História geológica da Venezuela: eras e formações

A história geológica da Venezuela começou 4,6 bilhões de anos atrás, quando foram formadas as primeiras rochas ígneas e metamórficas que deram origem à região da Guiana.

História geológica da Venezuela: eras e formações 1

Os geólogos concordaram em identificar grandes grupos que permitiam ter uma idéia da evolução das formas geográficas da Venezuela. Assim, foram determinadas quatro idades: pré-cambriana, paleozóica, mesozóica e cenozóica. Estes, por sua vez, foram fragmentados em diferentes períodos.

A história geológica da Venezuela inclui a evolução do escudo da Guiana e a parte final do grande sistema montanhoso andino, integrado pela Cordilheira dos Andes e pela Costa. Esses foram os principais acidentes geográficos dos quais outros menores foram gerados.

Em primeiro lugar, o maciço da Guiana foi formado, no sul do país, onde surgiram importantes cadeias de montanhas. Mais tarde, no norte, surgiu o sistema montanhoso dos Andes.

No vale que atualmente os une, havia apenas água; Assim, por um tempo, o território venezuelano foi reduzido para duas ilhas.

Com o crescimento e a transformação das montanhas, vários sedimentos chegaram ao lago que separava as duas ilhas, para preenchê-lo e gerar o grande vale conhecido como planície venezuelana.

As idades geológicas na Venezuela

Na história geológica da Venezuela, como na do mundo, são identificadas quatro épocas que explicam a formação e transformação de seu relevo: pré-cambriano, paleozóico, mesozóico e cenozóico.

Era pré-cambriana

A era pré-cambriana começou há 4,6 bilhões de anos e é contada até 570 milhões de anos atrás.

Durante esse período, foi criado o complexo basal da Guiana Venezuelana, no sul do país; também nos Andes; na cordilheira norte de Perijá, estado de Zulia; e no porta-malas, estado de Cojedes.

Era Paleozóica

Esta era durou 325 anos e é contada de 570 a 245 milhões de anos na história da geologia.

Relacionado:  O que é o espaço geográfico natural?

Durante essa época, os primeiros Andes surgiram no noroeste do país; inicialmente havia uma espécie de elevação das montanhas e, mais tarde, desgaste. Atualmente, existem relevos que ainda pertencem a esta época.

A placa tectônica, chamada sul-americana, movia-se um pouco para oeste. E o prato conhecido como Caribe se moveu para o leste, elevando o território na forma de cadeias de montanhas.

Era Mesozóica

Durante a era mesozóica, a Cordilheira da Costa foi formada e desenvolvida de 245 a 65 milhões de anos atrás.

Nesta época, o que hoje é conhecido como sistema montanhoso, que circunda a costa noroeste da Venezuela, emergiu do mar do Caribe.

Era Cenozóica

A era cenozóica se desenvolveu de 65 milhões de anos atrás até os dias atuais.

Foi durante esse período que os Andes que conhecemos atualmente foram concluídos e, após a sedimentação que essa formação deixou para trás, os depósitos de petróleo foram depositados no estado de Zulia e no leste.

Além disso, o delta do rio Orinoco foi estendido e a bacia do lago Maracaibo afundou nas novas montanhas.

As três principais formações geológicas da Venezuela

1- Escudo da Guiana

O escudo da Guiana é uma das áreas geológicas mais antigas do planeta e ocupa território venezuelano, colombiano e brasileiro; Estima-se que tenha 3.500 anos de existência.

A transposição de duas camadas tectônicas – a América do Sul e o Caribe – elevou o território que estava no fundo do mar e criou um conjunto de montanhas e montanhas que compõem a região de Guayana na Venezuela.

Este site contém as rochas mais antigas da Venezuela e é conhecido como “Complexo Basal”. Consiste principalmente em rochas ígneas, entre as quais o granito.

Relacionado:  Depressão geográfica: tipos, causas e exemplos

1,5 bilhão de anos atrás, a cobertura sedimentar, principalmente arenito, foi depositada na região de Guayana, dando origem aos planaltos conhecidos como tepuyes.

O mesmo processo de erosão causou a criação de um grande depósito de areia nas margens do rio Orinoco, gerando a maior área de dunas do país, no estado de Apure.

Atualmente, essa área é conhecida como Parque Nacional Santos Luzardo e ali as dunas ou dunas coexistem com rios poderosos e vegetação de savana.

Entre as principais formações do escudo da Guiana estão El Callao, localizado próximo ao rio Yuruari e com formações vulcânicas.

Também é possível encontrar a formação no riacho Cicapra, formada por pedras conhecidas como anfíbios, intercaladas por rupturas vulcânicas.

Existem também as formações Yuruari, Caballape, Cuchivero e Roraima.

2- Cordilheira dos Andes

Após a depressão de Táchira, e após a continuação da cordilheira dos Andes a nordeste, fica a cordilheira de Mérida, que se estende à depressão de Barquisimeto e Carora.

A cadeia ocidental do sistema montanhoso consiste na cadeia montanhosa de Perijá, que chega a 3.750 metros, e a cadeia oriental que forma a cadeia montanhosa de Mérida e culmina no Pico Bolívar, a 4.978 metros.

As duas cadeias montanhosas encerram a depressão do lago Maracaibo, com 13.280 km².

Entre as formações mais destacadas estão as de Bella Vista; Caparo, com algumas ardósias fósseis; e a formação de Mucuchachí, composta principalmente por quadros negros de cinza a marrom, às vezes carbonáceos, siltosos e contendo fósseis e pirites.

Destaca também a formação de Sabaneta, composta principalmente por arenitos amarelos, cinza, violeta, vermelho e marrom. Além disso, há a formação de Palmarito, ao sul do estado de Mérida, e a formação de La Quinta.

3- As planícies

As planícies venezuelanas ocupam 35% do território nacional e foram formadas graças à sedimentação sofrida por um grande lago que separava a região de Guayana e as cadeias montanhosas dos Andes e da costa.

Relacionado:  Quais são as regiões naturais do México?

Esta região também inclui a planície do delta do rio Orinoco, cujas características são muito semelhantes às da região da planície.

Referências

  1. Gomey David et al. (2007) Cronologia de eventos tectônicos cenozóicos no oeste da Venezuela e nas Antilhas de Sotavento com base na integração de dados de reflexão sísmica offshore e geologia terrestre. A Associação Americana de Geólogos do Petróleo V. 91. pp: 653-684.
  2. Mencher E. et al. (1.953) Geologia da Venezuela e seus campos de petróleo. Boletim da Associação Americana de Geólogos de Petróleo. V. 37 No. 4. pp: 690-777
  3. McNab JG et al. (1952). Evolução do petróleo. Química Industrial e de Engenharia. 44 (11), pp: 2556–2563
  4. Macqueen, RW, & Leckie, DA (1992). Bacias foreland e cintos dobráveis. Estados Unidos: Tulsa, OK (Estados Unidos); Associação Americana de Geólogos do Petróleo.
  5. Prieto, R. & Valdes, G. (1990). O campo de petróleo furrial, um novo gigante em uma bacia antiga. No Boletim AAPG (Associação Americana de Geólogos do Petróleo); (EUA) (Vol. 74: 9). Estados Unidos.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies