Isóbaros: características, exemplos e diferenças com isótopos

Isóbaros são átomos de diferentes elementos químicos que possuem o mesmo número de massa, ou seja, o mesmo número de prótons e nêutrons em seus núcleos. Isso significa que apesar de pertencerem a elementos químicos distintos, eles têm propriedades físicas e químicas semelhantes devido à sua massa atômica igual. Alguns exemplos de isóbaros são os átomos de cloro-37 e argônio-37, que possuem massa atômica de 37 unidades de massa atômica.

É importante ressaltar que os isóbaros são diferentes dos isótopos, que são átomos do mesmo elemento químico, mas com número diferente de nêutrons e, consequentemente, massa atômica diferente. Enquanto os isóbaros têm massa atômica igual, os isótopos têm propriedades físicas e químicas semelhantes devido ao mesmo número de prótons, mas apresentam diferenças em suas massas.

Diferenças entre isótopos e isóbaros: entenda as variações nos átomos de elementos químicos.

Isótopos e isóbaros são termos frequentemente utilizados na química para descrever diferentes características dos átomos dos elementos químicos. Enquanto os isótopos referem-se a átomos do mesmo elemento com o mesmo número de prótons, mas com números diferentes de nêutrons, os isóbaros são átomos de elementos diferentes que possuem o mesmo número de massa, ou seja, a soma dos prótons e nêutrons é igual.

Os isótopos são variações de um mesmo elemento químico, como o carbono, por exemplo, que pode existir em diferentes formas isotópicas, como o carbono-12, carbono-13 e carbono-14. Essas variações isotópicas podem afetar as propriedades físicas e químicas do elemento, como a estabilidade nuclear e a reatividade química.

Por outro lado, os isóbaros são átomos de elementos diferentes, como o carbono e o nitrogênio, que possuem o mesmo número de massa. Isso significa que esses átomos têm diferentes números de prótons e nêutrons, mas a soma desses números resulta em um valor igual. Um exemplo comum de isóbaros é o cloro-37 e o argônio-37, que possuem o mesmo número de massa, mas elementos químicos diferentes.

Em resumo, os isótopos são variações do mesmo elemento com diferentes números de nêutrons, enquanto os isóbaros são átomos de elementos diferentes com o mesmo número de massa. Essas diferenças são fundamentais para compreender as propriedades e comportamentos dos elementos químicos na natureza e em laboratório.

Exemplos de isóbaros: compreendendo a definição e suas aplicações na química.

Os isóbaros são átomos de elementos diferentes que possuem o mesmo número de massa, ou seja, o mesmo número total de prótons e nêutrons. Isso significa que eles têm massas atômicas diferentes, mas propriedades químicas semelhantes devido ao mesmo número de prótons. Os isóbaros são importantes na química porque podem ter comportamentos químicos semelhantes, mesmo sendo elementos diferentes.

Um exemplo de isóbaros são os átomos de potássio-40 e argônio-40. Ambos possuem 40 nêutrons, mas o potássio-40 tem 19 prótons e o argônio-40 tem 18 prótons. Mesmo assim, eles têm propriedades químicas semelhantes devido ao mesmo número de massa.

Outro exemplo de isóbaros são os átomos de cálcio-40 e titânio-40. Ambos possuem 40 nêutrons, mas o cálcio-40 tem 20 prótons e o titânio-40 tem 22 prótons. Apesar de serem elementos diferentes, eles compartilham propriedades químicas semelhantes devido ao mesmo número de massa.

Relacionado:  Óxido de enxofre: fórmula, propriedades, riscos e usos

É importante notar que os isóbaros são diferentes dos isótopos, que são átomos do mesmo elemento com um número diferente de nêutrons. Os isótopos têm propriedades químicas semelhantes devido ao mesmo número de prótons, mas podem ter diferenças nas propriedades físicas devido ao número de nêutrons.

Em resumo, os isóbaros são átomos de elementos diferentes com o mesmo número de massa, o que lhes confere propriedades químicas semelhantes. Eles são importantes na química para estudar as semelhanças e diferenças entre elementos diferentes com base no número de massa.

Isótopos: definição e exemplos de elementos químicos com diferentes números de nêutrons.

Isótopos são átomos de um mesmo elemento químico que possuem o mesmo número de prótons no núcleo, mas diferentes números de nêutrons. Isso resulta em átomos do mesmo elemento com massas diferentes. Por exemplo, o carbono possui três isótopos naturais: carbono-12, carbono-13 e carbono-14, que possuem 6, 7 e 8 nêutrons, respectivamente.

Isóbaros: características, exemplos e diferenças com isótopos.

Isóbaros, por sua vez, são átomos de elementos químicos diferentes que possuem o mesmo número de massa, ou seja, o mesmo número de nêutrons, mas diferentes números de prótons. Um exemplo de isóbaros são o carbono-14 e o nitrogênio-14, que possuem 14 nêutrons, mas 6 e 7 prótons, respectivamente.

Uma diferença importante entre isótopos e isóbaros é que os isótopos pertencem ao mesmo elemento químico, enquanto os isóbaros são de elementos diferentes. Ambos os fenômenos são importantes para a compreensão da natureza dos átomos e suas propriedades químicas.

Como identificar os isótopos através de suas propriedades físicas e químicas distintas.

Para identificar os isótopos através de suas propriedades físicas e químicas distintas, é necessário observar algumas características específicas de cada elemento. Os isótopos são átomos de um mesmo elemento que possuem o mesmo número de prótons, mas diferentes números de nêutrons. Essa diferença na quantidade de nêutrons resulta em propriedades físicas e químicas distintas.

Uma das maneiras de identificar os isótopos é através da sua massa atômica. A massa atômica de um isótopo é a soma dos prótons e nêutrons presentes no núcleo do átomo. Isótopos de um mesmo elemento possuem massas atômicas diferentes devido ao número variável de nêutrons.

Além da massa atômica, os isótopos também podem ser identificados através de suas propriedades químicas. Isótopos de um mesmo elemento terão comportamentos químicos semelhantes, devido ao mesmo número de prótons e elétrons, mas podem apresentar diferenças em reações específicas devido às variações na massa atômica.

Um exemplo de isótopo é o carbono, que possui três isótopos principais: o carbono-12, o carbono-13 e o carbono-14. O carbono-12 é o isótopo mais comum e estável, enquanto o carbono-14 é radioativo e utilizado em datação de materiais arqueológicos.

Para diferenciar os isótopos dos isóbaros, é importante destacar que os isóbaros são átomos de elementos diferentes que possuem a mesma massa atômica, mas diferentes números de prótons e nêutrons. Isso significa que os isóbaros terão propriedades físicas e químicas distintas, mesmo tendo a mesma massa atômica.

Em resumo, os isótopos podem ser identificados através de suas propriedades físicas e químicas distintas, como massa atômica e comportamento químico. Essas diferenças permitem a distinção entre isótopos de um mesmo elemento e isóbaros de elementos diferentes.

Isóbaros: características, exemplos e diferenças com isótopos

Os isobares são aquelas espécies atômicas que possuem a mesma massa, mas que provêm de diferentes elementos químicos. Como conseqüência disso, pode-se dizer que eles são constituídos por diferentes números de prótons e nêutrons.

Prótons e nêutrons são encontrados no núcleo de seus átomos, mas a quantidade líquida de nêutrons e prótons presentes em cada núcleo permanece a mesma. Em outras palavras, uma espécie de isobar se origina quando um par de núcleos atômicos mostra o mesmo número líquido de nêutrons e prótons para cada espécie.

Isóbaros: características, exemplos e diferenças com isótopos 1

No entanto, o número de nêutrons e prótons que compõem esse valor líquido é diferente. Uma maneira de notá-lo graficamente é observar o número de massa (que é colocado no lado superior esquerdo do símbolo do elemento químico representado), uma vez que nas isobares esse número é igual.

Caracteristicas

Primeiro, a etimologia do termo isóbaro vem das palavras gregas isos (que significa “igual”) e baros (que significa “peso”), que alude à igualdade de pesos entre as duas espécies nucleares.

Note-se que os isobares apresentam certas semelhanças com outras espécies cujos núcleos têm coincidências, como os isótonos, que têm a mesma quantidade de nêutrons, mas com números de massa diferentes e números atômicos, como os pares 13 C e 14 N ou 36 S e 37 Cl.

Por outro lado, o termo “nucleídeo” é a denominação que foi cunhada para cada um dos conjuntos de núcleons (estruturas formadas por nêutrons e prótons) que podem ser formados.

Para que os nuclídeos sejam possivelmente distinguidos pelo número de nêutrons ou prótons, ou mesmo pela quantidade de energia que a estrutura de seu conglomerado possui.

Da mesma forma, é necessário que um núcleo filho apareça após o processo de decaimento β e este, por sua vez, seja um isobar do núcleo pai, porque a quantidade de núcleons presentes no núcleo permanece inalterada, diferentemente do que ocorre por meio de decaimento α.

É importante lembrar que diferentes isobares têm números atômicos diferentes, confirmando que são elementos químicos diferentes.

Representação

Para denotar os diferentes nuclídeos, é usada uma notação específica, que pode ser representada de duas maneiras: uma é colocar o nome do elemento químico seguido por seu número de massa, os quais estão ligados por um hífen. Por exemplo: nitrogênio-14, cujo núcleo é composto por sete nêutrons e sete prótons.

A outra maneira de representar essas espécies é colocar o símbolo do elemento químico, precedido por um sobrescrito numérico que indica o número de massa do átomo em questão, bem como um subscrito numérico que designa o número atômico do mesmo, como segue Maneira:

Z A X

Nesta expressão, X representa o elemento químico do átomo em questão, A é o número de massa (resultado da adição entre a quantidade de nêutrons e prótons) e Z representa o número atômico (igual ao número de prótons no núcleo do átomo) .

Relacionado:  Óxido de prata (Ag2O): estrutura, propriedades e usos

Quando esses nuclídeos são representados, o número atômico do átomo (Z) geralmente é omitido porque não concede dados relevantes adicionais; portanto, é frequentemente representado como A X.

Uma maneira de mostrar essa notação é usando o exemplo anterior (nitrogênio-14), que também é indicado como 14 N. Essa é a notação usada para as isobares.

Exemplos

O uso do termo “isóbaros” para as espécies conhecidas como nucleídeos que possuem o mesmo número de núcleons (número igual de massa) foi proposto no final da década de 1910 pelo químico de origem britânica Alfred Walter Stewart.

Nesta ordem de idéias, um exemplo de isobares pode ser observado no caso das espécies 14 C e 14 N: o número de massa é igual a 14, isso implica que o número de prótons e nêutrons em ambas as espécies é diferente.

De fato, esse átomo de carbono tem um número atômico igual a 6, então existem 6 prótons em sua estrutura e, por sua vez, possui 8 nêutrons em seu núcleo. Portanto, seu número de massa é 14 (6 + 8 = 14).

Por sua vez, o átomo de nitrogênio tem um número atômico igual a 7, por isso é composto por 7 prótons, mas também possui 7 nêutrons em seu núcleo. Seu número de massa também é 14 (7 + 7 = 14).

Também pode ser encontrada uma série na qual todos os átomos têm um número de massa igual a 40; É o caso dos isobares: 40 Ca, 40 K, 40 Ar, 40 Cl e 40 S.

Diferenças entre isobares e isótopos

Como explicado anteriormente, os nuclídeos descrevem os diferentes tipos de núcleos atômicos que existem, de acordo com a quantidade de prótons e nêutrons que possuem.

Além disso, entre esses tipos de nuclídeos estão os isótopos e isótopos, que serão diferenciados abaixo.

No caso dos isobares, como mencionado anteriormente, eles têm o mesmo número de núcleons – ou seja, o mesmo número de massa -, onde o número de prótons pelos quais uma espécie é maior que a outra corresponde ao número de nêutrons Eles estão em déficit, então o total é o mesmo. No entanto, seu número atômico é diferente.

Nesse sentido, as espécies isobar provêm de diferentes elementos químicos, estando localizadas em diferentes espaços da tabela periódica e com características e propriedades específicas diferentes.

Por outro lado, no caso dos isótopos, o oposto é verdadeiro, pois eles têm o mesmo número atômico, mas uma quantidade diferente de massa; isto é, eles têm o mesmo número de prótons, mas diferentes quantidades de nêutrons dentro de seus núcleos atômicos.

Além disso, os isótopos são espécies atômicas pertencentes aos mesmos elementos, portanto, estão localizados no mesmo espaço da tabela periódica e possuem características e propriedades semelhantes.

Referências

  1. Wikipedia (sf). Isobar (nuclídeo). Recuperado de en.wikipedia.org
  2. Britannica, E. (sf). Isobar Obtido em britannica.com
  3. Konya, J. e Nagy, NM (2018). Nuclear e radioquímica. Recuperado de books.google.co.ve
  4. Educação Energética (sf). Isobar (nuclear). Obtido de energyeducation.ca
  5. Tutor Vista. (sf). Núcleos Recuperado de physics.tutorvista.com

Deixe um comentário