Jeffrey Lionel Dahmer: Biografia e vítimas

Jeffrey Lionel Dahmer era um serial killer americano, conhecido como “The Milwaukee Butcher”. Ele não apenas matou e desmembrou 17 homens, mas também confessou ter praticado canibalismo e necrofilia com eles. Ele cometeu seus assassinatos entre 1978 e 1991 até que finalmente foi preso em julho de 1991.

Dahmer não apenas chamou a atenção da sociedade em geral por seus crimes horríveis, mas também a de psiquiatras e especialistas que não entenderam as razões que o levaram a cometer seus assassinatos. Isso ocorre porque, diferentemente da maioria dos assassinos em série, Dahmer teve uma infância feliz e não sofreu nenhum abuso durante sua infância.

Jeffrey Lionel Dahmer: Biografia e vítimas 1

Sua infância e adolescência

Jeffrey Dahmer nasceu em 21 de maio de 1960. Seu local de nascimento era Milwaukee, no estado de Wisconsin, Estados Unidos, onde anos depois ele assumiu a maioria de seus crimes. Ele era filho de Lionel e Joyce Dahmer, uma família de classe média. Seu pai era químico e seu trabalho o forçou a se mudar constantemente.

Ele foi descrito como uma criança feliz e enérgica até os quatro anos de idade. Depois disso, ele foi submetido a um procedimento cirúrgico para corrigir uma dupla hérnia sofrida. Esta situação parecia ter afetado seu desenvolvimento. Isso contribuiu para o nascimento de seu irmão mais novo e as constantes mudanças fizeram com que ele se isolasse um pouco da família e de outras pessoas.

Em 1967, depois de se mudar cerca de seis vezes, a família finalmente se estabeleceu na cidade de Bath, em Ohio. Foi aí que Jeffrey passou o resto de sua infância e adolescência. À medida que envelhecia, o jovem começou a mostrar uma personalidade tímida. E, para incentivar sua interação com outras crianças, seus pais o incentivaram a realizar várias atividades.

Mas, apesar de ter sido um garoto solitário sem amigos, durante a infância e a adolescência, não houve eventos notáveis ​​que poderiam ter contribuído para seu comportamento futuro. O próprio Dahmer disse que sua infância não foi nada trágica. Ele nunca sofreu abuso ou abuso físico. Essa informação deixou os especialistas da época um pouco confusos, principalmente os psicanalistas.

No entanto, durante a adolescência, ele começou a desenvolver um sabor que poderia ter dado um sinal do que estava em sua mente. Em uma ocasião, seu pai o descreveu como uma criança muito curiosa, com um grande fascínio por animais. Mas esse fascínio não era o que a maioria das pessoas gosta, de ver e tocar em animais.

Dahmer gostava de dissecá-los, torturá-los e ver como eles morreram. O próprio assassino comentou em uma ocasião que, quando ia pescar com o pai, gostava de abrir o peixe e ver como eles morreram. Mais tarde, ele começou a desenvolver um gosto por órgãos e ossos internos. Com apenas 10 anos, ele costumava procurar animais que haviam sido atingidos pela estrada para abri-los e ver o que eles tinham lá dentro.

Naquela época, ele também começou a torturar todos os tipos de animais que encontrou em uma floresta perto de sua casa. Eu costumava caçar insetos e mantê-los em formalina. Logo ele começou a colecionar ossos de animais, que levou para o porão de sua casa. Ele tinha ossos de coelhos, galinhas, esquilos, guaxinins, entre muitos outros. Ele pegou os ossos depois de permitir que os animais apodrecessem na floresta. Ele os mergulhou em alvejante para limpá-los e alvejar seus ossos.

Seu gosto por dissecar animais aconteceu exatamente no momento em que seus hormônios começaram a se desenvolver. Ele começou a experimentar seus primeiros desejos sexuais e foi quando ele percebeu que estava atraído pelos homens. Dahmer sentiu-se confuso e sozinho. Naquela época, a homossexualidade era um tabu completo, e é por isso que eu não conhecia ninguém gay. Mas esse não era seu único problema. Ele também começou a se preocupar com suas fantasias.

Em seus pensamentos, seus amantes não se mexiam. Eles eram pessoas inconscientes, como se estivessem mortas. Essas idéias o aterrorizaram e foi por isso que ele começou a beber incontrolavelmente. Anos mais tarde, o próprio Dahmer confessaria que passados ​​aproximadamente 14 anos de idade começou a experimentar idéias obsessivas que associavam a violência ao sexo. E, vendo que estavam ficando cada vez mais fortes, ele decidiu tentar esconder tudo.

Suas primeiras vítimas

Embora Jeffrey Dahmer tenha confessado que suas compulsões por necrofilia e assassinato surgiram quando ele tinha 14 anos, acredita-se que foi a separação de seus pais que o levou ao ponto de romper. Essas emoções o levaram a transformar em realidade aqueles pensamentos que os perturbavam há muito tempo.

Seus pais se divorciaram antes dos 18 anos. Alguns meses depois, seu pai se casou novamente. Em 1978, ele entrou na Ohio State University, mas abandonou o semestre seguinte por causa de seus problemas com o álcool. Foi depois disso que ele teve a oportunidade de cometer seu primeiro assassinato.

Dahmer disse que uma de suas fantasias era encontrar um homem que pedia carona na estrada para “gozar sexualmente” dele. Um dia ele estava dirigindo por volta das cinco da manhã depois de beber. Ele viu um garoto de 18 anos pedindo para ser levado. Então ele parou e o convidou para fumar. Não havia ninguém em casa.

Depois de tomar algumas cervejas e conversar, Dahmer notou que o jovem não era gay. Mesmo assim, o assassino estava atraído por ele e não queria que ele fosse embora. Então, quando o garoto quis ir embora, o assassino não encontrou outra maneira de segurá-lo a não ser atingi-lo na cabeça com um barbell. Depois disso, ele o estrangulou e, como não sabia o que fazer com o corpo, desmembrou-o.

Para se livrar do corpo, ele queria fazê-lo jogando-o através de um barranco. Ele colocou as partes desmembradas em sacos de lixo e seguiu para a estrada. No caminho, ele foi parado por policiais com direção irregular. No entanto, depois de algumas perguntas curtas, eles o deixaram ir. Dahmer voltou para casa com o corpo da vítima e o escondeu em um cachimbo velho por mais de dois anos.

Em 1979, seu pai o forçou a se alistar no exército. Ele foi enviado para a Alemanha, mas depois de um tempo ele foi expulso por seu alcoolismo. Ao retornar aos Estados Unidos, ele viveu um ano em Miami e depois se mudou com a avó em Ohio. Lá, ele tentou consertar sua vida. Ele começou a frequentar a igreja com sua avó, a ler a Bíblia e a tentar tirar de seus pensamentos qualquer idéia que tivesse a ver com sexo.

Por dois anos, ele tentou manter seus instintos sob controle, mas um dia ele não pôde mais conter seus impulsos sexuais. Então ele começou a beber novamente e começou a frequentar bares gays. Às vezes, ele tentava controlar seus desejos com um boneco, mas não teve muito sucesso.

Um dia ele conheceu um garoto em um daqueles bares. Eles foram para um hotel e começaram a beber. Na manhã seguinte, ele o encontrou no seu lado morto. Aparentemente, eles lutaram, mas Dhamer não se lembrava de nada. O assassino pegou numa mala e em dias a desmembrou, embora tenha mantido a cabeça por mais alguns dias.

O verdadeiro começo de sua carreira como assassino

Jeffrey Dahmer cometeu seus dois primeiros assassinatos sem planejar. Mas depois desses episódios, ele deu mais facilmente seus impulsos violentos. Ele praticou crimes por 13 anos sem praticamente ninguém suspeitar dele. Ele cometeu seus próximos dois crimes em 1988, outro em 1989, outros quatro em 1990 e os últimos oito em 1991.

Seus anos ativos foram realmente três: de 1988 a 1991. Durante esses anos, ele se dedicou a procurar homens em bares gays. Embora suas vítimas fossem majoritariamente afro-americanas, o assassino sempre apontava que não era racista. Aparentemente, apenas homens de cor eram os que frequentavam esses lugares.

O modus operandi era sempre o mesmo. Ele foi com eles do bar para um hotel com a promessa de fazer sexo. Ele lhes deu álcool misturado com drogas e depois os estrangulou. Mais tarde, ele passou algumas horas próximo ao corpo, praticou atos sexuais com ele e depois os desmembrou.

Ele jogou algumas peças no lixo, mas costumava guardar algumas delas como troféu. Ele geralmente mantinha seus órgãos genitais ou crânios. Ele também costumava tirar fotos do processo de assassinato. Dessa maneira, eu conseguia me lembrar do episódio e reviver a experiência.

Detenção e prisão

Sua primeira prisão ocorreu quando ele tentou estuprar um garoto de 13 anos. Em janeiro de 1989, ele foi condenado e sentenciado a um ano de prisão. Mesmo o perigo da prisão não impediu Dhamer, já que pouco antes de começar a cumprir sua sentença, ele matou outro jovem, cujo corpo ele escondeu.

Seu fim chegou em julho de 1991, quando uma de suas vítimas conseguiu escapar. Tracy Edwards saiu correndo e parou uma patrulha. A polícia entrou no apartamento de Dhamer e encontrou uma coleção que eles nunca quiseram ver.

Eles não apenas encontraram inúmeras fotografias de Jeffrey posando ao lado de diferentes corpos, mas também encontraram na cabeça da cozinha, ossos e vários membros na geladeira. Isso sem contar três torsos humanos que estavam em estado de decomposição dentro de um tambor com ácido.

Nos dias seguintes à prisão, o assassino confessou todos os seus crimes. Apesar de sua confissão, Dhamer declarou-se “não culpado de alienação mental”. Posteriormente, ele se declarou “culpado, mas alienado”. A intenção desta declaração era que ele fosse mantido em uma instituição mental e não em uma prisão.

Seus advogados tentaram provar que o réu sofria de doença mental e que apenas uma pessoa insana poderia cometer os terríveis atos que ele cometeu. No entanto, o júri decidiu rejeitar os argumentos, inclinando-se para a alegação da promotoria. A promotoria alegou que Dahmer estava plenamente consciente de que suas ações eram ruins e ainda decidiu cometer elas.

Seu julgamento começou em 27 de janeiro de 1992 e a sentença ocorreu em 15 de fevereiro. Após cerca de 10 horas de deliberação, o assassino foi considerado culpado. Ele foi condenado a 15 penas de prisão perpétua. Após a sentença, Dahmer se dirigiu ao juiz e à platéia dizendo que tudo havia terminado e que ele se arrependia dos danos que havia causado.

Ele foi mantido no Columbia Correctional Institute, no Condado de Portage, no Wisconsin. Mas, para sua segurança, ele não teve contato com os outros prisioneiros. No entanto, com o tempo, o assassino pediu às autoridades que tivessem mais interação com seus companheiros. Foi por isso que ele começou a comer e executar algumas tarefas de limpeza com os outros prisioneiros.

Em novembro de 1994, durante a limpeza, ele foi morto por Christopher Scarver. O preso o atingiu com um tubo de metal na cabeça, causando sua morte a caminho do hospital. O assassino do chamado “Milwaukee Butcher” confessou no ano passado, em uma entrevista ao New York Post, as razões pelas quais ele matou Dahmer.

O preso disse que não apenas ficou perturbado com seus crimes, mas também com o hábito de recriar partes de membros humanos com comida e deixá-los lá para incomodar os outros prisioneiros.

Dahmer foi um ótimo quebra-cabeça para os especialistas. Assim como a maioria dos assassinos em série sempre foi muito sincera e cooperativa. Mas, diferentemente de outros criminosos, ele próprio confessou que não conseguia entender o que havia feito. Havia tanta necessidade de entender que, na morte, os médicos removeram seu cérebro para analisá-lo.

No entanto, seus pais lutaram por ele no tribunal. E foi assim que a história de um dos assassinos mais terríveis e estranhos da história terminou.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies