Hipatia de Alexandria: biografia, pensamento, contribuições, obras

Hipatia de Alexandria foi uma filósofa, matemática e astrônoma que viveu na cidade de Alexandria, no Egito, por volta do século IV d.C. Considerada uma das primeiras mulheres a se destacar no campo da ciência e da filosofia, Hipatia foi discípula de seu pai, o matemático Teão, e tornou-se conhecida por suas contribuições no estudo da geometria, álgebra e astronomia.

Além de sua atuação como professora e pesquisadora, Hipatia também foi uma defensora da filosofia neoplatônica e da liberdade de pensamento. Sua vida e obra foram marcadas por um profundo compromisso com o conhecimento e a busca pela verdade, enfrentando preconceitos e desafios em uma época em que as mulheres tinham pouca voz na sociedade.

Infelizmente, a vida de Hipatia foi interrompida de forma trágica, quando foi brutalmente assassinada por uma multidão de fanáticos religiosos. No entanto, seu legado perdurou ao longo dos séculos, inspirando gerações de cientistas, filósofos e mulheres que lutam por igualdade e liberdade de pensamento. Suas contribuições para a ciência e para a filosofia ainda são reconhecidas e estudadas até os dias de hoje.

Conheça a biografia de Hipátia, uma importante figura histórica da antiguidade.

Hipátia de Alexandria foi uma filósofa, matemática e astrônoma grega que viveu no século IV d.C. Ela nasceu por volta de 355 d.C. em Alexandria, no Egito, e foi educada por seu pai, o matemático Teon de Alexandria. Hipátia se destacou na área da matemática e da filosofia, tornando-se uma das mais importantes figuras intelectuais da antiguidade.

Hipátia foi conhecida por sua grande inteligência e erudição, sendo respeitada por homens e mulheres de sua época. Ela ensinava filosofia neoplatônica e matemática em Alexandria, atraindo uma grande quantidade de alunos interessados em aprender com ela.

Além de suas contribuições para a filosofia e a matemática, Hipátia também se destacou na área da astronomia, realizando observações e cálculos que auxiliaram no avanço do conhecimento científico da época. Suas obras abordavam temas como a geometria, a álgebra e a astronomia, sendo consideradas fundamentais para o desenvolvimento dessas áreas do conhecimento.

Infelizmente, a vida de Hipátia foi interrompida de forma trágica. Em 415 d.C., ela foi brutalmente assassinada por uma multidão de fanáticos religiosos, que viam suas ideias filosóficas como uma ameaça à ordem estabelecida. Sua morte marcou o fim de uma era de ouro da intelectualidade em Alexandria.

Mesmo após sua morte, o legado de Hipátia continuou a inspirar gerações de pensadores e cientistas. Sua coragem, inteligência e dedicação ao conhecimento a tornaram uma figura emblemática da história da ciência e da filosofia.

Hipátia de Alexandria: Suas principais contribuições para a astronomia no século IV.

Hipátia de Alexandria foi uma renomada matemática, astrônoma e filósofa que viveu no século IV. Ela nasceu por volta do ano 355 d.C. e foi educada por seu pai, o matemático Teon de Alexandria. Hipátia se destacou por suas contribuições para a astronomia, além de ser conhecida por sua sabedoria e inteligência.

Uma das principais contribuições de Hipátia para a astronomia foi sua pesquisa sobre a órbita dos planetas. Ela estudou o movimento dos corpos celestes e fez observações detalhadas sobre as estrelas e os planetas. Sua abordagem inovadora e suas descobertas ajudaram a avançar o conhecimento científico da época.

Além disso, Hipátia também escreveu diversos tratados sobre astronomia, nos quais discutia teorias e conceitos astronômicos. Suas obras eram reconhecidas por sua clareza e precisão, e muitos estudiosos da época se inspiraram em seus escritos.

Apesar de sua importância para a astronomia, Hipátia enfrentou muitos desafios em sua vida. Ela foi alvo de críticas e perseguições devido ao seu gênero e suas ideias consideradas controversas. No entanto, sua paixão pelo conhecimento e sua dedicação à ciência a tornaram uma figura icônica na história da astronomia.

Hipátia: suas contribuições matemáticas ao longo da vida.

Hipátia de Alexandria foi uma filósofa, matemática e astrônoma grega que viveu no século IV d.C. Ela foi uma das poucas mulheres da época a se destacar no mundo acadêmico e a receber reconhecimento por suas contribuições intelectuais.

Nascida por volta do ano 355 d.C., Hipátia era filha do matemático Teão de Alexandria. Desde jovem, demonstrou grande habilidade e interesse pelas ciências, sendo instruída por seu pai e continuando seus estudos por conta própria. Hipátia se tornou uma renomada professora de matemática e filosofia, atraindo alunos de diversas partes do mundo conhecido.

Entre suas principais contribuições matemáticas, destacam-se seus estudos sobre geometria, álgebra e astronomia. Hipátia escreveu diversos tratados sobre estas disciplinas, nos quais desenvolvia teorias inovadoras e resolvia problemas complexos. Suas obras influenciaram gerações posteriores de matemáticos e cientistas.

Além disso, Hipátia foi uma defensora da filosofia neoplatônica, buscando conciliar a razão e a fé em suas reflexões. Sua abordagem filosófica influenciou o pensamento da época e continua a ser estudada e debatida até os dias atuais.

Infelizmente, a vida de Hipátia foi interrompida de forma trágica. Em 415 d.C., ela foi brutalmente assassinada por uma multidão de fanáticos religiosos. Sua morte prematura representou uma grande perda para a comunidade acadêmica da época, privando o mundo de seus conhecimentos e ideias inovadoras.

Apesar de sua vida ter sido abruptamente interrompida, o legado de Hipátia perdura através de suas obras e de sua influência sobre a matemática, a filosofia e a astronomia. Sua coragem, inteligência e dedicação às ciências continuam a inspirar estudiosos e admiradores ao redor do mundo, tornando-a uma figura icônica na história do pensamento humano.

As invenções de Hipátia: descubra o legado da famosa matemática e filósofa grega.

Hipátia de Alexandria foi uma importante matemática, filósofa e astrônoma grega, nascida por volta do ano 370 d.C. Ela foi uma das poucas mulheres da antiguidade a se destacar no campo da matemática e da filosofia, desafiando as normas sociais da época. Sua vida foi marcada por grandes contribuições para a ciência e a filosofia, e seu legado perdura até os dias atuais.

Além de suas contribuições para a matemática e a filosofia, Hipátia também foi responsável por algumas invenções que revolucionaram o conhecimento da época. Uma de suas invenções mais famosas foi o astrolábio, um instrumento utilizado para medir a posição das estrelas e planetas no céu. Com o astrolábio, Hipátia foi capaz de fazer cálculos precisos sobre o movimento dos corpos celestes, o que foi fundamental para o avanço da astronomia na época.

Outra invenção importante de Hipátia foi o hidrômetro, um dispositivo utilizado para medir a densidade de líquidos. Com o hidrômetro, ela foi capaz de realizar experimentos e descobertas importantes no campo da física e da química, contribuindo para o desenvolvimento da ciência na antiguidade.

Além de suas invenções, Hipátia deixou um legado significativo em sua obra filosófica e matemática. Suas contribuições para a geometria e a álgebra foram fundamentais para o desenvolvimento da matemática como a conhecemos hoje. Seu pensamento racional e sua abordagem científica influenciaram gerações posteriores de filósofos e cientistas, tornando-a uma figura icônica na história da ciência.

Seu legado perdura até os dias atuais, inspirando estudiosos e cientistas a continuarem a busca pelo conhecimento e pela verdade.

Hipatia de Alexandria: biografia, pensamento, contribuições, obras

Hipatia de Alexandria: biografia, pensamento, contribuições, obras

Hipácia de Alexandria (c. 350 a 370 – 415) era um filósofo, matemático e astrônomo que nasceu no Egito, que até então fazia parte do Império Romano do Oriente. Ela foi a primeira mulher de quem foram encontrados registros claros na história da matemática. Alexandrine era filha do também filósofo, matemático e astrônomo Theon de Alexandria, o último diretor da musa ou universidade da cidade.

Hipácia seguiu a tendência filosófica do neoplatonismo plotiniano e foi o último expoente dessa tendência. A popularidade desse filósofo se espalhou por Roma. Desde então, ela era considerada uma das grandes mentes de seu tempo.

De todos os territórios imperiais, ocidentais e orientais, filósofos e matemáticos foram encontrá-lo. O neoplatonismo professado por Alexandrino era tolerante com qualquer religião.

Relacionado:  7 causas da independência do México (interna e externa)

Embora Hipácia fosse pagã, seus discípulos mais notáveis ​​eram todos cristãos, como Sinésio, que se tornou bispo de Tolemaida, no Egito. Muitos dos trabalhos científicos de Hypatias foram considerados menores e a maioria desapareceu.

De qualquer forma, seus comentários sobre a aritmética de Diofante, o tratado de Apolônio de Perga sobre seções cônicas e o Almagest de Ptolomeu são considerados de grande importância .

Dentro de sua própria cidade, Hipácia era muito respeitada. Sua reputação a levou a ser consultora de Orestes, o prefeito romano da cidade, que acabou levando à sua morte depois de se envolver nas lutas internas pelo controle político de Alexandria.

Legado de sua tragédia

A infeliz morte de Hypatia em Alexandria, nas mãos de uma multidão cristã, fez dela um símbolo para os neoplatonistas islâmicos. Este último rejeitou o cristianismo, ao contrário do lado plotiniano de Hipácia.

Os imperadores Honório e Teodósio II publicaram um decreto no ano seguinte com o qual limitaram o poder de Cirilo, o Bispo de Alexandria. Por seu lado, o cristianismo criou séculos mais tarde a figura de Santa Catarina de Alexandria, tendo Hypatia como referência.

A história de Santa Catarina expõe que essa mulher foi martirizada por ordem do imperador Maxêncio. Essa decisão foi uma resposta ao fato de que ela converteu os súditos do governante romano ao cristianismo e se recusou a fazer sacrifícios aos deuses pagãos.

Nos tempos mais recentes, a figura de Hypatia tem sido usada como um marco de inspiração para obras sociológicas, teológicas e artísticas. No entanto, é comum que estes tenham pouco rigor histórico e muitos autores prefiram usá-lo como um símbolo de movimentos anticatólicos ou feministas.

Biografia 

Primeiros anos

Hipácia nasceu em Alexandria, Egito, que estava sob o domínio do Império Romano do Oriente. A data de nascimento do futuro filósofo é incerta, pois há apenas indicações nos registros.

Por um lado, a data de nascimento de seu pai também é incerta. Foi inferido que, quando Teón fez as observações dos eclipses de 364, ele devia ter cerca de 25 anos e que Hypatia ainda não havia nascido naquela época.

Além disso, o cronista Hesíquio de Mileto, como registrado no Bizantino Suda , disse que a carreira de Hipácia floresceu durante o reinado de Arcádio, após a morte de Teodósio I, em 395.

Esse autor descreveu a Alexandrina como uma jovem mulher e na plenitude de sua beleza. No entanto, Arcadio reinou de sua proclamação como Augusto em 383.

Isso significa que ele iniciou seu governo antes da morte de seu pai Teodósio I, como dizem aqueles que acreditam que ele veio ao mundo.

Outras referências

O cronista Juan Malalas, por seu lado, deu sinais de que, na data de sua morte, em 415, Hypatia tinha cerca de sessenta anos. A isto se acrescenta que seu discípulo favorito, Sinésio, estava sob sua tutela nos anos 390, quando tinha cerca de 20 anos.

O respeito com que Sinesio se dirigia a Hipácia poderia muito bem ser porque ela era uma mulher mais velha do que ele porque era sua professora. No entanto, ninguém duvida que ele não teria aceitado aulas de alguém tão próximo de sua idade.

Família

O pai de Hipácia, Theon, possuía um dos intelectos mais respeitados de seu tempo, praticado como filósofo, matemático e astrônomo. Ele foi o autor de vários poemas, dos quais alguns textos foram preservados, mas não obteve a reputação de poeta de sua época.

Como astrônomo, suas observações detalhadas dos 364 eclipses são muito importantes no campo.

Em matemática, embora ele não tenha realizado adequadamente nenhuma obra original, seus comentários e anotações sobre as obras mais populares, como os Elementos de Euclides, foram de grande importância no desenvolvimento dessa ciência e seu impacto durou até o século XIX.

Nada se sabe sobre a mãe de Hipácia, alguns historiadores supuseram que ela faleceu dando à luz sua filha. Por isso, considera-se que a educação da menina passou a ser de responsabilidade de seu pai, que a instruiu em áreas como ciências matemáticas, filosofia e educação física.

Não se conhecem irmãos, embora tenha sido levantada a possibilidade de Theon ter um filho chamado Epifânio, a quem dedicou seu comentário no livro IV do Almagesto de Ptolomeu.

No entanto, o termo grego usado por Theon, ” teknon “, também poderia ser para alguém por quem sentisse uma afeição paterna, como um discípulo favorito.

Synesius, por exemplo, chamou Theon de “pai” e se referiu a seus colegas de classe em Hypatia como “irmão”.

Corrida

Desde a infância, Hypatia ficou imersa no mundo acadêmico da cidade de Alexandria. No campo filosófico, era vista como a segunda Atenas, pois era o epicentro do conhecimento greco-romano da época.

Sob a tutela de seu pai, Hypatia logo se destacou em matemática e astronomia. Embora seu emprego não tenha sido preservado, há indícios de que ele superou o pai nessas áreas.

Os comentários de Alexandrina sobre obras como Almagest, de Ptolomeu, e Artimetics, de Diofanto, foram muito apreciados. Mas foram seus ensinamentos filosóficos que lhe renderam o respeito do mundo acadêmico da época. Seus alunos compareceram de toda a bacia do Mediterrâneo para ouvir suas palestras.

Como seu pai, Hypatia rejeitou os ensinamentos de Iamblichus e adotou a filosofia neoplatonista mais purista de Plotino.

Essa corrente era muito mais aberta com várias culturas e religiões do que a Jamblica; portanto, a reputação do filósofo era facilmente estendida no mundo cristão por não apresentar contradições com suas crenças.

O historiador cristão Sócrates registra os escolásticos em sua História eclesiástica que Hipácia espontaneamente deu palestras nas ruas da cidade vestidas com um tribon (uma peça simples associada aos filósofos).

Suas palestras eram principalmente sobre Platão e Aristóteles.

Antecedentes de sua morte

Teófilo foi o arcebispo de Alexandria, ou seja, a autoridade religiosa máxima da cidade e amigo pessoal de Sinesio. Esse líder cristão não apoiou o neoplatonismo islâmico, então ele começou a apoiar Hypatia, que se tornou uma espécie de aliado do arcebispo.

Ela foi capaz de praticar e ensinar livremente sua filosofia neoplatonista na corrente plotiniana dentro das fronteiras de Alexandria. Além disso, sua posição lhe permitiu interagir com os oficiais romanos mais importantes, o que a tornou uma personalidade muito popular e influente.

De fato, Orestes, que servia como governador de Alexandria, era um dos maiores admiradores de Hypatia. Este político procurou-a quando ele precisava ser avisado sobre algum assunto importante.

O arcebispado foi de Teófilo a Cirilo, seu protegido, em 412.  No entanto, isso não aconteceu sem lutas; Cyril não fora designado abertamente como sucessor, levando outro candidato em potencial, Timothy, a tentar tomar o poder e desencadeou a perseguição de Cyril a seus aliados.

Igreja contra Estado

O primado político foi mantido por Orestes e a liderança religiosa estava nas mãos de Cirilo. Os dois homens também iniciaram uma disputa para obter o máximo controle da cidade.

O primeiro, embora cristão, considerou que o poder civil deveria permanecer nas mãos de civis e o segundo queria assumir o controle de tudo e criar um estado teocrático.

Em 414, alguns cristãos foram mortos por judeus. Como vingança, eles os expulsaram da cidade, queimaram seus templos e pertences. Orestes protestou contra essa situação diante de Constantinopla. Mais tarde, ele executou o monge que incitou a revolta: amônio.

Enquanto isso, a relação entre Orestes e Hypatia continuou. O primeiro costumava visitar o filósofo para pedir conselhos. Um dos grandes pontos fortes de Alexandria e o que a tornou famosa foi seu bom julgamento. Além disso, o filósofo gostava de ficar de fora dos conflitos políticos e religiosos da cidade.

Cirilo naquele momento só podia desacreditar Hypatia; Ele o fez espalhando rumores doentios sobre ela. Entre as coisas que foram ditas sobre a Alexandrina estava a declaração de que ela era culpada da briga entre ele e Orestes por tê-lo enfeitiçado.

Ele também o acusou de ser um adorador de Satanás. Segundo Cyril, foi isso que a fez manifestar interesse em atividades artísticas e culturais.

Assassinato

Hipácia de Alexandria foi assassinada em março de 415 em sua cidade natal. Sócrates Scholastic comentou em suas obras que uma multidão de cristãos assaltou a carruagem em que a filosofia era transportada para sua casa.

Depois de capturá-la, eles a levaram ao Kaisarion , um templo cristão que já fez parte do culto pagão romano. Naquele quarto eles a despiram e a apedrejaram até a morte.

Dizem também que Hipácia teve seus olhos arrancados e desmembrados após sua morte. Depois disso, eles arrastaram seu corpo para os arredores da cidade e a queimaram, alegou-se que era um costume na sociedade alexandrina.

O ato crematório dos criminosos correspondia a um ritual tradicional de purificação da cidade.

Não foi esclarecido se as pessoas reais responsáveis ​​por encerrar os dias da famosa Hipácia de Alexandria eram pessoas comuns ou parabolanas. Em qualquer caso, a responsabilidade foi comumente atribuída a este último.

A morte do filósofo foi justificada por motivos religiosos. No entanto, é sabido que o ato tinha intenções políticas inerentes.

Depois de sua morte

Todo o Império Romano foi impactado negativamente pelo assassinato brutal de Hipácia de Alexandria. Nunca foi encontrada nenhuma evidência que relacionasse sua morte ao arcebispo Cyril diretamente.

De qualquer forma, era um segredo aberto que a campanha de ódio do arcebispo contra o filósofo tinha grande notoriedade. Essa foi uma das causas que levou a multidão a agir contra ela.

O imperador Teodósio II ordenou uma investigação contra Cirilo e tentou tirar a autoridade dos parabolanos para dar a Orestes. Apesar disso, durante os anos 420, Cyril conseguiu tomar o poder de Alexandria.

A lembrança de Hipácia tornou-se admirada pela tortura a que estava sujeita. Assim, o filósofo se tornou um símbolo do paganismo romano contra o cristianismo. O Alexandrino também obteve o lugar de mártir do cristianismo em Bizâncio.

De fato, os cristãos mais tarde criaram a figura de Santa Catarina de Alexandria. Ela foi inspirada na história de Hypatia e eles deram a ela as características do filósofo, bem como as de sua morte.

Com o passar do tempo, Hipácia foi aceita como um símbolo de intelectualidade e razão contra a barbárie. Tornou-se também um emblema feminista pelas conquistas intelectuais e sociais que alcançou dentro de seu contexto histórico.

Filosofia

Hipácia de Alexandria seguiu a tendência neoplatonista, especificamente a proposta por Plotinus. Eu deixei de ser o líder daquela escola filosófica em sua cidade natal, e tinha grande prestígio na época. A fama intelectual de Alexandria ficou atrás apenas de Atenas.

A evolução do neoplatonismo tornou-se correntes diferentes, cada uma com suas próprias nuances. No entanto, todos compartilhavam uma coisa: o fator comum era que todos usavam a teoria das formas como fundamento, proposta por Platão.

fundo

Em primeiro lugar, estavam os helenistas, representados por Plutarco e os neopitagóricos. Eles fizeram uma síntese dos costumes que foram aceitos por diferentes culturas, bem como as idéias de cada uma delas.

Mais tarde, o testemunho dessa filosofia foi levado por Saccas, um intelectual cristão que também absorveu amplamente influências do pensamento hindu. Ele estava encarregado de ensinar Plotino e, em seu trabalho, tentou reconciliar o que foi proposto por Platão e Aristóteles, além de cristãos e pagãos.

Aos olhos de alguns autores, Saccas pode ser considerado o precursor original do neoplatonismo e foi a bandeira filosófica dos cristãos por um tempo.

Plotinus

O aluno parece ter superado o professor no caso de Saccas e Plotinus. É este último quem todos aceitam como criador da tendência filosófica neoplatonista, que depois de futuras divisões também passou a ter a palavra “plotinian” para diferenciá-la de outras abordagens.

Plotino teve influências muito variadas, desde o grego clássico, até o egípcio (que era sua cultura tradicional), bem como o hindu, graças a seu professor, e também tomou elementos da cultura persa.

Essa rica mistura cultural fez de Plotinus um importante pensador que poderia ser apreciado em igual medida por judeus, cristãos, pagãos e islâmicos.

Esse filósofo levantou a existência de uma “entidade suprema indivisível, irreplicável e indistinguível”. Para Plotino, “ser” era uma soma de experiências vividas.

É por isso que a entidade proposta por Plotinus estava localizada acima de tudo, incluindo “ser”. Ou seja, embora fosse um conjunto de coisas, mas não era nada específico.

Iamblichus

Plotino teve um aluno chamado Porfírio, que se tornou um oponente do cristianismo e deu apoio incondicional aos costumes pagãos. De qualquer forma, ele justificou seu comportamento dizendo que não desprezava a figura de Cristo, mas o sectarismo dos cristãos.

Porfirio também levou um aluno: Iamblicus. Com o legado neoplatonista de Plotino que seu professor havia modificado, esse filósofo tornou-se ainda mais inclinado às práticas do paganismo grego e levou-o a um nível superior.

Iamblicus não apenas incluiu a religiosidade, no estilo de seu professor, em suas abordagens filosóficas, mas acrescentou um elemento mágico às teorias que ele professava. Essa foi a corrente que era antagônica às práticas de Hipácia de Alexandria.

Hipatia e neoplatonismo

Como Hipácia seguiu o lado plotiniano do neoplatonismo, ela foi muito aberta à esfera religiosa, tanto em seus ensinamentos quanto em sua admissão de estudantes. 

Isso lhe permitiu tomar como alunos pessoas que vieram de lugares diferentes e com crenças variadas. De fato, dizem que aspirantes a filósofos viajaram do Mediterrâneo a Alexandria para receber as lições de Hipácia.

Ela era a representante da corrente moderada do neoplatonismo, enquanto no Serapeum era ensinada a variante radical proposta por Iamblicus. Tanto práticas como escolas coexistiram em Alexandria.

Os ensinamentos de Aristóteles e Platão foram um dos principais temas que o filósofo transmitiu a seus alunos. Além disso, Hypatia era famosa por dar palestras espontaneamente em público e tinha alto status na sociedade local, uma característica rara para as mulheres da época.

Sua abordagem filosófica estava diretamente relacionada à figura de “Ele”, que era a mesma “entidade suprema” criada por Plotino.

Os interessados ​​em conhecer a natureza desse conceito poderiam abordá-lo abstraindo do plano de formas de Platão.

Tempos de mudança

Hypatia não queria fazer parte dos intensos debates religiosos que ocorreram durante sua vida.

Ele se destacou na polêmica contemporânea e concentrou-se em replicar seu conhecimento para qualquer pessoa que possuísse o desejo de receber instruções, independentemente do credo.

Durante o mandato do bispo Theophilus, Hypatia pôde exercer livremente sua atividade intelectual na cidade de Alexandria. Tudo isso foi possível devido à amizade entre o bispo e Sinesio, que havia sido estudante, amigo e admirador de Hipácia.

Hypatia escolheu permanecer virgem a vida toda, pois considerava que o amor verdadeiro não era luxúria, mas aquilo que era direcionado à beleza e às idéias. Outro fator que pode ter contribuído para isso foi o status que ele forneceu na sociedade de seu tempo.

Contribuições

– Matemáticas

Hipácia foi uma das primeiras mulheres, das quais existem registros históricos, que se dedicaram ao estudo e ensino da matemática, pois, na época, o conhecimento dessas matérias era geralmente reservado aos homens.

Ele herdou sua propensão para a matemática de Theon, seu pai. Algumas fontes, inclusive, asseguram que ela superou até o domínio desse assunto. Sabe-se que Hypatia fez vários comentários a trabalhos reconhecidos nessa área.

Naquela época, os “comentários” eram comparáveis ​​ao que conhecemos hoje como edição ou reedição, razão pela qual, em termos contemporâneos, ela seria considerada uma editora de texto.

Relacionado:  Neoclassicismo na Colômbia: características, autores

Note-se que a maneira de reproduzir um livro em seu tempo era copiá-lo à mão.

Hipácia de Alexandria fez um comentário sobre as Cônicas Apolonianas. No entanto, nenhuma cópia desta edição é preservada, sua participação nesse trabalho é conhecida a partir do testemunho dado por Sócrates, o Escolástico, em sua História Eclesiástica .

– Astronomia

Foi sugerido que o terceiro livro de Almagest , de Ptolomeu, comentado por Theon, era realmente o trabalho de sua filha Hypatia. Nesse caso, esse seria um dos poucos trabalhos realizados pelos alexandrinos em transcender o tempo, apesar de se provar incorreto, perdeu muito de sua relevância.

No Almagest, alguns dos tópicos que estão tentando esclarecer são a duração de um ano e a natureza do sol .

As descobertas de Hiparco sobre a precessão dos equinócios e epiciclos também são abordadas na obra de Ptolomeu, comentada por Hipácia. Epiciclos eram um modelo matemático com o qual os movimentos planetários podiam ser previstos.

No entanto, tendo feito a teoria na crença de que os planetas e o sol giravam em torno da Terra, todas as abordagens consequentes de Ptolomeu não tiveram êxito. Quando o erro foi descoberto neste trabalho, poucos deram-lhe mais importância.

– Álgebra

Outro dos trabalhos que Hypatia comentou foi o de Diofanto: Aritmética , composto por 13 livros. Apenas um deles conseguiu ser preservado até tempos mais recentes, esta cópia era sobre números poligonais.

Alguns pensam que o comentário de Hypatia serviu de modelo para as várias versões existentes neste trabalho.

Neste trabalho, são apresentadas equações algébricas e suas soluções, provavelmente parte do problema incluído no livro foi o trabalho da Alexandrina para explicar aos alunos de uma maneira prática.

Existem seis versões em grego da aritmética de Diofanto, quatro cópias também foram encontradas em árabe, e as últimas são consideradas traduções do texto original do filósofo.

Outras contribuições

– Astrolabe

Muitos dos registros da vida de Hypatia vêm do que ela discutiu com sua amiga Sinesius. Em um dos textos escritos por ele, intitulado De Dono Astrolabii, Sinesio afirmou que havia conseguido projetar um astrolábio com a ajuda do Alexandrino.

Acredita-se que o referido artefato possa ter sido originalmente criado por Ptolomeu, que Theon deve ter adquirido conhecimento que o transmitiu a Hypatia e ela, por sua vez, passou o conceito para seu aluno e amigo Sinesius.

O astrolábio era uma espécie de modelo mecânico do céu e de seu funcionamento. O objetivo disso poderia ser prever o comportamento de alguns corpos celestes ou, simplesmente, ser exposto como uma curiosidade.

– Hidroscópio

Em uma das cartas entre Synesius e Hypatia, o primeiro expressou a seu professor que ele queria ter um artefato ao qual ele se refere como um hidroscópio. Ele acrescentou à carta as especificações que precisavam ser seguidas para sua execução.

Não se sabe exatamente por que ele precisava da ajuda de Hypatia para construí-lo. A teoria que foi aceita é que Sinésio estava doente e sua doença o mantinha na cama. Essa situação o forçou a querer se recuperar rapidamente e é por isso que ele precisava que seu professor e amigo colaborassem com ele.

Alguns argumentaram que a palavra hidroscópio se referia a um relógio de água, mas isso não parecia urgente o suficiente para encomendar Hypatia para fabricá-lo. O aparelho que Alexandrine fabricou para Sinesio era um hidrômetro.

Isto foi concluído pela descrição do hidroscópio que foi mostrada na carta. Poderia ser usado para medir a densidade de um líquido e, portanto, talvez fosse usado para preparar ou dosar um medicamento que Sinesio precisava para tratar sua doença.

Tocam

De todas as obras de Hipácia de Alexandria, nenhuma cópia original conseguiu ser preservada até hoje. É por isso que seu trabalho foi registrado apenas por outros autores e pelas referências que eles deram ou por inferência quando vestígios de seus métodos foram observados em textos posteriores.

– Comentário sobre a aritmética de Diofante de Alexandria. Paul Tannery sugeriu que Hipácia era a fonte original de quatro desses livros que foram encontrados traduzidos para o árabe com algumas adições, como exercícios e suas soluções, seguindo os métodos de Theon.

Canon astronômico .

– Comentários sobre o terceiro livro do Almagest, de Claudio Ptolomeo (provável autor, embora os textos tenham sido assinados por seu pai, Teón).

– Revisão das tabelas astronômicas de Claudio Ptolomeo.

– Comentário sobre as seções cônicas de Apolônio.

– Edição de À Medida de um Círculo , de Arquimedes. Wilbur Knorr presume que ela pode ter sido a autora de uma das edições deste trabalho. Isso foi justificado pelo método utilizado em seu desenvolvimento, que coincide com os de outros trabalhos atribuídos a Hypatia.

citações

Na realidade, não existem frases originais de Hipácia de Alexandria, uma vez que os textos e obras que a filósofa realizou durante sua vida, da mesma maneira que suas cartas, foram perdidos ao longo do tempo.

No entanto, outros que compartilharam com ela em seu tempo deixaram vestígios da existência do Alexandrino que era extraordinária entre as mulheres de seu tempo. Um desses depoimentos atribuiu a seguinte citação ao filósofo:

– “Na verdade, jovem, é isso que você ama. Mas não é bonito. ” Diz-se que ela disse isso enquanto mostrava uma de suas cortinas menstruais a um garoto que estava tentando fazê-la se apaixonar. A frase é atribuída a ele por Damascio.

Outras

A maioria das frases que se espalharam como originais de Hypatia foram realmente escritas por Elbert Hubbard, um autor americano que escreveu Little Trips para as Casas dos Grandes Mestres .

No entanto, muitos consideram que ele aproveitou a oportunidade para promover sua própria agenda, afastando-se da realidade do pensamento filosófico professado por Hypatia.

– “Compreender as coisas ao nosso redor é a melhor preparação para entender o que está além.”

– “Todos os dogmas religiosos são falaciosos e nunca devem ser aceitos como absolutos por pessoas que se respeitam.”

– “As fábulas devem ser ensinadas como fábulas, mitos como mitos e milagres como fantasias poéticas.”

– “Reserve seu direito de pensar, pois pensar errado é melhor do que não pensar.”

– “Governar acorrentando a mente com medo do castigo de outro mundo é tão básico quanto usar a força”.

– “Ensinar superstições como verdades é a coisa mais terrível”.

– “Os homens lutarão pela superstição assim que lutariam pela verdade.”

– “Você não pode refutar uma superstição, pois é intangível, mas a verdade é um ponto de vista, portanto é variável”.

– “A vida é um desenvolvimento e quanto mais viajamos, mais podemos entender”.

Referências

  1. At.wikipedia.org. 2020.  Hypatia . [online] Disponível em: en.wikipedia.org [Acessado em 19 de março de 2020].
  2. Deakin, M., 2020.  Hypatia | Morte, fatos e biografia . [online] Enciclopédia Britânica. Disponível em: britannica.com [Acessado em 19 de março de 2020].
  3. Zielinski, S., 2020.  Hypatia, grande estudiosa do sexo feminino de Alexandria antiga . [online] Revista Smithsonian. Disponível em: smithsonianmag.com [Acesso em 19 de março de 2020].
  4. Mark, J., 2020.  Hypatia Of Alexandria . [online] Enciclopédia da História Antiga. Disponível em: ancient.eu [Acessado em 19 de março de 2020].
  5. Anderson, M., Katz, V. e Wilson, R., 2014.  Sherlock Holmes In Babylon . Washington: Associação Matemática da América; pp. 46 – 59.
  6. Goodreads.com. 2020.  Hypatia Quotes . [online] Disponível em: goodreads.com [Acesso em 19 de março de 2020].

Deixe um comentário