Hemocultura: para que serve, justificativa, procedimento, resultados

A hemocultura é um exame laboratorial que consiste na análise do sangue para detectar a presença de micro-organismos, como bactérias e fungos, que possam estar causando infecções no organismo. Este exame é fundamental para o diagnóstico e tratamento adequado de infecções, pois permite identificar o agente causador da doença e orientar o uso de antibióticos ou antifúngicos específicos.

A justificativa para a realização da hemocultura está relacionada à importância de identificar rapidamente a presença de micro-organismos no sangue, uma vez que infecções sanguíneas podem ser graves e até mesmo fatais se não forem tratadas corretamente. Além disso, a hemocultura é um exame de baixo custo e de fácil execução, o que a torna uma ferramenta indispensável na prática clínica.

O procedimento de coleta de sangue para a realização da hemocultura é simples e geralmente é feito por punção venosa. O sangue coletado é então inoculado em meios de cultura específicos, onde os micro-organismos presentes no sangue podem se desenvolver e ser identificados.

Os resultados da hemocultura são interpretados por um profissional de saúde, que analisa se houve crescimento de micro-organismos nos meios de cultura e realiza testes adicionais para identificar o agente causador da infecção. Com base nos resultados, o médico pode prescrever o tratamento adequado para combater a infecção e prevenir complicações.

Indicações clínicas para solicitar uma hemocultura: por que e quando pedir?

As hemoculturas são exames laboratoriais fundamentais para identificar a presença de microrganismos no sangue de pacientes, permitindo diagnosticar infecções sanguíneas e direcionar o tratamento de forma eficaz. Mas, afinal, quais são as indicações clínicas para solicitar uma hemocultura e quando devemos pedi-la?

As indicações clínicas para solicitar uma hemocultura incluem pacientes com suspeita de sepse, endocardite, osteomielite, meningite bacteriana, abscessos, febre de origem desconhecida, entre outras condições infecciosas graves. Além disso, pacientes imunossuprimidos ou com doenças crônicas também podem necessitar desse exame para monitorar possíveis complicações infecciosas.

A justificativa para solicitar uma hemocultura está relacionada à importância de identificar o agente infeccioso presente no sangue do paciente, permitindo um tratamento adequado e específico. Através desse exame, é possível determinar o tipo de microrganismo envolvido na infecção, bem como sua sensibilidade aos antimicrobianos, orientando a escolha do melhor antibiótico para combater a infecção.

O procedimento para realizar uma hemocultura consiste na coleta de sangue do paciente em frascos estéreis, que são incubados em condições ideais para o crescimento de micro-organismos. Após um período de tempo determinado, os frascos são analisados para identificar a presença de bactérias, fungos ou outros agentes infecciosos no sangue do paciente.

Os resultados da hemocultura podem ser positivos, indicando a presença de microrganismos no sangue, ou negativos, quando não há crescimento de agentes infecciosos. Caso o resultado seja positivo, é fundamental realizar testes adicionais para identificar o agente infeccioso e sua sensibilidade aos antimicrobianos, orientando o tratamento adequado para o paciente.

Em resumo, as hemoculturas são exames essenciais para diagnosticar infecções sanguíneas e guiar o tratamento de pacientes com condições infecciosas graves. Portanto, é importante considerar as indicações clínicas para solicitar uma hemocultura e realizá-la quando necessário, visando a saúde e o bem-estar do paciente.

Por que é importante realizar o exame de hemocultura e qual sua finalidade?

A hemocultura é um exame fundamental para identificar a presença de bactérias ou fungos no sangue, sendo de extrema importância para o diagnóstico e tratamento de infecções sanguíneas, como a bacteremia e a sepse. A finalidade da hemocultura é detectar a presença de microorganismos patogênicos no sangue, permitindo assim a identificação do agente causador da infecção e a escolha do tratamento mais adequado.

Realizar o exame de hemocultura é essencial para garantir um diagnóstico preciso e um tratamento eficaz, pois a presença de microorganismos no sangue pode levar a complicações graves, como insuficiência de órgãos e choque séptico. Além disso, a hemocultura também auxilia na monitorização do tratamento, avaliando a eficácia dos antibióticos administrados e a possibilidade de resistência bacteriana.

O procedimento da hemocultura consiste na coleta de amostras de sangue, geralmente de duas a três amostras em momentos diferentes, para aumentar a sensibilidade do exame. As amostras são incubadas em meios de cultura específicos para o crescimento de microorganismos, e após um período de observação, são analisadas para identificação dos agentes infecciosos presentes.

Os resultados da hemocultura podem ser positivos, indicando a presença de bactérias ou fungos no sangue, ou negativos, quando não há crescimento de microorganismos. Em caso de resultado positivo, é necessário realizar testes adicionais para identificar o agente causador da infecção e determinar a sensibilidade aos antibióticos, orientando assim o tratamento adequado.

Passo a passo para interpretar os resultados de uma hemocultura de forma eficaz.

Para interpretar os resultados de uma hemocultura de forma eficaz, é importante seguir alguns passos que ajudarão a identificar possíveis infecções no organismo. A hemocultura é um exame laboratorial que tem como objetivo detectar a presença de micro-organismos no sangue, como bactérias, fungos e vírus, que podem causar infecções graves.

O primeiro passo é analisar o laudo da hemocultura, que apresenta informações sobre a presença de micro-organismos no sangue do paciente. É importante observar quais os micro-organismos foram identificados, bem como a sua quantidade e a sensibilidade aos antibióticos.

Em seguida, é essencial avaliar os sinais e sintomas clínicos do paciente, como febre, dor, calafrios e alterações no quadro hemodinâmico. Essas informações são fundamentais para correlacionar com os resultados da hemocultura e definir o tratamento adequado.

Relacionado:  Bioestatística: história, campo de estudo e aplicações

Outro passo importante é considerar o contexto clínico do paciente, como histórico de doenças, cirurgias prévias, uso de antibióticos recentes e presença de dispositivos invasivos. Essas informações ajudam a entender o quadro infeccioso e a escolher a terapia mais adequada.

Por fim, é crucial discutir os resultados da hemocultura com a equipe médica e de microbiologia, a fim de estabelecer um plano terapêutico eficaz. A interpretação conjunta dos dados clínicos e laboratoriais é essencial para garantir o sucesso do tratamento e a recuperação do paciente.

Em resumo, para interpretar os resultados de uma hemocultura de forma eficaz, é necessário analisar o laudo, avaliar os sinais e sintomas do paciente, considerar o contexto clínico e discutir os resultados com a equipe médica. Esses passos são fundamentais para garantir um diagnóstico preciso e um tratamento adequado para infecções sanguíneas.

Procedimento adequado para coleta de hemocultura: passo a passo para garantir resultados precisos.

A hemocultura é um exame laboratorial utilizado para identificar a presença de micro-organismos no sangue, como bactérias, fungos e vírus. É fundamental para o diagnóstico de infecções graves, auxiliando na escolha do tratamento adequado.

Para garantir a precisão dos resultados da hemocultura, é essencial seguir um procedimento adequado de coleta. Abaixo, apresentamos um passo a passo para realizar o exame corretamente:

1. Assepsia: Antes de iniciar a coleta, é importante realizar a antissepsia da região onde a punção será feita, geralmente a região antecubital do braço.

2. Coleta de sangue: Utilizando material estéril, como seringa ou frasco de coleta, retire cerca de 10 ml de sangue do paciente. O volume pode variar de acordo com o protocolo do laboratório.

3. Inoculação nos frascos de hemocultura: O sangue coletado deve ser distribuído em frascos específicos para hemocultura, respeitando as recomendações de cada fabricante.

4. Identificação dos frascos: Cada frasco de hemocultura deve ser identificado corretamente, com informações como nome do paciente, data e hora da coleta.

5. Transporte: Os frascos de hemocultura devem ser transportados para o laboratório de forma adequada, seguindo as normas de biossegurança e evitando a contaminação.

Com a realização correta da coleta de hemocultura e o envio rápido para análise laboratorial, é possível obter resultados precisos que auxiliarão no diagnóstico e tratamento de infecções. Portanto, é fundamental seguir o procedimento adequado e garantir a qualidade do exame.

Hemocultura: para que serve, justificativa, procedimento, resultados

A hemocultura é um teste bacteriológico que busca detectar a presença de microrganismos no sangue. O sangue é um líquido estéril por natureza e, portanto, deve ser mantido em condições fisiológicas; portanto, a presença de bactérias ou fungos no sangue é sempre patológica.

Quando bactérias ou fungos são encontrados no sangue, mas a multiplicação não excede a eliminação de microrganismos pelo sistema imunológico, é chamada bacteremia (para bactérias) ou fungemia (para fungos); Mas se os microrganismos aumentam incontrolavelmente em número, isso se chama septicemia.

Hemocultura: para que serve, justificativa, procedimento, resultados 1

Garrafas de hemocultura (amarelo: aerobiose pediátrica, verde: aerobiose de adulto e vermelho: anaerobiose de adulto). Fonte: fotografia tirada pelo autor MSc Marielsa Gil.

Bacteremia, fungemias e septicemias colocam em risco a vida do paciente e, portanto, devem ser tratadas imediatamente. É por isso que, quando há suspeita de infecção no sangue, os médicos solicitam um estudo de hemocultura.

Essa análise bacteriológica permite saber se há ou não uma infecção no sangue e qual é o microorganismo envolvido. Além disso, se for positivo, é realizado o teste de sensibilidade para saber qual antibiótico ou antifúngico pode ser usado no tratamento.

Se, em vez disso, a hemocultura for negativa após 24 horas de incubação, não deverá ser descartada até atingir as 240 horas negativas. Isso garante que não haja microorganismos de crescimento lento.

Para que uma hemocultura seja confiável, medidas assépticas extremas devem ser tomadas na amostragem e, para aumentar a confiabilidade e a sensibilidade do teste, pelo menos duas amostras devem ser coletadas durante ou próximo ao pico febril.

Para que serve?

O sangue é um líquido estéril e, quando são encontrados microorganismos, é 100% patológico. Essa situação representa um quadro clínico muito delicado que compromete a vida do paciente.

A hemocultura é uma importante análise bacteriológica que permite detectar a presença de microrganismos na corrente sanguínea.

Os microrganismos podem atingir o sangue por diferentes vias, que podem ser infecções extravasculares como pneumonia, infecções intra-abdominais, pielonefrite, infecções graves da pele, tecidos moles ou artrite, entre outros.

Ou também pode ser por via intravenosa, como contaminação de cateteres intravenosos ou arteriais, endocardite, dependência de drogas intravenosas, administração de medicamentos ou soluções contaminadas, etc.

Detectar e tratar o agente causador da sepse a tempo é essencial para garantir a sobrevivência do paciente.

Nesse sentido, o médico deve indicar o desempenho de uma hemocultura quando observar sinais e sintomas que suspeitem de septicemia, como: febre (maior que 38 ° C) sem foco infeccioso aparente ou, pelo contrário, hipotermia (<de 36 ° C).

Outros sinais podem incluir: calafrios, aumento da contagem de glóbulos brancos (> 10.000 células / mm 3 ) ou diminuição significativa das células polimorfonucleares (<1.000 PMN / mm 3 ). Além de danos em múltiplos órgãos ou súbita perda de vitalidade, entre outros sinais de alerta.

Relacionado:  Propionibacterium: características, morfologia, patogênese

A bacteremia pode ser constante, transitória ou intermitente. Isso é importante para a amostragem, pois é necessário tomá-la quando houver maior probabilidade de encontrar o microrganismo em circulação.

Portanto, é recomendável coletar pelo menos 2 amostras em locais diferentes. Além disso, o ideal é que a amostra seja coletada nos picos febris ou quando o paciente apresentar tremores, hipotermia extrema, sudorese ou taquicardia.

No entanto, para que a hemocultura seja uma ferramenta realmente útil, a amostra deve ser colhida com extremo cuidado. Uma manipulação ruim ou assepsia ruim ao coletar a amostra pode invalidar o teste, obtendo-se falsos positivos.

Fundação

O estudo envolve coletar duas ou três amostras de sangue assepticamente e colocá-las em frascos especiais.

Dispositivos especiais para o cultivo de amostras de sangue são chamados de frascos de hemocultura. Estes são classificados em:

De acordo com a idade do paciente

– Uso pediátrico

-Para adultos.

Dependendo do tipo de microrganismo

– Frascos para microrganismos aeróbicos (bactérias aeróbicas, bactérias facultativas e fungos).

– Garrafas de hemocultura para microrganismos anaeróbicos (bactérias anaeróbicas estritas).

Alguns contêm um meio de cultura líquido e outros contêm um meio de cultura sólido e líquido ao mesmo tempo. Eles também existem com partículas de carvão ativado.

Procedimento

Recomendações para amostragem

– A amostra a ser colhida por pessoal altamente treinado e treinado na área de microbiologia.

– A limpeza asséptica ou completa do local de amostragem é sem dúvida o passo mais importante.

– Como qualquer amostra, o pessoal de saúde deve cumprir totalmente as medidas de biossegurança durante o processo (usando luvas, bata, óculos, entre outros).

– Verifique se todas as ferramentas necessárias para amostragem estão disponíveis.

– Rotule os frascos com o nome completo do paciente, data, número do histórico médico, hora da amostragem e número de sequência do laboratório.

-O ideal é colher a amostra antes que o paciente inicie uma terapia antimicrobiana. Apenas é indicado no caso de suspeita de não funcionamento do tratamento atual. Nesse caso, a amostra deve ser colhida antes da troca do medicamento, usando frascos de hemocultura com inibidores de antibióticos (partículas de carvão ativado).

– Pelo menos 2 amostras devem ser coletadas em diferentes locais anatômicos, como braço direito e braço esquerdo. Na suspeita de endocardite, são recomendadas 3 amostras. Em cada amostra, serão incluídos 2 frascos (um de aerobiose e um de anaerobiose).

Quantidade da amostra

A quantidade de amostra varia de acordo com a idade do paciente, mas a proporção de 1: 5 para 1:10 deve sempre ser mantida em relação à cultura de diluição de sangue / caldo.

Em recém-nascidos, a quantidade recomendada de amostra é de 1 ml de sangue por mamadeira. O frasco pediátrico é usado.

No caso de bebês entre um mês e um ano, pode ser aumentado para 1,5 ml de sangue por mamadeira. O frasco pediátrico é usado.

Em crianças com mais de 2 anos, a quantidade apropriada de amostra é de 2,5 ml de sangue por garrafa. O frasco pediátrico é usado.

Desde a adolescência, pode ser aumentado para um volume de sangue entre 5-10 ml por frasco. Garrafa de adulto é usada.

Finalmente, na fase adulta, a quantidade necessária é de 8 a 10 ml por frasco. Garrafa de adulto é usada.

Amostragem

– A amostra de sangue pode ser venosa ou arterial. No entanto, o sangue é coletado apenas quando é impossível coletar uma amostra venosa.

– Não é aconselhável colher uma amostra de um cateter venoso central, a menos que:

  1. É impossível coletar a amostra periférica (venosa ou arterial).
  2. Pacientes em risco de sangramento.
  3. Quando o médico suspeita de bacteremia devido à contaminação do cateter venoso central.
  4. Quando a febre reaparece após uma interrupção febril por 4 a 5 dias, independentemente de o paciente estar ou não sendo tratado com antimicrobiano.

Assepsia antes da amostragem

– Escolha os locais anatômicos da amostra. Geralmente, são escolhidas as melhores veias de calibre (veia basílica ou cefálica).

– De acordo com o Centers for Disease Control (CDC) em Atlanta (EUA), o operador deve lavar as mãos com 2% de clorexidina ou 10% de iodo povidona antes da amostragem, além de usar luvas.

– Palpe e localize a veia a ser usada.

-Limpe a área da punção rotativamente, fazendo movimentos do centro para fora usando sabão de clorexidina ou sabão anti-séptico. Enxágüe com solução salina estéril.

Posteriormente, aplique um anti-séptico e continue. Exemplo Gluconato de clorexidina a 0,5% durante 1 minuto ou iodo povidona a 10% durante 2 minutos. Para este último, pergunte primeiro se o paciente é alérgico ao iodo. Se você é alérgico, pode substituir 70% de álcool.

Extração de amostra

– Coloque o torniquete para agravar o fluxo sanguíneo e brotar a veia.

– Não toque na área de punção com o dedo novamente. Se isso for estritamente necessário, o dedo deve ser lavado igualmente na área da punção.

– Insira a agulha do injetor ou couro cabeludo na veia e extraia a quantidade necessária de sangue.

-Não coloque algodão ou gaze na agulha ao removê-la se não estiver estéril.

-Retire o selo de segurança dos frascos com muito cuidado e sem tocar na tampa. Alguns autores recomendam desinfetar a tampa antes de inocular a amostra.

Relacionado:  Quimotrofos: características e tipos

– Distribua a quantidade adequada de sangue nas garrafas. Se a amostra for coletada com um injetor, a quantidade necessária será despejada na garrafa anaeróbica e depois na garrafa aeróbica. Se a foto é feita com couro cabeludo (borboleta), ela é derramada no sentido oposto.

– Misture o frasco de hemocultura suavemente por inversão.

– Troque as luvas e repita as etapas anteriores para a segunda amostragem.

-Se a segunda amostra for retirada de um site diferente, isso poderá ser feito imediatamente, mas se for do mesmo site, você deverá esperar entre 30 e 90 minutos entre uma amostra e outra.

– A amostra deve ser levada ao laboratório o mais rápido possível, se isso não for possível, deve ser deixada em temperatura ambiente por até 18 horas.

Cultivo

Uma vez no laboratório, os frascos são incubados a 37 ° C nas condições de cada frasco, isto é, em aerobiose e anaerobiose, respectivamente.

De acordo com o método manual, o toque deve ser iniciado dentro de 24 horas após a incubação e depois repetido interdialmente. Os picos são realizados da seguinte forma: a tampa do frasco é primeiro desinfetada e a agulha de um injetor estéril é inserida. O líquido é extraído da garrafa e semeado em ágar sangue e ágar chocolate.

Se houver crescimento, um Gram, subculturas em meios específicos, testes bioquímicos e antibiograma são realizados.

Em métodos automatizados, o dispositivo Bact / Alert emite um alarme quando detecta que uma garrafa é positiva. Do mesmo modo, deve ser engasgado com ágar-sangue e ágar-chocolate.

Outro método que está sendo imposto é analisar a garrafa após 6 horas de incubação por espectrometria de massa. Este método ajudou a aumentar a sensibilidade e a velocidade do diagnóstico.

Resultados

Embora o frasco de hemocultura seja negativo, relatórios intermediários preliminares podem ser entregues ao médico assistente. O relatório indica que é negativo nas horas em que está incubando. Por exemplo, se ficar negativo até o quarto dia, será relatado da seguinte maneira:

Resultado preliminar: cultura negativa às 96 horas de incubação.

Nota: o estudo continua até que sejam concluídas 240 horas.

Se a hemocultura for positiva, o médico assistente é imediatamente informado e um relatório é enviado com pelo menos o grama da colônia. Exemplo:

Resultado preliminar: em uma cultura positiva às 48 horas de incubação, o grama mostra bacilos gram negativos e oxidase negativa. O teste de identificação e sensibilidade está em andamento.

Esses dados orientam o médico assistente a iniciar uma terapia empírica em relação ao possível microorganismo, enquanto aguarda o resultado final do laboratório.

Após a conclusão do estudo bacteriológico, ou seja, o microrganismo foi identificado e o antibiograma está disponível, o relatório final deve ser enviado o mais rápido possível.

Cuidados especiais devem ser tomados se o microrganismo procurado for Neisseria gonorrhoeae ou Neisseria meningitidis, pois essas bactérias são inibidas na presença de altas concentrações de polianossulfonato de sódio (SPS).

Por isso, esse composto não deve exceder 0,025% em frascos de hemocultura.

Por outro lado, se a amostra de hemocultura for coletada pela primeira vez em tubos Vacutainer, esses tubos terão concentrações tóxicas de SPS para meningococos e gonococos, portanto o sangue deverá ser transferido antes de 1 hora para o sistema de cultura de caldo.

Como saber se uma hemocultura é positiva ou está contaminada

Uma hemocultura é considerada contaminada quando há crescimento em apenas um frasco de hemocultura do total coletado. E a suspeita de contaminação aumenta se o microrganismo isolado for uma microbiota habitual da pele: exemplo: Staphylococcus coagulase negativo, Propionibacterium spp, entre outros.

No entanto, em pacientes imunocomprometidos, nenhum microrganismo deve ser negligenciado, mas nesse caso o microrganismo deve aparecer em várias amostras.

Por outro lado, se a sensibilidade aos antibióticos do mesmo microorganismo isolado em duas amostras diferentes coincide, a infecção é real.

Outra característica é a carga bacteriana, pois as hemoculturas contaminadas crescem tarde, enquanto as infecções reais em pacientes não tratados são geralmente positivas às 14 horas de incubação quando o microrganismo não é incômodo.

Por outro lado, em pacientes tratados com antimicrobianos, o microrganismo envolvido pode levar tempo para crescer porque a carga é muito baixa.

A aparência de mais de um microorganismo pode sugerir contaminação, mas se o mesmo resultado for repetido em várias fotos de locais diferentes, então é real.

Referências

  1. «Cultura de sangue». Wikipedia, A enciclopédia livre . 3 de jul de 2019 às 17:28 UTC. 14 de jul de 2019 às 19:05
  2. Hervé B. Novas tecnologias no diagnóstico microbiológico: automação e algumas aplicações no estudo de identificação e suscetibilidade microbiana. Rev. Med. Clin . Conta. 2015; 26 (6) 753-763. Disponível em: reader.elsevier.com
  3. Villarroel P. Capítulo 20: Sepse e risco de doença cardiovascular. Saúde cardiovascular pp 187-194. Disponível em: fbbva.es
  4. Sánchez R, Rincón B, Cortés C, Fernández E, Peña S, Heras EM Hemoculturas: O que eles disseram e o que você faz? Doente glob . 2012; 11 (26): 146-163. Disponível em: scielo.isc
  5. Pardinas-Llergo M, Alarcón-Sotelo A, Ramírez-Ângulo C, Rodríguez-Weber F, Díaz-Greene E. Probabilidade de sucesso na obtenção de uma hemocultura positiva. Med. Interno 2017; 33 (1): 28-40. Disponível em: scielo.org

Deixe um comentário