José de La Mar: biografia e características de seu governo

José de La Mar (c. 1778 – 1830) era um soldado e político nascido no Equador, mas cuja vida era dedicada ao Peru, uma nação na qual ele foi presidente duas vezes.Ele era descendente de espanhóis e foi levado à Pátria para receber educação durante seus primeiros anos. Lá ele se inclinou para a carreira militar em que La Mar se desenvolveu durante o resto de sua vida.

Ele participou junto com o regimento da Sabóia nas ações beligerantes entre a Espanha e a França no final do século XVIII. Nesses confrontos, ele se destacou e recebeu o posto de capitão em 1808. Ele também lutou em Saragoça contra os invasores franceses e obteve a nomeação como tenente-coronel.

José de La Mar: biografia e características de seu governo 1

Foto histórica [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0) ou GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html)], através do Wikimedia Commons

Em 1812, ele era prisioneiro da França e retornou à Espanha quando Fernando VII retornou ao trono. Então, La Mar foi enviado a Lima em 1816, como sub-inspetor geral do vice-reinado do Peru.

Em 1819, ele foi premiado por manter a ordem na cidade e recebeu o posto de marechal de campo, mas em 2 de setembro de 1821 ele entregou Lima aos insurgentes libertários.

José de La Mar renunciou aos seus diplomas e privilégios em espanhol para se juntar às forças patrióticas. Ele participou de batalhas decisivas pela libertação americana, como as de Ayacucho e Junín.

Mais tarde, ele foi escolhido como presidente da República do Peru, embora não tenha nascido lá, com a aprovação do libertador Simón Bolívar. Ele assumiu a posição em 1827; no entanto, logo surgiram diferenças que confrontaram a Gran Colômbia com o Peru por armas.

La Mar lutou contra Antonio José de Sucre e o general Juan José Flores. Ele foi derrotado em diferentes lugares, depois aceitou uma negociação que culminou no acordo de Girón.

Depois de ser derrubado, foi para o exílio, onde morreu, na Costa Rica, no final de 1830.

Biografia

Primeiros anos

José de la Mar y Cortázar nasceu em 12 de maio, algumas fontes dizem que durante o ano de 1778, enquanto outras vão até 1776 para localizar seu nascimento. Ele veio ao mundo na cidade de Cuenca, então parte da Audiência Real de Quito, hoje Equador.

Seus pais eram Marcos La Mar, um espanhol peninsular que atuava como administrador das Cajas Reales de Cuenca, e o guatemalteco Josefa Cortázar y Lavayen.

Dizem que La Mar descende de uma nobre família irlandesa e que seu sobrenome vem do título de Duque de La Mar, pela performance náutica de um de seus ancestrais.

Desde tenra idade, foi para a Espanha na companhia de seu tio Francisco Cortázar, que era um importante político e jurista. Cortázar serviu como orador da Audiencia de Bogotá e regente da de Quito.

Ao chegar na Europa, José de La Mar foi matriculado no Colégio dos Nobres de Madri. Lá eles o prepararam no intelectual e também lhe deram as noções da carreira militar que o jovem seguiu como profissão.

Carreira militar na Europa

Pela influência de seu tio, José de La Mar conseguiu fazer parte do regimento de Savoy com a posição de tenente. Lá ele recebeu disciplina e experiência em combate, já que em 1794, com menos de 20 anos, participou da disputa que foi travada em Roussillon e conseguiu a promoção de capitão.

Em 1808, La Mar esteve presente como parte das forças espanholas que defenderam suas terras da invasão napoleônica. Quando foi nomeado para Zaragoza, ele era tenente-coronel, naquele lugar que ocupou até que seu superior teve que se render um ano depois.

Relacionado:  Mausoléu de Halicarnasso: História e Características

Então ele esteve em Valência por vários anos sob o general Black e na frente de 4.000 homens. Embora tenham lutado com firmeza, tiveram que se render ao invasor em 1812. Então, La Mar foi tomada como prisioneira de guerra.

Em 1813 ele conseguiu escapar, foi para a Suíça e finalmente para a Itália, onde passou vários anos com seu amigo, o príncipe Castel Franco, até Fernando VII ser restaurado como monarca espanhol.

Por sua lealdade à coroa e sua galanteria em batalha, José de La Mar foi recompensado pelo rei da Espanha, que lhe concedeu o posto de general de brigada e o enviou como subinspetor geral do vice-reinado do Peru, na cidade de Lima

América realista

Quando José de La Mar chegou a Lima e assumiu o cargo, eles fizeram propostas para dar-lhe poder se ele depusesse o vice-rei; ele os rejeitou imediatamente, pois sua lealdade era com Espanha e Fernando VII.

Ele manteve com sucesso o controle dos insurgentes em Lima por um tempo. Em 1819, foi nomeado marechal de campo, a mais alta posição militar que existia no Novo Continente.

Em 1821, os espanhóis tiveram que se refugiar nas montanhas após a chegada de San Martín em Pisco. Enquanto isso, o marechal de campo José de La Mar capitulou seu lugar em Callao, apesar de solicitar condições favoráveis ​​a todos os peninsulares e monarquistas da região.

Ele aproveitou sua chegada a Lima para renunciar às distinções e graus militares concedidos pela Espanha ao vice-rei La Serna. Desde então, ele se juntou às forças patrióticas e rompeu os laços com o governo do Velho Continente.

Causa liberal

Os exércitos americanos o receberam rapidamente. San Martín o nomeou general de divisão no mesmo ano de 1821. Depois José de La Mar foi para Guayaquil.

Lá, foi nomeado comandante geral de Armas da Cidade, o cargo foi concedido por José Joaquín Olmedo, mas já havia sido aprovado por Antonio José de Sucre.

Dessa posição, ele alcançou a capitulação da cidade de Guayaquil e alguns navios que passaram para as mãos do Peru. No entanto, a cidade não pôde ser constituída como um estado independente, mas foi reivindicada pelo governo colombiano, que não agradou La Mar, que partiu para o Peru.

Junta do Governo

Em setembro de 1822, o Congresso Constituinte da Nação queria conceder o mandato a San Martín, que o rejeitou quase que imediatamente. No dia 21 do mesmo mês, La Mar foi selecionado como presidente do Conselho de Administração do Peru.

Então, La Mar viajou para o sul e sofreu uma derrota. A causa da independência foi enfraquecida, pois todos tinham apetite por comando entre as fileiras patrióticas. Ao mesmo tempo, os realistas ganharam força ao longo dos meses.

Em 27 de fevereiro de 1823, apenas cinco meses após sua posse, eles concluíram as atividades de José de La Mar como presidente do Conselho de Governo do Peru, uma vez que foram dissolvidas.

Em substituição a esse organismo, os militares que lideraram o motim de Balconcillos impuseram José de la Riva Agüero como presidente da República.

Naquela época, La Mar permaneceu no comando das tropas peruanas que ainda estavam na luta pela independência. Ele participou da batalha de Junín em 6 de agosto e na batalha de Ayacucho em 9 de dezembro de 1824.

La Mar convenceu o realista Canterac geral que capitular após a derrota em Ayacucho era a melhor opção e foi feito. Nessa batalha, o trabalho desempenhado pelo batalhão peruano para selar a vitória dos libertadores foi primordial.

Em 24 de fevereiro de 1825, La Mar foi escolhido por Bolívar para presidir o Conselho de Governo de Lima. No entanto, em busca de recuperar sua boa saúde, La Mar viajou para Guayaquil para descansar um pouco e em seu lugar estava o general Santa Cruz.

Relacionado:  Conspirações contra o vice-reinado da Nova Espanha

Presidência do Peru

Em 10 de junho de 1827, José de la Mar foi nomeado presidente do Congresso. O juramento foi feito pelo vice-presidente Manuel Salazar. Quando a comissão que viajou para Guayaquil chegou com a notícia, La Mar não estava interessada em aceitar o cargo.

Apesar disso, ele fez isso em agosto. Então, ele teve que enfrentar revoltas que não reconheciam seu comando. La Mar sempre defendia um plano de conciliação e até tinha o direito de perdoar aqueles que participavam do levante contra ele.

Conflito com a Colômbia

As disputas territoriais entre Peru e Colômbia vinham se alimentando desde a libertação dos territórios do atual Equador. O Peru considerou que tinha direitos sobre parte das terras que a Colômbia havia reivindicado e os moradores de Guayaquil desejavam ser independentes.

Em 1828, tropas peruanas ocuparam Guayaquil. Naquela época, Sucre, que passava pela Bolívia e Colômbia, tentou servir como mediador antes do Peru, mas seus esforços foram em vão, pois o confronto era inevitável.

A batalha de Tarqui ocorreu e os colombianos foram vencedores comandados por Juan José Flores e Antonio José de Sucre, ambos venezuelanos.

Os dois lados foram afetados após a batalha em que as vidas de homens ilustres que lutaram pela independência americana foram perdidas.

Finalmente, o conflito foi concluído com a assinatura do tratado de Girón, que estabeleceu vários pontos entre os quais os exércitos peruanos deixariam Quito e Guayaquil em um curto período de tempo.

No Portete de Tarqui, onde ocorreu a batalha, lia-se uma placa que dizia: “O exército peruano de oito mil soldados que invadiram a terra de seus libertadores foi derrotado por quatro mil bravos colombianos em 27 de fevereiro de mil e dezoito vinte e nove “.

Isso foi considerado uma ofensa por José de La Mar, que solicitou sua remoção, apesar de não ter êxito.

Retorno ao Peru

Ao retornar a Piura, onde as tropas remanescentes do exército peruano se encontraram, La Mar ordenou que os desertores fossem perdoados e que se apresentassem perante as autoridades.

As notícias de sua derrota deram lugar a centenas de calúnias que se espalharam por Lima. O presidente peruano foi chamado de inepto e fraco, para desleal em todos os lugares.

Golpe de Estado

Em 7 de junho de 1829, houve uma revolta. Os militares cercaram a casa de José de La Mar e pretendiam que ele renunciasse, o que ele recusou. Ele foi então forçado a se dirigir a Paita.

Alegou-se que essa intervenção militar ocorreu porque o Congresso deveria ter se reunido um ano antes; Além disso, o fato de La Mar não ter nascido em território peruano e os boatos de que sua participação no conflito com a Colômbia era por interesses pessoais foram acrescentados.

Essas ações foram orientadas pela mão do general Agustín Gamarra, responsável por cumprir o tratado de Girón à risca.

Ao chegar a Paita, José de La Mar embarcou na escuna Mercedes, juntamente com Pedro Bermúdez, chefe militar. O tratamento que lhe foi oferecido não foi justo, considerando o que La Mar havia dado ao Peru, uma vez que ele nem sequer recebeu as provisões necessárias para sua viagem à América Central.

Banimento

José de La Mar chegou a Punta de Arenas, na Costa Rica, em 24 de junho de 1829. De lá, mudou-se para a capital, San José, onde foi bem recebido e o presidente pediu que fosse tratado como um herói, porque considerava que era isso que a menos que eles merecessem suas glórias passadas.

Relacionado:  A corrente libertadora do norte e as principais batalhas

Mas sua saúde já diminuída continuou a se deteriorar rapidamente. Não lhe faltava desconforto para colaborar com sua decadência, como a dúvida de suas realizações militares por conta de sua última batalha ou a expulsão do país pelo qual abandonou tudo.

Ele se mudou para Cartago, depois tentou se casar com sua sobrinha Angela Elizalde com um poder, mas eles não puderam se encontrar, já que ele morreu antes da chegada da jovem.

Sua primeira esposa, Josefa Rocafuerte, morreu por volta de 1826, deixando La Mar viúvo e sem filhos.

Morte

José de La Mar morreu em 11 de outubro de 1830. Foi enterrado na cidade de Cartago, onde foi sua última residência.

Quatro anos após sua morte, o presidente peruano Luis José Orbegoso propôs ao Congresso solicitar o repatriamento dos restos mortais de José de La Mar.

No entanto, foi somente em 1843 que, a pedido de sua amiga Francisca Otoya, ele foi levado de volta ao solo peruano. Três anos depois, Otoya entregou os restos mortais ao governo de seu país, mas estes também foram reivindicados pelo nativo Equador de José de La Mar.

Em 1847, os restos mortais de José de La Mar foram depositados em um mausoléu no cemitério geral de Lima.

Características de seu governo

Na primeira vez em que foi selecionado como presidente do Conselho Supremo do Governo do Peru, em 1822, ele teve a honra de ser o primeiro presidente eleito, mesmo que fosse um órgão colegiado que fizesse a escolha de sua pessoa para o cargo.

Então, após um fracasso militar, seu governo foi questionado e os militares decidiram que um triunvirato não era a melhor forma de governo. Por esse motivo, o Conselho foi dissolvido, o que considerou insuficiente e José de La Mar foi responsabilizado pela fraqueza dos espanhóis, já que ele estivera nesse lado no passado.

Mas José de La Mar conseguiu exercer o poder adequadamente quando foi eleito Presidente da República em 1827. Nessa ocasião, houve progresso no governo.

Havia um tipo de memória e relato em que a administração de La Mar expunha ao congresso as despesas incorridas pelo governo.

Além disso, foi promulgada a constituição de 1828, que deu lugar à construção de uma república mais moderna, que se afastou dos antigos costumes peninsulares. Esta Carta Magna foi muito mais abrangente e progressiva do que a de 1823.

Outro ponto importante foi a defesa de fronteira do Peru contra a Colômbia e a separação institucional com esta nação. Quando a ocupação da Bolívia ocorreu e ajudou a remover o domínio colombiano sobre o país vizinho, uma das frentes de ação militar que poderia ser usada contra o Peru também foi eliminada.

José de La Mar tentou estabelecer um estado sólido e independente. No entanto, as intrigas sempre o perseguiam e, como resultado, sua entrega ao Peru foi injustamente esmagada por algum tempo.

Referências

  1. In.wikipedia.org. (2019).José de la Mar . [online] Disponível em: en.wikipedia.org [Acessado em 23 de janeiro de 2019].
  2. Avilés Pino, E. (2019).La Mar y Cortazar Gral. José Domingo – Personagens Históricos | Enciclopédia do Equador . [online] Enciclopédia do Equador. Disponível em: encyclopediadelecuador.com [acessado em 23 de janeiro de 2019].
  3. Villarán, M. (1847).narrativa biográfica de Grand Marshal José do mar . Lima: Imprensa Eusebio Aranda.
  4. Pease G. Y, F. (1993).Peru, homem e história – Volume III . Lima: Edubanco.
  5. Pascual, E. (2007).A pequena Larousse ilustrada . Barcelona: Larousse, p.1501.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies