinochet e teve como principais antecedentes a polarização política e social existente no país, causada pela implementação de reformas de cunho socialista pelo governo de Allende. As consequências do golpe incluíram a instauração de uma ditadura militar, marcada por violações aos direitos humanos, perseguições políticas e repressão violenta aos opositores do regime, que perdurou por 17 anos. O Golpe de Estado no Chile teve um impacto duradouro na sociedade chilena e na política do país, deixando marcas que ainda são sentidas até os dias atuais.

Por que ocorreu o golpe militar no Chile e quais foram suas causas?

O Golpe Militar no Chile, ocorrido em 1973, foi resultado de uma série de antecedentes políticos e sociais que culminaram na queda do governo democrático de Salvador Allende. As causas desse golpe podem ser atribuídas a diversos fatores, tais como a polarização política no país, a crise econômica e a interferência externa dos Estados Unidos.

Antes do golpe, o Chile vivia um clima de intensa polarização política entre a esquerda e a direita. O governo de Allende, eleito democraticamente, implementou reformas sociais e econômicas que desagradaram a elite conservadora e setores militares do país. Isso gerou um clima de instabilidade e confronto que favoreceu a intervenção militar.

Além disso, a crise econômica que assolava o Chile na época contribuiu para a insatisfação da população e para a deslegitimação do governo de Allende. A escassez de alimentos, a inflação descontrolada e o aumento do desemprego foram fatores que alimentaram o descontentamento popular e fortaleceram o discurso golpista das Forças Armadas.

Por fim, a interferência externa dos Estados Unidos foi um elemento determinante para o sucesso do golpe no Chile. A CIA financiou e apoiou ativamente as ações golpistas, visando conter a influência do socialismo na América Latina e proteger os interesses econômicos das empresas americanas no país.

Em consequência do golpe, o Chile mergulhou em um período de repressão e violações aos direitos humanos sob o regime militar de Augusto Pinochet. Milhares de pessoas foram presas, torturadas e executadas, e a democracia só foi restaurada no país em 1990, após o fim do governo ditatorial.

Características principais da ditadura chilena: um panorama detalhado do regime autoritário no Chile.

A ditadura chilena foi um período sombrio da história do Chile, que durou de 1973 a 1990. Caracterizada pela repressão, censura e violações aos direitos humanos, o regime autoritário liderado por Augusto Pinochet deixou marcas profundas na sociedade chilena.

Uma das principais características da ditadura chilena foi a repressão brutal contra opositores políticos. Muitos foram presos, torturados e executados sem julgamento justo, em um clima de terror que silenciou a dissidência por anos. Além disso, a censura à imprensa e a perseguição a intelectuais e artistas que se opunham ao regime eram comuns.

Outra característica marcante da ditadura chilena foi o modelo econômico neoliberal implementado por Pinochet, que privilegiava o livre mercado e a desregulamentação da economia. Isso resultou em altos índices de desigualdade social e pobreza, exacerbando as condições de vida da população mais vulnerável.

Além disso, a ditadura chilena ficou conhecida pelas violações sistemáticas aos direitos humanos, documentadas por organizações internacionais de direitos humanos. Os desaparecimentos forçados, torturas e execuções sumárias cometidas pelas forças de segurança deixaram cicatrizes que ainda são sentidas no Chile.

Em suma, a ditadura chilena foi um período marcado pela violência, censura e repressão, que deixou um legado sombrio na história do país. A transição para a democracia em 1990 representou um passo importante na superação desse período autoritário, mas as consequências da ditadura ainda são visíveis na sociedade chilena.

Golpe de Estado no Chile: antecedentes, causas, consequências.

Os eventos do dia 11 de setembro de 1973 no Chile: o que ocorreu?

No dia 11 de setembro de 1973, um Golpe de Estado liderado pelas Forças Armadas chilenas derrubou o presidente democraticamente eleito Salvador Allende. Durante o golpe, o Palácio de La Moneda, sede do governo, foi bombardeado e Allende foi encontrado morto em circunstâncias ainda não totalmente esclarecidas. Esse evento marcou o início de um período sombrio na história do Chile, com a instauração de uma ditadura militar liderada por Augusto Pinochet.

Golpe de Estado no Chile: antecedentes, causas, consequências

Os antecedentes do Golpe de Estado no Chile remontam à polarização política que se intensificou ao longo do governo de Allende. Sua política de nacionalizações e reformas sociais gerou resistência por parte da elite econômica e militar, que viam essas medidas como uma ameaça aos seus interesses. Além disso, a influência dos Estados Unidos na região, que via com desconfiança o governo de Allende por sua orientação socialista, também contribuiu para o clima de instabilidade.

As causas do golpe foram, portanto, uma combinação de fatores internos e externos que culminaram na ação das Forças Armadas. O golpe teve o apoio de setores conservadores da sociedade chilena e da CIA, que financiou e treinou grupos opositores ao governo de Allende. A violência e repressão que se seguiram ao golpe resultaram em milhares de mortos, desaparecidos e exilados, além de uma profunda ruptura na sociedade chilena.

As consequências do Golpe de Estado no Chile foram devastadoras. A ditadura de Pinochet durou 17 anos e deixou um legado de violações dos direitos humanos, censura, perseguições políticas e uma economia neoliberal que beneficiou os setores mais ricos da sociedade. As feridas desse período ainda estão abertas na sociedade chilena, que luta até hoje para superar as marcas deixadas por essa página sombria de sua história.

Quando ocorreu o término do regime ditatorial no Chile?

O regime ditatorial no Chile chegou ao fim em 1990, após a realização de um plebiscito que resultou na derrota do ditador Augusto Pinochet. O golpe de Estado que instaurou a ditadura militar no Chile ocorreu em 11 de setembro de 1973, liderado pelas Forças Armadas contra o governo democraticamente eleito de Salvador Allende.

Os antecedentes do golpe de Estado no Chile remontam ao contexto da Guerra Fria, com a influência dos Estados Unidos na América Latina e o medo do avanço do comunismo. As causas do golpe incluem a crise econômica, a polarização política e a radicalização das forças de esquerda e direita no país.

As consequências do golpe de Estado foram devastadoras para o povo chileno, com milhares de mortos, desaparecidos e torturados durante a ditadura de Pinochet. A repressão política e a censura marcaram esse período sombrio da história do Chile.

Após 17 anos no poder, Pinochet foi obrigado a deixar a presidência em 1990, após a pressão da sociedade civil e da comunidade internacional. A transição para a democracia foi marcada pela reconciliação nacional e pela busca por justiça para as vítimas da ditadura.

Golpe de Estado no Chile: antecedentes, causas, consequências

O golpe de estado no Chile (1973) foi um pronunciamento militar que visava derrubar o governo democrático liderado pela Unidade Popular, uma coalizão de vários partidos da esquerda chilena. O golpe ocorreu em 11 de setembro de 1973 e foi liderado pelo comandante em chefe do Exército, Augusto Pinochet.

Relacionado:  95 Maldições Reais Ciganas

As eleições de 1970 marcaram a chegada de Salvador Allende, candidato à Unidade Popular. Seu programa continha muitas medidas socialistas, como a reforma agrária ou a nacionalização de alguns setores econômicos importantes para o país.

Golpe de Estado no Chile: antecedentes, causas, consequências 1

Bombardeio de La Moneda – Fonte: Site de história política da Biblioteca do Congresso Nacional do Chile, sob a licença Creative Commons Attribution 3.0 Chile

Desde antes da proclamação de Allende como presidente, a oposição ao seu governo havia sido muito dura. Lá dentro, a classe alta, a extrema direita e as Forças Armadas logo começaram a agir contra elas. No exterior, no contexto da Guerra Fria, os Estados Unidos apoiaram e financiaram as manobras para derrubá-la.

Após uma tentativa de golpe anterior, conhecida como Tanquetazo, as Forças Armadas foram conjuradas em 11 de setembro. Naquele dia, o Palácio de La Moneda foi tomado pelos militares. Salvador Allende preferiu cometer suicídio antes de ser capturado. O resultado do golpe foi uma ditadura militar que durou até 1990.

Antecedentes

As eleições realizadas no Chile em 1970 foram vencidas por uma aliança de vários partidos de esquerda chamada Unidade Popular. Seu candidato à presidência foi Salvador Allende.

Foi a primeira vez que uma candidatura promovendo um sistema socialista chegou ao poder através das pesquisas. O chamado “caminho chileno para o socialismo” obteve, inicialmente, o apoio da democracia cristã.

Proclamação de Allende

Para ser presidente inaugurado, Allende teve que obter a maioria dos votos no Congresso. Apesar de sua vitória nas eleições, a Unidade Popular não tinha representantes suficientes para isso, então teve que obter o apoio de algum outro grupo.

Dessa forma, tanto a direita, liderada por Alessandri, quanto a democracia cristã, consideraram adicionar seus votos e eleger um presidente diferente. Finalmente, os democratas-cristãos decidiram continuar com a tradição chilena de investir o candidato mais votado.

Em troca, a União Popular concordou em aprovar um Estatuto de Garantias, que foi incorporado à Constituição em 1971.

Schneider Murder

A partir do momento das eleições, vários grupos de extrema direita começaram a agir para tentar evitar a proclamação de Allende.

Dessa maneira, membros da organização fascista Patria y Libertad, liderada pelo general Roberto Viaux e com apoio americano, planejaram um plano para sequestrar René Schneider, então comandante em chefe do Exército.

O objetivo dessa ação era a intervenção das Forças Armadas e o cancelamento da sessão do Congresso. Além disso, Schneider era um forte defensor da manutenção da obediência à Constituição e, portanto, que os militares não interferiam na vida política do país.

Os conspiradores tentaram sequestrar Schneider em 19 de outubro de 1970, sem sucesso. No dia seguinte, fizeram uma nova tentativa e prepararam uma emboscada no carro em que o chefe militar estava viajando.

Schneider, em vez de desistir de ser cercado, tentou se defender com sua arma. No entanto, ele estava em inferioridade numérica e acabou recebendo várias fotos dos seqüestradores. Embora ele tenha chegado ao hospital, ele morreu em 25 de outubro.

O governo popular

Já na presidência, Allende começou a normalizar as relações diplomáticas com os países socialistas, incluindo Cuba, que estava sob o bloqueio decretado pelos Estados Unidos.

Como prometido, Allende estendeu a Lei de Reforma Agrária, que levou à desapropriação de terras. Em 1972, essa iniciativa significou o desaparecimento de grandes propriedades.

Por outro lado, empreendeu um processo de nacionalização de empresas e setores produtivos. No caso do cobre, a proposta chegou a receber o apoio dos partidos de direita. Ele não obteve a mesma resposta positiva quando começou a recuperar as principais empresas do país, que haviam sido privatizadas anteriormente.

Embora, durante os primeiros meses, a economia tenha apresentado bons resultados, a tendência mudou completamente em 1972. O aumento do gasto público em assuntos sociais fez com que o déficit aumentasse.

Estados Unidos

No meio da Guerra Fria e após a Revolução Cubana, os Estados Unidos não estavam dispostos a ver outro país socialista na região. Documentos desclassificados pelo governo dos EUA mostram como o governo do presidente Richard Nixon financiou e promoveu campanhas para sabotar a economia chilena.

Além disso, os americanos começaram a incentivar as Forças Armadas chilenas a derrubar Allende.

A greve de outubro

Fatores internos e externos foram combinados em outubro de 1972, para que a convocação de uma greve nacional pela Truck Owners Association fosse um sucesso.

Entre os presos, destacaram-se a crise econômica que assolava o país e o medo de que o governo nacionalizasse o setor. Por outro lado, os documentos divulgados pelos Estados Unidos mostram como este país apoiou essa organização na realização da greve.

O resultado foi que a distribuição de alimentos e outros bens quase paralisou, causando sérios problemas de suprimento.

Os oponentes de Allende aproveitaram a oportunidade para participar da chamada. O país praticamente parou completamente.

A greve terminou quando Allende remodelou o governo para incorporar alguns soldados. Entre eles, Carlos Prats, responsável pelo Interior, ou Claudio Sepúlveda, em Mineração.

Eleições Parlamentares de 1973

Apesar de todos os problemas econômicos, a Unidade Popular obteve uma vitória confortável, com 45% dos votos, nas eleições legislativas realizadas em março de 1973.

Os partidos da oposição prometeram dispensar Allende se conseguissem ganhar dois terços dos assentos, mas ficaram longe desse objetivo.

Allende então tentou negociar com os democratas para chegar a um acordo sobre soluções conjuntas para superar a crise, mas sem encontrar uma resposta positiva de seus rivais.

Naquela época, a possibilidade de um golpe militar era uma das preocupações de Allende. O apoio do comandante em chefe do exército, Carlos Prats, foi a única coisa que o impediu.

O Tanquetazo

Os temores do governo se tornaram realidade em 29 de junho de 1973. Naquele dia, o tenente-coronel Roberto Souper estrelou uma tentativa de golpe de estado. Para fazer isso, ele mobilizou um regimento blindado, que fez com que o levante se chamasse El Tanquetazo.

As forças do governo conseguiram parar o golpe e, naquela mesma tarde, uma grande demonstração de apoio a Allende foi convocada em frente ao Palácio de la Moneda, sede do Presidente do Chile. Nesse mesmo dia, o governo declarou o estado de sítio por seis meses.

Segundo as declarações de Augusto Pinochet, que não participou dessa tentativa, o Tanquetazo serviu para verificar a resistência que os apoiadores do presidente poderiam apresentar antes de um golpe de estado.

A ascensão de Augusto Pinochet

Um dos eventos que mais ajudou o golpe foi a renúncia de Carlos Prats como comandante em chefe das Forças Armadas. Isso ocorreu após uma grande manifestação contra ele convocada por esposas de generais, em 21 de agosto de 1973.

Durante o curso da reunião, os participantes insultaram Prats. Quando Allende e Pinochet, na época o segundo da cadeia de comando, chegaram ao local onde a manifestação estava ocorrendo, eles foram recebidos com mais insultos.

Prats, afetado pelo que aconteceu, pediu aos generais que confirmassem sua lealdade a sua pessoa. A maioria não, então ele apresentou sua demissão. Depois disso, ele recomendou Pinochet como seu substituto, um compromisso confirmado por Allende.

Causas

Como observado, as causas que levaram ao golpe de estado no Chile incluem eventos internos no país e a situação internacional.

Guerra fria

Desde o final da Segunda Guerra Mundial, as duas grandes potências da época, os EUA e a URSS, mantiveram uma rivalidade mundial, tanto ideológica quanto de poder. Os dois países nunca chegaram a enfrentar diretamente, mas praticamente todos os conflitos ocorridos nas décadas seguintes tiveram sua participação indireta.

Nesse contexto, o governo socialista de Allende foi considerado uma ameaça pelos Estados Unidos. Estes, após a Revolução Cubana, não estavam dispostos a ver outro aliado soviético aparecer na América Latina.

Posição nos Estados Unidos

Pelo motivo exposto acima, os Estados Unidos tiveram uma participação ativa nas tentativas de derrubar Allende. Como disse Nixon, “sua principal preocupação no Chile é a possibilidade de consolidação de Allende e que sua imagem para o mundo é seu sucesso”.

Já nos dias após a eleição da Unidade Popular, o secretário de Estado dos EUA, Henry Kissinger, começou a planejar como derrubar Allende, conforme revelado por documentos desclassificados pelos Estados Unidos.

Uma conversa igualmente desclassificada entre Kissinger, o presidente Nixon e o diretor da CIA, Richard Helms, prova como os EUA ajudaram a desestabilizar a economia chilena.

Nixon deu ordens para agir, apontando que “faremos a economia chilena gritar”. A partir desse momento, eles desenvolveram várias estratégias para afundar a economia.

Além do exposto, os Estados Unidos também financiaram e apoiaram grupos que defendiam levantes armados para derrubar Allende. Como exemplo, ajuda monetária a Garrastazu Medici, um ditador brasileiro, para convencer os militares chilenos a dar um golpe de estado.

Crise econômica

Entre a intervenção americana, a oposição da oligarquia e a inadequação de algumas das medidas adotadas pelo governo, a economia chilena entrou em crise em 1972. Os gastos públicos dispararam devido ao aumento de salários no setor estatal, que causou o aumento do déficit.

A inflação também disparou, pois o governo teve que emitir moeda devido à impossibilidade de receber financiamento externo. Isso resultou no surgimento de um mercado negro e na falta de lojas em algumas commodities.

O governo tentou conter essa situação criando os chamados Conselhos de Suprimentos e Preços (JAP). No entanto, logo surgiram reclamações de que essas organizações favoreciam os partidários da Unidade Popular.

Confrontos nas ruas

Desde antes das eleições, incidentes violentos nas ruas chilenas eram frequentes. Estes foram provocados tanto por membros do MIR (Movimento da Esquerda Revolucionária), apoiadores de Allende, como pela extrema direita da Pátria e Liberdade.

Os confrontos entre os dois grupos se espalharam e começaram a se tornar cada vez mais violentos, causando ferimentos e até morte.

Além disso, a partir de 1973, organizações de extrema direita também começaram a realizar ataques para tentar derrubar o governo de Allende. O ataque mais conhecido foi o assassinato do comandante naval do presidente, comandante da Marinha Arturo Araya Peeters.

Votação no Congresso

Embora, provavelmente, o golpe tenha ocorrido igualmente, o voto no Congresso, de maioria democrática e de direita, sobre a inconstitucionalidade do governo, foi usado como desculpa legal pelos conspiradores.

Desenvolvimento

A organização do golpe teve como centro nervoso a cidade de Viña del Mar. Lá se reuniram militares e civis que queriam acabar com o governo de Allende.

Preparações

Embora tivessem grande apoio dentro das Forças Armadas, a presença de Carlos Prats no governo era um grande obstáculo, pois possuía a fidelidade do exército.

Esse problema desapareceu quando Prats apresentou sua demissão. Em vez disso, ele foi nomeado Augusto Pinochet, que na época era desconhecido dos conspiradores, que não sabiam ao certo se ele se juntaria à revolta.

Outro aspecto que eles tiveram que considerar foi a data. Os conspiradores queriam que o golpe ocorresse antes de 18 de setembro, quando os feriados nacionais eram comemorados no Chile.

Finalmente, eles escolheram o 11 de setembro, às 6h30, como a data final do golpe. Nos dias anteriores, os líderes tentaram descobrir se Pinochet iria participar, mas o general sempre respondia com ambiguidade.

Segundo alguns historiadores, no dia 9, Allende anunciou a Pinochet e outros generais que planejava convocar um plebiscito. Naquela mesma tarde, vários soldados envolvidos no golpe visitaram Pinochet, para saber qual posição ele tomaria. No final da reunião, ele e Leigh deram apoio aos conspiradores do golpe.

11 de setembro em Valparaíso

Naquela época, estavam sendo desenvolvidas manobras navais lideradas pelos Estados Unidos. Os líderes do golpe aproveitaram essa cobertura para iniciar seu plano. Além disso, a participação dos americanos em várias fases do golpe foi comprovada.

Os navios da Marinha chilena que iam participar do pronunciamento partiram na tarde de 10 de setembro. Como observado, a desculpa era participar das manobras acima mencionadas. Ao mesmo tempo, os oficiais ordenaram que o exército fosse esquartejado, declarando que os distúrbios poderiam ocorrer.

Seguindo o plano planejado, às 6h30 do dia 11 de setembro, os navios retornaram a Valparaíso. Em seguida, as tropas se deslocaram pela cidade, assumindo o controle sem encontrar resistência.

As autoridades da cidade, ao ver a situação, contataram a polícia e Allende. Segundo os cronistas, isso tentou localizar Pinochet e Leigh, mas sem sucesso.

Santiago

Salvador Allende, juntamente com sua guarda pessoal, foi ao Palácio de la Moneda. Lá ele descobriu que o prédio estava cercado por um golpe militar. Muitos funcionários do governo também começaram a chegar ao palácio.

Enquanto isso acontecia, Pinochet estava encarregado de assumir o controle das comunicações no país. Além de silenciar quase todas as estações de rádio, ele organizou uma rede de comunicação com o restante dos líderes do golpe.

Em La Moneda, Allende ainda estava tentando localizar Pinochet. Naquela época, eu ainda pensava que permaneceria fiel ao governo e, segundo os historiadores, chegou a dizer “pobre Pinochet, você deve estar preso”.

Quem ficou com o presidente foi o chefe da polícia, que apareceu no palácio para oferecer seus serviços.

Foi então que Allende conseguiu emitir sua primeira mensagem ao país. Allende contou ao povo chileno o que estava acontecendo. Da mesma forma, ele pediu prudência, sem pedir a ninguém que tomasse armas em sua defesa.

Primeira proclamação de golpe

Os golpistas fizeram sua primeira declaração pública por volta das 8:40 da manhã. Nela, eles exigem a renúncia de Allende à presidência, que seria ocupada por um Conselho de Administração formado pelos chefes das Forças Armadas: Leigh, Marino, Mendoza e Pinochet.

Eles também lançaram um ultimato ao governo: bombardear o Palácio de la Moneda, se não fosse despejado antes das 11.

Reacções

Quase pela primeira vez desde o início do golpe, a proclamação dos líderes do golpe provocou a reação dos apoiadores de Allende. A CUT tentou organizar trabalhadores para plantar resistência às forças armadas, embora Allende, em uma nova declaração, não pedisse resistência armada.

No palácio seguiram-se as reuniões entre o presidente e seus ministros. Muitos tentaram convencê-lo a deixar La Moneda, mas Allende se recusou a fazê-lo. Os próprios golpistas ofereceram a Allende a possibilidade de deixar o país. A resposta foi negativa.

Relacionado:  Carta da Jamaica: importância e impacto na história

Poucos minutos antes das 10 da manhã, um destacamento de tanque se aproximou de La Moneda. Alguns atiradores leais ao presidente tentaram que os blindados não avançassem e os tiros cruzados foram registrados.

O último discurso de Allende

A última comunicação de Allende à nação ocorreu às 10:15. Nele, ele reafirma sua intenção de não desistir e se declara disposto a morrer resistindo.

Ataque à moeda

Alguns minutos após o último discurso público de Allende, La Moneda começou a ser atacado por tanques estacionados nas proximidades.

Allende, novamente, se recusa a se render e rejeita a oferta de exílio do país. Gradualmente, a equipe de acompanhamento começou a deixar o prédio, incluindo suas filhas.

Por volta das 12:00, vários aviões começaram a bombardear La Moneda, causando grandes danos ao edifício. Por seu lado, os soldados jogaram bombas de gás lacrimogêneo dentro.

Ao mesmo tempo, a residência presidencial de Tomás Moro também foi bombardeada por outros aviões. Durante esse ataque, por engano, um dos projéteis chegou ao Hospital da Força Aérea.

A morte de Allende

Apesar do bombardeio aéreo e das bombas lacrimais, Allende ainda resistia lá dentro. Diante disso, os líderes do golpe de Javier Palacios decidiram entrar no prédio.

A entrada do palácio era cerca das duas e meia. Os poucos companheiros do presidente o aconselham a se render, mas ele ordenou que deixassem suas armas e se rendessem para salvar suas vidas. Ele, por sua vez, decidiu permanecer em sua posição.

Embora tenha havido alguma controvérsia sobre o que aconteceu a seguir, a justiça chilena confirmou a história do médico de Allende, uma testemunha direta do fato, e que a família do presidente defendeu.

Segundo o médico, Patricio Guijón, o presidente gritou: “Allende não desiste, milícias de merda!”. E então se suicidou atirando em si mesmo com seu rifle.

Foi Jorge Palacios quem informou os líderes do golpe sobre a morte de Allende. Suas palavras, reunidas, foram: “Missão cumprida. Moeda usada, presidente morto.

Consequências

A primeira medida tomada pela Junta Militar resultante do golpe foi declarar um toque de recolher em todo o Chile. A partir das 15h, os rádios ativos eram silenciados e seus trabalhadores presos. O mesmo aconteceu com os jornalistas de algumas mídias escritas.

Fora das cidades, os militares prenderam os líderes da Reforma Agrária, passando a executar muitos deles.

Durante os dias seguintes, a Junta declarou o Partido Comunista e o Socialista fora da lei. Da mesma forma, o Senado fechou e os outros partidos políticos, o Nacional, o Democrata e o Radical, foram suspensos em suas atividades.

Estádio Nacional do Chile

O Conselho Militar exortou todos os que tiveram algum tipo de atividade política ou sindical a ir às delegacias de polícia. As prisões de quem era considerado esquerdista dispararam.

O centro de detenção mais conhecido era o Estado Nacional do Chile, onde foram transferidas 30.000 pessoas. Lá, os militares executaram aqueles que consideravam mais perigosos, incluindo o famoso músico Victor Jara.

Por outro lado, houve prisões e execuções na Universidade Técnica de Santiago. Nos centros de produção, os trabalhadores que não foram expurgados foram forçados a trabalhar para manter o ritmo da produção.

Nas populações tradicionalmente partidárias da Unidade Popular, como La Legua ou La Victoria, ocorreram prisões em massa. Com pior sorte eles correram em outros locais, como Villa La Reina, onde todos os líderes esquerdistas foram executados no local.

Refugiados políticos

Dada a repressão desencadeada e o medo que se espalhou por amplos setores da população, as embaixadas daqueles países considerados amigáveis ​​estavam cheias de refugiados.

Aqueles que tiveram alguma atividade política escolheram as embaixadas da Suécia, Austrália, México, Cuba ou União Soviética. Enquanto isso, o Canadá era o destino daqueles que não tinham um relacionamento direto com o governo.

Por seu lado, as autoridades americanas reclamaram, em particular, da cobertura da imprensa. Desde muito tempo, a participação dos Estados Unidos no golpe havia sido descoberta.

Kissinger, em outra conversa desclassificada, disse ao Presidente Nixon o seguinte: “Nós não fizemos isso … quero dizer, nós os ajudamos. [frase censurada pelo governo dos EUA] criou as condições mais altas possíveis … Na era Eisenhower, seríamos considerados heróis. ”

Consequências políticas

Politicamente, a principal consequência do golpe foi o estabelecimento de uma ditadura militar que durou até 1990.

Após o triunfo do golpe, o governo foi exercido por uma Junta Militar. Sua ideologia era conservadora, autoritária e anticomunista. Entre suas medidas, a repressão da oposição e a eliminação da liberdade de imprensa.

O homem forte deste governo militar foi Augusto Pinochet, cuja posição estava acima da dos demais membros do Conselho. Isso, por sua vez, ocupou o papel do Congresso, assumindo o poder legislativo e o constituinte.

Consequências econômicas

No campo econômico, o Chile passou por várias etapas diferentes. Em geral, os especialistas apontam que se tornou um país subsidiário, deixando para trás seu estágio como nação produtora. O Conselho Militar baseou sua política econômica em teorias neoliberais dos Estados Unidos.

Assim, a partir de 1975, a economia chilena foi deixada para os chamados garotos de Chicago, um grupo de economistas treinados na universidade daquela cidade americana e fortes apoiadores do neoliberalismo.

Com suas medidas, a indústria chilena entrou em profunda crise, embora os números macroeconômicos tenham sido positivos, como foi o caso de bons dados de inflação.

A Reforma da Previdência foi uma das grandes apostas da ditadura para mudar as estruturas econômicas. Os resultados foram positivos para as empresas e para o próprio Estado, mas os trabalhadores e aposentados sofreram uma grande perda de salário.

Outra de suas reformas, a trabalhista, teve como principal objetivo a eliminação dos sindicatos, além de flexibilizar o mercado de trabalho. Isso acabou causando um aumento da instabilidade dos trabalhadores, principalmente da classe média e baixa.

Consequências sociais

Diretamente relacionada à política econômica, a sociedade chilena após o golpe apresentou uma grande desigualdade. As classes altas mantiveram ou aumentaram seus lucros, enquanto as classes média e baixa perderam o poder de compra.

Consequências culturais

Para os golpistas chilenos, a cultura nunca foi uma prioridade. Além disso, eles consideraram que a maioria dos autores eram esquerdistas e, portanto, suprimiram qualquer indício de atividade cultural, no que era conhecido como “apagão cultural”.

Referências

  1. Lopez, Celia. 11 de setembro de 1973: O golpe de estado no Chile. Obtido de redhistoria.com
  2. Agência EFE. Milhares de documentos confirmam que os EUA apoiaram o golpe de Pinochet em 1973. Obtido de elmundo.es
  3. Biblioteca Nacional do Chile. 1-11 de setembro de 1973. Recuperado de memoriachilena.gob.cl
  4. O’Shaughnessy, Hugh. Golpe chileno: há 40 anos, vi Pinochet esmagar um sonho democrático. Obtido em theguardian.com
  5. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Augusto Pinochet. Obtido em britannica.com
  6. Bonnefoy, Pascale. Documentando o papel dos EUA na queda da democracia e a ascensão do ditador no Chile. Obtido em nytimes.com
  7. The Washington Post Company. O Chile de Pinochet. Obtido em washingtonpost.com
  8. Van Der Spek, Boris. A batalha pelo Chile – as últimas horas de Salvador Allende em La Moneda. Obtido de chiletoday.cl

Deixe um comentário