Guillermo González Camarena: biografia, invenções e contribuições

Guillermo González Camarena (1917 – 1965) foi um cientista mexicano, engenheiro elétrico, pesquisador e inventor do século XX. Seu nome é reconhecido mundialmente como um dos primeiros criadores de um sistema de televisão em cores.

Foi na década de 1940 que González Camarena desenvolveu um método conhecido popularmente como Sistema de Sequência de Campo Tricromático (STSC). Após 20 anos, ele voltou com uma nova maneira de trazer cores às telas, conhecido como Sistema Bicolor Simplificado.

Guillermo González Camarena: biografia, invenções e contribuições 1

JORGE TERRE OLIVA [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)], do Wikimedia Commons

Seu sistema foi adotado por quase todo o México até a morte de González Camarena. Naquela época, as redes de TV do país optaram pelo método usado nos Estados Unidos, conhecido como NTSC.

No entanto, o sistema bicolor de González Camarena foi usado por um tempo para equipar os dispositivos de transmissão que foram enviados em missões ao espaço pela NASA. Isso ocorreu porque eles eram ótimos em termos de peso e tamanho em comparação com o padrão americano.

Guillermo González Camarena também fez importantes contribuições ao rádio com vários estudos. Além disso, ele participou dos regulamentos legais que mais tarde delimitariam as diferentes frequências do espectro de rádio mexicano.

Ele estava muito interessado em astronomia, ele até fez telescópios para uso pessoal. González Camarena pertencia à Sociedade Astronômica do México.

O engenheiro não foi apenas reconhecido no México por sua colaboração com a televisão em cores, mas também pela University of Columbia College, em Chicago, Illinois, nos Estados Unidos. Essa instituição entregou-lhe o título de professor honorário em 1950 e encomendou ao inventor mexicano alguns equipamentos de televisão em cores para seus próprios laboratórios.

Guillermo González Camarena morreu em um acidente de trânsito em 1965, em Chachapa, Puebla. Esse infeliz incidente interrompeu a carreira do cientista, que estava em um de seus pontos mais altos.

Após sua morte, ele recebeu a honra que merecia. No México, foi criada uma fundação que leva seu nome e é responsável por apoiar os jovens inventores da nação.O Instituto Politécnico Nacional, sua alma mater, também construiu o Centro de Propriedade Intelectual Guillermo González Camarena.

Biografia

Primeiros anos

Guillermo González Camarena nasceu em 17 de fevereiro de 1917 na cidade de Guadalajara, México. Ele era o caçula de Arturo Jorge González, dono de uma fábrica de mosaicos, e Sara Camarena Navarro. Entre seus oito irmãos estava o artista plástico Jorge González Camarena.

O pai de Gónzalez Camarena morreu quando ele tinha apenas 6 anos de idade. Sua mãe, que era filha do ex-governador de Jalisco Jesús Leandro Camarena, apoiou-o em suas inclinações criativas desde o início, incentivando o menino a realizar seus experimentos.

Guillermo sendo um bebê, a família se estabeleceu em Juarez e a partir dos 7 anos de idade a criança já era capaz de fazer brinquedos elétricos. Ele disse que gastou todo o seu dinheiro com os aparelhos exigidos pelo laboratório, que ele instalou no porão de sua casa.

Aos 12 anos, Guillermo González Camarena já havia construído seu primeiro transmissor de rádio amador, uma de suas paixões desde tenra idade.

Relacionado:  População da região andina: principais características

Ele recebeu suas primeiras cartas na escola Alberto Correa, de onde foi para José María Iglesias e, finalmente, estudou na escola Horacio Mann. Após a conclusão de sua educação básica, ele foi para o segundo no 3, localizado na Avenida Chapultepec.

Juventude e treinamento

Aos 13 anos, Guillermo González Camarena se matriculou na Escola de Engenheiros Mecânicos e Elétricos, então conhecida como EIME, que mais tarde seria chamada de Escola Superior de Engenharia Mecânica e Elétrica (ESIME) do Instituto Politécnico Nacional.

Naquela instituição, destacou-se o jovem González Camarena e participou das provas de Francisco Stavoli e Miguel Fonseca, professores de Guillermo, com sistema de televisão eletromecânico, sendo sua primeira abordagem com essa tecnologia. Desde então, a ingenuidade do garoto foi processada por esse caminho.

Aos 15 anos ele já tinha uma licença de operador de rádio e fez um transmissor de ondas curtas. González Camarena também começou a trabalhar com o Ministério da Educação como assistente de operador de áudio no rádio XEDP com o engenheiro Grajales.

Naquela época, a vida do menino era muito ativa, já que pela manhã ele estudava engenharia, à tarde trabalhava como operador de rádio e o resto do tempo utilizava quase completamente nas experiências em seu laboratório.

Dois anos depois, eles começaram seus próprios experimentos com a televisão. Foi então que ele encomendou um kit de televisão dos Estados Unidos que incluía um iconoscópio da RCA.

A partir disso, e usando peças antigas de câmeras e rádios que ele encontrou nos mercados da cidade, Guillermo González Camarena conseguiu construir sua primeira câmera de televisão.

TV

Primeira fase

As primeiras imagens que Guillermo González Camarena pôde transmitir foram em preto e branco ou, como ele afirmou, em verde e preto. Isso se deve aos compostos que ele usara ao montar a câmera e o receptor.

Em 1939, González Camarena completou sua primeira etapa de experimentação e, no mesmo ano, solicitou a patente do Sistema de Sequência de Campo Tricromático (STSC) no México. Foi concedido no ano seguinte. Ele então pediu nos Estados Unidos e foi aprovado em 1942.

Naquela época, Lee de Forest foi à oficina e ao laboratório mexicanos. Ele teve o prazer de felicitar González Camarena por seu trabalho e diz-se que ele tinha muita fé na capacidade que o jovem possuía para desenvolver ciências eletrônicas.

Durante esses anos, ele continuou trabalhando como operador de rádio. E em 1941, Emilio Ballí forneceu a ele um lugar para continuar seu trabalho no desenvolvimento da televisão.

Segunda fase

Quando a RCA lançou o orticón, que substituiu o iconoscópio, Guillermo González Camarena construiu uma câmera renovada com a nova tecnologia, pois praticamente todo o sistema de conexão do orticón era diferente.

Além disso, ele criou um novo gerador de sincronização a 25fps. Quase imediatamente construí uma segunda câmera com as mesmas características. Ambos transmitidos em preto e branco.

Enquanto isso, González Camarena continuou a experimentar o STSC. Ele o desenvolveu em dois discos rotativos de três cores, um para a câmera e outro para os dispositivos de reprodução. Isso usou um segundo sistema de sincronização, também projetado por González Camarena.

Relacionado:  As 5 danças e danças mais populares de Colima

Naquele momento, ele começou a experimentar a transmissão simultânea de áudio e vídeo através da antena. Para isso, ele obteve uma licença do Ministério das Comunicações e Obras Públicas (SCOP).

Por volta de 1945, o SCOP encomendou os estudos para normalizar legalmente o setor de comunicações. Depois González Camarena participou dos regulamentos legais que governariam o espaço de rádio da nação mexicana.

Em 1946, González Camarena fez as primeiras transmissões de teste de seu sistema STSC. No ano seguinte, ele foi enviado aos Estados Unidos como parte de uma delegação mexicana para observar os avanços tecnológicos da televisão naquele país.

Terceira fase

Desde 1948, os Laboratórios Gon-Cam no México começaram a operar. A partir daí, o engenheiro e sua equipe começaram a fabricar equipamentos para transmitir, receber e modular o sinal de televisão.

Em 1950, a Universidade de Columbia, em Chicago, contratou Guillermo González Camarena para executar vários dispositivos para seus laboratórios.

Em 1952, ele criou seu próprio canal, que foi batizado como XHGC, e foi transmitido no canal 5. A partir de 1954, ingressou no Telesystem mexicano e instalou novos equipamentos no Televicentro, onde os canais 2, 4 e 5 funcionavam. .

Na década de 1960, González Camarena continuou seu trabalho de pesquisa e de lá emergiu a Televisão em Cores Psicológica e o Sistema Bicolor Simplificado.

O último era muito mais simples e mais barato. González Camarena planejava entregá-lo gratuitamente às emissoras de televisão mexicanas para levar a televisão em cores a mais telespectadores por um custo muito menor.

Remédio

Em 1949, a colaboração de Guillermo González Camarena com a medicina começou mostrando seu Sistema de Sequência de Campo Tricromático à IX Assembléia de Cirurgiões.

Começou a ser utilizado posteriormente para o ensino de medicina, uma vez que o dispositivo podia ser instalado dentro da sala de cirurgia e o procedimento era transmitido por circuito fechado aos receptores localizados fora da sala.

Desde 1951, a Escola Nacional de Medicina da UNAM dispõe de um circuito de televisão do Sistema Tricromático de González Camarena.

Morte

Guillermo González Camarena morreu em 18 de abril de 1965, em um acidente de carro ocorrido em uma cidade chamada Chachapa, a 10 km da cidade de Puebla, no México.

Durante o acidente, seus filhos viajaram com ele. Ambos ficaram feridos, mas conseguiram se salvar. González Camarena se casou em 1951 com María Antonieta Becerra Acosta, uma amante do rádio. Com ela, ele tinha Guillermo e Arturo González Camarena.

Sua última participação internacional de grande relevância foi na Feira Mundial de Nova York, no mesmo ano de sua morte, para apresentar o Sistema Bicolor Simplificado.

Invenções e contribuições

Sistema de Sequência de Campo Tricromático

Seu Sistema de Sequência de Campo Tricromático (STSC) obteve duas patentes. O primeiro no México, concedido em 19 de agosto de 1940. No ano seguinte, ele o solicitou perante os Estados Unidos e foi aprovado em 15 de setembro de 1942.

Nessa primeira invenção, Guillermo González Camarena desenvolveu um sistema de recepção e transmissão de imagens que usava um cromoscópio (amarelo, azul e vermelho) para recriar a cor graças a um sistema de sincronização.

Relacionado:  Amartya Sen: Biografia, Teoria e Desenvolvimento Humano

Sistema simplificado bicolor

González Camarena conseguiu fazer transmissões coloridas, com uma pequena perda ao usar apenas filtros vermelho e azul. Com este sistema, o custo de fabricação de televisores seria reduzido em quase 50%.

Além disso, Gonzalez Camarena pensou em atribuir os direitos de uso à indústria mexicana, a fim de reduzir custos e permitir que mais pessoas pudessem acessar a tecnologia da televisão em cores.

Devido à eficiência do novo sistema, outros setores, como a aviação, também estavam interessados ​​em implementar a tecnologia em suas unidades.

No entanto, a morte de Guillermo González Camarena paralisou todos os projetos que ele havia iniciado para continuar desenvolvendo e usando suas tecnologias no México.

No entanto, as pesquisas para melhorá-lo continuaram em diferentes partes do mundo e mais tarde foram usadas pela NASA para equipar várias missões que foram enviadas ao espaço exterior nos anos 60 e 70.

Entre as missões mais importantes que usaram a tecnologia de Gónzalez Camarena estavam a Apollo e a Voyager. A criação do mexicano foi escolhida por ser mais leve e ocupar menos espaço, dois fatores muito importantes para a NASA na época.

Outras experiências de TV em cores

Guillermo González Camarena também descobriu que, com a manipulação da fita magnética, era possível ao cérebro interpretar alguns sinais como cores, mesmo que eles fossem reproduzidos em uma televisão em preto e branco.

Ele foi batizado como um caleidoscópio. Ele obteve uma patente quase imediatamente e nos Estados Unidos a apresentou como Phsycological Color Television.

Honras

– Columbia College of Chicago lhe concede o título de Professor Honoris Causa (1950).

– Columbia College, em Los Angeles, Califórnia, faz um doutorado honorário (1954).

– Recebeu o distintivo Mariano Becerra e foi proclamado Filho Favorito de Jalisco pelo então Governador do Estado, Lic. Agustín Yáñez Delgadillo (1957).

– Dr. Alexander M. Poniatoff concede a ele o Diploma de Mérito da Ampex Corp. (1959).

– Membro do Instituto Mexicano de Cultura (1962).

– Prêmio Especial em reconhecimento ao impacto mundial de sua invenção – Associação Nacional de Distribuidores de Aparelhos Domésticos (1964).

– 18 de abril é estabelecido como o Dia do Técnico em Televisão em memória de Guillermo González Camarena (1970).

– Fundação Guillermo González Camarena (1999).

Referências

  1. In.wikipedia.org. (2019).Guillermo González Camarena . [online] Disponível em: en.wikipedia.org [Acesso em 11 jan. 2019].
  2. Soto Galindo, J. (2018).Guillermo González Camarena, um nerd no país da desigualdade . [online] The Economist. Disponível em: eleconomista.com.mx [Acesso em 11 jan. 2019].
  3. Earlytelevision.org. (2019).Guillermo Gonzales Camarena . [online] Disponível em: earlytelevision.org [Acessado em 11 jan. 2019].
  4. Universal. (2018).53 anos atrás Guillermo González Camarena morreu . [online] Disponível em: eluniversal.com.mx [Acesso em 11 jan. 2019].
  5. Ruiz de la Herrán, J. (2019).Ciência e tecnologia no México no século XXI – BIOGRAFIAS DE PERSONAGENS ILUSTRADOS, Volume 4 – GUILLERMO GONZÁLEZ CAMARENA . 1ª ed. México: ACADEMIA MEXICANA DE CIÊNCIAS, pp. 111-126.
  6. Carlos Chimal. (2017).Fábrica de cores: a vida do inventor Guillermo González Camarena . Fundo de Cultura Econômica / México.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies