Jardim vertical: características, para que serve, vantagens e desvantagens

Um jardim vertical é uma estrutura que permite o cultivo de plantas na vertical, proporcionando um visual exuberante e funcional em espaços reduzidos. Esta técnica de cultivo vem ganhando cada vez mais popularidade devido à sua versatilidade e benefícios para o ambiente.

Os jardins verticais são utilizados principalmente para decorar ambientes internos e externos, além de contribuírem para a purificação do ar, redução da poluição sonora e do estresse, e aumento da biodiversidade urbana. Além disso, eles podem servir como isolante térmico, ajudando a manter a temperatura ambiente mais agradável.

Entre as vantagens dos jardins verticais estão a economia de espaço, a possibilidade de cultivar uma grande variedade de plantas, a melhoria da qualidade do ar e a estética diferenciada. No entanto, algumas desvantagens incluem a necessidade de manutenção constante, o custo inicial mais elevado em comparação com jardins tradicionais e a possível necessidade de estruturas especiais para suportar o peso das plantas.

Benefícios e utilidades do jardim vertical na decoração e na melhoria do ambiente.

Os jardins verticais estão cada vez mais populares na decoração de ambientes internos e externos. Eles trazem diversos benefícios tanto estéticos quanto ambientais, tornando-se uma ótima opção para quem deseja inovar na decoração e ainda contribuir para a melhoria do ambiente.

Uma das principais vantagens do jardim vertical é a possibilidade de aproveitar espaços verticais, tornando-os mais verdes e agradáveis visualmente. Além disso, ele ajuda na purificação do ar, absorvendo poluentes e liberando oxigênio, o que contribui para a qualidade do ar que respiramos.

Outra utilidade do jardim vertical é a capacidade de reduzir a temperatura do ambiente, principalmente em locais mais quentes. As plantas ajudam a diminuir a sensação de calor, o que pode resultar em economia de energia com o uso de ar condicionado.

Além disso, os jardins verticais também podem servir como isolante acústico, reduzindo o impacto do ruído externo no ambiente. Isso é especialmente útil em locais urbanos, onde o barulho é constante.

Por fim, os jardins verticais são uma ótima opção para quem deseja trazer mais vida e natureza para dentro de casa, sem ocupar muito espaço. Eles podem ser instalados em paredes, varandas, sacadas e até mesmo em ambientes internos, como salas e quartos.

Se você deseja transformar o seu ambiente e desfrutar de todos os benefícios que as plantas podem oferecer, não deixe de considerar a instalação de um jardim vertical em sua casa ou escritório.

Benefícios de utilizar jardins verticais em ambientes internos: descubra as vantagens!

Jardins verticais são uma ótima opção para trazer a natureza para dentro de ambientes internos. Além de serem uma tendência na decoração, esses jardins oferecem uma série de benefícios que vão muito além da estética. Vamos descobrir algumas vantagens de utilizar jardins verticais em espaços internos!

Uma das principais vantagens dos jardins verticais é a otimização do espaço. Em ambientes pequenos, a instalação de um jardim vertical permite aproveitar paredes e cantos que, de outra forma, ficariam sem uso. Dessa forma, é possível criar um ambiente mais agradável e acolhedor, mesmo em espaços reduzidos.

Além disso, os jardins verticais contribuem para a melhoria da qualidade do ar. As plantas presentes nesses jardins ajudam a purificar o ar, absorvendo substâncias tóxicas e liberando oxigênio, o que pode resultar em um ambiente mais saudável para os ocupantes do espaço.

Outro benefício dos jardins verticais é a redução do estresse e da ansiedade. Estudos mostram que a presença de plantas em ambientes internos pode contribuir para a diminuição dos níveis de cortisol, o hormônio do estresse, e promover a sensação de bem-estar e relaxamento.

Além disso, os jardins verticais podem ajudar a controlar a temperatura do ambiente, atuando como isolante térmico. Isso significa que esses jardins podem ajudar a manter a temperatura mais amena, tanto no inverno quanto no verão, reduzindo a necessidade de uso de sistemas de aquecimento ou ar condicionado.

Portanto, se você deseja trazer mais verde para dentro de casa ou do escritório, considere a instalação de um jardim vertical. Com todos esses benefícios, com certeza vale a pena investir nessa solução sustentável e cheia de vantagens!

Tipos de jardins verticais: descubra as diferentes opções para cultivar plantas na vertical.

Os jardins verticais se tornaram uma tendência cada vez mais popular nos últimos anos, trazendo não apenas beleza estética, mas também benefícios para o meio ambiente e para a saúde das pessoas. Existem diferentes tipos de jardins verticais, que oferecem opções variadas para cultivar plantas na vertical.

Um dos tipos mais comuns de jardins verticais é o jardim vertical modular, que consiste em módulos pré-fabricados que podem ser facilmente instalados em paredes ou estruturas. Estes módulos permitem cultivar diversas espécies de plantas de forma organizada e prática, sendo uma ótima opção para quem tem pouco espaço disponível.

Relacionado:  As 10 consequências dos terremotos mais importantes

Outro tipo de jardim vertical é o jardim vertical de treliça, que utiliza estruturas de madeira ou metal para suportar as plantas. Este tipo de jardim vertical é ideal para quem deseja criar um visual mais rústico e natural em seu espaço, podendo ser personalizado de acordo com o gosto de cada pessoa.

Além disso, existem também os jardins verticais de bolsas ou vasos suspensos, que são uma opção versátil e prática para cultivar plantas na vertical. Estes jardins verticais são ideais para quem gosta de mudar a disposição das plantas com frequência, pois permitem trocar facilmente os vasos de lugar.

Fonte:

https://www.jardimvertical.com.br/tipos-de-jardins-verticais/

Entenda o conceito de planta vertical e suas aplicações na arquitetura e decoração urbana.

As plantas verticais são uma tendência cada vez mais presente na arquitetura e decoração urbana. Elas consistem em estruturas que permitem o cultivo de plantas na vertical, em paredes ou suportes específicos.

Essas estruturas podem ser utilizadas em fachadas de edifícios, muros, divisórias, entre outros espaços, trazendo inúmeras vantagens estéticas e ambientais. Além de conferir um visual mais verde e agradável aos ambientes, as plantas verticais auxiliam na redução da temperatura, na absorção de poluentes e na melhoria da qualidade do ar.

Na arquitetura, as plantas verticais são utilizadas para integrar a natureza ao meio urbano, criando espaços mais sustentáveis e agradáveis para os moradores. Já na decoração, elas são uma opção versátil e moderna para trazer vida e cor aos ambientes internos e externos.

Jardim vertical: características, para que serve, vantagens e desvantagens.

O jardim vertical é uma forma popular de plantas verticais, que consiste em criar um jardim em uma estrutura vertical, como uma parede. Ele pode ser utilizado em residências, escritórios, restaurantes, shoppings e outros espaços, trazendo diversos benefícios.

Entre as vantagens do jardim vertical estão a economia de espaço, a melhoria da qualidade do ar, a redução do ruído, a criação de um ambiente mais acolhedor e a possibilidade de cultivo de diferentes espécies de plantas. No entanto, é importante considerar as desvantagens, como a necessidade de manutenção constante, o custo inicial de implantação e a limitação de algumas espécies que podem ser cultivadas.

Com suas inúmeras vantagens, ele se tornou uma tendência na arquitetura e decoração, contribuindo para um estilo de vida mais sustentável e harmonioso.

Jardim vertical: características, para que serve, vantagens e desvantagens

Jardim vertical: características, para que serve, vantagens e desvantagens

O jardim vertical é um sistema de cultivo anual de espécies de plantas em um substrato suportado por uma estrutura que aproveita o espaço vertical. O objetivo é maximizar o espaço horizontal disponível para o cultivo, projetando o sistema agrícola verticalmente.

Esse tipo de pomar serve para aproveitar ao máximo o espaço para a produção agrícola, permitindo que mais plantas sejam colocadas na mesma área do solo. Isto é conseguido através do estabelecimento de pisos ou níveis para o cultivo das diferentes espécies.

As vantagens do sistema de jardinagem vertical são o uso eficiente do espaço e a possibilidade de cultivo em pequenos espaços. Além de estabelecer o cultivo próximo a centros de consumo, principalmente cidades.

Além disso, o sistema vertical de jardins envolve um uso mais eficiente de insumos agrícolas, como água de irrigação e fertilizantes. Da mesma forma, melhor controle de pragas e contaminação gerada pelos sistemas agrícolas.

Entre as suas desvantagens, destacam-se os altos custos iniciais para o estabelecimento do sistema. Além dos inconvenientes decorrentes da instalação em áreas urbanas, principalmente pela atração de insetos e possíveis odores desconfortáveis.

O jardim vertical pode ser desenvolvido em escala doméstica para consumo familiar ou em escala comercial para o mercado. Um exemplo é a empresa Comcrop, que produz vegetais nos telhados de Cingapura, com sistemas de até oito níveis de bandejas de cultivo.

De qualquer forma, é possível estabelecer um jardim vertical em casa, se houver espaço mínimo e recursos básicos para sua instalação. Na sua variante mais simples, uma vez estabelecida, seu manuseio não carrega mais demandas do que qualquer outro tipo de horta.

Características dos jardins verticais

A diferença entre um pomar vertical e qualquer outro pomar é o gerenciamento do espaço de cultivo do qual derivam uma série de demandas específicas, fundamentalmente relacionadas à infraestrutura de suporte.

Infraestrutura de suporte

Deve haver um suporte que permita que as plantas cultivadas em pisos ou níveis sejam dispostas em diferentes alturas. Isso pode ser conseguido com diferentes sistemas, desde paredes com suportes porosos até prateleiras com porta-vasos.

Por outro lado, o jardim vertical pode ser desenvolvido sob o conceito de substrato sólido ou por hidroponia.

Relacionado:  Plantas de madeira: definição, tipos e exemplos

iluminação

O fato de o sistema se estender verticalmente representa um problema para o gerenciamento de luz exigido pelas plantas. O design da estrutura do pomar deve impedir que os níveis superiores sombream substancialmente os inferiores, otimizando o uso da luz.

Esse problema é abordado de diferentes maneiras, dependendo de ser produzido com luz natural ou artificial. Neste último caso, há mais controle das variáveis ​​envolvidas para resolver o problema.

O jardim vertical pode ser instalado dentro de casa, com uma fonte de luz usando um sistema de lâmpadas. Nesse caso, a iluminação pode ser direcionada para evitar o sombreamento de algumas áreas da colheita.

Para garantir uma boa qualidade da luz, é conveniente usar lâmpadas LED, embora lâmpadas fluorescentes ou combinações delas com lâmpadas de tungstênio também possam ser usadas. Em alguns casos, as lâmpadas LED violeta são usadas como um produto da combinação de luz vermelha e azul que fornece condições ideais de crescimento.

Em sistemas externos, os níveis devem ser organizados adequadamente para aproveitar a luz natural. Para isso, o melhor é um sistema inclinado em degraus, com as plantas voltadas para o sol nascente que imita o arranjo em uma encosta montanhosa.

Irrigação

Outro fator que requer atenção especial é a irrigação, porque o uso da água deve ser otimizado e a drenagem adequada estabelecida. As plantas, sobrepostas em níveis, correm o risco de que a água que drena em um nível afete a mais baixa e gere um problema de excesso de irrigação.

O sistema de irrigação mais eficiente em termos de uso da água e redução de excedentes é o gotejamento. De qualquer forma, o sistema deve incluir uma drenagem adequada que permita coletar e até reutilizar a água servida.

Cultivo

Os pomares verticais são adequados principalmente para o cultivo de vegetais e folhas, mas não para árvores frutíferas ou cereais. Você pode cultivar couve, alface, tomate, cebola, cebolinha, várias ervas aromáticas, raízes como rabanete e cenoura.

Também pode ser estabelecido um jardim vertical ornamental, com espécies impressionantes, tanto pelas flores quanto pelas folhas.

Tipos de sistemas em jardins verticais

Os jardins verticais incluem de sofisticados tecnologicamente a sistemas muito simples de montar e operar. Alguns sistemas altamente técnicos consistem em um rack de metal onde os níveis de gavetas são organizados para o crescimento de espécies de rápido crescimento.

Essas plantas recebem a luz necessária por meio de iluminação LED com um comprimento de onda de amplo espectro. Enquanto a água é fornecida por sistemas de gotejamento, tudo controlado por computadores.

Os nutrientes são fornecidos pela fertirrigação, ou seja, incorporados na água de irrigação, como nas lavouras hidropônicas e podem ser colocados em pequenos espaços. Existem também sistemas verticais de jardins com substrato do solo, como os Sky Greens implementados em Cingapura, Tailândia e China.

Este sistema consiste em um tipo de roda gigante de 9 m de altura que gira lentamente em um ciclo de 16 horas. Essa roda carrega as bandejas com o solo e as plantas e, quando desce, recebe a água de irrigação, depois sobe para receber a luz.

Entre os sistemas mais simples, a iluminação natural é usada e até a irrigação e controle manual de ervas daninhas e pragas. Estes requerem apenas um suporte, que pode até ser uma parede e recipientes capazes de transportar o solo para cultivar as plantas.

Para que serve?

Jardins verticais são usados ​​para produzir alimentos, plantas aromáticas, medicinais e ornamentais em condições em que não há espaço suficiente. Por outro lado, permitem maior controle dos insumos da produção, como água, luz, nutrientes, além de controle de pragas e doenças.

Também é adequado para o desenvolvimento da agricultura orgânica, com insumos orgânicos, gerando menos impacto ambiental. Isso ocorre principalmente porque é possível ter um controle maior dos resíduos gerados no processo agrícola.

Por outro lado, ao permitir aproveitar espaços inadequados para a produção agrícola tradicional, permite seu estabelecimento em áreas urbanas. Assim, a produção de seus próprios alimentos ou a geração de alimentos para um mercado próximo é disponibilizada aos moradores da cidade.

Da mesma forma, os jardins verticais são um meio de aproximar o morador da cidade da natureza, com comprovados benefícios psicológicos, contribuindo para a qualidade da vida urbana.

Vantagens e desvantagens

Vantagem

  • Permite o cultivo em áreas relativamente pequenas, otimizando o uso do espaço disponível e é possível ter um jardim em espaços fechados em casa ou na construção de terraços.
  • O espaço cultivável pode ser multiplicado por 10 e, por exemplo, 50 m são transformados em 500 m 2 na  vertical.
  • Aproxima a produção de alimentos dos centros de consumo ou de marketing, permitindo menores custos de transporte e fornecimento de produtos mais frescos.
  • Afeta a redução do uso de combustíveis fósseis na mobilização de veículos de transporte.
  • Facilita um uso mais eficiente da água e de outros insumos agrícolas, como fertilizantes. Nestas, você pode consumir 95% menos água e 60% menos fertilizante do que uma horta tradicional.
  • Oferece um ambiente mais adequado para o controle da poluição gerada pela atividade agrícola.
  • Permite promover a agricultura orgânica e ecológica e, em sistemas fechados de agricultura controlada, permite a produção de alimentos durante todo o ano, independentemente das condições ambientais.
Relacionado:  Ciclo do carbono: características, etapas, importância

Desvantagens

  • Requer um alto investimento para seu estabelecimento, devido à necessidade de construir uma infraestrutura adequada.
  • Existem espécies cultivadas que não se adaptam ao sistema vertical de jardins, como árvores frutíferas, algumas raízes e tubérculos. O mesmo ocorre com grandes plantas espessas.
  • Dependendo do ambiente em que está estabelecido e das culturas implementadas, pode trazer inconvenientes ambientais, como pragas agrícolas e odores desagradáveis.

¿ Como jardinagem vertical em casa?

Abaixo estão duas propostas para jardins verticais, onde é necessário levar em consideração os requisitos do substrato, quantidade de água e fertilização, dependendo da cultura. Assim, um substrato útil para a maioria dos casos é uma base de areia fina e cascalho e nesta terra negra.

Da mesma forma, a maioria das espécies de pomares requer passar por uma fase de muda ou muda. Nisto são produzidas mudas que são transplantadas para o recipiente final no jardim vertical.

Parede vertical para jardim

  1. Você deve ter uma parede ou parede exposta ao sol pelo menos durante a manhã. Pode ser no pátio de uma casa ou no terraço ou varanda de um prédio.
  2. São necessários recipientes de plástico, como caixas de transporte de frutas ou garrafas grandes de refrigerante (as garrafas devem ser cortadas em uma área lateral, em forma de canoa).
  3. Fixe as caixas na parede usando uma broca e buchas, colocando cada uma em cima da anterior. Uma distância não inferior a 70 cm deve ser mantida para evitar sombreamento um do outro.
  4. A fixação das caixas é concluída conectando-as com barbante na frente e, finalmente, amarrando as cordas ao topo da parede. Furos de drenagem devem ser feitos, mas evite espaços grandes para evitar a perda de substrato.
  5. Encha as caixas com o substrato preparado e transplante as mudas do canteiro ou faça a semeadura direta, dependendo da cultura.

Jardim vertical em suporte móvel

Esse tipo de estrutura pode ser movido de um local para outro e para construí-lo, as seguintes etapas devem ser seguidas:

  1. Obtenha um recipiente grande para ser usado como base, com pelo menos 25 a 30 cm de diâmetro e 30 cm de altura. Pode ser uma plantadeira ou a metade inferior de uma garrafa plástica de água mineral cortada transversalmente.
  2. Coloque três tiras ou tábuas de dois metros cada e com cerca de 15 cm de largura no centro do recipiente. Para isso, organize-as tocando as bordas, formando uma coluna triangular e amarrando-as firmemente na extremidade superior.
  3. Encha o recipiente com terra e pedras, compactando a mistura para fixar as mesas no centro.
  4. Prepare 10 garrafas grandes de refrigerante de plástico (1,5 a 2 litros) cortando uma área lateral elíptica (canoas).
  5. Prenda os recipientes de refrigerante de plástico nas mesas a cada 15 cm de altura, alternadamente em cada lado do triângulo (espiral) usando parafusos de retenção ou parafusos com porca.
  6. Para garantir a firmeza da estrutura, os recipientes de refrigerantes serão unidos à mesma linha entre si por cordéis na parte superior do triângulo da tábua.
  7. Encha os recipientes com o substrato correspondente e proceda ao transplante das mudas ou da semeadura direta.

Referências

  1. Ahlström, L. e Zahra, M. (2012). Integrando uma estufa em uma área urbana. Dissertação de Mestrado em Programas de Mestrado em Gerenciamento de Projetos e Projetos de Construção e Design para o Desenvolvimento Sustentável.
  2. Despommier, D. (2009). A ascensão de fazendas verticais. Americano científico.
  3. Despommier, D. (2010). A fazenda vertical. Alimentando o mundo no século XXI. Livros de Thomas Dunne.
  4. Despommier, D. (2013). Cultivando a cidade: a ascensão das fazendas urbanas verticais. Tendências em Biotecnologia.
  5. Garg, A. e Balodi, R. (2015). Tendências recentes na agricultura agricultura vertical e agricultura orgânica. Avanços na pesquisa de plantas e agricultura.
  6. Velázquez, JF e Roblero-Hidalgo, R. (2019). Sistema vertical de cultivo interno (PFAL) e externo: viabilidade e perspectiva no México. Quinto Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem. COMEII-AURPAES 2019.

Deixe um comentário