Interacionismo simbólico: segundo Blumer, Mead, Goffman, Weber

O Interacionismo simbólico é uma abordagem teórica que se concentra na análise das interações sociais e da construção de significados através dos símbolos. Segundo teóricos como Herbert Blumer, George Herbert Mead, Erving Goffman e Max Weber, as interações humanas são fundamentais para a compreensão da sociedade e da cultura. Eles argumentam que as pessoas atribuem significados aos símbolos e utilizam esses significados para interpretar e dar sentido às suas experiências sociais. Neste contexto, o Interacionismo simbólico destaca a importância da comunicação, da linguagem e da interação face a face na construção da realidade social.

A visão de Erving Goffman sobre o interacionismo simbólico: uma análise aprofundada.

Erving Goffman, um dos principais representantes do interacionismo simbólico, trouxe uma abordagem única e inovadora para entender as interações sociais. Para Goffman, a interação social é uma representação teatral, onde os indivíduos desempenham papéis e utilizam símbolos para se comunicar e se relacionar com os outros.

Goffman acreditava que as interações sociais são marcadas por rituais e estratégias que os indivíduos utilizam para construir suas identidades e gerenciar suas impressões diante dos outros. Ele desenvolveu o conceito de “dramaturgia social”, que descreve como as pessoas se apresentam de maneira consciente e estratégica em diferentes situações sociais.

Para Goffman, a vida social é como um palco, onde os indivíduos atuam diante de uma plateia, buscando manter uma imagem positiva de si mesmos. Ele analisou diversas situações do cotidiano, como encontros sociais, entrevistas de emprego e interações em espaços públicos, para entender como as pessoas utilizam gestos, expressões faciais e linguagem corporal para transmitir mensagens e construir significados.

Em suma, a visão de Erving Goffman sobre o interacionismo simbólico enfatiza a importância da performance e da comunicação não verbal nas interações sociais. Ele nos lembra que as interações sociais são complexas e cheias de significados simbólicos, que moldam nossa maneira de nos relacionar com os outros e de nos perceber como indivíduos.

Significado e conceitos da teoria do interacionismo simbólico: compreenda sua importância nas interações sociais.

A teoria do interacionismo simbólico é uma abordagem da sociologia que se concentra na análise das interações sociais e na forma como os indivíduos atribuem significado aos símbolos e às ações uns dos outros. Segundo Herbert Blumer, um dos principais teóricos dessa perspectiva, o significado das coisas é construído socialmente por meio da interação simbólica.

George Herbert Mead, outro pensador importante do interacionismo simbólico, enfatizou a importância da linguagem e da comunicação na construção da realidade social. Para Mead, o eu (self) é formado a partir das interações sociais e do processo de internalização dos símbolos culturais.

Erving Goffman, por sua vez, destacou a importância do papel e da representação na interação social. Para Goffman, os indivíduos desempenham papéis sociais e utilizam estratégias de apresentação de si mesmos para gerenciar a impressão que causam nos outros.

Max Weber, embora não seja considerado um teórico do interacionismo simbólico, também contribuiu para essa abordagem ao destacar a importância da compreensão interpretativa na análise das ações sociais. Weber argumentava que é essencial compreender o significado que os indivíduos atribuem às suas ações para entender o comportamento humano.

Relacionado:  15 exemplos de capilaridade em destaque

Em suma, a teoria do interacionismo simbólico nos ajuda a compreender como os indivíduos constroem significados, atribuem sentido às suas interações e criam a realidade social por meio da comunicação e da interação simbólica. Essa abordagem é fundamental para entender as dinâmicas das relações sociais, a construção da identidade e a formação dos grupos sociais na sociedade.

Classificação dos movimentos sociais segundo Blumer: uma análise detalhada e esclarecedora.

O Interacionismo simbólico é uma abordagem teórica que se concentra na análise das interações sociais e na construção de significados através dos símbolos. Segundo Blumer, um dos principais teóricos dessa abordagem, os movimentos sociais podem ser classificados em três categorias principais: reformistas, revolucionários e conservadores.

Os movimentos reformistas buscam promover mudanças dentro do sistema existente, trabalhando dentro das estruturas estabelecidas para alcançar seus objetivos. Eles geralmente buscam reformas graduais e não questionam fundamentalmente as bases da sociedade.

Por outro lado, os movimentos revolucionários têm como objetivo transformar radicalmente a ordem social existente. Eles buscam mudanças estruturais profundas e muitas vezes adotam uma abordagem mais confrontacional em relação ao sistema vigente.

Já os movimentos conservadores buscam preservar e manter as estruturas sociais tradicionais. Eles resistem a mudanças e buscam proteger os valores e instituições considerados fundamentais para a manutenção da ordem social.

É importante destacar que essas categorias não são necessariamente fixas ou rígidas, e um movimento social pode transitar entre elas dependendo do contexto e das estratégias adotadas. Além disso, Blumer ressalta a importância de considerar a dinâmica das interações sociais na análise dos movimentos sociais, destacando a centralidade dos significados e símbolos na construção da realidade social.

Ao considerar as nuances e complexidades dos processos sociais, essa análise contribui para uma compreensão mais aprofundada das dinâmicas de transformação social.

Entenda a definição e os princípios da teoria do interacionismo na sociologia contemporânea.

O Interacionismo simbólico é uma abordagem teórica na sociologia contemporânea que se concentra na análise das interações sociais e na construção de significados. Segundo Herbert Blumer, George Mead, Erving Goffman e Max Weber, o interacionismo simbólico enfatiza a importância dos símbolos, da linguagem e da comunicação na construção da realidade social.

De acordo com Blumer, os indivíduos atribuem significados aos símbolos com base em suas interações sociais e esses significados influenciam suas ações e comportamentos. Mead, por sua vez, destacou a importância da linguagem e do processo de comunicação na formação do self e na construção das relações sociais.

Goffman, por sua vez, analisou as interações sociais em contextos específicos, como rituais e performances, e como os indivíduos constroem e apresentam suas identidades sociais. Weber, por fim, enfatizou a importância da compreensão interpretativa das ações sociais e da influência dos valores e das crenças na interação social.

É uma abordagem que destaca a importância da linguagem, dos símbolos e da comunicação na construção da realidade social.

Interacionismo simbólico: segundo Blumer, Mead, Goffman, Weber

A interação simbólica é uma teoria sociológica que está também relacionada com a psicologia social e antropologia. Seu principal objetivo é o estudo da sociedade baseada na comunicação.

Essa corrente de pensamento teve uma grande influência no estudo da mídia . O interacionismo simbólico faz parte das correntes do paradigma interpretativo, que busca estudar as interações sociais do ponto de vista de cada um dos que dela participam.

Relacionado:  21 Exemplos de energia mecânica em destaque

Interacionismo simbólico: segundo Blumer, Mead, Goffman, Weber 1

O interacionismo simbólico surgiu pela primeira vez com a Escola de Chicago na década de 1920. Sua aparência se deve principalmente ao surgimento de sistemas de comunicação, democracia e imigração de origem européia.

Suas principais áreas de estudo foram o relacionamento do indivíduo com sua comunidade, a ecologia humana e a importância da interpretação nas comunicações humanas.

Instalações do interacionismo simbólico segundo Blumer

O criador do termo “interação simbólica” foi Herbert Blumer, um sociólogo americano que contribuiu com grande parte dos fundamentos dessa disciplina. Seus trabalhos sobre interacionismo simbólico são baseados nos estudos de George Herbert Mead, professor da Universidade de Chicago.

Blumer resumiu suas idéias sobre interacionismo simbólico em um único livro, no qual falou sobre quais eram as três premissas básicas dessa corrente:

  • Os seres humanos se comportam de certa maneira em relação a outras pessoas ou objetos, dependendo dos significados que lhes concedem. Esses significados são totalmente subjetivos e não precisam estar de acordo com as normas sociais.
  • Os significados dados aos objetos e às pessoas surgem das interações de cada um de nós com eles. Portanto, esses significados não são inerentes e podem ser modificados.
  • Os significados são construídos e modificados através de um processo interpretativo que ocorre quando uma pessoa precisa interagir com o que encontra. Nesse processo, a pessoa seleciona, transforma e organiza os significados que está dando a cada coisa.

Blumer levou essas idéias para o próximo nível, afirmando que a sociedade nada mais é do que a interação entre as pessoas que a formam. Portanto, a realidade social não é algo tangível, mas existe apenas na experiência humana.

Essa idéia ganhou muitas críticas, pois alguns sociólogos consideram a abordagem de Blumer apenas teórica e que não pode ser aplicada na vida real.

Instalações do interacionismo simbólico segundo Mead

George Mead, outro dos pioneiros da teoria do interacionismo simbólico, concentrou-se nas maneiras pelas quais as pessoas interagem com objetos ao nosso redor e com outras pessoas. Em seus escritos, ele identificou principalmente dois tipos de interações simbólicas:

  • A linguagem
  • O jogo

Essas formas de interação têm em comum que são baseadas em símbolos compartilhados por todos os participantes no processo de comunicação; caso contrário, a troca de informações entre eles seria impossível.

Jogo

Para Mead, o jogo é o processo fundamental pelo qual as crianças adquirem os significados que usarão para interpretar o mundo ao seu redor. Ao adotar certas funções durante seus jogos (como “médico”, “polícia” ou “vaqueiro”), as crianças conseguem se colocar no lugar de outras pessoas e entender as regras que governam as interações sociais.

Da mesma forma, através da brincadeira, as crianças são capazes de aprender mais sobre os objetos que as cercam e a utilidade que têm para elas. Esses jogos estão se tornando cada vez mais complexos, à medida que as crianças amadurecem e entendem melhor seu ambiente.

Nas formas mais complexas de brincar, as crianças também devem ser capazes de entender os papéis dos demais participantes. Dessa maneira, cria-se um paradigma compartilhado por todas as pessoas que fazem parte da interação, o que Mead chama de “o outro generalizado”.

Relacionado:  Mario Molina: Biografia e Contribuições para a Ciência

Linguagem

Quanto à linguagem, Mead a descreveu como comunicação através de símbolos significativos. Usando esse processo, o indivíduo é capaz de internalizar as atitudes dos outros em relação a si mesmo. Portanto, esse sociólogo considerou que a linguagem é um dos pilares mais básicos da sociedade.

Segundo Mead, a linguagem também é a maneira básica pela qual as pessoas constroem uma imagem de nós mesmos. Isso ocorre através do processo de interação simbólica ao se comunicar com os outros.

Premissas do interacionismo simbólico segundo Goffman

Irving Goffman é outro promotor do movimento interacionista simbólico. Sua principal contribuição foi a interpretação das pessoas como “atores”, para que suas ações sejam determinadas pelo tipo de interação que elas têm com os outros.

Os princípios fundamentais do interacionismo simbólico, segundo Goffman, são os seguintes:

  • Os seres humanos, ao contrário de outros seres vivos , têm a capacidade de pensar.
  • Essa capacidade de pensar depende de interações sociais.
  • Por meio de interações sociais, as pessoas aprendem os símbolos e significados que lhes permitem usar sua capacidade de pensar.
  • Pessoas com capacidade de modificar seus significados com base na interpretação de cada situação, o que afeta sua maneira de agir.
  • As pessoas são capazes de fazer essas modificações porque também são capazes de interagir consigo mesmas. Isso permite que eles considerem diferentes cursos de ação, estudem suas vantagens e desvantagens e escolham aquele que os melhores resultados acreditam que lhes concederão.
  • O conjunto de ações e interações é o que forma as sociedades humanas.

Além disso, Goffman tornou o interacionismo simbólico mais acessível à maioria da população, explicando a idéia dos símbolos como os papéis que cada um de nós assume durante suas interações sociais.

Premissas do interacionismo simbólico segundo Weber

Embora o termo “interacionismo simbólico” não tenha sido cunhado até muito mais tarde, Max Weber foi um dos primeiros pensadores que falou da importância dos significados na vida das pessoas.

Sua principal idéia sobre esse assunto era que as pessoas agem com base em sua interpretação do mundo ao seu redor, nas coisas que acontecem com elas e com elas mesmas.

Portanto, para entender as motivações de um indivíduo, é necessário aprender mais sobre os símbolos com os quais ele está operando.

Referências

  1. “Interacionismo simbólico” em: Wikipedia. Retirado em: 7 de março de 2018 da Wikipedia: en.wikipedia.org.
  2. “Interação simbólica e o surgimento do eu” em: Sociology Guide. Retirado em: 7 de março de 2018 do Sociology Guide: sociologyguide.com.
  3. “Herbert Blumer” em: Wikipedia. Retirado em: 7 de março de 2018 da Wikipedia: en.wikipedia.org.
  4. “Aprenda sobre o interacionismo simbólico” em: Thought Co. Retirado em: 7 de março de 2018 na Thought Co: thoughtco.com.
  5. “Erving Goffman” em: Universidade do Havaí. Retirado em: 7 de março de 2018 da Universidade do Havaí: hawaii.edu.

Deixe um comentário