Gregor Mendel: biografia do pai da genética moderna

Gregor Mendel foi um monge agostiniano e cientista da República Tcheca, nascido em 1822. Ele é conhecido como o pai da genética moderna devido às suas descobertas revolucionárias sobre a hereditariedade em plantas. Mendel realizou experimentos com ervilhas, observando cuidadosamente as características que eram transmitidas de geração em geração. Suas leis da hereditariedade, publicadas em 1865, foram fundamentais para o desenvolvimento da genética como área de estudo independente. Mendel faleceu em 1884, sem saber o impacto duradouro que suas descobertas teriam na ciência.

Biografia resumida de Gregor Mendel: um breve relato sobre sua vida e contribuições.

Gregor Mendel, também conhecido como o pai da genética moderna, nasceu em 1822 na Áustria. Ele era um monge agostiniano que passou a maior parte de sua vida no mosteiro de St. Thomas, onde estudou matemática e ciências naturais.

Mendel ficou famoso por seus experimentos com ervilhas, nos quais ele observou padrões de hereditariedade. Ele descobriu que certas características eram transmitidas de geração em geração de acordo com leis matemáticas previsíveis, que mais tarde se tornaram conhecidas como as leis de Mendel.

Apesar de suas descobertas revolucionárias, Mendel não foi reconhecido em vida e seus experimentos foram amplamente ignorados. Foi somente após sua morte, em 1884, que seus trabalhos foram redescobertos e ele foi aclamado como um dos maiores cientistas da história.

Hoje, Gregor Mendel é lembrado como um pioneiro da genética e suas contribuições continuam a influenciar a ciência até os dias atuais. Suas descobertas abriram caminho para o desenvolvimento da genética moderna e revolucionaram nossa compreensão sobre a hereditariedade.

Principais descobertas de Mendel na genética e nas leis da hereditariedade.

Gregor Mendel, conhecido como o pai da genética moderna, foi um monge agostiniano e cientista que realizou importantes estudos sobre a hereditariedade em plantas de ervilha no século XIX. Suas experimentações levaram a descobertas fundamentais que revolucionaram a compreensão da transmissão de características genéticas.

Entre as principais descobertas de Mendel estão as leis da hereditariedade, que ficaram conhecidas como as leis de Mendel. A primeira lei, conhecida como a Lei da Segregação, estabelece que os genes ocorrem em pares e são separados durante a formação dos gametas, garantindo que cada descendente receba um gene de cada pai.

A segunda lei, chamada Lei da Distribuição Independente, demonstra que os genes para diferentes características são herdados independentemente uns dos outros, o que possibilita a ocorrência de novas combinações genéticas. Essas leis foram essenciais para o desenvolvimento da genética como ciência.

Além disso, Mendel descobriu que algumas características são dominantes sobre outras, o que influencia a expressão dos genes nos descendentes. Essa ideia foi fundamental para a compreensão da herança genética em seres vivos.

Relacionado:  Karl Marx: biografia deste filósofo e sociólogo

Seu trabalho lançou as bases para a genética moderna e sua influência perdura até os dias atuais, sendo fundamental para a compreensão da transmissão de características genéticas nos seres vivos.

Importância de Mendel na ciência: sua contribuição e legado para a genética.

Gregor Mendel, um monge agostiniano do século XIX, é considerado o pai da genética moderna devido às suas importantes contribuições para a ciência. Mendel realizou experimentos com ervilhas, nos quais observou padrões de herança que mais tarde seriam conhecidos como as leis de Mendel.

As leis de Mendel são fundamentais para a compreensão da transmissão de características genéticas de uma geração para outra. Suas descobertas revolucionaram a biologia e abriram caminho para o desenvolvimento da genética como disciplina científica.

As contribuições de Mendel para a genética não foram reconhecidas durante sua vida, mas seu trabalho foi redescoberto décadas após sua morte. Desde então, suas leis têm sido amplamente estudadas e aplicadas em diversos campos da ciência, da agricultura à medicina.

O legado de Mendel na genética é inegável, e sua importância para a ciência é indiscutível. Seu método experimental rigoroso e sua abordagem sistemática para o estudo da hereditariedade continuam a influenciar os cientistas até os dias de hoje, inspirando novas descobertas e avanços na área da genética.

A teoria de Mendel sobre a hereditariedade e a transmissão dos caracteres genéticos.

Gregor Mendel, um monge agostiniano do século XIX, é conhecido como o pai da genética moderna. Suas experiências com ervilhas no jardim do mosteiro levaram à descoberta de leis fundamentais que explicam a hereditariedade e a transmissão dos caracteres genéticos.

Mendel observou que os organismos herdam seus traços de maneira previsível, através de fatores que agora chamamos de genes. Ele postulou que cada organismo possui dois alelos para cada característica, um herdado da mãe e outro do pai. Esses alelos podem ser dominantes ou recessivos, determinando a expressão do traço observado.

De acordo com a teoria de Mendel, durante a reprodução, os alelos são separados e distribuídos aleatoriamente para os descendentes. Isso explica por que alguns traços podem pular gerações e ressurgir em descendentes posteriores. Além disso, Mendel também descobriu a lei da segregação, que afirma que cada alelo é transmitido de forma independente dos outros durante a formação dos gametas.

Essas descobertas revolucionaram a compreensão da hereditariedade e tiveram um impacto significativo no campo da genética. A teoria de Mendel fornece as bases para a genética moderna, permitindo a previsão e manipulação de características em organismos vivos. Seu trabalho pioneiro estabeleceu as bases para a pesquisa em genética e abriu caminho para importantes avanços na medicina e na agricultura.

Gregor Mendel: biografia do pai da genética moderna

Gregor Mendel: biografia do pai da genética moderna 1

Gregor Mendel (1843-1822) era um botânico com formação em filosofia, física e matemática, que é creditado por ter descoberto a base matemática das ciências genéticas, que atualmente é chamada de “mendelismo”.

A seguir , veremos a biografia de Gregor Mendel , bem como suas principais contribuições para a genética moderna.

Biografia de Gregor Mendel, pai da genética

Gregor Johann Mendel nasceu em 20 de julho de 1822, na comunidade rural Heinzendorf bei Odrau, no antigo Império Austríaco, agora na República Tcheca. Ele era filho de camponeses com poucos recursos financeiros, então Mendel passou a infância trabalhando como agricultor, uma questão que mais tarde o ajudou a concluir os estudos do ensino superior.

Ele estudou no instituto filosófico de Olomouc, onde mostrou grandes habilidades em física e matemática . Apesar dos desejos de sua família de continuar na fazenda da família, Gregor Mendel iniciou sua formação teológica desde 1843. Isso foi influenciado porque suas habilidades acadêmicas foram logo reconhecidas pelo padre local. Em 1847 ele foi ordenado sacerdote e em 1851 foi enviado à Universidade de Viena para continuar seus estudos.

Lá ele treinou sob o acompanhamento do físico austríaco Christian Doppler e do físico-matemático Andreas von Ettingshausen. Mais tarde, estudou anatomia e fisiologia das plantas e se especializou no uso de microscópio, sob a orientação do botânico Franz Unger, especialista em teoria celular e apoiou o desenvolvimento de uma teoria da evolução pré-darwiniana, que influenciou importante na tese de Mendel.

Apesar de ter vivido ao mesmo tempo que Darwin e ter lido alguns de seus textos, não há evidências de que houvesse troca direta entre Mendel e Darwin e seus professores.

Mendel logo foi motivado pela investigação da natureza , o que o levou ao estudo de diferentes espécies vegetais, mas também à área da meteorologia e a diferentes teorias da evolução. Entre outras coisas, ele descobriu que as diferentes variedades de ervilhas têm propriedades intrínsecas particulares que, quando misturadas, acabam produzindo novas espécies de plantas como unidades independentes.

Seus estudos lançaram as bases para a descoberta da atividade hereditária de genes, cromossomos e divisão celular , que mais tarde foram conhecidas como leis de Mendel. Gregor Mendel morreu em 6 de janeiro de 1884 na Áustria-Hungria, por causa de doença renal. Ele não estava ciente de ter descoberto uma parte fundamental do desenvolvimento da genética clássica, pois seu conhecimento foi “redescoberto” anos depois pelos cientistas holandeses.

Leis da herança de Mendel

As leis da herança de Mendel, também conhecida como herança mendeliana, são derivadas de sua pesquisa, realizada entre 1856 e 1863. Esse botânico cultivou cerca de 28.000 plantas de ervilha , o que o levou a formular duas generalizações sobre como a transmissão é transmitida. informação genética baseada na expressão do genótipo.

Relacionado:  Herbert Spencer: biografia deste sociólogo inglês

Seu texto “Experimentos sobre hibridação de plantas” foi redescoberto por Hugo de Vries, Carl Correns e Erich von Tschermak, que haviam experimentado e chegado às mesmas conclusões que Mendel. Em 1900, outro cientista, chamado Hugo Vires, incentivou o reconhecimento das leis de Mendel, enquanto cunhou as palavras “genética”, “gene” e “alelo”. Em resumo, veremos abaixo em que consiste cada uma dessas leis.

  • Você pode estar interessado: ” As três leis de Mendel e as ervilhas: é isso que elas nos ensinam “

1. Primeira lei de Mendel

É também conhecida como Lei da Segregação de Caráter Independente, Lei da Segregação Igual ou Lei da Disjunção de Alelos. Descrito migração aleatória dos cromossomos durante a fase de meiose chamado anaphase I .

O que essa lei propôs foi que, durante a formação de gametas (as células reprodutivas dos seres vivos), cada uma das formas que possuem o mesmo gene é separada de seu par , para formar o gameta final. Assim, cada gameta tem um alelo para cada gene e a variação descendente é garantida.

2. Segunda lei de Mendel

Essa lei também é chamada Lei da transmissão independente de caracteres. Mendel descobriu o alinhamento aleatório dos pares de cromossomos durante a fase da meiose chamada metáfase I.

A segunda lei diz que traços diferentes de genes que estão em cromossomos diferentes são herdados independentemente um do outro, de modo que o padrão de herança de uma pessoa não afeta o de outros.

A conclusão é que a dominância genética é o resultado da expressão do conjunto de genes e fatores hereditários que existem no organismo (o genótipo), e não tanto de sua transmissão. Há controvérsia sobre se esta constitui uma terceira lei, que precede as demais, e é conhecida como “Lei da Uniformidade de Híbridos da Primeira Geração Subsidiária”.

Referências bibliográficas:

  • Garrigues, F. (2017). Leis de Mendel: 3 mandamentos da genética. Blog de genética médica. Recuperado em 16 de outubro de 2018. Disponível em https://revistageneticamedica.com/blog/leyes-de-mendel/.
  • Gregor Mendel (2013). Enciclopédia do Novo Mundo. Recuperado em 16 de outubro de 2018. Disponível em http://www.newworldencyclopedia.org/entry/Gregor_Mendel.
  • Gregor Mendel (2018). Cientistas famosos A arte do gênio. Recuperado em 16 de outubro de 2018. Disponível em https://www.famousscientists.org/gregor-mendel/.
  • Olby, R. (2018). Gregor Mendel Encyclopaedia Britannica. Recuperado em 16 de outubro de 2018. Disponível em https://www.britannica.com/biography/Gregor-Mendel.

Deixe um comentário