Guerra de Arauco: causas, etapas, conseqüências

A Guerra de Arauco é a denominação dada aos confrontos que ocorreram durante quase três séculos entre os mapuches e os hispânicos, crioulos e chilenos, dependendo do momento. Não foi uma guerra mantida durante todo esse tempo, mas houve períodos mais intensos e outros quase coexistentes.

Os índios mapuche já haviam resistido às tentativas de invasão dos incas. Quando os espanhóis chegaram à sua zona de controle, os mapuches apresentaram uma forte resistência. Apesar da superioridade militar espanhola, os conquistadores foram incapazes de subjugá-los.

Guerra de Arauco: causas, etapas, conseqüências 1

Os historiadores dividem a guerra de Arauco em vários estágios. Há alguma discrepância na data de seu início, como alguns apontam para a expedição de Diego de Almagro em 1536 e, outros, para a batalha de Quilacura, em 1546, como seu início.

O mesmo vale para o seu fim. Governos chilenos independentes combinaram campanhas militares com tréguas e negociações mais ou menos prolongadas. De fato, pode-se notar que o conflito não terminou completamente até a chamada Pacificação (ou Ocupação) de Araucanía, em 1883.

Causas

Arauco é a guerra mais longa da história do Chile. Houve quase trezentos anos de luta entre os mapuches e todos aqueles que tentaram ocupar suas terras.

Quando os espanhóis, sob o comando de Pedro de Valdivia, chegaram a Biobío, habitado por esses nativos, eles quase não tinham nenhuma referência a eles. No entanto, os mapuches tinham experiência em enfrentar exércitos superiores, como foi o caso dos incas.

Valdivia e o resto dos conquistadores se prepararam para uma conquista fácil, como havia acontecido em outras partes da América. Seu objetivo, além de permanecer no território, era evangelizar aqueles que moravam lá.

A realidade, no entanto, era muito diferente. Eles logo encontraram uma oposição difícil. Os mapuches receberam o apoio de outros povos chilenos , como os pehuenches, os picunches ou os cuncos, fortalecendo suas tropas. Assim, eles conseguiram conter o desejo de conquistas dos espanhóis.

As causas que levaram a essa resistência são variadas. Os historiadores descartam que não havia componente patriótico entre os nativos, mas outros que reforçavam sua vontade.

Cultural

O choque entre as duas culturas foi imediato. Não havia nenhum ponto em comum entre espanhóis e indianos e, além disso, os primeiros sempre tentavam impor sua visão ao que consideravam inferior.

Relacionado:  O que é demonologia?

Os mapuches tinham um grande apego a suas tradições, bem como a seus ancestrais. Eles sempre tentaram manter sua idiossincrasia, impedindo os conquistadores de terminá-la e impor outra.

Religiosos

Como no anterior, as diferenças religiosas eram insuperáveis. Os mapuches tinham seus próprios deuses e cerimônias, enquanto os espanhóis chegavam com o mandato de converter os conquistados ao cristianismo.

Econômico

Desde o início da conquista, um dos motivos que motivou os espanhóis foi a busca de riqueza. Em todas as áreas que ocupavam, tentaram encontrar metais preciosos e outros itens com os quais comercializar ou enviar para a Espanha.

Espírito guerreiro mapuche

Os mapuches tinham ampla experiência em resistir violentamente às tentativas de conquista. Eles haviam demonstrado que seu desejo de não serem vencidos poderia derrotar adversários mais fortes, por isso não hesitaram em enfrentar os espanhóis.

Para isso, ele colaborou decisivamente seu conhecimento superior da terra. Nas florestas luxuriantes, entre os rios e um clima complicado, eles poderiam equilibrar a vantagem hispânica em questão de armamento.

Etapas

O primeiro contato entre os espanhóis e os mapuches ocorreu em 1536. Já nessa reunião, os conquistadores perceberam que os nativos não aceitavam sua presença.

A chegada à área de Pedro de Valdivia, em 1541, significou que as tropas espanholas começaram a entrar no sul do Chile. O confronto foi inevitável.

Conquista

A batalha de Quilacura, em 1546, foi o primeiro confronto sério entre mapuches e espanhóis. Estes, vendo que os índios apresentavam forças superiores, decidiram se retirar e só retornaram quatro anos depois.

As campanhas realizadas após 1550 foram, em princípio, favoráveis ​​aos interesses espanhóis. Eles começaram a fundar algumas cidades no território mapuche, como Concepción, Valdivia ou La Imperial.

Este começo triunfante foi logo abrandado, com um nome como protagonista principal. Lautaro, um indígena que havia servido a Valdivia, foi capaz de elaborar um plano engenhoso para enfrentar seus inimigos.

Em 1553, ele estrelou uma insurreição que derrotou os espanhóis em Tucapel. Após dois anos triunfantes dos homens de Lautaro, os conquistadores conseguiram derrotá-los em Mataquito e o líder indígena foi morto durante a batalha.

Relacionado:  O que é o Yorkina Lodge?

Desde aquele momento até 1561, os mapuches tiveram que retratar suas posições, conquistadas pelos espanhóis, mas nunca pararam de se rebelar.

Depois da de Lautaro, a segunda grande revolta ocorreu em 1598. Pelantaro, um líder indígena, destruiu as cidades espanholas construídas ao sul de Biobío, exceto Valdivia. Apenas varíola e tifo pararam os mapuches antes de chegar a Santiago.

Guerra ofensiva

A segunda etapa ocorreu entre 1601 e 1612. Um novo governador chegou à região, Alonso de Ribera, que estabeleceu um exército profissional na Capitania Geral do Chile. Para isso, obteve financiamento da capital do Vierreinato do Peru, podendo construir vários fortes em todo o Biobio.

Essa linha de fortificações era a fronteira informal entre mapuches e espanhóis, sem que nenhum lado fizesse progressos.

Este período foi caracterizado pelas incursões que ambos os lados realizaram em território inimigo. Os protagonistas dos espanhóis receberam o nome de Malocas e pretendiam capturar povos indígenas para vendê-los como escravos. Por outro lado, os que executaram os mapuches foram chamados Malones.

Guerra defensiva

A falta de resultados da tática anterior levou os espanhóis a iniciar uma nova etapa que duraria de 1612 a 1626. O ideólogo da estratégia a ser executada era Luis de Valdivia, um jesuíta que chegou ao país. Ele propôs ao rei Filipe III um plano do que ele chamou de guerra defensiva.

A proposta, aprovada pelo rei, era tentar incorporar os nativos na vida do país. Para isso, as hostilidades foram suspensas e alguns missionários, também jesuítas, foram enviados ao território mapuche.

No entanto, os nativos não receberam os missionários pacificamente e mataram os primeiros que chegaram. Assim, um cartão emitido em 1626 pôs fim a essa tentativa de conquista pacífica. A partir desse momento, eles retornaram à guerra ofensiva e, finalmente, aos chamados Parlamentos.

Parlamentos

Dada a falta de sucesso das estratégias anteriores e a manutenção do status quo territorial, a tática mudou completamente. Em 1641, espanhóis e mapuches realizavam reuniões regulares nas quais negociavam acordos.

Relacionado:  José López Portillo: biografia, governo e contribuições

Segundo as crônicas, esses encontros eram praticamente festas, com bastante bebida e comida. Com essas reuniões, os dois lados chegaram a um acordo comercial e começaram a interagir.

Houve alguns levantes mapuches, mas em 1793 o governador Ambrose O’Higgins e os chefes indígenas assinaram um acordo de paz.

O tratado concordou que os mapuches manteriam o controle do território, mas isso nominalmente se tornou parte da coroa espanhola. Os nativos prometeram permitir a passagem para quem quisesse viajar para as cidades ao sul do território.

Consequências

Miscigenação

Uma das conseqüências causadas pela guerra foi o aparecimento dos mestiços . Muitos espanhóis viviam com vários índios, enquanto os índios, em menor grau, levavam algumas mulheres brancas como prisioneiras.

Perda cultural indígena

Apesar da resistência mapuche, o conflito acabou levando ao enfraquecimento de sua cultura. Chegou, em muitos aspectos, a desaparecer.

Além disso, os espanhóis cederam terras nas áreas ocupadas a colonos brancos, o que contribuiu para essa perda de identidade e causou desacordos contínuos.

Os missionários que vieram para a região também contribuíram para que os mapuches abandonassem suas antigas crenças, embora não completamente. Em alguns momentos, eles colaboraram para que os nativos adquirissem uma certa educação regulamentada.

Aumentou a porcentagem de sangue espanhol

A coroa espanhola foi obrigada a enviar um grande número de espanhóis, especialmente militares, para a colônia. Os três séculos de conflito fizeram o exército precisar de muitos reforços.

Esse fluxo de europeus contrastava com a perda de vidas indígenas. Um cálculo feito em 1664 afirmou que a guerra significou a morte de 180.000 mapuches, além de 30.000 espanhóis e outros 60.000 índios auxiliares.

Referências

  1. Escolares.net. A guerra de Arauco. Obtido em school.net
  2. Cervera, Cesar. A Guerra de Arauco: o Chile resiste ao domínio espanhol. Obtido de abc.es
  3. Icarito Guerra Arauco Obtido de icarito.cl
  4. Guerras espanholas A guerra de Arauco. Obtido em spanishwars.net
  5. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Guerras araucanas. Obtido em britannica.com
  6. Enciclopédia Infantil. Guerra Arauco Obtido de kids.kiddle.co
  7. Este é o Chile. Conquista e domínio espanhol. Obtido em thisischile.cl
  8. Revolvy Guerra Arauco Obtido em revolvy.com

Deixe um comentário