Henri Wallon: biografia do fundador da Psicologia Genética

Henri Wallon foi um importante psicólogo francês, considerado um dos fundadores da Psicologia Genética. Nascido em 1879, Wallon dedicou sua vida ao estudo do desenvolvimento humano e da inteligência, buscando compreender como as experiências vividas ao longo da vida influenciam o desenvolvimento cognitivo e emocional das pessoas. Sua teoria enfatiza a importância do ambiente e das interações sociais na formação da personalidade e no desenvolvimento da inteligência. Com uma abordagem multidisciplinar, Wallon influenciou diversas áreas do conhecimento, incluindo a educação e a psicologia clínica. Sua obra continua sendo referência para estudiosos interessados no entendimento do desenvolvimento humano.

Entenda a teoria psicogenética de Wallon e sua importância para o desenvolvimento infantil.

Henri Wallon foi um importante psicólogo francês que ficou conhecido por sua teoria psicogenética, a qual teve grande importância para o desenvolvimento infantil. Nascido em 1879, Wallon se dedicou ao estudo da psicologia e se tornou um dos fundadores da Psicologia Genética, juntamente com Jean Piaget. Sua abordagem diferenciava-se da de Piaget, pois Wallon dava ênfase às emoções e ao papel do meio social no desenvolvimento da criança.

De acordo com a teoria psicogenética de Wallon, o desenvolvimento infantil é resultado de uma interação entre fatores biológicos, psicológicos e sociais. Wallon acreditava que o desenvolvimento cognitivo, emocional e motor da criança ocorre de forma integrada e que cada fase do desenvolvimento é marcada por conflitos que são necessários para o avanço para a próxima etapa.

Um dos conceitos-chave da teoria de Wallon é a noção de que o desenvolvimento da criança ocorre de forma dialética, ou seja, por meio de contradições e conflitos que impulsionam o progresso. Segundo Wallon, a criança passa por diversas fases, como a emoção, a inteligência e o movimento, e cada uma delas é fundamental para o desenvolvimento global da criança.

A importância da teoria psicogenética de Wallon para o desenvolvimento infantil está em sua abordagem holística, que considera a criança como um ser completo, em constante interação com o ambiente ao seu redor. Wallon destacava a importância do papel dos pais, educadores e da sociedade no desenvolvimento da criança, enfatizando a necessidade de um ambiente estimulante e acolhedor para favorecer o seu crescimento.

Em suma, a teoria psicogenética de Wallon trouxe uma nova perspectiva para o estudo do desenvolvimento infantil, destacando a importância das emoções, do ambiente social e da interação para o progresso da criança. Seu legado permanece vivo até hoje, influenciando a prática educacional e a compreensão do desenvolvimento humano.

Biografia e ideias de Wallon, renomado psicólogo francês defensor da importância da afetividade no desenvolvimento humano.

Henri Wallon foi um renomado psicólogo francês, nascido em 1879 e falecido em 1962. Ele é conhecido por suas contribuições para a Psicologia Genética, uma abordagem que enfatiza o papel do desenvolvimento humano ao longo da vida. Wallon acreditava na importância da afetividade no processo de aprendizagem e desenvolvimento das pessoas.

Wallon defendia a ideia de que o ser humano é um ser em constante transformação, influenciado por suas interações com o meio e pelas experiências vivenciadas. Ele considerava a afetividade como um aspecto fundamental no desenvolvimento humano, pois acreditava que as emoções e os sentimentos desempenham um papel crucial na construção da personalidade e no processo de aprendizagem.

Relacionado:  Benjamin Bloom: biografia deste psicólogo e pesquisador

Para Wallon, a afetividade está intrinsecamente ligada à cognição, e ambas se desenvolvem de forma interdependente ao longo da vida. Ele também destacava a importância do ambiente social e cultural na formação do indivíduo, argumentando que as relações interpessoais e as experiências emocionais são fundamentais para o desenvolvimento saudável e equilibrado.

Em suas obras, Wallon explorou temas como a linguagem, a inteligência, a educação e a psicopatologia, sempre sob a perspectiva da Psicologia Genética. Suas ideias influenciaram gerações de psicólogos e educadores, e sua abordagem holística e integradora continua sendo relevante até os dias atuais.

Quem foi Henri Wallon: psicólogo, médico e filósofo da educação renomado.

Henri Wallon foi um renomado psicólogo, médico e filósofo da educação. Nascido em 1879, na França, Wallon se destacou por sua contribuição para a Psicologia Genética, um campo de estudo que busca compreender o desenvolvimento humano em todas as suas dimensões.

Wallon dedicou sua vida ao estudo do ser humano, investigando as interações entre o indivíduo e seu meio. Sua abordagem holística e interdisciplinar o tornou uma figura influente no campo da psicologia e da educação.

Além de suas contribuições teóricas, Wallon também atuou como professor e pesquisador, deixando um legado duradouro para as gerações futuras. Seu trabalho continua a inspirar estudiosos e profissionais interessados no desenvolvimento humano e na educação.

Os quatro estágios do desenvolvimento infantil segundo Wallon: conhecendo cada fase.

Henri Wallon foi um importante psicólogo francês conhecido por seus estudos sobre o desenvolvimento infantil. Nascido em 1879, Wallon foi um dos fundadores da Psicologia Genética, uma abordagem que enfatiza a importância do contexto social e cultural no desenvolvimento da criança.

De acordo com Wallon, o desenvolvimento infantil pode ser dividido em quatro estágios distintos: o sensoriomotor, o emocional, o projetivo e o categorial. Cada estágio representa uma fase crucial no crescimento e na evolução da criança, influenciando sua forma de pensar, sentir e agir.

O estágio sensoriomotor é o primeiro estágio do desenvolvimento infantil, que ocorre desde o nascimento até os dois anos de idade. Nessa fase, a criança explora o mundo principalmente através dos sentidos e do movimento, desenvolvendo habilidades motoras e sensoriais fundamentais.

No estágio emocional, que vai dos dois aos seis anos, a criança começa a desenvolver suas emoções e a capacidade de se relacionar com os outros. Nesse período, a criança experimenta uma série de emoções intensas e aprende a lidar com elas de forma adequada.

O estágio projetivo, que ocorre dos seis aos onze anos, é marcado pela expansão da imaginação e da criatividade da criança. Nessa fase, a criança começa a se expressar de maneira mais simbólica e a desenvolver habilidades cognitivas mais complexas.

Por fim, o estágio categorial, que vai dos onze aos quinze anos, é caracterizado pela consolidação do pensamento lógico e abstrato da criança. Nessa fase, a criança é capaz de pensar de forma mais abstrata e de compreender conceitos mais complexos.

Henri Wallon: biografia do fundador da Psicologia Genética

Henri Wallon: biografia do fundador da Psicologia Genética 1

A perspectiva genética é uma das características essenciais que definem a psicologia de Henri Wallon . Podemos dizer que ele é o fundador da psicologia genética, uma maneira original de entender a mente do indivíduo através de sua história.

Relacionado:  Sigmund Freud: vida e obra do famoso psicanalista

Vamos revisar as ideias-chave mais importantes para entender a ambiciosa teoria de Wallon sobre como a mente humana é gerada e desenvolvida desde a infância e os primeiros estágios de crescimento. Vamos revisar sua biografia e suas principais descobertas e teorias.

Biografia de Henri Wallon

Wallon, psicólogo e filósofo francês nascido em 1879 e morto em 1962, é considerado um “fundador esquecido” da psicologia moderna, junto com Freud e Piaget . Provavelmente devido à sua ideologia marxista, que absorve toda a sua teoria, e à importância que outros trabalhos da época traduzidos para o inglês ganharam.

Wallon acreditava que não era possível estudar a mente de uma maneira que não fosse conjunta . Enquanto os estruturalistas tentaram estudar cada componente da mente separadamente, ele reuniu afetividade e inteligência e estudou a psique como um todo.

Termina com o dualismo clássico da psicologia : a psicologia da mente, das funções mentais, versus a psicologia mais física, a do estudo do sistema nervoso. Wallon insiste que ambos os aspectos não apenas coexistem, mas se complementam. É impossível entender o ser humano se não for através de suas faculdades e sistema nervoso.

Essa conciliação de opostos é chamada materialismo dialético, uma herança marxista. É por isso que, quando falamos sobre Wallon, dizemos que ele é um psicólogo dialético-genético. Dialética porque propõe um “diálogo” entre o tradicionalmente oposto e genético, porque a coisa mais importante para entender a mente é concebê-la a partir da gênese.

Psicologia Genética

O que exatamente entendemos por psicologia genética? O próprio Henri Wallon o definiu com a seguinte afirmação: “psicologia genética é o que estuda o psiquismo em sua formação e em suas transformações”.

A psicologia genética de Wallon é um método original de análise. Como seu Piaget contemporâneo, ele criticou a abordagem a-histórica dos psicólogos da Gestalt. Wallon estava muito consciente da necessidade de estudar a mente e seu desenvolvimento desde o nascimento para entendê-la como ocorre na vida adulta, como resultado de uma história de transformações. Aqui, ele desenha um paralelo com Vygotsky, que também enfatiza a descoberta da gênese do comportamento para explicar seu desenvolvimento.

Então Wallon é um psicólogo infantil? Embora ele falasse da mente humana através das características da criança, ele o fez porque afirmou que somente através do entendimento da psique infantil e de sua evolução a mente adulta poderia ser conhecida. Que não fazia sentido estudar a psicologia do homem adulto, uma vez formada e consolidada, seria como tentar aprender a pintar um quadro que o contemplasse depois de terminado.

O desenvolvimento da criança de acordo com Wallon

Wallon assume uma série de princípios que marcam o desenvolvimento. Para ele, embora a evolução da criança ocorra em várias direções ao mesmo tempo, sempre existe uma função que se destaca e é característica de cada estágio.

Ele também não é a favor de uma abordagem quantitativa do desenvolvimento. Muitos psicólogos entendiam a criança como um adulto que ainda carece de algumas funções específicas, uma postura egocêntrica que vê a criança como um adulto em potencial que acrescenta marcos de desenvolvimento. Wallon defende que o desenvolvimento deve ser visto como é, e não por causa do que “se tornará”, observando os respectivos estágios evolutivos e levando em consideração as diferenças entre eles.

Relacionado:  Camillo Golgi: biografia deste citologista italiano revolucionário

Wallon percebe que o desenvolvimento não é uma linha contínua; as atividades características de um estágio nem sempre continuam no seguinte, muitas vezes surgem outras que as substituem ou se tornam contrárias. Ele propõe que o desenvolvimento é oscilante: cada estágio é marcado por uma orientação interna ou externa, e essa característica se alterna em cada estágio.

1. Estágio de impulsividade motora (0-6 meses)

O estágio é chamado de atividade principal que a criança realiza: responder a impulsos externos e internos e executar movimentos como uma forma de descarga de energia. É um estágio voltado para dentro, ou centrípeto, como diz Wallon.

2. Estágio de desenvolvimento emocional (7-12 meses)

Nesse estágio centrípeto, a criança desenvolve as respostas emocionais que lhe permitem interagir com seu ambiente social da maneira mais primitiva. As crianças, através da expressão emocional, estabelecem contato com outras pessoas e gradualmente se tornam parte de um mundo de significados compartilhados.

Para Wallon, as emoções têm origem nas sensações internas experimentadas pelo recém-nascido ou mesmo pelo feto. Esses estados afetivos globais refletem-se em atividades motoras (por exemplo, na criança que agita os braços quando está feliz) que outros interpretam como uma representação de um estado interno, enfatizando a função social. É através dessa socialização que as emoções passam de simples reações fisiológicas a expressões comunicativas.

3. Estágio sensório-motor e projetivo (2-3 anos)

Nesta fase, a criança começa a explorar o mundo físico à sua volta, graças às novas habilidades linguísticas e de locomoção. É, portanto, um estágio centrífugo. Segundo Wallon, o bebê sente a necessidade de investigar seu ambiente. Uma vez que a sensibilidade já está bem desenvolvida, será feita através dos sentidos. Ele pegará objetos e os levará à boca para explorá-los melhor.

É também nesta fase que ele participa do que Wallon chama de “jogos alternados”. São jogos baseados em turnos, nos quais a criança alterna entre dois pólos da mesma situação: a posição ativa e a passiva. Por exemplo, jogue catch e depois jogue catch, hide e encontre o escondido, jogue uma bola e a receba. Isso reflete a capacidade da criança de separar sua existência da dos outros. Reconhecer a si mesmo como um “eu” e começar a cristalizar seu ego diferente dos outros.

4. Estágio de personalismo (3-6 anos)

É um estágio centrípeto marcado pelo individualismo. O uso da primeira pessoa, a apropriação de todos os objetos que vê e o oposicionismo são um reflexo da cristalização do ego da criança. A criança começa a exibir características narcísicas e busca a aprovação de outras pessoas. Por fim, não contente com seu próprio comportamento, ele começa a procurar exemplos nos outros e adquire um novo repertório por imitação.

5. Etapa categórica (6 a 11 anos)

O último estágio da infância é caracterizado pelo uso do intelectual e não do afetivo. A escolarização permite que habilidades intelectuais, como memória e atenção, sejam o centro das atenções. Quando a inteligência se desenvolve, ela é capaz de criar categorias e, posteriormente, pensar abstratamente.

Deixe um comentário