Ignacio Comonfort: biografia, governo e contribuições

Ignacio Comonfort (1812-1863) foi um militar e político mexicano que ocupou a presidência do país por quase dois anos, de dezembro de 1855 a novembro de 1857. Comonfort nasceu em Amozoc, Puebla, em 1812 e morreu em 1863, combatendo os invasores Francês

Na juventude, o futuro presidente queria dedicar-se às cartas e começou os estudos de direito. A morte de seu pai o forçou a mudar seus propósitos. Ele participou com Santa Anna na luta contra o governo de Anastasio Bustamante e, posteriormente, ingressou na política como deputado no Congresso.

Ignacio Comonfort: biografia, governo e contribuições 1

Fonte: Por Ramón P. Cantó [Domínio público], via Wikimedia Commons

Ele se juntou aos rebeldes no Plano Ayutla contra Santa Anna e foi nomeado Ministro da Guerra no governo de Juan Álvarez. Após sua renúncia, Comonfort ocupou a presidência provisória em dezembro de 1855. Meses depois, ele renovou sua posição, já como presidente eleito.

Seu governo liberal promulgou várias leis que tentavam acabar com os privilégios da Igreja Católica. Isso rendeu a ele a rejeição dos setores mais conservadores, que se ergueram para ocupar o poder.

Biografia

José Ignacio Gregório Comonfort de los Ríos, nome completo do futuro presidente, veio ao mundo em 12 de março de 1812, em Amozoc, Puebla. Seu pai, descendente de irlandeses, era um oficial monarquista durante o vice-reinado.

Segundo os biógrafos, foi sua mãe, Guadalupe de los Ríos, quem mais influenciou a personalidade de Comonfort, principalmente após a morte de seu pai.

Foi precisamente essa morte que mudou a existência do jovem Ignacio. Após sua vocação no campo das letras, ele começou a estudar direito no Colégio Carolino de Puebla. Depois de se tornar órfã como pai, a situação econômica da família se deteriorou bastante, forçando Comonfort a abandonar a escola.

Com a responsabilidade de ajudar sua família, Ignacio provou ter boas qualidades para os negócios. No entanto, em 1832, ele decidiu mudar sua vida e se juntar ao exército.

Entrada no exército e na política

Naquela época, o governo do país era dirigido por Anastasio Bustamante, que havia estabelecido um sistema ditatorial. Seus oponentes, elogiados por Santa Anna, levantaram-se em armas, tentando derrubá-lo. Ignacio Comonfort juntou-se a este levante em 1832.

Após o sucesso da rebelião, Comonfort foi nomeado comandante da Plaza de Izúcar de Matamoros. Um pouco mais tarde, ele ocupou a mesma posição militar em Tlapa, cidade do estado de Guerrero.

Comonfort também começou a mostrar interesse pela política e foi eleito deputado pelo Congresso em 1842, 1846. No ano seguinte, ele teve que novamente pegar em armas, desta vez para combater os Estados Unidos.

Quando o conflito terminou, ele voltou à política. Ele ocupou cadeiras no Congresso e no Senado até 1851 e, em 1853, foi nomeado administrador da Alfândega de Acapulco.

O governo do general Santa Anna era muito impopular por causa da ditadura que ele havia estabelecido. Comonfort era um dos mais descontentes, então o ditador o removeu de seu posto. No entanto, Juan Álvarez, governador de Guerrero, fez dele o chefe da guarnição de Acapulco.

Ayutla plan

Os opositores de Antonio López de Santa Anna se organizaram e, em 1º de março de 1854, lançaram o Plano Ayutla. No dia 11 do mesmo mês, Ignacio Comonfort e Juan Álvarez se juntaram à revolta.

Comonfort, juntamente com Álvarez, liderou a rebelião do sul. Eles conseguiram resistir ao cerco ao qual Acapulco estava sujeito, mas logo perceberam que precisavam de ajuda para derrotar o ditador. Assim, o próprio Comonfort viajou para os Estados Unidos, onde conseguiu um empréstimo de 60.000 pesos para financiar o levante.

Relacionado:  Escudo de Guadalajara: História e Significado

A luta contra Santa Anna ainda duraria mais alguns meses. Em agosto de 1855, a rebelião se espalhou por todo o país e o ditador percebeu que não tinha chance de vitória. Antes disso, ele foi para o exílio.

Juan Álvarez se tornou presidente, nomeando Ignacio Comonfort como Ministro da Guerra. O então general ocupou o cargo de 10 de outubro a 10 de dezembro de 1855.

Presidência interina

O caráter e a ideologia de Álvarez não correspondiam à atmosfera que existia entre a classe política da capital e, em dezembro de 1855, ele renunciou ao cargo. Ignacio Comonfort, seu substituto, assumiu o cargo de presidente substituto no dia 11 do mesmo mês.

Mesmo antes dessa mudança na presidência, os conservadores haviam demonstrado descontentamento com as leis progressistas e seculares que Alvarez promulgara. Logo após a posse de Comonfort, ele teve que enfrentar uma revolta contra ele que era especialmente importante em Puebla.

Comonfort colocou-se na frente das tropas e conseguiu derrotar os rebeldes. A Lei Confiscadora, promulgada em junho de 1856, causou um novo levante baseado no Convento de San Francisco de la Capital. Como o anterior, foi derrotado, mas foram feitas tentativas em outras partes do país.

Em fevereiro de 1857, Comonfort promulgou a nova Constituição, elaborada por uma Comissão que Álvarez havia lançado. Esta Carta Magna incluía as chamadas Leis de Reforma, que eliminavam os privilégios da Igreja Católica.

A instituição religiosa reagiu ameaçando excomungar todos aqueles que juraram o novo texto constitucional.

Presidência Constitucional

Enquanto a situação se tornava mais tensa, às vezes, Comonfort venceu as eleições de 13 de julho de 1857. Em 1º de dezembro de 1857, ele começou sua etapa como presidente constitucional e nomeou Benito Juárez como presidente do Supremo Tribunal de Justiça.

Na tentativa de pacificar o país, Comonfort organizou um gabinete que contemplava liberais e conservadores. No entanto, naquela época, os conservadores já tinham um plano para tomar o poder. O próprio Comonfort, muito mais moderado do que boa parte de seu partido, estava atualizado.

Reuniões com conservadores

Em 15 de novembro de 1857, ocorreu uma reunião no Palácio do Arcebispo de Tacubaya. Estiveram presentes personagens muito influentes, como o governador do Distrito Federal, o general Félix María Zuloaga e o próprio presidente Ignacio Comonfort. Essa reunião é considerada o começo da conspiração contra o governo liberal.

Como observado anteriormente, Comonfort pertencia à ala moderada dos liberais e, como tal, não estava apenas convencido de algumas das leis contra a Igreja que haviam sido promulgadas.

Segundo alguns historiadores, o presidente participou da reunião para reunir opiniões sobre a conveniência de continuar a legislatura com o mesmo governo.

Comonfort achou que a maioria da população discordava dos artigos mais controversos da Constituição e, portanto, considerou que eles não deveriam ser mantidos.

Plano de Tacubaya

Os eventos aceleraram a partir desse momento. Em 17 de dezembro de 1857, os conspiradores se reuniram novamente em Tacubaya, cidade que acabou nomeando o plano estabelecido.

Este documento afirmava que “a maioria das pessoas não estava satisfeita com a Constituição.” Segundo os signatários, era necessário não obedecê-la. Quanto à presidência, o Plano Tacubaya declarou que continuaria sendo exercido por Comonfort, ao qual foram concedidos poderes quase absolutos.

Relacionado:  Chileanization do cobre: ​​contexto, causas e conseqüências

Segundo muitos biógrafos, Comonfort demorou a apoiar o plano, que foi praticamente um golpe de Estado. Ele parece ter se arrependido de ter apoiado as medidas que prejudicam a Igreja. Alguns historiadores apontam que sua mãe o aconselhou a não violar os preceitos religiosos e acabou se juntando aos conspiradores.

A própria Igreja aderiu rapidamente ao plano. Assim, ele declarou excomungado a todos os que permaneceram fiéis à Magna Carta e perdoou aqueles que se arrependeram de tê-la apoiado.

Em alguns dias, vários governos estaduais aderiram ao levante. Por seu lado, Benito Juárez se recusou a aceitar o Plano Tacubaya.

Destino

A revolta, já apoiada por Comonfort, não recebeu apenas apoio de vários estados. As tropas da Cidadela assumiram o controle da capital, mesmo sem ter que disparar, no mesmo dia 17 de dezembro.

Naquela época, parecia que os conspiradores haviam conseguido imediatamente, mas, no entanto, a situação logo começou a esquentar. Comonfort, que recebeu os poderes extraordinários incluídos no Plano Tacubaya, logo se tornou o centro de críticas de ambos os lados, liberais e conservadores.

Em 11 de janeiro de 1858, Zuloaga exigiu que o plano original fosse abandonado, eliminando a parte que mantinha Ignacio Comonfort na presidência. Finalmente, foi uma parte do exército que decidiu a questão. A mobilização de algumas tropas, pedindo a mudança de presidente, terminou com Comonfort expulso do cargo.

Sua derrubada pareceu dar impulso a um conforto que havia sido ultrapassado pelos acontecimentos. Assim, antes de deixar a presidência, ele ordenou a libertação de Juarez, que havia sido capturado pelos rebeldes.

Apesar disso, sem apoio de ambos os lados, Ignacio Comonfort teve que deixar o México. Ele marchou para os Estados Unidos em 7 de fevereiro, onde permaneceu por vários anos.

Retorno ao México e morte

Em 1863, Juarez deu a Comonfort a chance de voltar ao México. O político se ofereceu para combater os invasores durante a Segunda Intervenção Francesa e Juarez o nomeou Comandante do Exército do Centro.

O ex-presidente mudou-se entre San Miguel e Chamacuero, em 3 de novembro daquele ano, quando foi emboscado por guerrilheiros do lado conservador, um aliado dos franceses.

Durante a luta, ele foi ferido na cabeça com um facão. A ferida não causou sua morte imediata, mas Ignacio Comonfort morreu ao ser levado para Celaya.

Características de seu governo

O governo de Comonfort foi muito curto, pois mal alcançou dois anos entre o período intermediário e o constitucional. Durante esse período, ele aprovou algumas das chamadas leis de reforma, embora mais por causa da pressão dos mais progressistas de seu partido do que por suas próprias convicções.

Todas essas leis foram incluídas na Constituição de 1857. A rejeição provocada entre os setores mais conservadores do país acabou causando a chamada Guerra da Reforma.

Ideologia liberal

Comonfort chegou à presidência apoiada por liberais mexicanos. Pessoalmente, segundo os biógrafos, ele estava entre os moderados do partido, mas acabou promulgando leis reivindicadas pelos mais radicais. Entre os que causaram mais conflitos internos estavam os relacionados à Igreja Católica.

Tentativa de reconciliação

Como presidente, Comonfort tentou timidamente conciliar os dois lados da política mexicana: liberais e conservadores. A luta entre os dois era constante desde a independência, às vezes chegando um ao outro militarmente.

Os governos formados por Comonfort incluíram ministros das duas sensibilidades. De uma maneira um tanto ingênua, de acordo com muitos historiadores, ele tentou impor leis liberais enquanto se agradava com os conservadores prejudicados por eles, especialmente membros do clero e militares.

Relacionado:  Agricultura dos astecas: principais características

O resultado dessa tentativa foi um fracasso. Seu gabinete misto tornou a nação ingovernável e aumentou a tensão até chegar à guerra.

Indecisão

Apesar da decisão de apoiar o Plano Tacubaya, uma espécie de autogolpe estatal, a maioria dos historiadores não atribui seu desempenho à ambição. Em geral, Comonfort é acusado de indecisão e de não ser capaz de se definir a qualquer momento.

Foi um presidente duvidoso, que tentou agradar a todos e acabou sem nenhum apoio. Uma de suas frases define perfeitamente seu caráter: “Quando necessário, estarei lá onde minha presença é necessária, e mesmo que seja o local de maior perigo, cerro os dentes e me deixo arrastar”.

Contribuições

Parte das contribuições feitas por Comonfort e seu governo foram antes decisões fora de sua vontade. Assim, as Leis da Reforma começaram com seu antecessor, Juan Álvarez, e com os liberais mais progressistas. O mesmo aconteceu com a Constituição de 1857, sem dúvida o seu legado mais destacado.

Leis de reforma

As leis de reforma eram um conjunto de normas legais promulgadas entre 1855 e 1863. A primeira foi emitida pelo governo de Juan Álvarez, a segunda por Ignacio Comonfort e a última por Benito Juárez.

O principal objetivo de todos eles era separar a Igreja e o Estado. Para fazer isso, eles eliminaram uma série de privilégios que, historicamente, a instituição religiosa mantinha.

A série de leis começou com a chamada Lei Juarez, promulgada em 23 de novembro de 1855. Por meio dela, tribunais especiais foram abolidos, militares e religiosos. Desde então, todos os cidadãos eram iguais perante a lei.

Já com Comonfort na presidência foram promulgadas as Igrejas de Direito, a Lei Lafragua, a Lei Lerdo e a Lei do Registro Civil. Todos seguiram a mesma direção, limitando poderes eclesiásticos e concedendo direitos aos cidadãos.

Assim, foi proibida a cobrança de direitos e dízimos das paróquias, a liberdade de imprensa foi regulamentada, as mãos de Dead Hands foram confiscadas e o Registro do Status Civil foi estabelecido.

Constituição de 1857

O Plano de Ayutla, promulgado para acabar com a ditadura de Santa Anna, estabeleceu antes de seus pontos a necessidade de uma nova Constituição para o México. Álvarez e Comonfort obedeceram ao que foi assinado e convocaram um Congresso Constituinte.

A maioria dos membros era liberal, mas dentro dessa corrente havia duas facções distintas. Assim, um grupo pediu reformas radicais para acabar com o poder da Igreja e do Exército.

A outra facção era muito mais moderada em suas demandas. Comonfort, um defensor deste segundo grupo, tentou suavizar o conteúdo constitucional.

No entanto, apesar de estar em minoria e com o Presidente contra, os mais radicais conseguiram impor suas propostas. As mais controversas foram a proibição de aquisição de propriedades pelas empresas eclesiásticas, a exclusão de membros do clero de postos públicos, a educação secular e a liberdade de culto.

A Constituição de 1857 também implementou o federalismo, bem como a república representativa. Estabeleceu 25 estados, um território e o distrito federal e apoiou a autonomia dos municípios.

Referências

  1. EcuRed. Ignacio Comonfort Obtido de ecured.cu
  2. Biografias e vidas. Ignacio Comonfort Obtido de biografiasyvidas.com
  3. História do México. Quem foi Ignacio Comonfort? Obtido de historiademexicobreve.com
  4. Revolvy Ignacio Comonfort Obtido em revolvy.com
  5. Ernst C. Griffin, Angel Palerm e outros. México Obtido em britannica.com
  6. A Biografia Biografia de Ignacio Comonfort (1812-1863). Obtido em thebiography.us

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies